A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: MATHEUS MARIANO DA SILVA REIS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MATHEUS MARIANO DA SILVA REIS
DATA: 03/02/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Miniauditório do P²CEM
TÍTULO: ESTUDO DE FRAGILIZAÇÃO E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE ARAMES UTILIZADOS EM ARMADURA DE TRAÇÃO DE CABOS UMBILICAIS SOLDADOS DE TOPO POR RESISTÊNCIA E POR FRICÇÃO
PALAVRAS-CHAVES: Umbilical; Armadura de tração; Soldagem; Fragilização.
PÁGINAS: 84
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia de Materiais e Metalúrgica
RESUMO:

O cabo umbilical é um equipamento do sistema de produção marinha da indústria
de petróleo e gás
offshore, responsável pela operação remota de equipamentos,
monitorando parâmetros de temperatura e pressão dos poços. Na parte externa do cabo
está a armadura de tração composta por um conjunto de arames. Estes arames são de
alto carbono fabricados pelo processo de trefilação e soldados durante a montagem do
equipamento. O processo de soldagem pode ocasionar defeitos internos e alterações
microestruturais que fragilizam o arame e além disso, a fragilização pode ocorrer
durante a vida útil do arame a partir do contato com agentes agressivos como CO
2 e
sulfeto de hidrogênio (H
2S). A soldagem de topo por resistência é uma técnica que,
aliada ao alto teor de carbono do arame, pode promover formação de martensita,
microestrutura que junto aos defeitos microestruturais torna-se susceptível ao
aprisionamento do átomo de hidrogênio fragilizando a região. Em contraponto, estudos
apontam que o tratamento térmico de revenimento pós-soldagem melhora a ductilidade
e tenacidade da solda. Além disso, a técnica de soldagem por fricção torna-se uma
alternativa para a não formação de martensita na junta soldada. Sendo assim, este
estudo analisou arames soldados de topo por resistência revenidos em máquina de
solda e revenidos em forno, bem como arames soldados por fricção, submetendo-os ao
ensaio de fragilização por hidrogênio. Os arames revenidos na máquina apresentaram
fratura frágil durante o ensaio, enquanto os arames revenidos ao forno resistiram ao
tempo total de teste determinado, embora apresentaram perda de resistência mecânica
devido ao revenimento. Os arames soldados por fricção, por sua vez, resistiram ao
ensaio de fragilização e exibiram resistência mecânica superior aos arames revenidos
no forno.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 358689 - SANDRO GRIZA
Externo à Instituição - THIAGO FIGUEIREDO AZEVEDO
Interno - 2653918 - WILTON WALTER BATISTA

Notícia cadastrada em: 17/01/2023 15:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19181-717445561f