A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA DENISE SANTANA DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA DENISE SANTANA DE OLIVEIRA
DATA: 30/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Farmácia
TÍTULO: A Vigilância Epidemiológica e a Esquistossomose no estado de Sergipe.
PALAVRAS-CHAVES: Esquistossomose mansoni; Epidemiologia; Vigilância.
PÁGINAS: 30
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Protozoologia de Parasitos
ESPECIALIDADE: Protozoologia Parasitária Humana
RESUMO:

A esquistossomose mansônica é uma endemia bastante difundida no território brasileiro, principalmente nos estados do Nordeste, estando Sergipe como um dos estados de maior prevalência. É uma doença infecto-parasitária causada pelo helminto trematoda do gênero Schistosoma, tendo como hospedeiro intermediário o molusco do gênero Biomphalaria. A variedade dos fatores que envolvem a transmissão e permanência da esquistossomose em uma determinada área tornando difícil todas as ações preconizadas pelo Programa de Controle da Esquistossomose implantado pelo Ministério da Saúde, em que há o intuito de associar ações de erradicação, controle e prevenção desta parasitose em regiões endêmicas. O presente trabalho tem como proposta, fazer uma análise da dinâmica do Sistema de Vigilância Epidemiológica, na esfera estadual e municipal no estado de Sergipe, tendo como base os conceitos atuais de vigilância em saúde e o papel conferido aos estados e municípios, por meio da Portaria do Ministério da Saúde, nº. 1.399 de 15 de dezembro de 1999, tendo a esquistossomose mansônica como referência. Para esta análise, serão utilizados dados secundários dos municípios endêmicos para esquistossomose, obtidos através dos Sistemas de Informação: SINAN, SIM e SISPCE, do período compreendido entre 2013 e 2017, como também a aplicação de questionários estruturados entre profissionais lotados nos setores de Vigilância Epidemiológica dos municípios endêmicos com a finalidade de observar o contexto, estrutura e processo. A análise dos dados categóricos será feita por meio da estatística descritiva, utilizando o programa Microsoft Office Excel versão 2010, testes do Qui Quadrado, Exato de Fisher, teste t-Student e de Mann-Whitney, tendo como nível de significância adotado em todos os testes de hipótese 5%. Como resultados preliminares, o estado de Sergipe apresenta uma prevalência de 10% e 51 municípios considerados endêmicos. No período compreendido no estudo, foram registrados 104 óbitos sendo 15 (2013), 19 (2014), 17 (2015), 31 (2016) e 22 (2017).


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2584652 - ANDREA FERREIRA SOARES
Interno - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS
Presidente - 1039375 - VERA LUCIA CORREIA FEITOSA

Notícia cadastrada em: 08/08/2018 14:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a