Notícias

Banca de DEFESA: DANIELLE PRADO LEITE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIELLE PRADO LEITE
DATA: 26/08/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 4, Didática II, Hospital Universitário
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA INFLAMAÇÃO NO PROCESSO DE CARCINOGÊNESE ORAL
PALAVRAS-CHAVES: Carcinoma de células escamosas; inflamação; corticosteroide; citocinas.
PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

Introdução: O carcinoma de células escamosas orais (CCEO) é o tumor maligno mais comum da cavidade oral e pode se manifestar como uma úlcera, uma lesão exofítica ou um nódulo de consistência variável em qualquer parte da boca. É considerada uma das doenças mais fatais a nível mundial, devido ao seu diagnóstico tardio e a falta de disponibilidade de biomarcadores confiáveis. Objetivo: Analisar a influência da inflamação na carcinogênese oral. Material e Método: Foi realizado um estudo experimental em ratas Wistar subdividas em grupos controle (0, 1A e 1B), grupos submetidos à estímulo inflamatório (2A e 2B) e grupos submetidos à administração de corticosteroide (3A e 3B), em que os grupos 1A, 2A e 3A foram induzidos por 15 semanas e os grupos 1B, 2B e 3B por 33 semanas, através do pincelamento de 4NQO a 0,7% diluído em propilenoglicol na língua dos animais. Estudo macroscópico e análise histológica foram realizados para caracterização das lesões, além de ensaio imunoenzimático para avaliação das interleucinas 2 e 10 no desenvolvimento e progressão da carcinogênese. Resultado: A análise macroscópica revelou que lesões em estágios mais avançados foram encontradas somente em um animal do grupo 1A, um animal do grupo 1B e dois animais do grupo 2B. O escore médio de displasia epitelial foi de 30,3 (1A), 51,0 (1B), 29,8 (2A), 41,8 (2B), 30,8 (3A) e 34,0 (3B), com diferença estatística significante (p<0,05) entre os grupos 1A e 1B, 1B e 2B, 1B e 3A, 1B e 3B. Com relação às concentrações de IL-2 e IL-10, não foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os grupos (p>0,05), porém houve um aumento visível da IL-10 no grupo 1A, estágio inicial de transformação tumoral, o que pode servir como indicativo de transformação tumoral. Avaliando a IL-2 entre os grupos A e B (9 e 16 semanas de aplicação, respectivamente), notou-se uma diferença mais acentuada entre os grupos 2A e 2B (estímulo inflamatório), enquanto que, entre os grupos 3A e 3B (corticosteroide), a concentração permaneceu praticamente inalterada. Conclusão: Sugere-se que o estímulo inflamatório, antes do aparecimento da lesão clínica, não é suficiente para causar alteração histológica, mas o uso do corticosteroide parece interferir na progressão tumoral; é necessária a realização de novos estudos que possam avaliar as concentrações de IL-2 e IL-10 dentro das lesões potencialmente malignas/malignas em humanos, relacionando com os resultados encontrados no sangue periférico, a fim de desvendar o verdadeiro papel da IL-2 e IL-10 na iniciação e progressão da carcinogênese oral.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426457 - MARTA RABELLO PIVA
Interno - 3545451 - PAULO RICARDO SAQUETE MARTINS FILHO
Externo ao Programa - 1314285 - ROSILENE CALAZANS SOARES
Notícia cadastrada em: 11/08/2015 17:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10787-147c949b3