A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: EDCLÉCIA NASCIMENTO SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDCLÉCIA NASCIMENTO SANTOS
DATA: 25/08/2017
HORA: 10:00
LOCAL: Mini-auditório do CCBS/UFS
TÍTULO: Bacillus thuringiensis NATIVAS DO SOLO E CARACTERIZAÇÃO DAS CEPAS POR SEQUENCIAMENTO E BIOENSAOIO
PALAVRAS-CHAVES: Bt; isolamento; δ-endotoxinas, proteínas Cry; bioensaio; protozoário; Acanthamoeba castellanii
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Microbiologia
SUBÁREA: Microbiologia Aplicada
ESPECIALIDADE: Microbiologia Industrial e de Fermentação
RESUMO:

Bacillus thuringiensis (Bt) é uma bactéria Gram- positiva patogênica e formadora de esporos comumente encontrada em diferentes habitats, como o solo, plantas, insetos mortos e sedimentos marinhos. O Bt é produtora de diversos tipos de metabólitos secundários, tendo como os principais cristais de proteínas δ-endotoxinas, produzidas durante a esporulação. Essas proteínas são denominadas cristais de proteínas inseticidas (ICPs) distribuídas em duas famílias: Cry e Cyt. As proteínas Cry são codificadas por uma grande variedade de sequências genéticas, apresentando também toxicidade para uma ampla gama de organismos invertebrados e células humanas cancerígenas. Sendo assim, a Bt é amplamente utilizada como bioinseticida e também foi usada como controle biológico de insetos de importância médica. Os protozoários representam um dos grupos- alvo das toxinas Cry, porém com estudos escassos. A Acanthamoeba castellanii é uma ameba de vida livre potencialmente patogênica, ocasionando sérios problemas de saúde como a ceratite amebiana e a meningoencefalite amebiana granulomatosa de difícil diagnóstico e sem medicamentos específicos. Com isso, este projeto teve como objetivo isolar cepas de Bt do solo e caracterizar as toxinas Cry codificadas por elas através de sequenciamento e bioensaio sobre A. castellanii. Para isso foram coletadas 15 amostras de solo de diferentes origens, e tratadas utilizando o método de enriquecimento para bactérias Gram- positivas e esporulantes. Foram selecionadas um total de 170 isolados a partir das características morfológicas das colônias e crescidas em meio líquido para a preparação das lâminas. Os esfregaços foram corados pelo Gram e azul brilhante de coomassie (CBB) para a identificação de bacilos Gram positivos e visualização dos esporos e proteínas, respectivamente. Após a análise das cepas de melhor crescimento com maior esporulação e presença de proteínas, foi feita uma exclusão dos isolados com semelhanças morfológicas. Foram selecionados 76 estirpes para a realização do bioensaio e sequenciamento de segunda geração. A padronização da técnica para o bioensaio está em andamento, o qual será realizado utilizando a proteína da Bt purificada sobre A. castellanii.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 00.000.000/0000-00 - SONA ARUN JAIN
Interno - 2208516 - ROBERTA PEREIRA MIRANDA FERNANDES
Externo ao Programa - 1070197 - CRISTIANE BANI CORREA

Notícia cadastrada em: 03/08/2017 18:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817