A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JONHNATAS SOUZA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JONHNATAS SOUZA DA SILVA
DATA: 30/07/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do PRODEMA
TÍTULO: MONITORAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM ÁREA PERIURBANA DO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS, SERGIPE, NORDESTE DO BRASIL
PALAVRAS-CHAVES: Esquistossomose mansoni; análise espacial; Biomphalaria glabrata
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

Introdução: A existência de canais de drenagem de águas pluviais, o contato e uso indevido dessas águas para a disseminação da esquistossomose tornou-se uma preocupação constante e um grave problema de saúde pública mundial. O objetivo do presente estudo foi monitorar os casos humanos da esquistosso­mose e criadouros de caramujos do gênero Biomphalaria através da análise espacial na comunidade da “Invasão do Canal do Guaxinim”, no município de Barra dos Coqueiros, Estado de Sergipe, nos anos de 2013 e 2014. Métodos: Foi realizado um estudo epidemiológico e transversal através de levantamentos parasitológico e malacológico. Para verificar a distribuição espacial foi realizada análise de padrões pontuais, por meio do estimador de intensidade de Kernel, sendo as análises realizadas pelo software TerraView, versão 4.2.0. Resultados: Constatou-se uma redução na prevalência de esquistossomose de 8,08% (2013) para 4,86 (2014); prevaleceu a infecção leve e em adolescente e/ou adultos jovens nos dois anos do estudo. Na investigação malacológica foram coletados 387 exemplares de caramujos do gênero Biomphalaria glabrata, sendo todos negativos para a infecção pelo S. mansoni. A análise espacial apontou uma forte tendência espacial para maior risco de transmissão da Esquistossomose ao norte e sul (2013) e apenas ao norte (2014) da localidade. Conclusões: Apesar dos inquéritos evidenciarem a redução na ocorrência da esquistossomose, ainda se desconhecem medidas preventivas eficientes para eliminação desse agravo na região estudada. As técnicas de análise espacial empregadas se configuram como uma importante ferramenta metodológica para o monitoramento e controle dessa doença parasitária.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Interno - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Externo ao Programa - 1787754 - LUCIENE BARBOSA

Notícia cadastrada em: 15/07/2015 14:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817