A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ESTELA DOS SANTOS MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ESTELA DOS SANTOS MEDEIROS
DATA: 25/08/2023
HORA: 14:30
LOCAL: DIDATICA VII, SALA 408A
TÍTULO: Coinfecção entre malária e arboviroses no município de Oiapoque, estado do Amapá
PALAVRAS-CHAVES: Doenças Transmitidas por Vetores. Plasmodium. Arboviroses
PÁGINAS: 72
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

As doenças transmitidas por mosquitos estão entre os maiores problemas de saúde no mundo, representando cerca de 17% entre todas as doenças infectocontagiosas. Dentre estas, a malária e as arboviroses são frequentes nas regiões tropicais e subtropicais. O risco de contrair essas doenças aumenta quando uma população está inserida em uma área endêmica para ambos os patógenos. Por serem doenças transmitidas por vetores e possuírem uma grande similaridade na apresentação clínica, sujeita a possibilidade de subnotificação, o que pode levar ao agravamento da condição no caso de uma pessoa coinfectada. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo descrever o perfil de coinfecção de malária por Plasmodium vivax e arboviroses no município de Oiapoque, estado do Amapá, área endêmica da Amazônia brasileira. Para tanto, realizou-se uma revisão sistemática, a fim de descrever o cenário mundial da coinfecção malária e arboviroses, e conduzida uma avaliação da circulação dos vírus da dengue, zika e chikungunya em residentes do município de Oiapoque, estado do Amapá. Foram seguidas as orientações PRISMA, para a busca de artigos em bases de dados: Pubmed, Science Direct, SciELO e Google acadêmico. Os estudos foram selecionados a partir dos critérios de elegibilidade adotados (e.g.: artigos completos, apenas realizados em humanos, que descrevesse as características sobre frequência de coinfecção). O risco de viés dos artigos foi avaliado pela lista de verificação crítica do Instituto Joanna Briggs. A avaliação da circulação dos vírus e frequência da coinfecção foi avaliada por meio de testes rápidos para soropositividade de imunoglobulinas IgM/IgG e pesquisa de antígeno NS1 de dengue em amostras positivas e negativas para P. vivax. Um total de 85,485 estudos foram identificados relatando a coinfecção entre malária e arboviroses, após aplicação dos critérios de elegibilidade apenas 56 foram utilizados para a confecção da revisão sistemática. A ocorrência simultânea de malária e arboviroses foi descrita em sua maioria na Ásia (57,14%), África (25,00%), América do Sul (14,30%) e na região da Europa (3,56%). Dentre as 300 amostras utilizadas na avaliação de anticorpos IgM, 4 (1,33%) amostras foram positivas para o vírus da dengue, 8 (2,67%) para vírus chikungunya e 1 (0,33%) para o vírus zika. Com relação a IgG, a positividade foi de 234(78%) para o vírus dengue e 147(49%) para vírus chikungunya. A positividade do antígeno NS1 para dengue foi de 8 (2,67%) amostras.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - LILIAN ROSE PRATT-RICCIO
Presidente - 728.858.587-53 - RICARDO LUIZ DANTAS MACHADO
Interno - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 14/08/2023 16:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r18980-7ea6722953