Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2018
Descrição
  • JESICA BATISTA DE SOUZA
  • Triagem antioxidante, antibacteriana, larvicida e citotóxica de amostras semi-purificadas das folhas de Eplingiella fruticosa Salzm. ex. Benth
  • Orientador : CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
  • Data: 13/11/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As plantas medicinais produzem metabólitos secundários com funções de defesa e sobrevivência em seu habitat, sendo úteis ao homem como terapêuticos. A Eplingiella fruticosa (Lamiaceae) ou alecrim do vaqueiro tem amplo uso pela população no combate a febres, bronquites, dores, infecções, dentre outros; possui também descrição de atividades antimicrobiana, antioxidante, larvicida, por exemplo. O isolamento ou semi-purificação de compostos de uma amostra amplia as chances de encontrar fitoconstituintes bioativos, os quais podem estar em baixas concentrações no extrato. Nesse sentido, o extrato clorofórmico (EC) das folhas de E. fruticosa foi semipurificado por meio de cromatografia flesh e cromatografia liquida clássica, obtendo-se 29 semi-isolados, os quais foram investigados quando ao potencial antioxidante, antimicrobiano, larvicida e citotóxico. A prospecção fitoquímica do EC revelou a presença de flavonoides, saponinas e xantonas. A atividade antioxidante frente ao 2,2 difenil-1-picril hidrazila demonstrou uma atividade muito ativa na subfração metanólica (SM) com concentração efetiva (CE50) < 50 µg.mL-1 e pouco ativa no EC e Grupo 23 (G23) CE50 > 100 µg.mL-1. Nessas amostras e o Grupo 11 (G11) o teor de fenólicos totais (FT), flavonoides totais (FLT) e flavonois totais (FLAVT) foram quantificados por métodos espectrométricos. Todas apresentaram teor de FT acima de 100 mg.g -1 de amostra e foram estatisticamente semelhantes entre si, conquanto os valores de FLT e FLAVT destacaram-se no EC. A SM a 500 µg.mL-1, no teste de macrodiluição em caldo, mostrou-se ativa contra o crescimento de S. aureus, contudo, no teste de difusão em disco, nenhuma amostra (1mg.mL-1) inibiu o crescimento bacteriano. Os ensaios utilizando larvas de 3º estágio do Aedes aegypti revelaram três subfrações com efeitos larvicida: o Grupo18 (G18) apresentou concentração letal (CL50) de 371 e 253 ppm, a subfração clorofórmica (SC) apresentou CL50 de 815 e 752 ppm, em 24 e 48h, respectivamente. E a SM após 48h, apresentou CL50 de 93 ± 4,4, sugerindo ação de efeito prolongado. No ensaio de Brometo de 3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-2,5-difeniltetrazólio, o EC, o SC, a subfração acetato de etila e a SM, nas concentrações de 1,56 a 25 µg.mL-1, não diminuíram a viabilidade das células do endotélio humano EA.hy926 quando comparados aos seus respectivos controles.

  • FABIOLLA ROCHA SANTOS PASSOS
  • Efeito antinociceptivo do acetato de hecogenina complexado à B-ciclodextrina em modelos de dor inflamatória crônica e neuropática
  • Orientador : JULLYANA DE SOUZA SIQUEIRA QUINTANS
  • Data: 21/09/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dor neuropática se desenvolve diante de uma lesão no sistema somatossensorial, afetando a qualidade de vida do seu portador. Diante da ineficácia da farmacoterapia atual, as substâncias obtidas de produtos naturais são uma alternativa promissora. Neste sentido, tem-se o acetato de hecogenina (AH), uma sapogenina esteroidal com atividade anticâncer e antinociceptiva relatadas na literatura. Contudo, o AH tem baixa solubilidade em água, o que afeta a sua biodisponibilidade. Por isso, é viável a sua inclusão em β-ciclodextrina, resultando em efeitos superiores também relatados na literatura. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antinociceptiva do acetato de hecogenina puro e complexado (AH/CD) em modelo animal de dor inflamatória crônica e neuropática. Inicialmente, foi preparado o complexo de inclusão na razão molar 1:2 (AH:CD) pelo método de liofilização. Todos os protocolos experimentais foram aprovados previamente pelo comitê de ética (CEPA/UFS 08/2018) e foram realizados com a utilização de camundongos Swiss machos. Os animais foram divididos nos grupos (n=8) sham (não submetidos à indução álgica e tratados com água v.o.), veículo (tratados com água v.o.), e grupos tratados v.o. com AH 20 mg/kg e AH/CD 20 mg/kg. Para a indução da dor inflamatória crônica, os animais receberam uma injeção intraplantar de CFA (adjuvante completo de Freund), e foram avaliados quanto à hiperalgesia mecânica e quanto aos níveis de mieloperoxidase (MPO) na pele da pata ao fim dos oito dias de tratamento. AH e AH/CD reduziram a hiperalgesia mecânica em relação ao grupo veículo até a quarta e quinta hora, respectivamente, na avaliação aguda, com efeito superior da forma complexada sobre a forma pura (p<0,001). Na avaliação crônica, AH e AH/CD reduziram a hiperalgesia em relação ao veículo nos oito dias de tratamento (p<0,001). Ambas as formas pura (p<0,01) e complexada (p<0,001) reduziram a atividade da mieloperoxidase na pele da pata dos animais. Grupos de animais sujeitos ao mesmo protocolo farmacológico foram submetidos ao modelo de lesão parcial do nervo ciático (LPNC) e avaliados quanto à hiperalgesia mecânica, térmica e alodinia ao frio. AH e AH/CD reduziram a hiperalgesia mecânica até a quarta e sexta hora, respetivamente, com efeito superior da forma complexada (p<0,01), e ambas reduziram a hiperalgesia em relação ao veículo na avaliação crônica (p<0,001). AH e AH/CD também reduziram a hiperalgesia térmica, com efeito superior da AH/CD (p<0,01), e alodinia ao frio (p< 0,05 e p<0,001, respectivamente). E a análise da medula destes animais demonstrou diminuição nos níveis das citocinas inflamatórias TNF-α, IL-1β e IL-6, além da diminuição da expressão microglial (através do Iba-1) em relação ao grupo veículo. Além disso, AH e AH/CD reduziram a nocicepção aguda induzida pela injeção intraplantar de glutamato (p<0,001), e AH/CD reduziu a nocicepção induzida por injeção intraplantar de agonista TRPA1 (p<0,01) e TRPM8 (p<0,05). E o tratamento por oito dias com AH e AH/CD não demonstrou sinais de lesão gástrica e hepática. Diante do exposto, AH e AH/CD tem efeito antinociceptivo em modelos de dor crônica, provavelmente por inibição da migração leucocitária, interação com o sistema glutamatérgico e receptores TRPA1 e TRPM8, além da redução de citocinas pró-inflamatórias e expressão microglial. Por isso, AH/CD tem grande potencial para utilização no tratamento da dor crônica.

  • ERIC AIAN PEREIRA DA SILVA
  • Efeito hipotensor do farnesol puro e complexado em beta-ciclodextrina em modelo de hipertensão arterial
  • Orientador : ANDRÉ SALES BARRETO
  • Data: 30/07/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Não se aplica

    Motivo:Banca fechada

    Produto em processo de pedido para registro de patente no cintec ufs para ser enviado ao INPI – InstitutoNacional de Propriedade Intelectual

SIGAA | Núcleo de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2018 - UFRN - bicudo.ufs.br.bicudo1 v3.5.16 -r5459-956447cae