A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2022
Descrição
  • TAMMIRES LORENA COSTA SANTANA
  • Pré-tratamento de biomassa lignocelulósica de indústria sucroenergética para obtenção de bioprodutos.
  • Orientador : DENISE SANTOS RUZENE
  • Data: 26/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil está entre os maiores produtores de cana-de-açúcar do mundo, sua produção é dividida entre processamento para açúcar e etanol. Devido à alta quantidade de produção, são gerados altos índices de resíduos sólidos como o bagaço, biomassa lignocelulósica, que podem ser reaproveitados para obtenção de bioprodutos. Para promover essa conversão é necessário que seja feito o preparo da amostra por intermédio de processos denominados pré-tratamentos. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo avaliar possibilidades de aplicação de pré-tratamentos para separação das frações lignocelulósicas do bagaço de cana-de-acucar para obtenção de bioprodutos. Para isso, foi feito uma avaliação bibliométrica com intuito de analisar as tendências em publicações sobre o uso de pré-tratamento químico em resíduos de cana-de-açúcar. Além disso, aplicação de um questionário foi realizado perante especialistas com vistas a viabilização do uso de pré-tratamento alternativos em bagaço de cana-de-açúcar. Os resultados apresentam tendências de inovação em etapas de pré-tratamento no bagaço visando maior aplicabilidade, bem como possibilidade de interesse pelas implementações destas técnicas, destacando as principais necessidades dentro da temática.

  • LUANA DAYSE DE JESUS SANTOS
  • Obtenção de lipase microbiana a partir de sementes de moringa
  • Orientador : LUCIANA CRISTINA LINS DE AQUINO SANTANA
  • Data: 23/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Moringa oleifera é uma planta que vem sendo bastante estudada devido a sua grandemultiplicidade de uso seja pela agricultura, indústria, medicina ou como fonte nutricional. As sementesde moringa possuem significativo teor de lipídeos, demonstrando potencial para serem utilizadas comosubstrato em processos fermentativos que visem a produção de lipase microbiana. Neste contexto, oobjetivo deste trabalho foi desenvolver um processo biotecnológico para a obtenção de lipase deAspergillus niger através da fermentação em estado sólido de sementes de moringa. Foram realizadasfermentações variando-se a umidade inicial da farinha de sementes de moringa entre 30 e 80%. O extratobruto enzimático foi parcialmente purificado e avaliou-se o efeito do pH (entre 2,0 e 11,0) e temperatura(entre 30 e 55°), estabilidade em pH e em temperatura na atividade enzimática, também os parâmetroscinéticos da enzima foram determinados. A máxima produção de lipase foi obtida quando utilizandofarinha contendo 70% ou 80% de umidade inicial em 96 h de fermentação (cerca de 14,0 U/g). A enzimademonstrou maior atividade relativa em pH 7,0 e temperatura de 30°C. Em relação a estabilidade nospHs 6, 7 e 10 e nas temperaturas 30, 40 e 45°C obteve-se queda na atividade enzimática após 5 min deincubação. Os valores de Km = 1,26 mM e Vmáx = 0,0187 mM/min, indicaram afinidade pelo substratoe baixa velocidade de reação. Os resultados demonstraram que as sementes de moringa possuempotencial para a produção de lipase microbiana, no entanto são necessários estudos futuros para aotimização do processo.

  • ELAINE CARVALHO SANTANA
  • SUBSTÂNCIAS FITOQUÍMICAS PARA O CONTROLE DAS LARVAS DO Aedes aegypti: UMA REVISÃO DE ESCOPO
  • Orientador : MARCELO CAVALCANTE DUARTE
  • Data: 22/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus transmitido pela fêmea acometida do mosquito Aedes aegypti, não tem tratamento específico, é considerada um problema de saúde pública e tem um grande potencial geográfico, principalmente em regiões tropicais e subtropicais. Sendo assim, são necessárias estratégias eficientes, de baixo impacto ambiental e sanitário para combater as larvas deste vetor. Diante disto, o objetivo do presente estudo é mapear as substâncias fitoquímicas promissoras para o controle das larvas do Aedes aegypti. Para alcançar este objetivo foi realizada uma scoping review seguindo as etapas metodológicas preconizadas pelo The Joanna Briggs Institute (JBI) e as recomendações dos itens da lista de verificação do PRISMA Extension for Scoping Reviews (PRISMA-ScR). A pergunta que orientou os procedimentos adotados foi construída pelo acrônimo PCC (População, Conceito e Contexto). Os artigos em inglês, português e espanhol utilizados para responder a pergunta de pesquisa foram selecionados nas bases de dados: Web of Science, PubMed/MEDLINE, Lilacs/BVS, Scopus e SciELO, no período de 2012 a 2022. O protocolo desta pesquisa está registrado no Open Science Framework (OSF), sob doi: https://10.17605/OSF.IO/Y9PUW. Os artigos recuperados na busca foram transferidos para o programa Rayyan® QRCI (Qatar Computing Research Institute) onde foram removidas as duplicidades e realizada a análise dos títulos e resumos quanto aos critérios de elegibilidade. A busca recuperou 533 artigos publicados entre 2012 e abril de 2022, destes apenas 226 foram considerados artigos elegíveis. Com essa pesquisa foi possível abordar as classes de compostos fitoquímicos eficazes no controle do Aedes aegypti e a apresentação do mecanismo de ação destes larvicidas. Espera-se com este artigo fornecer subsídios para a escolha da melhor substância de origem natural para controle efetivo deste mosquito que causa doenças de extrema preocupação para a saúde pública.

  • SÂMEA ELAINE SANTOS MACIEL
  • Estudo de Técnicas para Determinação da Atividade Antioxidante do Açafrão-da-terra (Curcuma longa L.)
  • Orientador : ACACIA MARIA DOS SANTOS MELO
  • Data: 29/07/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Curcuma longa L. (açafrão-da-terra), é uma espécie de planta originária do continente asiático, muito utilizada para fins culinários, industriais e terapêuticos. Este ultimo atribui-se às suas propriedades anti-inflamatórias e, principalmente, antioxidante presentes nos rizomas da planta. Assim, o objetivo deste trabalho foi determinar a atividade antioxidante do extrato do açafrão-da-terra através de métodos convencionais (DPPH, FRAP, ABTS) e inovadores (VC e VPD). Para isso, foi primeiramente avaliado a composição centesimal dos rizomas de açafrão-da-terra que em ordem decrescente de apresentaram (%): umidade, carboidratos, cinzas, proteínas e lipídios. Também foi quantificado o teor de fenólicos totais (FT) e flavonóides totais (FVT). O ensaio DPPH ABTS e FRAP mostrou que quanto maior a concentração dos extratos maior foi o potencial antioxidante, onde o extrato hidroalcoólico da Curcuma longa L. apresentou melhor atividade antioxidante quando comparado ao extrato aquoso. Dentre as frações avaliadas para potencializar a AA, a fase acetato de etila apresentou maior atividade seguida da fase clorofórmica e hexânica. Nas técnicas eletroquímicas foi avaliada fatores como pH, velocidade de varredurra, concentração e estabilidade para otimizar os parâmetros voltamétricos. As técnicas voltamétricas VC e VPD do extrato da Curcuma longa L., apresentou semelhança com a (+) curcumina. As feições e comportamentos eletroquímicos do extrato e da CUR, inferem o envolvimento da curcumina com a atividade redox da Curcuma longa L.. Diante disso, a planta se mostra de bastante importância para fins nutricionais e fitoterápicos.

  • FERNANDA COSTA MENEZES
  • Avaliação da atividade antimicrobiana do extrato hidroetanolíco da planta Schinopsis brasiliensis sobre a amostra padrão de Staphylococcus aureus
  • Orientador : ALEXANDRE LUNA CANDIDO
  • Data: 22/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Há vários tipos de infecções que acometem tanto o homem como os animais, causadas pelo Staphylococcusaureus. Na maioria dos casos, o diagnóstico é clínico e o tratamento, via de regra, baseado no antibiograma. No entanto, aexistência de cepas cada vez mais resistentes aos antibióticos comumente utilizados tem representado um importante desafioao tratamento. Por esta razão, o uso de plantas medicinais e fitoterápicos têm sido avaliados como alternativa. As infecçõespor estas bactérias resistentes geralmente causam maior morbidade, tanto nos seres humanos quanto em animais domésticos, epodem também representar um potencial risco à contaminação e propagação desses microrganismos, consequentementeelevando-se os custos dos tratamentos e a mortalidade. Os fitoterápicos oferecem um índice de toxidade menor e menosefeitos adversos que os antibióticos tradicionais. Por esta razão, o presente trabalho foi proposto para avaliar o uso de umaplanta medicinal como terapêutica alternativa no tratamento destas afecções, avaliando a sua eficácia contra cepas resistentesde S. aureus. Foi realizado um estudo descritivo, analítico e prospectivo que avaliou o efeito do extrato de Schinopsisbrasiliensis em cepas padrão de S. aureus ATCC25923, isoladas da bacterioteca de laboratórios colaboradores. As amostrasreativadas foram analisadas quanto a sensibilidade ao extrato, a concentração inibitória mínima (CIM) e a toxicidade, naperspectiva do desenvolvimento de novo fármaco, que pudesse ter uma grande relevância social, tanto do ponto de vista dasaúde humana e animal, quanto da saúde pública em geral. Observou-se atividade antimicrobiana do extrato etanólico de S.brasiliensis sobre a cepa padrão em estudo, com grau de sensibilidade intermediária, com baixa toxicidade, presumindo-se queessa planta possa ser utilizada como uma alternativa terapêutica, associada ou não a outros fármacos, no combate a infecçõesmultirresistentes aos esquemas antibióticos comuns. Esta pesquisa propiciou, ainda, o aumento do conhecimento sobre aplanta S. brasiliensis, incluindo seus princípios ativos e principais efeitos fitoquímicos, além de aprofundarmos oconhecimento sobre a bactéria S. aureus, os principais tipos de infecções causadas por ela, potencial resistência aosantibióticos comuns, e a busca de soluções alternativas e menos onerosas para o seu tratamento.

  • GEORGIA ROCHA FALCÃO
  • AVALIAÇÃO DA AÇÃO ANTI-MICROBIANA DO EXTRATO DA ENTRECASCA DA Schinopsis brasiliensis EM AMOSTRA DE Pseudomonas aeruginosa
  • Orientador : ALEXANDRE LUNA CANDIDO
  • Data: 22/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A multirresistência bacteriana é um problema enfrentado pelas autoridades em saúdepublica em todo o mundo, visando o controle da proliferação de doenças que sãoconsideradas potencialmente perigosas. Assim, os extratos de diversas plantas medicinais têmsido estudados cada vez mais e introduzidas como possíveis substitutos dos antimicrobianosfrente às linhagens multirresistentes de Pseudomonas aeruginosa que tem emergido e seampliado ao longo dos anos. O objetivo deste estudo foi de avaliar a ação antimicrobiana doextrato da entrecasca da planta Shinopsis brasiliensis, encontrada no bioma Caatinga frente aamostra de P. aeruginosa(ATCC 27853). Foi testado o extrato da Schinopsis brasilienses aosteste de susceptibilidade microbiana pelo método de Difusão em ágar Mueller-Hinton,conforme Bauer et al., (1996). A amostra da P. aeruginosa que apresentar resultado positivono teste qualitativo é encaminhada para a determinação da Concentração Inibitória Mínima(MIC). Para a avaliação da atividade antimicrobiana foi realizada utilizando o teste de difusãoem ágar, proposto por Bauer et al., (1996) cuja análise é qualitativa, foram realizadas culturasovernight de microrganismos mantidas em meio Brian Heart Infusion (BHI) suplementado comágar (8 g.L-1) em estufa bacteriológica na temperatura de 37ºC ±1. As culturas dePseuodomonas aeruginosa e Escherichia coli foram semeadas com auxílio de swab estéril emplacas de Petri contendo 4mm de ágar Muller-Hinton (pH 7.2-7.4), previamente solidificado esemeado usando alça de Drigalsky. Posteriormente, discos de papel filtro embebidos com20µL de cada amostra vegetal, na concentração de 100 mg/mL-1, foram depositados nasuperfície do meio de cultura inoculado com os microrganismos. Como controle negativo foramutilizados todos os reagentes em uso para diluição das amostras, enquanto para o controlepositivo foi utilizado o fármaco antimicrobiano Gentamicina (20 mg.mL-1) devido a suaatividade conhecida para cepas padrão ATCC. Após incubação, decorridas 24h, foramrealizadas as medidas dos halos de inibição: a P. aeruginosa (diâmetro do halo de 14mm ±1,0)e a E. coli (diâmetro do halo de 14mm ±0,5), significando que as duas bactérias são sensíveisao extrato. Com esse resultado, faz - se a determinação do MIC, que foi realizada em triplicatae feita para cada microrganismo no extrato da S. brasiliensis que apresentou atividadeantimicrobiana. Utilizou-se o método de microdiluição em caldo proposto pelo NationalCommittee for Clinical Laboratory Standards (NCCLS), permitindo assim a visualização

  • LAYANE MONIQUE SOUZA TELES
  • Avaliação in vitro da atividade leishmanicida do carvacrol complexado à β-ciclodextrina.
  • Orientador : WAGNER WELBER ARRAIS DA SILVA
  • Data: 21/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As Leishmanioses são um complexo de manifestações clínicas causadas por protozoários dogênero Leishmania spp. A infecção no hospedeiro vertebrado ocorre através da inoculação da formainfectante durante o repasto sanguíneo da fêmea do vetor incriminado, o flebotomíneo. Com relevância eocorrência mundial, essa importante zoonose acomete mais de 1 bilhão de pessoas e suas manifestaçõespodem ser classificadas em Leishmaniose Visceral (LV) ou Leishmaniose Tegumentar Americana(LTA). Alguns sinais e sintomas podem observados pelos portadores dessas doenças, como úlceras,lesões dérmicas e viscerais, além de febres e anemia. Identificação de áreas prioritárias, utilização deinseticidas e tratamentos da população infectada são exemplos de medidas de controle e prevençãodessas parasitoses. Células do sistema fagocítico mononuclear, os macrófagos, internalizam o parasita e,por meio de estratégias imunológicas, como modulação de óxido nítrico, tentam conter o avanço dainfecção provocando a morte do patógeno. Esse mecanismo de defesa nem sempre é eficaz e por isso anecessidade de uso de medicamentos no tratamento dessas parasitoses. A terapia comumente utilizada éatravés de fármacos como o Antimonial N-metilglucamina, Anfotericina B e Pentamidinas. Contudo,essas drogas apresentam contraindicações, alta toxicidade e elevado custo e por isso, há uma necessidadedesenvolvimento de novas alternativas terapêuticas, como por exemplo, uso de metais e semimetais ecompostos derivados dos vegetais. Os óleos essenciais de plantas são alternativas promissoras paraformulação de quimioterápicos. O carvacrol é um monoterpeno fenólico encontrado em óleos essenciaisde diversas espécies de vegetais e pesquisas anteriores apontaram esse derivado com potencial atividadeleishmanicida. Entretanto, o uso de compostos oleosos apresenta algumas limitações e por isso hánecessidade complexação destes com sistemas carreadores, como por exemplo, a Ciclodextrina, quemelhora as características do fármaco e reduz a toxicidade. Considerando a interação do óleo e o
    carreador, o presente trabalho avaliou a atividade leishmanicida do carvacrol complexado à β-ciclodextrina em macrófagos infectados com L. amazonensis.

  • ROSALIN SANTANA BARRETO
  • Tabebuia rosea: uma revisão sistemática de suas propriedades farmacológicas e uso na medicina tradicional
  • Orientador : ALEXANDRE LUNA CANDIDO
  • Data: 18/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A T. rosea é uma planta nativa do sul do México, América Central e parte da América Latina, e é usada tradicionalmente no tratamento de picadas de cobra, úlceras, câncer, diabetes e afecções da pele. Os extratos obtidos de diferentes partes dessa planta têm evidenciado variadas atividades farmacológicas na literatura. Esta revisão sistemática objetivou descrever e estruturar as principais ações farmacológicas e o seu uso na medicina tradicional através de busca nos bancos de dados PubMed, Scopus, Science Direct, Scielo e Lilacs, utilizando as palavras-chave ‘Tabebuia’; ‘Plant Extracts’ e ‘Medicine Traditional. Foram totalizados 234 documentos científicos, dos quais 9 artigos atenderam aos critérios de inclusão estabelecidos. Os resultados mostraram que extratos obtidos de T. rosea apresentaram atividades farmacológicas tais como anti-hemorrágica, antiofídica, ansiolítica e antiúlcera, além disso, ficou evidenciada a presença de atividade anti-inflamatória por inibição do óxido nítrico, prostaglandina 2 e TNF‑α, e uma potente atividade antioxidante semelhante a quercetina, associado a diminuição dos níveis de Nrf2 (fator eritróide nuclear 2) no citoplasma e aumento no núcleo, assim como, aumento na expressão de NQO1 (NADPH quinona oxidoredutase). Também foi evidenciada atividade antiproliferativa em diferentes linhagens de células tumorais e ausência de atividade antifúngica. O uso tradicional, além dos já conhecidos, foi evidenciado em disfunções ginecológicas, respiratórias, hepáticas e em crises epilépticas. A utilização recorrente da T. rosea nas pesquisas em países da América Latina dá crédito à importância dos estudos. Sendo assim, a continuidade das pesquisas de suas propriedades, bem como a descoberta de novas atividades é de suma importância como estratégia inovadora na prevenção e tratamento de várias doenças.

  • EVERTON SILVA MOTA
  • Análise estrutural comparativa e prospecção in silico de compostos potencialmente inibitórios para a oncoproteína E6 de papilomavírus humano de alto risco
  • Orientador : MARCUS VINICIUS DE ARAGAO BATISTA
  • Data: 31/01/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os papilomavírus humanos (HPVs) pertencem à família Papillomaviridae e estão divididos em HPVs dealto risco (hrHPVs), que estão normalmente associados aos cânceres genital e oral, e os de baixo risco (lrHPVs)que estão normalmente associados aos papilomas. A capacidade destes vírus causarem câncer está associada,entre outros fatores, à sua oncoproteína denominada E6, que tem a capacidade de interagir com proteínasassociadas com o controle do ciclo celular do hospedeiro. Embora alguns estudos tenham indicados potenciaiscompostos para inibidores para E6, seus objetos de estudos eram majoritariamente os tipos virais 16 e 18, nãosendo observada a diversidade de outros tipos de alto risco que também infectam a população. Desta forma, oobjetivo deste estudo foi realizar uma prospecção computacional de fármacos com potencial ação inibitória daoncoproteína E6 dos HPVs de alto risco, avaliando a diversidade estrutural destas proteínas. Para alcançar taisobjetivos foram realizadas modelagens das proteínas E6 de 12 (doze) hrHPVs, comparação e validação dosmodelos e a ancoragem molecular entre tais macromoléculas e ligantes disponibilizados em bancos de dados.Como resultados parciais, este estudo gerou 12 modelos de E6 para os tipos de hrHPVs estudados, além dacomparação e determinação de resíduos que compõem o bolso hidrofóbico destas proteínas. Outro resultadoobtido neste estudo foi a triagem virtual partindo de 2509 fármacos aprovados pela FDA para 44 fármacos queinteragem com o bolso hidrofóbico dos hrHPVs, destes 44 fármacos, 5 interagem especificamente com resíduosimportantes nas interações com o hospedeiro, sugerindo que tais fármacos possam atuar como inibidores destasoncoproteínas. O que se conclui do estudo até o momento, é que resíduos importantes para as interações nobolso, tais como: Val 31, Leu 50, Val 53, Val 62, Leu 67, Tyr 70, Leu 100, Arg 102 e Arg 131, são conservados nosHPVs e mesmo em caso de substituição, os aminoácidos que os substituem muitas vezes apresentampropriedades similares, o que pode favorecer na manutenção da função proteica. Os compostos: Ergotamina,Ivermectina, Conivaptan, Nelfinavir e Saquinavir apresentaram interações com resíduos cruciais em E6,tornando-se candidatos potenciais para a reposição destes fármacos. Em etapas futuras dinâmicas molecularesserão realizadas para avaliar qual destas 5 drogas poderia de fato ser reposicionada para o uso contra HPV.

  • LUCAS ALEXANDRE BARBOSA DE OLIVEIRA SANTOS
  • Triagem virtual de fármacos visando o bloqueio da oncoproteína E6 do papilomavírus bovino1
  • Orientador : MARCUS VINICIUS DE ARAGAO BATISTA
  • Data: 28/01/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da família de vírus oncogênicos Papillomaviridae possuir representantes que infectam cerca de 90 espécies de vertebrados, os estudos visando o planejamento racional de fármacos contra estes vírus se restringem aos genótipos que infectam humanos. Desconsiderando os HPVs, o papilomavírus bovino tipo 1 é o genótipo mais estudado. Além de sua importância como modelo, o BPV1 se destaca devido a sua ocorrência em rebanhos do mundo inteiro, seu potencial de ocasionar câncer no gado infectado e sua capacidade de infectar hospedeiros de espécies distintas, característica incomum na família. Considerando a relevância deste genótipo e a inexistência de terapias efetivas contra papilomavírus animais, este trabalho visou identificar fármacos candidatos a inibidores da oncoproteína E6 do BPV1. Para isso, foram executadas triagens virtuais baseadas em docking molecular, tendo a E6 como alvo. A biblioteca de moléculas utilizadas corresponde a 7173 estereoisômeros de medicamentos aprovados para uso humano ou veterinário. Após os cálculos de docking, pelo programa Autodock Vina, foram identificadas as 1500 substâncias com maiores afinidades em relação a E6. A fim de realizar análises mais detalhadas, foram selecionados os 10 fármacos mais bem ranqueados. A energia de ligação predita destes complexos variou de -9,5 a -10,2 kcal/mol, enquanto o número de ligações hidrogênio foi de 1 a 5. Utilizando este subconjunto investigou-se parâmetros de drogabilidade e toxicidade. Somado a isso, foram feitas caracterizações das principais interações que contribuem para a formação destes 10 complexos. Tais análises indicam que, de forma geral, estas 10 moléculas apresentam boa afinidade em relação a E6, interagem com resíduos relevantes da proteína e atendem aos critérios ADMET estabelecidos. Na etapa seguinte, foram selecionados os 3 fármacos com maiores afinidades para a execução de simulações de dinâmica molecular de 100ns, objetivando avaliar a estabilidade, comportamento e interações dos complexos preditos no docking. Os resultados indicam que 2 destes medicamentos formam complexos estáveis e permanecem no sítio alvo ao longo de toda simulação. O que indicam que eles podem ser inibidores da E6 promissores. Estas duas moléculas podem ser consideradas um ponto de partida para estudos futuros que busquem estratégias de tratamento contra o papilomavírus bovino. Por fim, ressalta-se que por se tratar de medicamentos aprovados para uso em outras condições, é esperado que o processo de desenvolvimento de novas terapias baseadas neles seja acelerado.

  • ADRIANA DE OLIVEIRA FERNANDES
  • Identificação de grupos farmacofóricos em flavonoides com potencial antimalárico e triagem virtual através de QSAR
  • Orientador : TIAGO BRANQUINHO OLIVEIRA
  • Data: 24/01/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A malária é uma doença infecciosa causada por até cinco espécies de protozoáriosparasitas do gênero Plasmodium, sendo o Plasmodium falciparum o principal agente da manifestaçãosevera da doença e é classificada pela Organização Mundial da Saúde como uma doençanegligenciada. Apesar de existir um rol variado de medicamentos para o tratamento da malária, osprincipais fármacos de primeira linha apresentam efeitos adversos consideráveis, além de váriasnotificações de resistência pelo parasito. Isto pode estar associado ao fato de que várias dessassubstâncias são de origem sintética ou mista, o que tem levado à busca por produtos naturais comoalternativas menos custosas para evitar a resistência. Entre eles, a classe dos flavonoides é atrativadevido à sua diversidade de atividades biológicas, que vão desde anti-inflamatória até antiparasítica.Ainda assim, pouco se sabe sobre as características estruturais dos flavonoides que promovem essa

    atividade e como é seu mecanismo de ação. Nos últimos anos a quimioinformática tem avançado na

    tentativa de elucidar a relação entre a estrutura e a atividade de biomoléculas, fazendo uso extensivo

    de algoritmos de aprendizado de máquina. Apesar de já existirem modelos robustos de previsão de

    atividade antimalárica, nenhum é específico para flavonoides. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é

    identificar as características estruturais que favorecem a atividade antimalárica de flavonoides,

    desenvolver modelos de previsão computacional acurados para o descobrimento de novas substâncias

    ativas e elucidar seu mecanismo de ação. Para isto, foram criados dois bancos de dados com as

    estruturas químicas e atividades de flavonoides para cepas e enzimas de P. falciparum. As estruturas

    foram caracterizadas quanto às suas cadeias laterais e submetidas a uma árvore de decisão para

    averiguar qual aspecto é mais importante para a bioatividade. Depois, foram calculados e reduzidos os

    descritores moleculares que serviram de variáveis para a construção dos modelos preditivos classificatórios e de regressão. Foram desenvolvidos cinco modelos classificatórios e cinco de

    regressão, tendo sido escolhidos um de cada tipo para cada um dos bancos. Os melhores modelos

    obtidos para o banco de cepas foram o perceptron multicamadas classificatório e a máquina de vetores

    de suporte de regressão, com acurácia e R2

    de 92.85% e 0.65 para o conjunto de teste,

    respectivamente. Para o banco de enzimas foram selecionados o k-ésimo vizinho mais próximo e a

    máquina de vetores de suporte de regressão, com acurácia e R2

    de 92.8% e 0.92 para o conjunto de

    teste, respectivamente. Estes bancos foram utilizados para realizar uma triagem virtual na busca por

    novos flavonoides ativos frente a P. falciparum, e será realizada uma ancoragem molecular para avaliar

    a ligação entre as estruturas e proteínas das principais vias metabólicas do parasito. Embora os

    valores de R2

    para os algoritmos de regressão para o banco de cepas não tenham ultrapassado 0.65,

    todos os modelos classificatórios apresentaram acurácia acima de 75%, que é considerado adequado

    pela literatura. Logo, este estudo apresenta originalidade na construção de modelos preditivos

    específicos para flavonoides antimaláricos e ainda visa comprovar seu mecanismo metabólico por

    meio de ensaios computacionais, poupando tempo e recursos.

  • AMANDA SILVA SANTOS
  • Prospecção fitoquímica e atividade biológica de Croton heliotropiifolius Kunth vinculada ao tratamento de Erisipela e hipercromia pós-inflamatória
  • Orientador : CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
  • Data: 19/01/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A erisipela é uma piodermite muito presente na prática clínica, caracterizadapela infecção superficial da derme com a presença de eritema e edema bem delimitado, ocasionadapela colonização de Streptococcus do grupo A. O seu tratamento é feito com administração deantibióticos orais e injetáveis, como penicilina e amoxicilina, além de pomadas antimicrobianas, aexemplo do ácido fusídico. Porém, o uso indiscriminado e a falta de efeito cicatrizante dessesagentes antimicrobianos, aumentam as chances de reincidência como consequência da resistênciaao tratamento e das portas de entrada existentes. Esse tipo de infecção bacteriana ocasiona oaparecimento de hipercromia pós-inflamatória, levando ao desenvolvimento de máculas e/oumelanodermias, cujo tratamento enfrenta problemas pelo desencadeamento de dermatite atópica.Plantas medicinais vêm sendo utilizadas como possível fonte de novas terapias, devido à riqueza deseus metabólitos secundários. Sendo assim Croton Heliotropiifolius, conhecida por ser utilizada notratamento de infecções e de feridas se mostra uma possível fonte de compostos interessantes paracontribuição no tratamento desta doença, em virtude da sua complexa composição. Objetivo:Devido a isto, o presente trabalho objetivou analisar a constituição fitoquímica, a atividadeantimicrobiana, antioxidante e citotóxica do extrato hidroalcóolico de folhas e casca/entrecasca deC. heliotropiifolius. Metodologia: Para isso, a atividade antibacteriana dos extratos foi analisadafrente a cinco bactérias com o uso das técnicas de difusão em ágar e microdiluição em caldo. Para aanálise da atividade antioxidante foi empregado o ensaio de eliminação de radicais livres de DPPH(2,2-difenil-1-picril-hidrazil), e do teor do conteúdo de compostos fenólicos totais estimados com acurva padrão de ácido gálico, quercetina, rutina e catequina. No sentido de investigar a açãocitotóxica foi utilizado o método MTT (brometo de 3-(4,5 dimetiltiazol-2-il) -2,5difeniltetrazólio emlinhagens de fibroblastos L929. Sua composição química foi determinada através da metodologiade prospecção fitoquímica proposta por Matos (2006), e por cromatografia de camada delgada.Resultados: Estão sob sigilo pois estão voltados para um pedido de patente.

2021
Descrição
  • CLARA VIRGINIA MARQUES SANTOS
  • Desenvolvimento e Inovação na Obtenção de Biossurfactante por uso de Resíduo de Fruta
  • Orientador : DANIEL PEREIRA DA SILVA
  • Data: 02/12/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Em processo de patente.

  • CHRISLAYNE GONÇALVES FARIAS FIGUEIRÊDO
  • Avaliação in vitro do efeito antibacteriano do extrato etanólico da própolis vermelha na prevenção da doença periodontal em cães.
  • Orientador : MARCUS VINICIUS DE ARAGAO BATISTA
  • Data: 23/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A placa dental ou bacteriana (PB) é um biofilme estrutural e funcionalmente organizado presentenas superfícies dos dentes dos cães, que se forma de maneira ordenada e possui uma composiçãomicrobiana diversificada. As bactérias presentes na PB são potenciais patógenos periodontais quando háum desequilíbrio das condições orais normais e são precursoras da doença de maior prevalência emorbidade em cães que é a doença periodontal (DP). Com o intuito de buscar novas alternativasterapêuticas de controle da placa bacteriana, o objetivo desse estudo foi avaliar a atividade antibacterianado extrato etanólico da própolis vermelha (EEPV) sobre isolados de bactérias da placa dental inicial emcães, in vitro, para prevenção de DP. A própolis vermelha foi coletada em apiário no município de BrejoGrande (Sergipe-Brasil) e foi extraída através de técnica de ultrassom. Os isolados bacterianos foramcoletados em 60 superfícies supragengivais dentais (seis sítios por animal) de 10 cães domiciliados. Aotodo, 53 isolados distintos foram cultivados e identificados utilizando a técnica de PCR para amplificaçãode parte do gene 16S do rDNA e os fragmentos amplificados foram sequenciados. As sequências foramcomparadas com as depositadas nos bancos de sequências nucleotídicas do NCBI. Como resultado foramidentificadas 29 amostras representadas por Staphylococcus sp., Bacillus sp. e Pseudomonas sp. com (27,59%), Enterobacter sp. (10,34%) e Acinetobacter sp. (6,89%). A extração da própolis vermelha teve um rendimento médio de 21,11% ± 170, o teor de flavonoides totais foi de 55,54 µg EAG/mg e o teor de fenóis totais foi de 209,10 µg EQuer / mg de extrato. A caracterização química do EEPV realizado por cromatografia liquida de alta eficiência (CLAE) demonstrou a presença de formononetina, biochanina A, liquiritigenina e daidzeína como constituintes majoritários. O efeito citotóxico, a concentração inibitória mínima (CIM) e bactericida mínima (CBM) estão sob sigilo e os resultados estão voltados para a produção de uma patente

  • VANESSA MARISA MIRANDA MENEZES
  • Avaliação de resíduos sucroalcooleiros como biofertilizantes
  • Orientador : DANIEL PEREIRA DA SILVA
  • Data: 12/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A crescente preocupação com o tratamento de rejeitos, devido à fiscalização ambiental e conscientização social, vem levando o setor industrial a investigar novas possibilidades para seu descarte. Uma opção bastante difundida e com resultados relativamente favoráveis é o uso desses resíduos como biofertilizantes na agricultura. O presente trabalho consistiu na avaliação da fertilidade do solo e atividade microbiana em solos contendo adubo químico, torta de filtro, vinhaça e solo sem aditivos. Aplicou-se então o teste de Scott-Knott para análise de variância com os dados de cada coleta, além de análise composta, com a média de todas as coletas para cada tratamento. Todos os resultados obtidos indicam o potencial que os biofertilizantes possuem na capacidade de aumento da fertilidade do solo, sendo esta uma possível solução para amenizar a quantidade de rejeitos emanados pela indústria sucroalcooleira..

  • KARINA OLIVEIRA MOTA
  • CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA, ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E EFEITOS CONTRÁTEIS E ELÉTRICOS EM CORAÇÃO DE RATO da Syzygium cumini (L.) Skeels
  • Orientador : BRANCILENE SANTOS DE ARAUJO
  • Data: 05/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As plantas são as principais fontes de energia nas teias alimentares. Além de possuírem importantes metabólitos primários, como lipídios, carboidratos e aminoácidos, as plantas superiores também sintetizam uma ampla variedade de metabólitos secundários. Esses metabólitos são responsáveis por várias atividades biológicas e, devido a isso, o ser humano faz uso de plantas desde o início da civilização, principalmente como agentes terapêuticos. Estima-se que cerca de 30% dos medicamentos são derivados de plantas e 80% da população humana é amplamente dependente de fontes vegetais para o tratamento de doenças comuns. Recentemente, a demanda e a importância das plantas medicinais estão aumentando dia a dia devido à sua ampla aceitação mundial. Devido a isso, a busca por substâncias de origem vegetal tem aumentado cada vez mais e doenças relacionadas a microrganismos e problemas cardíacos têm grande relevância neste contexto. Syzygiumcumini (L.) Skeels, conhecida popularmente como jamelão, jambolão ou ameixa preta, é uma árvore de grande porte que pertence à família Mirtaceae e é amplamente distribuída pela Ásia, Sul da Austrália e da América. É possível encontrar em toda a planta compostos como ácido gálico, glicosídeo cianidina, glicosídeo jambolina, triterpenóides, taninos, galitaninos, sesquiterpenos, miricetina, β-sitosterol e álcool mirílico. Esses compostos são responsáveis por importantes atividades biológicas, tais como anticoagulantes e antiplaquetárias, antiinflamatória, antioxidante, antidiabética, cardioprotetora, hepatoprotetora, antidiarreica, gastoprotetora, anticâncer e antimicrobiana. Neste trabalho, foi realizada uma caracterização química do extrato e frações de S. cumini (L.) Skeels e também foram avaliados a atividade antimicrobiana e os efeitos contráteis e elétricos em coração isolado de rato. Para caracterização, utilizaram-se métodos de prospecção fitoquímica quantitativos e qualitativos. A atividade antimicrobiana foi avaliada utilizando o método de difusão em disco e de concentração inibitória mínima. Os efeitos contráteis e elétricos foram testados utilizando o método de Langendorf. Os resultados evidenciaram a presença de catequinas, esteróides, flavononas, flavononóis, flavonas e flavonóis, leucocianidinas, taninos flabobênicos e xantonas. O conteúdo fenólico total foi determinado para a fração acetato de etila das folhas de S. cumini (L.) Skeels, sendo calculado a partir da curva de calibração (R2 = 0,9966), foi de 21,556 ± 1,095 equivalentes de ácido gálico/µg, o conteúdo total de flavonóides (R2 = 0,9998) foi de 617,222 ± 39,869 equivalentes de quercetina/µg, e o conteúdo de flavonóis totais (R2 = 0,9966) foi de 315,222 ± 25,720 equivalentes de rutina/µg. Em relação à atividade antimicrobiana, a fração acetato de etila mostrou-se promissora, apresentando uma concentração inibitória mínima (CIM) de 0,25 mg/mL frente a Staphyloccocus aureus e Pseudomonasaeruginosa. Para a Klebsiellapneumoniae e Escherichia coli, observou-se uma CIM de 0,5 mg/mL. A fração acetato de etila diminuiu a força cardíaca de forma de maneira dependente da dose. Em relação aos parâmetros eletrocardiográficos, não houve alteração. Conclui-se que a fração acetato de etila é promissora nos aspectos testados e estudos mais detalhados devem ser realizados para identificação das substâncias que possuem atividade biológica e elucidação os mecanismos de ação envolvidos nessas atividades biológicas.

2020
Descrição
  • ANDRESSA DA SILVA
  • Anadenanthera Colubrina (Vell.) Brenan (Fabaceae): CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA
  • Orientador : WALDECY DE LUCCA JUNIOR
  • Data: 28/10/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Anadenanthera colubrina (Fabaceae), planta endêmica do Brasil conhecida no país como “Angico”, é utilizada na medicina popular para tratar doenças respiratórias, cardiovasculares, neurodegenerativas e atividade antimicrobiana. Diante do uso frequente desse vegetal, este trabalho objetivou avaliar o potencial biológico dos extratos fracionados da casca. Foi realizada a prospecção fitoquímica das frações Acetado de Etila (FAE), Clorofórmica (FCL) e Hexanica (FHX) da casca, foram detectados flavonoides, flavonóis, catequina e entre outros compostos. O conteúdo de fenóis totais e flavonoides totais foram quantificados nas frações FAE, FCL e FHX. Em relação aos fenóis e flavonoides totais as frações que apresentaram potencial significativo equivalente a quercetina foram FAE e FCL respectivamente. O método de substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico ocorreu uma inibição percentual de (59,72% - FCL) contra (55,91% - FAE) da lipoperoxidação induzida por FeSO4. Para avaliar a atividade biológica foram realizados testes de suscetibilidade microbiana pelo método de difusão em ágar e determinação da Concentração Inibitória Mínima (CIM) foram realizadas em triplicata para cada microrganismo em ambas as etapas para cepas padrões de Staphylococcus aureus, Enterococcus durans, Enterobacter aerogenes, Klebisiella pneumoniae, Streptococcus agalactiae, Streptococcus pyogenes e Streptococcus mutans e o fungo Candida albicans. Nenhuma das frações apresentaram valoresequivalentes ao controle positivo. Entretanto as frações FCL e FAE apresentaram uma maior atividade frente às bactéria S. pyrogenes e o fungo C. albicans.


  • LUDMILA CRUZ DOS SANTOS
  • PERFIL ANTIOXIDANTE, ANTIMICROBIANO E CITOTÓXICO DA ENTRECASCA DE Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. QUEIROZ var. ferrea
  • Orientador : CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
  • Data: 28/08/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O surgimento de patógenos multirresistentes aos antibióticos em uso atualmente, vemmotivando o estudo dos grupos de metabólitos secundários produzidos por produtos naturais e suaação farmacológica como uma nova alternativa na busca por agentes antimicrobianos menos tóxicos emais eficazes e capazes de interagir sinergicamente com os antibióticos comerciais. Neste cenário,destaca-se a Libidibia ferrea popularmente conhecida como Pau-ferro, pertencente à família Fabaceaee endêmica das regiões Norte e Nordeste do Brasil, objeto deste estudo quanto à sua composiçãofitoquímica, perfil antioxidante, antimicrobiano, sinérgico e citotóxico. Para tal foram escolhidas asfrações FHM e FAE, obtidas de sua entrecasca, que demonstraram através da prospecção fitoquímica,a presença de fenóis, taninos flabobênicos, flavonas, flavononas, xantonas, flavononóis, esteroideslivres, triterpenos pentacíclicos e saponinas. Quanto à atividade antioxidante, ambas as fraçõesapresentaram alto potencial antioxidante frente ao radical livre DDPH com CE50 5,49 ± 2,20 µg/mL eIAA de 7,28 considerado muito forte para a FAE, sendo esta a de maior destaque. A avaliação daatividade antimicrobiana foi feita através do teste de difusão em disco com as frações e cepas padrãoATCC, obtendo a FHM halo de 14,33 mm ± 0,94 para P. aeruginosas e a FAE obteve halo de 15,33mm ± 0,47 para S. aureus e 15,66 mm ± 0,34 para P. aeruginosas. Para a avaliação da ConcentraçãoMínima Inibitória, a FHM obteve destaque com CIM 0,0125 mg/mL para a bactéria S. aureus e E.durans/hirae e 0,050 mg/mL para P. aeruginosas e E. coli sendo considerado um forte potencialinibitório. Estes mesmos microganismos e a CIM da FHM, foram testadas associadas aos antibióticos;gentamicina, cirpofloxacina, amoxacilina, cefalotina, apresentando resultado sinérgico/aditivo para amaioria das combinações, com destaque para as combinações com amoxacilina e cefalotina ambaspara S. aureus e E. duran/hirae,. Na avaliação da atividade citotóxica pelo método de redução do MTT,nenhuma das frações diminuiu a viabilidade em 75% dos macrófagos J774. Sendo possível concluirque a L. ferrea é uma espécie com grande potencial antioxidante, antimicrobiano e sinérgico e além denão apresentar potencial citotoxicidade.

  • PIETRA ALEXIA LIMA DOS SANTOS
  • Perfil Químico e Atividade Biológica de Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J. W. Grimes
  • Orientador : CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
  • Data: 27/08/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Abarema cochliacarpos é uma espécie endêmica do Brasil, pertence à família Fabaceae e é conhecidapopularmente como barbatimão, estando presente na caatinga e cerrado brasileiro. Em Sergipe, seu uso é em forma de cháspara atividades anti-inflamatória e cicatrizante. Como objetos deste estudo foram utilizadas as folhas do vegetal a fim deconhecer qualitativamente os constituintes químicos das frações obtidas a partir do extrato bruto: fração clorofórmica(FCL), fração hexânica (FHX), fração acetato de etila (FAE) e fração hidrometanólica (FHM) através da prospecçãofitoquímica por ensaios colorimétricos, sendo detectada a presença de metabólitos secundários como fenóis, taninos,flavonóis, catequinas, esteroides, triterpenóides e saponinas. A determinação quantitativa do teor de fenóis, flavonoides eflavonóis das frações foi realizada em triplicata e três repetições sendo os dados expressos como média ± desvio padrão e asdiferenças determinadas por ANOVA seguida de pós teste de Tukey. O maior teor de fenóis foi de 369,40 ± 20,29 mg deEAG.g-1 na FAE, seguido da FCL com 271,16 ± 9,38 mg de EAG.g-1. Na análise de flavonoides, a FCL apresentou o maiorteor com 64,60 ± 0,41 mg de EQ.g-1, seguido da FHM com 56,37 ± 3,06 mg de EQ.g-1; enquanto na determinação deflavonóis a FHX apresentou um teor de 138,63 ± 7,16 mg de ER.g-1 e a FAE 94,71 ± 4,01 mg de ER.g-1. Para adeterminação da atividade antioxidante, foi usado o método do radical livre DPPH, no qual a FAE, FHM e FCL reduziram oradical e apresentaram valores de CE50 de 3,95 ± 0,281 µg.mL-1; 6,22 ± 0,383 µg.mL-1 e 21,12 ± 0,542 µg.mL-1,respectivamente. Na análise antimicrobiana apenas duas frações apresentaram halos de inibição. A FAE para as cepas deStaphylococcus aureus (19,3 mm), Enterococcus durans hirae (10 mm), Escherichia coli derivada (9,6 mm) e Pseudomonasaeruginosa derivada (15 mm), e a FCL para a cepa E. durans hirae (9 mm). Na concentração inibitória mínima (MIC) a FAEsobressaiu-se com 12,5 µg.mL-1 para a S. aureus e E. durans, enquanto a FCL obteve 25 µg.mL-1 para E. durans. Quanto àanálise citotóxica, a FAE nas concentrações testadas não favoreceu a viabilidade celular em 75%, apresentando capacidadeantiproliferativa, exceto a FLC a 20 µg.mL-1. A FAE e FCL apresentaram propriedades antioxidantes e obtiveram efeitoantimicrobiano, além de possuírem metabólitos que corroboram com essas funções.

  • THAISA SOARES CALDAS BATISTA
  • AVALIAÇÃO DO EFEITO DO ÓLEO ESSENCIAL Alpinia zerumbet NA CAVEOLINA-1 E FIBROSE MUSCULAR EM MODELO MURINO
  • Orientador : MARCUS VINICIUS DE ARAGAO BATISTA
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO: A fibrose muscular pode ser instalada por diversas causas, sendo caracterizada pelo aumento anormal de tecido conjuntivo extracelular com acúmulo do conteúdo de colágeno e anormal de matriz extracelular nas estruturas do músculo, promovendo assim aumento da rigidez muscular. O óleo essencial da Alpinia zerumbet (OEAz) tem ação no relaxamento muscular, atuando através da modulação dos canais de Ca2+ do tipo L, os quais vêm sendo pesquisados associados com a expressão da Caveolina-1, que por sua vez, também se apresenta em doenças fibróticas. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do OEAz na expressão do gene da caveolina-1 (Cav-1) e fibrose muscular em modelo murino. Trata-se de um estudo experimental realizado com 20 ratas (Wistar) divididos em cinco grupos de quatro animais: grupo dose 01 (tratado com 0,0115mg/g), dose 02 (tratado com 0,009mg/g), dose 03 (tratado com 0,0065mg/g), grupo lesão (com fibrose sem tratamento) e grupo sadio (sem fibrose e sem tratamento). As ratas foram imobilizadas por 15 dias com órtese confeccionada em posição de flexão plantar do tornozelo para a indução da fibrose do músculo gastrocnêmio, após esse período foram tratadas com o óleo com aplicação dérmica por 30 dias, e antes e após tratamento foram feitos testes funcionais da marcha. Foram aplicados Teste ANOVA One-Way com pós-teste Tukey. O grupo dose 01 apresentou melhor passada com diferença significativa (p<0,05) em relação aos demais. A análise histomorfológica indicou menor perímetro de colágeno no perimísio no grupo sadio e doses 01, 02 e 03 (p<0,05 e p<0,01) com relação ao grupo lesão. Assim, pode-se concluir que a utilização do OEAz na fibrose muscular mostrou-se eficaz na melhora da marcha das ratas e para reverter as alterações no colágeno ocasionadas pelo processo de imobilização.

  • MEIRE SILVESTRE SANTOS GONÇALVES
  • Efeito cardioprotetor do nerolidol no tratamento agudo do infarto do miocárdio e ação cardiovascular em ratos.
  • Orientador : ANDRÉ SALES BARRETO
  • Data: 23/01/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As doenças cardiovasculares (DCNs) apresentam elevada taxa de mobimortalidade e seu tratamento não é efetivo na redução dos danos causados pela reperfusão tecidual durante a lesão por reperfusão (LR) ocasionado, dentre outros, pelo estresse oxidativo. As propriedades terapêuticas dos terpenos já são conhecidas e estudos já confirmaram que o nerolidol, um sesquiterpeno natural frequente na natureza, possui capacidade antioxidante em coração de rato. Dessa forma, objetivou-se com o trabalho, avaliar o efeito cardioprotetor do nerolidol em modelo de IM em ratos Wistar e sua ação sobre a pressão arterial em ratos normotensos não anestesiados. Para o experimento do IM, os animais foram divididos em 4 grupos: controle (veículo – salina 0,9%+TWEEN 80), isoproterenol - ISO (veículo + 100 mg/kg isoproterenol), ISO + NRD (veículo + isoproterenol + NRD 50 e 100 mg/kg). As drogas foram administradas via intraperitoneal, em duas doses separadas por um intervalo de 24hs. No grupo ISO + NRD foi feita a administração do NRD 30 minutos após a administração do isoproterenol. Para registrar o eletrocardiograma (ECG), foram utilizados eletrodos subdérmicos e avaliado o efeito do NRD sobre as alterações eletrocardiográficas; obtenção da resposta do NRD sobre as enzimas antioxidantes SOD e CAT; mensuração de proteinas carboniladas e peroxidação lipídica pelo método de carbonilação e TBARs, respectivamente, e determinação dos marcadores bioquímicos de dano tecidual desidrogenase láctea (LDH), creatina fosfoquinase (CPK-TOTAL) e creatina fosfoquinase fração MB (CPK-MB). Para o estudo hemodinâmico ratos normotensos receberam doses (1, 5, 10 e 20 mg/kg) de NRD e a resposta da PAM e FC mensurada, o NRD produziu resposta hipotensora em todas as doses, sendo mais intensa na dose de 20 mg/kg (i.v.) e bradicardia apenas na dose de 20 mg/kg. A hipotensão não foi modificada pelos pré-tratamentos com ATR, L-NAME, INDO e HEXA, já a frequência cardíaca (FC) foi abolida nos pré-tratametnos com ATR, L-NAME E HEXA. Valores de probabilidade de p<0,05 foram considerados estatisticamente significativos. Todos os dados foram expressos como média ± Erro Padrão Médio (EPM), e o número de animais 6 - 8 por grupo. Os resultados mostraram que o NRD atenuou a elevação do segmento ST nos animais tratados (dose 100 mg/kg), protegeu os cardiomiócitos do estresse oxidativo por conferir redução da peroxidação lipídica, oxidação de protéinas e restauraurou a atividade da SOD a valores próximos ao controle nas doses de 50 e 100 mg/kg, induziu hipotensão com bradicardia possivelmente com ação direta no coração, quando administrado pela via i.v.

2019
Descrição
  • KATHARINA KELLY DE OLIVEIRA GAMA SILVA
  • Efeito Cardioprotetor do extrato da própolis vermelha e da formononetina sobre hipertrofia cardíaca em rato
  • Orientador : CARLA MARIA LINS DE VASCONCELOS
  • Data: 22/11/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A própolis vermelha alagoana, destaca-se pela rica presença de flavonoides, sendo aformononetina (FOR) um dos flavonoides majoritários. Os mecanismos cardioprotetores do extratohidroalcoólico da própolis vermelha (EPV) e FOR ainda não foram elucidados. Com isso, o estudo tevecomo objetivo avaliar o possível efeito cardioprotetor do EPV e FOR frente à hipertrofia cardíaca (HC)induzida por isoproterenol (ISO) em ratos. O EPV foi caracterizado por Cromatografia Líquida de AltaEficiência (CLAE). As atividades antioxidantes do EPV e FOR foram avaliadas in vitro pelo método deDPPH. Os efeitos diretos do EPV e FOR sobre a pressão desenvolvida pelo ventrículo esquerdo (PDVE)foram avaliados em coração isolado. No protocolo de HC, os animais foram distribuídos em 6 gruposexperimentais (n = 6), sendo: 1) Controle (CTR, salina 0,9% + DMSO 0,25%), 2) HC (4,5 mg/kg deISO), 3 e 4) HC + EPV (4,5 mg/kg de ISO + 10 ou 30 mg/kg de EPV) e 5 e 6) FOR + HC (4,5 mg/kg deISO + 10 ou 30 mg/kg de FOR) que foram tratados durante 7 dias por via intraperitoneal (ISO) ou porvia oral (EPV ou FOR). Após o término do tratamento, registrou-se o ECG in vivo. O sangue foicoletado para estudos bioquímicos (CK-MB, LDH, CPK-TOTAL, AST e ALT). Os animais e coraçõesforam pesados, assim como foi medido o comprimento da tíbia para análise morfométrica. A mensuraçãoda área de infarto foi feita com coloração com cloreto de trifeniltetrazólio (TTC) 1% e o estudohistopatológico do coração foi feito em coloração hematoxilina-eosina. Os resultados de CLAE do EPVrevelaram a presença majoritária de formononetina, daidzeina e biochanina A. Nos testes com DPPH, oEPV demonstrou forte atividade antioxidante (CE50 = 27,01 ± 0, 81 µg/mL e IAA = 1,48) enquanto aFOR não apresentou atividade. Em coração isolado, o EPV (1,0 µg/mL) reduziu a PDVE em 64% (p &lt;0,05, n = 6), mas a FOR não alterou esse parâmetro. As doses de 10 mg/kg e 30 mg/kg de EPV e FORatenuaram o aumento da massa cardíaca dos animais hipertróficos, no entanto não apresentaramdiferenças estatísticas entre si. Dessa forma, a menor dose foi eleita para dar continuidade aos estudos.Os marcadores bioquímicos de dano cardíaco (LDH, CPK e CK-MB) e hepático (AST e ALT)apresentaram elevados no grupo HC, mas foram significativamente diminuídos com os tratamentos dosanimais com o EPV e FOR. No ECG, o aumento do QTc e da duração do complexo QRS, observados no grupo HC, foi atenuado após os tratamentos com o EPV e FOR. A frequência cardíaca diminuiu

    significativamente apenas no grupo HC+EPV (12%, p &lt; 0,05, n = 6). A PDVE, reduzida em 81% no

    grupo HC, foi restabelecida no grupo HC+EPV e parcialmente restaurada no grupo HC+FOR. A pressão

    coronariana apresentou um aumento significante apenas no grupo FOR+HC (41%, p &lt; 0,05, n = 6) em

    relação ao grupo controle. A área de infarto diminuiu nos grupos hipertróficos tratados com EPV (9,46 ±

    3,17 %, p &lt; 0,05, n = 6) ou com FOR (20,02 ± 1,76%, p &lt; 0,05, n = 6). Também foi observado redução

    da área de fibrose nos grupos HC+EPV (28,00 ± 1,73 %, p &lt; 0,05, n = 6) ou FOR (24,00 ± 1,92 %, p &lt;

    0,05, n = 6). O estudo mostrou que EPV e FOR atenuaram a hipertrofia cardíaca no modelo induzido por

    isoproterenol, demonstrando os seus efeitos cardioprotetores em diferentes parâmetros avaliados

  • SHEILA JANAINA SANTANA REIS GOMES
  • Avaliação da ação antimicrobiana de três extratos provinientes de plantas do bioma caatinga9 inoculado em isolados de Klebsiella spp. multirresistentes isoladas de efluentes urbanos da cidade de Aracaju
  • Orientador : ALEXANDRE LUNA CANDIDO
  • Data: 12/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A resistência bacteriana a antimicrobianos é uma forma dos microrganismos sobreviverem a condições adversas no ambiente que se encontram, representando o processo natural de pressão seletiva. O termo bactéria multiresistente é utilizado para determinar organismos resistentes a um número expressivo de antimicrobianos. A Klebsiella pneumoniae é uma bactéria cuja resistência aos antimicrobianos chega até 95% dos fármacos existentes no mercado farmacêutico. Existe uma grande preocupação com essa bactéria devido as mutações que ela sofre tornando-se cada vez mais resistentes aos antimicrobianos existentes, por isso novas drogas vem sendo amplamente estudadas com intuito de se obter novos fármacos capazes de inibir a ação dessas bactérias multiresistentes. O objetivo desse trabalho é avaliar a ação antimicrobiana de três extratos provinientes de plantas do bioma caatinga, inoculado em isolados de Klebsiella spp. multirresistentes isoladas de efluentes urbanos da cidade de Aracaju no ano de 2015. Os extratos testados pertenciam as espécies: Libidibia férrea, Schinopsis brasiliensis e Syzigium cumini. Devido a multirresistência da cepa coletada, foi necessário realizar uma diluição prévia do isolado em água peptonada na proporção de 1:160.000. Após essa diluição, foi retirado 1 ml desse preparo e introduzido em sete diferentes tubos de ensaio contendo 5mg, 10mg, 15mg,20mg, 30mg e 40mg do extrato natural e o grupo controle. Dessas, foram transferidos 5 µL do inóculo para placas de petri contendo o meio Ágar Luria Bertani suplementado com antibióticos, no sistema detriplicata, em diferentes intervalos de tempo (T0 a T3), e incubadas a temperatura de 36°C por 24 horas. Para fins de contagem foram consideradas as placas que observou-se o crescimento microbiano entre 20-200 colônias. O extrato que obteve melhor resultado foi o Schinopsis brasiliensis, a concentração com menor crescimento de unidades formadoras de colônia foi em 40mg. Esses resultados evidenciam opotencial desse extrato na ação antimicrobiana, porém sugere-se a realização de mais testes a fim deobter resultados mais eficientes em concentrações menores.

  • ÍTALO DOS SANTOS ALVES
  • Avaliação do potencial antimicrobiano de extratos de plantas da região semi-árida do estado de Sergipe frente isolados de Salmonella multirresistentes a drogas com espectro extendido (ESBL)
  • Orientador : ALEXANDRE LUNA CANDIDO
  • Data: 31/01/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A multirresistência bacteriana é um problema enfrentado pelas autoridades em saúde publicaem todo o mundo, visando o controle da proliferação de doenças que são consideradas potencialmenteperigosas. Assim, os extratos naturais têm sido introduzidos como possíveis substitutos para osantimicrobianos sinteticos frente às linhagens multirresistentes que tem emergido e se ampliado ao longodos anos. O objetivo deste estudo foi de avaliar a ação antimicrobiana dos extratos provenientes deplantas encontradas no bioma Caatinga frente às amostras de Salmonella multirresistentes isoladas deefluentes urbanos da cidade de Aracaju no ano de 2015. Foram testados os extratos das plantaspertencentes às espécies: Coutoubea spicata, Croton argyrophillus, Croton spp. (acetado de etila),Croton spp. (hexano), Genipa americana, Libidibia ferrea, Schinopsis brasilienses, Syzygium cumini eTabebuia áurea. Pra verificar a Dose Minima Inibitoria (DMI) dos extratos foram avaliadas quatroconcentrações: 1mg/mL, 5mg/mL,10mg/mL e 15mg/mL, sendo acrescidos 1000 µl da cultura deSalmonella. Dessa foram transferidos 5µl para cada placas de petri contendo o meio ágar Luria Bertanisuplementado e não suplementado c/antibióticos, no sistema de triplicata em diferentes intervalos detempo (T0 a T3), e encubadas a temperatura de 36°C por 48 horas. Para fins de contagem foramconsideradas as placas que observou-se o crescimento microbiano entre 20-200 colônias. Os extratos queapresentaram os melhores resultados foram os das espécies Libidibia férrea, Schinopsis brasiliensis eSyzygium cumini. Também foi observado que o desempenho antimicrobiano dos extratos foipotencializado pelo sinergismo com os antibióticos que foram acrescidos ao meio de cultura onde podeser observada uma redução significativa no número de colônias bacterianas, o que denota o potencialdestes extratos em terapias antimicrobianas como auxilio na atividade destes medicamentos que vemapresentando problemas quanto a ação contra microrganismos multirresistentes.

  • CRISTIANE LIMA MENEZES
  • Identificação da Catequina da Fase Acetato de Etila e Estudo da Atividade Redox Através de Técnicas Eletroquímicas da Anacardium
  • Orientador : ACACIA MARIA DOS SANTOS MELO
  • Data: 31/01/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Anacardium occidentale L. (Anacardiaceae), espécie nativa do Brasil, conhecida popularmentecomo cajueiro, é muito utilizada com finalidades farmacológicas tais como: anti-inflamatória,cicatrizante, antiglicêmico e afins. Suas entrecascas já foram descritas como ricas em compostosfenólicos, poderosos antioxidantes naturais. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o potencialantioxidante das entrecascas de A. occidentale utilizando técnicas eletroquímicas de voltametria cíclica(VC) e voltametria de pulso diferencial (VPD) e espectofotometrica de sequestro do radical DPPH. Paraisso, foi feito primeiramente uma prospecção fitoquímica em que foram detectados esteroides, fenois,flavonas, flavonoides, saponinas, taninos e xantonas do extrato hidroetanólico (EHE) e da fase acetatode etila (FAE). Também foi quantificado o teor de fenólicos totais (FT) na FAE com valores de (848,62± 78,18μg EAG/mg). O ensaio DPPH mostrou que quanto maior a concentração da FAE (25μg/mL)maior foi o sequestro do radical livre DPPH (sequestrou mais de 90%) com valor de CE50(16,13μg/mL) e com valor de IAA (2,48) acima de 2,0, constatando o potencial antioxidante muito forteda planta. A análise por CLAE da FAE apresentou um comportamento similiar ao padrão catequina, aoobservar um pico majoritário eluído em 3-5 minutos com uma base pouco alargada e com um espectrode varredura UV-visível para FAE com máximo de absorbância de (274nm) e de (278nm) para (+)catequina, e assim, identificando a (+) catequina, ao comparar com o espectro de varredura UV-visívelde 279nm encontrado na literatura. As técnicas eletroquímicas também se mostraram como excelentessensores voltamétricos para a análise do comportamento eletroquímico e redox dos compostospolifenólicos, (+) catequina, visto serem eletroativos. A VC e VPD da FAE revelaram picos dospotenciais de oxidação relacionados com a estrurura da mólecula da (+) catequina e o pico dopotencial de redução relacionado ao produto do primeiro pico de oxidação. As feições ecomportamentos eletroquímicos da FAE e da CAT, inferem o envolvimento da catequina com a atividaderedox da A.occidentale. Diante disso, a planta se mostra de bastante importância para a indústriafarmacêutica.

2018
Descrição
  • JESICA BATISTA DE SOUZA
  • Atividades biológicas de amostras semi-purificadas das folhas da Eplingiella fruticosa Salzm. ex. Benth
  • Orientador : CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
  • Data: 13/11/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As plantas medicinais produzem metabólitos secundários com funções de defesa e sobrevivência em seu habitat, sendo úteis ao homem como terapêuticos. A Eplingiella fruticosa (Lamiaceae) ou alecrim do vaqueiro tem amplo uso pela população no combate a febres, bronquites, dores, infecções, dentre outros, possuindo também descrição científica de atividades antimicrobiana, antioxidante e larvicida, por exemplo. O isolamento ou semi-purificação de compostos de uma amostra amplia a chances de encontrar fitoconstituintes bioativos, os quais podem estar em baixas concentrações no extrato. Nesse sentido, o extrato clorofórmico (EC) das folhas de E. fruticosa foi semi-purificado por meio de cromatografia flash e cromatografia liquida clássica, obtendo-se 29 semi-isolados, os quais foram investigados quando ao potencial antioxidante, antimicrobiano, larvicida e citotóxico. A prospecção fitoquímica do EC revelou a presença de flavonoides, saponinas e xantonas. O teste antioxidante frente ao 2,2-difenil-1-picril-hidrazila demonstrou atividade muito ativa na subfração metanólica (SM) com concentração efetiva (CE50) < 50 μg.mL-1 e pouco ativa no EC e Grupo 23 (G23) CE50 > 100 μg.mL-1. Nessas amostras e no Grupo 11 (G11), o teor de fenólicos totais (FT), flavonoides totais (FLT) e flavonois totais (FLAVT) foram quantificados por métodos espectrofotométricos. Todas apresentaram teor de FT acima de 100 mg.g-1 de amostra e foram estatisticamente semelhantes entre si, conquanto os valores de FLT e FLAVT destacaram-se no EC. A SM a 500 μg.mL-1, no teste de macrodiluição em caldo, mostrou-se ativa contra o crescimento de S. aureus, contudo, no teste de difusão em disco, nenhuma amostra (1 mg.mL-1) inibiu o crescimento bacteriano. Os ensaios utilizando larvas de 3º estágio do Aedes aegypti revelaram três subfrações com efeitos larvicida: o Grupo18 (G18) apresentou concentração letal (CL50) de 371 e 253 ppm, a subfração clorofórmica (SC) apresentou CL50 de 815 e 752 ppm, em 24 e 48h, respectivamente. A SM, após 48h, apresentou percentual de mortalidade de 93 ± 4,4%, sugerindo ação de efeito prolongado. No ensaio de Brometo de 3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-2,5-difeniltetrazólio, o EC, a SC, a subfração acetato de etila e a SM, nas concentrações de 1,56 a 12 μg.mL-1, não diminuíram a viabilidade das células do endotélio humano EA.hy926 quando comparados ao controle.

  • FABIOLLA ROCHA SANTOS PASSOS
  • Efeito anti-hiperalgésico do acetato de hecogenina complexado à β-ciclodextrina em modelos de dor neuropática e inflamatória crônica
  • Orientador : JULLYANA DE SOUZA SIQUEIRA QUINTANS
  • Data: 21/09/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dor neuropática se desenvolve devido à lesão no sistema somatossensorial, afetando a qualidade de vida do seu portador. Diante da ineficácia da farmacoterapia atual, as substâncias obtidas de produtos naturais são uma alternativa promissora. Neste sentido, tem-se o acetato de hecogenina (AH), uma sapogenina esteroidal com atividade anti-inflamatória e antinociceptiva relatadas na literatura. Contudo, o AH tem baixa solubilidade em água, o que afeta a sua biodisponibilidade. Por isso, é viável a sua inclusão em β-ciclodextrina, resultando em efeitos superiores também relatados na literatura. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade anti-hiperalgésica do acetato de hecogenina puro e complexado (AH/βCD) em modelo animal de dor neuropática e inflamatória crônica. Inicialmente, foi preparado o complexo de inclusão na razão molar 1:2 (AH:βCD) pelo método de liofilização. Todos os protocolos experimentais foram aprovados previamente pelo comitê de ética e foram realizados com a utilização de camundongos Swiss machos. Os animais foram divididos em quatro grupos (n=8), sendo o sham (não submetidos à indução álgica e tratados com água v.o.), veículo (tratados com água v.o.), e grupos tratados v.o. com AH 20mg/kg e AH/βCD 20mg/kg. Para a indução da dor inflamatória crônica, os animais receberam uma injeção intraplantar de CFA (adjuvante completo de Freund), e foram avaliados quanto à hiperalgesia mecânica e quanto aos níveis de mieloperoxidase (MPO) na pele da pata ao fim dos oito dias de tratamento. AH e AH/βCD reduziram a hiperalgesia mecânica em relação ao grupo veículo até a quarta e quinta hora, respectivamente, na avaliação aguda, com efeito superior da forma complexada sobre a forma pura na segunda e terceira hora após o tratamento (p<0,001). Na avaliação crônica, AH e AH/βCD reduziram a hiperalgesia em relação ao veículo nos oito dias de tratamento (p<0,001). Ambas as formas pura (p<0,01) e complexada (p<0,001) reduziram a atividade da mieloperoxidase na pele da pata dos animais. Grupos de animais sujeitos ao mesmo protocolo farmacológico foram submetidos ao modelo de lesão parcial do nervo ciático (LPNC) e avaliados quanto à hiperalgesia mecânica, térmica e alodinia ao frio. AH e AH/βCD reduziram a hiperalgesia mecânica até a quarta e sexta hora, respectivamente, e ambas reduziram a hiperalgesia em relação ao veículo na avaliação crônica (p<0,001). AH e AH/βCD também reduziram a hiperalgesia térmica, com efeito superior da AH/βCD (p<0,01); e alodinia ao frio (p< 0,05 e p<0,001, respectivamente). A análise da medula destes animais demonstrou diminuição nos níveis das citocinas pró-inflamatórias TNF-α, IL-1β e IL-6, além da diminuição da expressão microglial (através do Iba-1) em relação ao grupo veículo. Além disso, AH e AH/βCD reduziram a nocicepção aguda induzida pela injeção intraplantar de glutamato (p<0,001), e AH/βCD reduziu a nocicepção induzida por injeção intraplantar de agonista TRPA1 (p<0,01) e TRPM8 (p<0,05). E o tratamento por oito dias com AH e AH/βCD não demonstrou sinais de lesão gástrica e hepática. Diante do exposto, AH e AH/βCD tem efeito antinociceptivo em modelos de dor crônica, provavelmente por inibição da migração leucocitária, interação com o sistema glutamatérgico e receptores TRPA1 e TRPM8, além da redução de citocinas pró-inflamatórias e expressão microglial. Por isso, AH/βCD tem grande potencial para utilização no tratamento da dor crônica.

  • ERIC AIAN PEREIRA DA SILVA
  • Efeito hipotensor do farnesol puro e complexado em beta-ciclodextrina em modelo de hipertensão arterial
  • Orientador : ANDRÉ SALES BARRETO
  • Data: 30/07/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Não se aplica

    Motivo:Banca fechada

    Produto em processo de pedido para registro de patente no cintec ufs para ser enviado ao INPI – InstitutoNacional de Propriedade Intelectual

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema1.ema1 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5