A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: VANESSA RAMOS DE FARIA SEA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANESSA RAMOS DE FARIA SEA
DATA: 31/05/2013
HORA: 08:30
LOCAL: Departamento de Patologia - Hospital Universitário
TÍTULO:

Subnotificação do vírus da dengue durante a circulação do sorotipo tipo 4 em Sergipe utilizando teste Platelia Dengue NS1 Ag


PALAVRAS-CHAVES:

Platelia, dengue e NS1.


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

A dengue é considerada a mais importante das arboviroses que afeta o ser humano, sendo transmitida principalmente pelo mosquito  Aedes aegypti e possui quatro sorotipos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. No Brasil a doença é amplamente distribuída e, desde 2010,  há registros da circulação dos quatro sorotipos no país. Com a dificuldade da confirmação dos casos apenas pela sintomatologia apresentada na fase aguda da doença, a proteína não-estrutural 1 (NS1) do vírus da dengue tem atuado como um marcador para um diagnóstico laboratorial logo no início dos sintomas. Contudo a sensibilidade desses testes tem sido questionada, principalmente em regiões com sucessivas epidemias da doença. Este estudo teve como objetivo avaliar a ocorrência do vírus da dengue, bem como identificar os sorotipos e os genótipos circulantes em amostras clínicas de soro ou sangue de pacientes sintomáticos inicialmente testados pelo Platelia Dengue NS1 Ag utilizado no Protocolo NS1 do Ministério da Saúde em Sergipe. Para tanto, foi utilizada a técnica de RT-Semi-Nested-PCR para detecção e identificação dos sorotipos da Dengue e sequenciamento genético para identificação dos genótipos virais. Os dados epidemiológicos contidos na Ficha de Investigação de Dengue (SINAN) também foram considerados. O estudo contou com 326 amostras disponibilizadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública Parreiras Horta (LACEN/SE), coletadas de setembro de 2011 à setembro de 2012. Dessas, a maioria era do sexo feminino, de cor parda, com nível médio completo e tinham entre 19 e 35 anos de idade. Os meses de março, fevereiro e janeiro de 2012 corresponderam aos meses de maior notificação com coletas realizadas na maioria das vezes no 2º  ou 3º dias do início da doença. Os principais sintomas relatados foram febre, cefaleia, mialgia e dor retroorbital. Das 326 amostras 69 foram positivas para o teste NS1 Ag, enquanto a RT-PCR obteve 114 amostras positivas para dengue, com 113 pelo DENV-4 e 01 pelo DENV-1. O teste molecular encontrou 76 amostras positivas para dengue nas amostras negativas ou indeterminadas pelo NS1 Ag. A sensibilidade do teste Platelia dengue NS1 Ag, quando comparada a RT-PCR, foi de 34,9%. O genótipo II foi encontrado em todas as amostras sequenciadas. Esses resultados sugerem baixa sensibilidade do teste Platelia dengue NS1 Ag para DENV-4 na região. Dessa forma, o ensaio atual não deve ser utilizado isoladamente na população brasileira devido à exposição desta a surtos sequenciais de dengue,podendo tal fato ter elevado o número de falso-negativos encontrados nesse estudo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS
Externo ao Programa - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Externo à Instituição - ANA CECILIA RIBEIRO CRUZ

Notícia cadastrada em: 14/05/2013 16:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817