Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: SARA JULIANA DE ABREU DE VASCONCELLOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SARA JULIANA DE ABREU DE VASCONCELLOS
DATA: 02/12/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 04, Didática II
TÍTULO: APLICAÇÃO TÓPICA DE ÁCIDO TRANEXÂMICO EM PACIENTES ANTICOAGULADOS SUBMETIDOS À CIRURGIA ORAL MENOR. REVISÃO SISTEMÁTICA E META-ANÁLISE
PALAVRAS-CHAVES: Ácido tranexâmico; Cirurgia bucal; Hemorragia; Hemostasia Cirúrgica.
PÁGINAS: 42
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

A terapia anticoagulante oral é amplamente utilizada para a prevenção primária de eventos tromboembólicos em indivíduos com fibrilação atrial e próteses valvares. O tratamento de pacientes anticoagulados que necessitam de procedimentos odontológicos cirúrgicos é variado e controverso devido à discussão sobre a possibilidade de hemorragia não controlada ou de complicações tromboembólicas. Atualmente, o ácido tranexâmico (ATX) administrado de forma intravenosa tem se mostrado eficaz no controle de sangramento em diversos tipos de cirurgias. Entretanto, até o momento, não há evidências sobre a eficácia e segurança do ATX tópico na redução de sangramento de pacientes anticoagulados submetidos a procedimentos cirúrgicos, incluindo as cirurgias orais de pequeno porte. O objetivo desta revisão sistemática com meta-análise é investigar a eficácia e a segurança do ATX tópico no controle do sangramento pós-operatório em pacientes anticoagulados submetidos à cirurgia oral menor. Uma busca sistemática no PubMed, SCOPUS, Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), OpenThesis e banco de dados internacional para ensaios clínicos (clinicaltrials.gov) até maio de 2015 foi realizada. Uma pesquisa na literatura-cinza foi feita através do Google Scholar. A revisão foi restrita a estudos publicados em versões de texto completo, sem restrição de idioma. Dois revisores de forma independente rastrearam os resultados da busca e identificaram os ensaios clínicos que compararam o uso de ATX tópico versus outro agente hemostático tópico, placebo ou a interrupção / redução da terapia anticoagulante antes da cirurgia. Os defechos pré-definidos incluiram o sangramento dentro da primeira semana de pós-operatório com necessidade de intervenção clínica e eventos tromboembólicos. O risco de viés foi avaliado de acordo com as diretrizes da Cochrane para os ensaios clínicos. O risco relativo (RR) foi calculado para avaliar o efeito da aplicação tópica de ATX no controle da hemorragia pós-operatória. Heterogeneidade estatística foi analisado pelo teste Q de Cochran e índice de I2. Para examinar o potencial viés de publicação, foi criado um funnel plot das estimativas individuais, em unidades logarítmicas, contra o erro padrão. Após triagem dos títulos e resumos, 21 artigos foram lidos na íntegra e 7 ensaios clínicos foram incluídos na meta-análise (totalizando 533 pacientes). O RR combinado para o número de pacientes que receberam ATX tópico em comparação com o grupo controle foi de 0,42 (95% IC 0,21 a 0,84; p = 0,01), indicando um efeito protetor do ATX sobre o sangramento após cirurgia oral menor. Uma moderada heterogeneidade entre os estudos foi observada (I2 = 26%), a qual desapareceu (I2 = 0%) após análise de subgrupo para as diferentes estratégias utilizadas nos grupos controle. A análise de subgrupos revelou que o ATX tópico foi eficaz na prevenção de sangramento pós-operatório em comparação ao placebo (RR = 0,09; IC de 95%: 0,02 a 0,48; p = 0,004) e ácido épsilon-aminocapróico (RR = 0,12, IC 95% 0,01 a 0,94; p = 0,04). No entanto, nenhuma diferença significativa foi observada nas outras análises. Não houve casos de eventos tromboembólicos em nenhum estudo, tanto no grupo do ATX quanto no controle, durante os primeiros sete dias de acompanhamento. Os dados disponíveis sugerem que a irrigação do sítio cirúrgico seguido por bochechos com ATX reduz o risco de sangramento, na primeira semana de pós-operatório, em cirurgia oral menor de pacientes anticoagulados. No entanto, ensaios clínicos adicionais devem ser realizados para comparar a eficácia do ATX em relação aos agentes hemostáticos absorvíveis.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JULIO LEONARDO OLIVEIRA LIMA
Externo ao Programa - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Presidente - 002.338.955-90 - THIAGO DE SANTANA SANTOS
Notícia cadastrada em: 16/11/2015 22:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10803-399c5c35c