A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: IANE BRITO LEAL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IANE BRITO LEAL
DATA: 20/12/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Reuniões do SergipeTec, São Cristóvão/SE
TÍTULO: Fatores de risco e análise espacial da infecção por Schistosoma mansoni em escolares de área endêmica no estado de Sergipe, Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Análise espacial; Esquistossomose mansoni; Epidemiologia
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

A Esquistossomose Mansoni é uma doença parasitária transmissível, crônica e grave, cujo agente patogênico é o Schistossoma mansoni. Trata-se de uma das doenças parasitárias mais prevalentes no mundo. No Brasil, representa um grave problema de saúde pública, principalmente no Nordeste do país, onde a doença é historicamente endêmica. Sergipe é um dos estados com maior prevalência com a taxa média positiva superior à média nacional. Este estudo objetivou analisar os fatores de risco e o padrão espacial da Esquistossomose Mansoni em escolares de área endêmica do estado de Sergipe, Brasil. Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo e de corte transversal com técnicas de análise espacial. A pesquisa foi realizada em quatro momentos: a) sensibilização da comunidade e participantes da pesquisa em três escolas; b) coletas das amostras de fezes e urina; c) localização espacial nos domicílios dos participantes da pesquisa com auxílio de um receptor para localização das coordenadas geográficas; d) aplicação de questionário para levantamento dos fatores de risco socioeconômicos, comportamentais, ambientais e de contato com as águas associados à ocorrência e transmissão da doença. Na análise dos dados descritivos foi utilizado o programa Microsoft Excel 2007. A análise espacial da distribuição da infecção no município foi realizada através dos programas GPS TrackMaker e QGIS 2.18.16 utilizando o estimador de intensidade Kernel. A análise estatística foi realizada através dos Teste Qui-Quadrado e razão de prevalência. Foram identificados 73 casos através o método Kato-Katz (KK) e 100 casos com método do Antígeno Catódico Circulante (POC-CCA) no ano em estudo. Constatou-se que o percentual de positividade para Esquistossomose Mansoni foi de 23,7% (KK) e 32,46% (POC-CCA); em relação ao sexo dos sujeitos infectados pelo S. mansoni prevaleceu o sexo masculino e a faixa etária mais acometida foi de 6 a 10 anos de idade, em ambos os métodos. Prevaleceu a infecção leve com 65,8%, segundo a carga parasitária, nas três escolas. Dessas, uma escola apresentou infecção alta com 12,7%. Os indivíduos sob o maior risco para adoecer de esquistossomose são aqueles que residem em casa própria, em área rural, próximo aos mananciais, com suas residências acumulando água no quintal no verão e inverno, com poço artesiano, em ruas não asfaltadas, onde os indivíduos pisam em águas da rua no verão e inverno, que tem constante contato com águas e do sexo masculino. A análise espacial aponta a existência de três grandes aglomerados, um na zona urbana e dois na zona rural, e a visualização de áreas de maior concentração de casos expostos a diferentes graus de risco. Os resultados da pesquisa permitem conhecer melhor a realidade da doença, e assim, facilitar a compreensão da distribuição espacial da Esquistossomose Mansoni.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Interno - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 29/11/2018 12:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - dragao3.dragao3 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a