Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALAN BRUNO SILVA VASCONCELOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALAN BRUNO SILVA VASCONCELOS
DATA: 23/01/2017
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: EFEITO FOTOBIOMODULADOR DA TERAPIA COM DIODO EMISSOR DE LUZ NA INFLAMAÇÃO MUSCULAR PÓS-EXERCÍCIO EM RATOS
PALAVRAS-CHAVES: Inflamação; Músculo Esquelético; Exercício Físico; Diodo Emissor de Luz; Fototerapia.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

Os efeitos biológicos obtidos a partir da aplicação de fontes de luz de baixa intensidade, como a terapia com diodo emissor de luz (LEDT), antes ou após a lesão muscular esquelética, sugerem a fototerapia como um método de obter efeitos ergogênicos e recuperativos. Porém, ensaios clínicos e modelos experimentais apresentam divergências no que diz respeito aos parâmetros a serem utilizados e diferentes efeitos dose-resposta. Nesse estudo buscou-se avaliar o efeito fotobiomodulador de um protocolo de LEDT (630 nm) na inflamação do músculo estriado esquelético induzida por exercício. Ratos Wistar foram divididos em três grupos experimentais (n=8/grupo): controle (CON), animais em repouso durante todo procedimento; recuperação passiva (RP), animais que não receberam tratamento após a indução da inflamação; LEDT (1,2 J, 4,2 J ou 10,0 J), animais tratados com fototerapia após indução da inflamação. A inflamação muscular esquelética foi induzida por protocolo de 100 minutos de nado. Após o exercício, os animais dos grupos LEDT foram expostos a fototerapia nas doses de 1,2 J, 4,2 J ou 10,0 J sobre os músculos tríceps sural (gastrocnêmios e sóleo). Após 24 horas do nado, amostras sanguíneas foram coletadas para análise da concentração de creatina quinase (CK). O músculo sóleo foi retirado para análise histológica. Para avaliação da hiperalgesia mecânica com o von Frey eletrônico, os animais foram submetidos a avaliação antes e 24 horas após procedimento de nado. Os dados foram expressos como média±E.P.M. Foi utilizado análise de variância seguido pelo Tukey post hoc. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Uso de Animais (Universidade Estadual de Londrina) sob nº 124/2014. No grupo RP houve um aumento (p<0,0001) da concentração plasmática de CK (2071±346 U/L) quando comparado ao grupo CON (683±103 U/L) e houve atenuação (p<0,001) da resposta nos grupos tratados com LEDT com doses de 1,2 J (379±71 U/L), 4,2 J (599±131 U/L) ou 10,0 J (544±86 U/L). Em relação à hiperalgesia, o grupo RP apresentou redução (p<0,05) no limiar de retirada da pata (-11,9±1,9 g) quando comparado ao grupo CON (2,2±1,5 g) e apenas o grupo LEDT 4,2 J (-3,3±2,4 g) alterou esse limiar (p<0,05) quando comparado ao grupo RP. Na análise histológica, foi observada infiltração de neutrófilos no músculo do grupo RP, além de áreas edemaciadas e necrosadas. Porém, menor infiltração foi observada nos animais tratados com as doses de 4,2 e 10,0 J. Esses resultados sugerem que a LEDT (630 nm) reduz a lesão inflamatória nas fibras musculares após exercício, com melhor efeito para a dose de 4,2 J.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2307221 - DANILO LUSTRINO BORGES
Externo ao Programa - 2034694 - KARINA LAURENTI SATO
Presidente - 2068856 - RENATA GRESPAN
Notícia cadastrada em: 06/01/2017 15:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10803-399c5c35c