Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: VANESSA TAVARES DE GOIS SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANESSA TAVARES DE GOIS SANTOS
DATA: 18/12/2013
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 4 - Didática
TÍTULO: Análise da resistência à fratura entre pilares retos e anatômicos do sistema cone morse
PALAVRAS-CHAVES: Implantes dentários; Ciclos de atividade; Fraturas de estresse.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

Objetivo: Analisar a resistência à fratura por fadiga dos conjuntos implante/pilar, nos tipos reto e anatômico, submetidos a cargas cíclicas similares às mastigatórias. Material e métodos: Foram utilizados 32 implantes (3.75 x 11mm) com sistema cone morse e 32 pilares, divididos em dois grupos (n=16: pilar reto e anatômico, Neodent® Curitiba, Paraná, Brasil). Os conjuntos foram submetidos a testes cíclicos em equipamento servo-hidráulico, fixando-se o número de ciclos em 5 milhões, seguindo a normativa ISO 14801:2007. Foram avaliados número de ciclos, carga e momento de força das amostras. O Teste Exato de Fisher e o teste independente simples de Mann Whitney foram aplicados. Para caracterizar os tempos de sobrevivência das amostras em ensaio, foi utilizado o Teste Log-Rank. Resultados: Dos 26 pilares testados, 14 (53,8%) fraturaram em um número de ciclos abaixo dos 5 milhões estabelecidos, sendo que 8 (30,7%) pertenciam ao grupo dos pilares retos e 6 (23,1%) dos pilares anatômicos. De acordo com o Teste Exato de Fisher não houve diferença estatística entre os grupos (p=0,348). Em relação à carga (N) submetida durante o ensaio cíclico, os pilares retos precisaram de cargas maiores (média: 566N±59,84N) para a fratura em relação aos pilares anatômicos (média: 391,6N±52,69N). Além disso, os valores mínimos e máximos de carga ocorridos nas amostras fraturadas do grupo reto foram maiores em relação aos anatômicos. Quanto aos valores médios de momento de força (Nmm) apresentados pelos dois grupos, pilares retos (n=8) e anatômicos (n=6), o Teste de Mann Whitney constatou que apesar das variações de momento, os dois grupos de amostras fraturadas comportaram-se de maneira semelhante estatisticamente (p=0,181). Conclusão: Nos ensaios cíclicos de fadiga, os pilares retos sólidos obtiveram média de carga e de momento de força maior que os pilares anatômicos. Considerando a resistência à fadiga das amostras fraturadas, houve diferença significante na variável carga, com o pilar reto mostrando maior média; no entanto, quanto às variáveis ciclos e momento de força, os dois tipos de pilares (retos e anatômicos) comportaram-se mecanicamente de maneira semelhante.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1488964 - ADRIANO AUGUSTO MELO DE MENDONCA
Externo ao Programa - 358689 - SANDRO GRIZA
Externo ao Programa - 2021396 - WILTON MITSUNARI TAKESHITA
Notícia cadastrada em: 03/12/2013 11:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12182-3b7fa45029