Notícias

Banca de DEFESA: PRISCILLA BISPO DE CARVALHO BARBOSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PRISCILLA BISPO DE CARVALHO BARBOSA
DATA: 26/02/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 04 da Didática II- Campus da Saúde
TÍTULO: PERCEPÇÃO DE LEIGOS E ODONTÓLOGOS QUANTO À ASSIMETRIAS SIMULADAS NO TERÇO INFERIOR DA FACE EM DIFERENTES ETNIAS
PALAVRAS-CHAVES: Assimetria Facial. Estética. Julgamento. Mandíbula. Percepção
PÁGINAS: 48
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

A mensuração da beleza facial é bastante subjetiva, portanto quando se pensa em restabelecer a harmonia facial e a função do sistema estomatognático, deve-se buscar conhecer as nuances das características individuais e étnicas de cada paciente, além de suas necessidades para a instituição de um adequado plano de tratamento. Assim, o objetivo principal da presente pesquisa foi comparar a percepção estética de leigos e cirurgiões-dentistas em relação a assimetrias faciais no terço inferior da face, em diferentes etnias. Para tanto, foram selecionadas três modelos femininas (branca, amarela e negra), nas quais foram realizadas alterações simuladas no terço inferior da face, unilateralmente, de dois em dois graus até atingir a alteração de oito graus. Ao final, foi obtido um total de15 imagens (cinco de cada modelo). Para avaliação dessas imagens, foi utilizada uma amostra composta por 60 indivíduos divididos igualmente entre ortodontistas, cirurgiões buco-maxilo-faciais e leigos. As imagens foram apresentadas, por meio de slides em Power Point, aos avaliadores que realizaram suas análises respondendo a um questionário que continha, em um primeiro momento, perguntas referentes ao grau de agradabilidade facial das imagens apresentadas (expresso por uma escala intervalar numérica de zero a dez) e à necessidade de intervenção das mesmas, posteriormente, perguntas relativas à qual seria a imagem mais e a menos agradável de uma mesma modelo. Foi utilizado o teste Kruskall Wallis para avaliar a existência de diferença estatística na percepção estética dos grupos de avaliadores quanto aos graus de alteração facial instituídos e em relação às etnias utilizadas na pesquisa (p<0.05) e o teste Mann-Whitney para verificar entre quais grupos ocorria tal diferença (p<0.05) e se existia a influência do gênero do avaliador em sua percepção das assimetrias faciais (p>0.05). De acordo com os testes estatísticos utilizados, foi verificado que ortodontistas e leigos apresentaram o mesmo nível de percepção quanto às alterações faciais até quatro graus de desvio (p>0.05), ortodontistas e cirurgiões buco-maxilo-faciais avaliaram de modo diferente as alterações faciais até quatro graus (p<0.01) e que leigos e cirurgiões buco-maxilo-faciais apresentaram olhares diferentes quanto à percepção das alterações faciais em todos os níveis de alteração (p<0.01). Quanto à verificação da diferença estatística entre as etnias avaliadas, foi observado que entre as etnias branca e amarela, apenas apresentou diferença em dois graus de alteração facial (p<0.01), entre as etnias branca e negra, houve diferença em zero, dois e quatro graus (p<0.05), e entre as etnias amarela e negra não houve diferença estatisticamente significante (p>0.05). Em relação ao gênero do avaliador, foi constatado que homens e mulheres apresentaram níveis de percepção semelhantes quanto às deformidades faciais promovidas (p>0.05). Foi possível concluir que os cirurgiões buco-maxilo-faciais foram mais hábeis em detectar as alterações faciais instituídas, sugerindo que a expertise do profissional promove um olhar diferenciado na percepção de assimetrias faciais, que as características étnicas de indivíduos que sofrem esse tipo de alteração facial possuem papel relevante na percepção da mesma e que o gênero do avaliador não exerceu influência na percepção das assimetrias faciais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2030378 - LUIZ RENATO PARANHOS
Interno - 1783432 - PAULO HENRIQUE LUIZ DE FREITAS
Externo ao Programa - 2926720 - CARLA PATRICIA HERNANDEZ ALVES RIBEIRO CESAR
Notícia cadastrada em: 12/02/2016 10:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10803-399c5c35c