A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ROSANA APOLONIO REIS ANDRADE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROSANA APOLONIO REIS ANDRADE
DATA: 11/06/2021
HORA: 14:30
LOCAL: Sala Google Meet
TÍTULO: ACESSO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AOS CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS ESTADUAIS DE SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: Acesso aos serviços de saúde; Especialidades odontológicas; Odontologia para Pessoas com Deficiência
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

Introdução: Devido a alta prevalência de Pessoas com Deficiência (PcD) no Brasil, estes pacientes, considerados na odontologia como Pacientes com Necessidades Especiais (PNE) e epidemiologicamente classificados como grupo de alto risco para desenvolvimento de doenças bucais, foram incluídos no elenco de atendimento obrigatório ofertados nos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO). Esta pesquisa poderá contribuir para reavaliação da política pública de saúde bucal especializada implantada, possibilitando melhorias na qualidade da atenção ao cuidado em saúde bucal dos PNE. Objetivo: Avaliar o acesso das PcD atendidos pela Especialidade PNE nos CEO Estaduais de Sergipe. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, transversal em que foi realizada coleta de dados secundários dos anos de 2017 a 2019 dos 07 CEO Estaduais de Sergipe. Coletaram-se dados da Fundação Estadual de Saúde, do Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/SUS) e do Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde. Foram analisados dados referentes ao atendimento aos PNE: quantitativo de consultas agendadas, procedimentos realizados, absenteísmos, referenciamento por município, estrutura física, números de profissionais, carga horária disponível, vínculo e cumprimento de metas de acordo com os parâmetros do Ministério da Saúde. Para verificar os fatores associados ao não comparecimento dos PNE às consultas foi realizado análise de série temporal para avaliação da sazonalidade das faltas, onde para calcular a variação percentual mensal (VPM) das taxas das faltas, usou-se o Prais-Winsten de regressão. Para avaliação sobre os gestores, aplicou-se um questionário do tipo semiestruturado aos 70 gestores dos municípios que referenciam pacientes para os CEO Estaduais, a fim de verificar o perfil dos gestores, conhecimento e percepção sobre o funcionamento dos CEO, fluxos de referência/contrarreferêncais, disponibilização de transporte e sugestões de melhoria para o atendimento aos PNE. As análises foram realizadas de forma descritiva utilizando a ferramenta Microsoft Excel e a análise de série temporal utilizando o programa Stata, versão 17. Resultados: Os CEO Estaduais estão classificados como 06 CEO tipo II e 01 CEO tipo III. Proporcionalmente (faltas/consultas agendadas), o CEO localizado em N. Sra. da Glória apresentou os piores índices (50%) com tendência de crescimento das faltas. No ano de 2018, houve falta de profissionais para atendimento aos PNE em 57,15% dos CEO por mais de um mês. Os CEO de Laranjeiras e São Cristóvão não conseguiram produzir a meta mínima de procedimentos básicos estabelecida pelo MS. Em 100% dos CEO, os procedimentos restauradores ficaram abaixo da meta de 50% do total dos procedimentos realizados em PNE. Dos 70 municípios, 55 encaminharam menos de 1% dos pacientes agendados. Os maiores encaminhamentos foram dos municípios- sede onde os CEO estão localizados. Dos 70 gestores municipais, 58,57% responderam ao questionário, 97,56% referenciavam pacientes, porém 39,02% não souberam informar sobre as contrarreferências para as Unidades Básicas de Saúde, 19,51% não ofertavam transporte, 87,80% apontaram como melhorias para o atendimento nos CEO: ampliação do atendimento, ofertas por cota, reavaliação da territorialização, efetivação das referência/contrarreferência. Conclusão: Foram observadas dificuldades no acesso dos PNE aos CEO: localização dos serviços, ausência de profissionais, baixa carga horária, dificuldade com o transporte, baixo referenciamento, deficiência nos processos de referência/contrarreferência.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1964138 - CATIA MARIA JUSTO
Interno - 2016129 - FLAVIA PARDO SALATA NAHSAN
Presidente - 3006739 - REGIANE CRISTINA DO AMARAL

Notícia cadastrada em: 07/06/2021 16:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r18988-33b839e988