A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2023
Descrição
  • JISÉLIA DELGADO SOUSA
  • O mercado de trabalho antes e após reforma trabalhista na região Nordeste: 2015 a 2019
  • Orientador : PAULO SERGIO SOUZA FERREIRA
  • Data: 31/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho é o estudo dos impactos da reforma trabalhista nas condições detrabalho e nos níveis de geração de emprego dos trabalhadores da região Nordeste. Uma vezque a Lei nº 13.467/2017 e a Lei nº 13.429/2017 entraram em vigor no mesmo ano de suaaprovação. Nesse sentido, se fez necessário identificar se os empregos gerados após asreformas ocorridas foram significativos e consequentemente avaliar se as leis implementadascontribuíram para melhoria nos níveis de emprego e redução da informalidade na regiãoestudada ou apenas tirou direitos precarizando as condições dos trabalhadores. Além disso, éimportante entender a evolução de como essas reformas contribuíram para o aumento depostos de trabalho, uma vez que os trabalhadores parte mais vulnerável das relações capital etrabalho tiveram seus direitos e proteção reduzidos, mediante essas mudanças dos direitostrabalhistas é importante frisar a necessidade da inclusão de leis justas que constitua umsistema protetivo de garantias e direitos com isonomia, respeitando os princípiosestabelecidos em nossa constituição a fim de promover segurança aos trabalhadores e aduz-seque algumas medidas possibilitaram a flexibilização dos contratos trabalhistas,impossibilitando-os de uma maior segurança e estabilidade. Para tanto, foi feito uma revisãobibliográfica através de autores que estudam as Reformas Trabalhista no Brasil e o mercadode trabalho, além disso, buscou-se dados nos principais órgãos com indicadores sociais comoo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ( IPEADATA), e oMinistério do Trabalho e Emprego (MTE), fazendo um comparativo antes e após as referidasreformas compreendendo o período de 2015 a 2019, a finalidade é verificar como essasregulamentações impactaram nas condições laborais dos trabalhadores da região Nordeste.Partindo da premissa de que a reforma traria um maior nível de empregos e maiorflexibilidade nas relações de trabalho, busca se analisar se essas reformas conseguiram atingiro objetivo proposto e se houve melhoria nas condições de trabalho. Quais foram os possíveisimpactos nas condições de laborais, nos níveis de emprego e consequentemente na vida dostrabalhadores.

  • JOSE HERALDO FIGUEIRÊDO DOS SANTOS
  • ESTIMAÇÃO DOS IMPACTOS DA SAÍDA DA PETROBRAS EM SERGIPE: UMA ANALISE A PARTIR DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO HIPOTÉTICA
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 30/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O petróleo e seus derivados têm um papel fundamental na oferta global de energia. De acordo com Balanço Energético Nacional (BEN), em 2022, o petróleo representou 30,9% e o gás natural 23,2%, respectivamente, da oferta energética mundial. Desde a década de1960, o setor de extração de petróleo e gás desempenha um papel relevante na estrutura produtiva sergipana. Em 2019, a Petrobras anunciou a maior descoberta desde o Pré-sal, isto é, uma reserva de aproximadamente 20 milhões de m³ de gás natural na bacia de Alagoas-Sergipe, o que equivale a um terço da produção total de gás natural no Brasil. Apesar de perspectivas promissoras em relação à exploração das novas reservas de gás na costa sergipana e do histórico de sucesso na extração de petróleo e gás, foi anunciado oficialmente no ano de 2019 pelo Ministério de Minas e Energia que a Petrobras fecharia a sede na cidade de Aracaju, capital do estado. Tal iniciativa fez parte da política do governo federal entre os anos de 2019 e 2022, cujo objetivo era reduzir gastos. Dada as relações de encadeamento que o setor de extração de petróleo e gás detém na estrutura produtiva, os efeitos diretos e indiretos da retirada desta empresa podem ser bastante prejudiciais para a economia sergipana. Assim, esta dissertação tem por objetivo estimar os impactos econômicos que a saída da Petrobras provocaria em Sergipe. Para tanto, será utilizado o método de extração hipotética em um modelo inter-regional de insumo-produto. A estratégia empírica assume que com a saída da Petrobras do estado, o setor de extração de petróleo e gás e, portanto, suas relações de compra e venda intermediária e final na economia deixariam de existir. Para a modelagem, é utilizada a matriz de insumo-produto do estado de Sergipe, ano base 2011, estimada por Haddad et al. (2017). Os principais resultados mostram que a saída da Petrobras em Sergipe provocaria um impacto total de R$ 4,7 bilhões no Brasil, sendo que R$ 3,7 bilhões (79%) do impacto seria no próprio estado e R$ 1 bilhão (21%) transbordaria para o restante do Brasil. Em termos relativos, isso representaria redução de 8,7% do valor bruto da produção sergipana. Vale ressaltar que esses valores estão a preços de 2011, ano base da matriz. Do ponto de vista setorial, os setores sergipanos com maior redução do nível de atividade seriam Transporte aquaviário (-40,78%), Aluguéis não-imobiliários e gestão de ativos de propriedade intelectual (-29,11%), Armazenamento, atividades auxiliares dos transportes e correio (-13,33%), Atividades jurídicas, contábeis, consultoria e sedes de empresas (-12,71%) e Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-10,95%).

  • DANIELA SOUSA LOPES DE PÁDUA
  • Pluriatividade na agricultura familiar e sua influência sobre o emprego na região Nordeste.
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 30/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo investigar a influência da pluriatividade no nível de ocupação da agricultura familiar nos municípios do Nordeste do Brasil. Dados os benefícios da pluriatividade atestados pela literatura, tem- se como hipótese de trabalho que a pluriatividade eleva o nível de emprego da agricultura familiar. É de importância estudos relacionados a este tema, pois, a agricultura familiar se mostra como a principal fonte de força de trabalho dentro do setor rural no Brasil, sendo responsável por grande parcela da produção de alimentos no país. A estratégia empírica consiste no uso do método econométrico de regressão quantílica incondicional (URQ), com intuito de captar eventuais efeitos não lineares da pluriatividade sobre o nível de emprego da agricultura familiar. A amostra do estudo será formada por dados de emprego, diversidade agrícola e não agrícola oriundo do Censo Agropecuário 2017 na região Nordeste. Os achados evidenciam que dentro do recorte geográfico e temporal escolhido, não foi possível identificar estudos na literatura que analisem o efeito da pluriatividade sobre a ocupação da agricultura familiar, tratando assim de um estudo que ajude a contribuir para uma maior compreensão sobre o fenômeno pouco estudado da pluriatividade.

  • ADSON FILIPE MORAIS DE SANTANA
  • INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO E COMPLEXIDADE ECONÔMICA: UM ESTUDO PARA A AMÉRICA LATINA ENTRE 1995 E 2019
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 18/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho apresenta um estudo a respeito das relações entre o nívelde investimento em educação e a complexidade econômica na América Latina,considerando o período temporal que vai de 1995 a 2019. Em relação aométodo utilizado, é aplicado três diferentes modelos de dados em painel, quesão respectivamente, o modelo pooled, o modelo de efeitos fixos, e o paineldinâmico, sendo que os dois últimos utilizam variáveis instrumentais. Acomparação entre os resultados dos modelos é feita levando em consideraçãoum possível viés de endogeneidade nas estimações com o modelo pooled, enesse caso, a utilização dos outros modelos pode conferir maior robustez aosresultados encontrados. Adicionalmente também foram feitos três testes deconsistência, que são, o teste F, o teste de Breausch-pagan, e o teste deHausman, que objetivam avaliar a consistência dos resultados dos modelospooled, de efeitos fixos e de efeitos aleatórios. Inicialmente é levantada ahipótese de que existe correlação entre o nível de investimento em educação,que é dado pelos gastos do governo na área, e a complexidade econômica dospaíses. Após a utilização dos modelos, foi verificado que apenas o investimentoem educação de nível superior possui relação significativa e positiva com acomplexidade econômica na região, demonstrando que o investimentodirecionado a essa fase de ensino pode servir como difusor de inovações queafetam positivamente a complexidade.

2022
Descrição
  • HEBERT PITANGA SIMOES
  • O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UM ESTUDO SOBRE O SEU PAPEL NO COMBATE À POBREZA NO BRASIL (2003-2010)
  • Orientador : PAULO SERGIO SOUZA FERREIRA
  • Data: 31/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo, analisar a eficiência do programa Bolsa Família no combate à pobreza, partindo da sua implementação até o ano de 2010, avaliando o alcance das funções propostas aos seus beneficiários e a importância do mesmo. Para se alcançar este objetivo, esta pesquisa se dividirá em três etapas, quais sejam: i) apresentando uma discussão teórica, baseando se na teoria da causação circular cumulativa de Gunnar Myrdal e o objetivo do Estado como um instrumento na Seguridade social; ii) investigar o percurso dos debates dos programas de benefício básico, através de uma linha histórica chegando até o Brasil; iii) analisar o programa Bolsa Família, desde a sua criação até a sua implementação, contemplando o tamanho da sua abrangência, diretrizes e obstáculos. Todavia, para auxiliar nessa última etapa, serão utilizados dados secundários, tendo como fonte principal os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Por fim, espera-se corroborar com a hipótese de que o Programa Bolsa Família tem conseguido atingir os objetivos aos quais ele se propunha, desde a sua criação. Nesse sentido, ele tem sido fundamental no combate à pobreza, principalmente, nas regiões Norte e Nordeste.

  • MARIA JADENICE DE SANTANA SILVA
  • PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA E EFICIÊNCIA TECNICA NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS DADOS DO CENSO AGROPECUÁRIO 2017
  • Orientador : JOSE RICARDO DE SANTANA
  • Data: 29/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo busca analisar o comportamento da produtividade agrícola nordestina frente à inserção de insumos tecnológicos e de outros fatores no que cerne o aumento da produtividade por meio da análise de eficiência e ineficiência técnica das lavouras temporárias do Nordeste brasileiro. Utiliza-se o modelo de fronteira estocástica de produção (SFA) e, alternativamente, o teste de verossimilhança mediante a forma funcional flexível do tipo translog, cujos resultados foram comparados com os provenientes da função Cobb-Douglas, para responder se as variáveis explicativas influenciam a eficiência da produção e qual os seus impactos. Constatou-se que os estados mais eficientes são Maranhão, Piauí e Bahia e as variáveis crédito, irrigação e precipitação contribuem para reduzir a ineficiência técnica média das lavouras temporárias. Os resultados contaram com dados do Censo Agropecuário 2017.

  • ITALO SPINELLI DA CRUZ
  • DIFERENÇA DO DESEMPENHO EDUCACIONAL ENTRE ZONAS RURAIS E URBANAS: UMA ANÁLISE QUANTÍLICA INCONDICIONAL
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 20/07/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil dispõe de um sólido sistema de avaliação e diagnóstico da educação básica e da qualidade do ensino que ajudam a compreender os diferenciais no desempenho do aluno nas escolas em áreas rurais e urbanas. As discussões recentes na literatura aplicada centram-se na perspectiva de que não a localização em si que afetaria as diferenças de resultados, mas a combinação de outros fatores como as características dos alunos, das famílias, dos professores, das escolas, dentre outras. Nesta perspectiva o objetivo deste trabalho é avaliar se a localização na zona rural é um fator significativo para explicar o desempenho inferior nesta área nos municípios brasileiros no período de 2013-2017. Para tanto, será avaliado o impacto distributivo da variável binária localização da escola no desempenho acadêmico mantida constante a distribuição das outras características, por meio da estimação de Regressões Quantílicas Incondicionais e o Tratamento de Efeito de Quantil tendo como base os microdados da Prova Brasil Saeb para o 5º ano do ensino fundamental. A análise descritiva indica a presença de distorções nas notas da prova de matemática, quando feita a distinção urbano-rural das escolas, mostrando sinais para todas as regiões que o desempenho do estudante da zona rural é inferior ao da zona urbana. Já análise dos resultados estimados pelos modelos de regressão do tratamento de efeitos de quantil para avaliação do diferencial de desempenho rural-urbano indicam de forma robusta a presença de uma penalidade aos alunos da escola rural mesmo com um controle das variáveis estabelecidas na literatura aplicada. Sendo assim, julga-se importante e plausível avaliar a evolução do background formativo do aluno, tanto para fins de investigações futuras, como para efeitos de avaliação e formulação de políticas públicas educacionais.

  • DANIEL SANTOS DA SILVA
  • O BITCOIN COMO PORTO SEGURO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O BITCOIN, DÓLAR E O OURO COMO RESERVA DE VALOR E OS DETERMINANTES DA DEMANDA POR BITCOIN
  • Orientador : MARCO ANTONIO JORGE
  • Data: 15/07/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A reserva de valor é a capacidade que ativos têm de preservar seu poder de compra ao longo do tempo, acumulando esses ativos o investidor garante que seu patrimônio será protegido das eventuais crises do cenário econômico, assim, um tema que há muito se discute é: quais os ativos que conseguem proteger o poder de compra da sociedade? Com a criação das moedas digitais, em principal o bitcoin, iniciou uma dúvida se o bitcoin seria ou não uma boa reserva de valor; o objetivo deste trabalho é analisar se o bitcoin pode ser considerado uma boa reserva de valor, comparando o desempenho da criptomoeda com ativos consolidados com essa função como é o caso do dólar e ouro. Também buscamos compreender quais são os determinantes da demanda por bitcoin. A análise foi feita a partir de dados coletados de diversas fontes como o World Bank Data, FMI, coindance.com dentre outras, entre 2013 e 2021 para um grupo de 20 países, totalizando um corte temporal de 9 anos. A metodologia usada foi a analise de dados em painel para encontrar os determinantes da demanda por bitcoin e foi feita uma analise descritiva e gráfica sobre a rentabilidade do bitcoin quando comparado com o ouro e o dólar. O trabalho é dividido em 5 capítulos, onde nos primeiros três capítulos se encontram respectivamente a introdução e revisão teórica das principais discussões sobre o tema. Os capítulos 4 e 5 se referem à análise de dados, metodologia usada para avaliar o bitcoin, os resultados e as conclusões obtidas. A pesquisa mostra que o bitcoin no período estudado tem função de preservar o valor ao longo do tempo e que países com menos estabilidade econômica tendem a demandar mais bitcoin.

  • GUSTAVO CONCEIÇÃO SANTOS
  • O IMPACTO DA POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DISTRIBUTIVA DO REGIME DE METAS BRASILEIRO (1996-2019)
  • Orientador : MARCO ANTONIO JORGE
  • Data: 13/05/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Destacando-se como uma opção alternativa aos regimes de câmbio fixo e de meta de agregado monetário na década de 1990, o regime de metas de inflação tornou-se o mecanismo disciplinador da política monetária em diversos países. Recentemente, a crise financeira de 2008 ocasionou impactos de magnitude global na estrutura econômica das nações. Não obstante, tem-se visualizado um contexto mundial abalado por choques na produção e desemprego drasticamente acelerado, consequentemente, o papel de interferência governamental expandiu-se por meio de ferramentas políticas, convencionais ou não de fomento ao impulso da atividade econômica, elevando o papel de destaque dos bancos centrais. No entanto, em meio à ampliação da atuação dos bancos centrais, a discussão em torno das consequências de suas políticas em termos distributivos foi reanimada paralelamente a ampliação do estudo da desigualdade e seus impactos ao desempenho econômico das nações. Dessa forma, o objetivo geral da seguinte dissertação é analisar os efeitos da política monetária no contexto das nações que adotam o regime de metas de inflação sobre a desigualdade de renda das mesmas. Para fomentar consistentemente este debate, o referido trabalho debruça-se sobre o uso do método Hipotético-Dedutivo, pesquisa descritiva e explicativa, além da estimação de modelos PVAR e suas respectivas funções de impulso-respostas. Os resultados auferidos revelam a existência de uma ligação entre políticas monetárias expansionistas e a redução de desigualdade de renda, bem como políticas monetárias contracionistas e a elevação da desigualdade de renda, além de apresentarem indícios de que o vínculo entre taxa de juros e desigualdade de renda é dado via canal da heterogeneidade da renda do trabalho.

  • JESSYCKA PORTELA DE BRITO
  • PANDEMIA DA COVID-19 E ABANDONO ESCOLAR: UMA ANÁLISE PARA OS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SERGIPE
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 13/05/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação tem como objetivo analisar os efeitos da pandemia do COVID-19 sobre o abandono escolar nos municípios do estado de Sergipe, atentando, particularmente, para o Ensino Fundamental. Em direção à concretização desse propósito, o corrente trabalho se utiliza do método econométrico de regressão quantílica incondicional, que estima distintos efeitos entre a resposta e as covariáveis ao longo dos quantis da distribuição da variável resposta. As estimativas, do modelo empírico considerado, apontam que, para os municípios sergipanos, o aumento de uma unidade na média do total de óbitos per capita por COVID-19 em 2020, a cada dez mil habitantes, eleva o quantil 50 por cento da variação, de 2019 para 2020, da taxa de abandono escolar do Ensino Fundamental em cerca de 0,08 pontos percentuais. Os resultados ainda manifestam que o aumento de R$1,00 na média do auxílio emergencial per capita recebido por mês no ano de 2020, a cada cem habitantes, como também o crescimento de uma unidade nas médias da variação percentual do estoque de emprego, do mês de dezembro, e da variação do percentual de docentes, com formação superior de licenciatura (ou bacharelado com complementação pedagógica) na mesma área da disciplina que leciona, entre os anos de 2019 e 2020, reduz o mesmo quantil, da variável resposta de que se trata, em aproximadamente 0,14, 0,04 e 0,04 pontos percentuais, nessa ordem. Portanto, ao analisar os municípios da unidade federativa de Sergipe, identificam-se efeitos positivos do número de óbitos por COVID-19 sobre os riscos de abandono escolar na etapa do Ensino Fundamental, assim como efeitos negativos do auxílio emergencial e das expansões de emprego e percentual de docentes mais bem qualificados.

  • LAUDENOR MORAIS CORREIA DE MELO ASSUNÇÃO
  • EFEITOS ECONÔMICOS DA PANDEMIA COVID-19 NO BRASIL E EM SERGIPE
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 25/04/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação é composta por dois ensaios independentes que analisam os efeitos da pandemia a partir de dois aspectos distintos: i) o impacto heterogêneo no setor de serviços e suas grandes categorias econômicas em nível nacional; e ii) o impacto econômico da pandemia no estado de Sergipe. Assim, o primeiro ensaio buscou analisar o comportamento do setor de serviços brasileiro e suas subdivisões em nível nacional a um novo choque exógeno da pandemia para um período de 10 meses à frente por meio dos modelos Vetoriais Autorregressivos com variáveis exógenas (VARX). O ensaio mostrou que o choque no Índice de Permanência Domiciliar afeta todos os setores dos serviços analisados. Um ponto importante dos resultados obtidos é que o choque atinge os setores de forma transitória, todos os setores conseguem se recuperar. Nos resultados obtidos para o volume de serviços, a queda se daria em aproximadamente 20 pontos percentuais. Ao investigar a heterogeneidade do setor, o que sofre o impacto mais severo é Outros serviços, reduzindo mais de 20 pontos percentuais, entretanto, também é o setor que apresenta maior recuperação. Em seguida, Serviços de Informação e Comunicação sofrem o segundo choque mais intenso. Por fim, Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio e Serviços Profissionais, administrativos e complementares apresentam os menores choques, em torno de 10 pontos percentuais e boas compensações. Por sua vez, o segundo ensaio tem como objetivo estimar os impactos regionais e setoriais da pandemia Covid-19 no estado de Sergipe em 2020. Para isso, usamos o modelo de insumo-produto com extração hipotética parcial. Os principais resultados sugerem que haveria significativa redução da atividade econômica no estado, principalmente nos setores de Transporte e Indústria. Por outro lado, os setores Imobiliário e Alimentação e Alojamento teriam uma maior capacidade de recuperação com a introdução de um programa de ajuda emergencial. Os municípios com maior impacto absoluto no PIB seriam Aracaju, Canindé de São Francisco e Nossa Senhora do Socorro.

  • ALEXANDRE PEDRO MOREIRA
  • O IMPACTO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS NA MUDANÇA COMPORTAMENTAL EM ALUNOS DE REDE PÚBLICA DE SANTA LUZIA DO ITANHY - SE.
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 14/04/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As Tecnologias Sociais (TS) são resultantes do avanço do processo de resolução dos problemas cotidianos da sociedade. Fundam-se em conhecimento popular, criatividade e na disponibilidade de recursos da localidade qual emerge. As TS possuem objetivos explícitos de melhoria da qualidade de vida, inclusão social e empoderamento das parcelas menos favorecidas da população. Esta pesquisa discute os efeitos das TS no comportamento humano, daqueles que com elas interagem. Em seu recorte, o trabalho busca captar e identificar o impacto das TS desenvolvidas pelo IPTI no comportamento dos alunos do município de Santa Luzia do Itanhy, estado de Sergipe. Metodologicamente é uma abordagem bibliográfica, de cunho qualitativo e exploratório. A pesquisa faz uso dos instrumentos SENNA, ENRI, Escala LIKERT, Agregativo de Scarpi e Estocástico de Wilder para investigação empírica do estudo. Modela a população observada em dois grupos, tratado e controle. Os instrumentos mostraram que os alunos IPTI, grupo tratado, não possuem características socioemocionais e empáticas mais aprimoradas de que alunos que não participaram dos projetos, grupo controle. Do grupo tratado foram selecionadas amostras compostas por alunos veteranos de cada uma daquelas TS, estruturando os grupos focais. Os resultados, do ponto de vista dos grupos focais, demonstraram que as TS em exame se apresentaram como importantes ferramentas de transformação social, contribuindo positivamente no comportamento interpessoal dos participantes quanto aos aspectos de empatia e competências socioemocionais. Todavia os resultados, segundo os instrumentos de medição, averiguados entre os grupos tratado e controle, não comprovaram evidências empíricas significativas. A conclusão obtida ao final da investigação é a de que as TS do IPTI são relevantes no processo de desenvolvimento pessoal de seus alunos, mas necessitam avançar em metodologias para evolução interpessoal dos mesmos. O Instituto deve estabelecer um método de acompanhamento satisfatório que possa mensurar os impactos reais de suas TS nos alunos e na comunidade que está inserido, antes, durante e posterior aos projetos.

  • JÚLIA LARA BARBOSA CHAGAS
  • Tecnologias sociais e empreendedorismo: um estudo dos projetos desenvolvidos pelo Instituto de Pesquisa em Tecnologia e Inovação – IPTI, em Santa Luzia do Itanhy, SE.
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 31/03/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo analisar a relação entre as tecnologias sociais (TS) desenvolvidas pelo Instituto de Pesquisa em Tecnologia e Inovação (IPTI) e formação empreendedora, com foco principal no empreendedorismo social, investigando se elas fomentam e/ou atuam no desenvolvimento de habilidades/características empreendedoras nos jovens que participam. Tendo como objetivos secundários, a partir dos relatos dos participantes, saber como foi a experiência com as TS, qual o tipo de impacto que elas geraram e apontar suas possíveis deficiências. Para alcançar os objetivos propostos, foi utilizado a Escala sobre Comportamento Empreendedor desenvolvida por Santos (2008) para mensurar a intenção e o potencial empreendedor dos jovens egressos dos programas e, de maneira complementar, foi utilizado o grupo focal (GF), para se ter uma concepção mais aprofundada sobre os impactos dessas tecnologias nos participantes. Para fins de comparação dos resultados da escala também foi utilizado um grupo controle, da cidade vizinha Indiaroba. A escala foi aplicada em todos que participaram dos três projetos analisados – CLOC, Arte Naturalista e PLOC – e aos participantes do grupo controle. Após a aplicação da escala foram selecionados, apenas para os participantes dos projetos, grupos de alunos que já haviam concluído o ciclo de formação para integrar o GF. Para a análise dos dados obtidos na escala são utilizados análise gráfica e de indicadores, Scarpi e Wilder, e feita a comparação entres os grupos tratado e controle. A pesquisa identifica que, em relação a escala, os participantes do grupo tratado apresentaram bons resultados. Contudo, mesmo sem nenhuma intervenção empreendedora os participantes do grupo controle exibiram resultados tão bons quanto os do grupo tratado. O GF aponta que o grupo tratado considera os projetos como transformadores de mentalidade, fazendo-os enxergar novos rumos e os ajudando a mudar a mentalidade instaurada no lugar onde vivem. Entretanto, na perspectiva empreendedora, principalmente a social, não se pode afirmar que os projetos a fomentem da forma que propõe. De maneira geral, a perspectiva empreendedora apresentada aos alunos se afasta da prometida e se mostra deficiente quando ela não é uma experiência focada nas particularidades de cada projeto.

  • ALESSANDRO AUGUSTO COSTA XAVIER
  • CURVA DE PHILLIPS SALARIAL NOVO KEYNESIANA PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: IDENTIFICAÇÃO COM DADOS ESTADUAIS A PARTIR DE UMA ANÁLISE DE VETORES AUTORREGRESSIVOS PARA DADOS EM PAINEL'
  • Orientador : THIAGO HENRIQUE CARNEIRO RIOS LOPES
  • Data: 10/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo verificar empiricamente a curva de Phillips salarial novo-keynesiana para a economia brasileira com o uso de dados estaduais. O suporte teórico é baseado na curva de Phillips Novo Keynesiana desenvolvida por Galí (2011) e sua desagregação para muitas regiões em uma união monetária, conforme proposto por Levy (2019). A estratégia empírica utiliza-se de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) e do IPEADATA entre o segundo trimestre de 2012 e o último trimestre de 2019, em uma estrutura de Vetores Autorregressivos para Dados em Painel (PVAR). Em nossa estimativa favorita, os resultados sugerem que no segundo período após o choque há um decréscimo significativo de −0,27 pontos percentuais no crescimento dos salários nominais, que permanece abaixo do seu valor de equilíbrio durante cerca de 6 trimestres. Ao final de 8 trimestres, o crescimento salarial apresenta um impacto acumulado de −0,70 pontos percentuais após uma inovação da taxa de desemprego. Além do mais, a inclusão de medidas de produtividade no mercado de trabalho como os níveis de escolaridade, medidas alternativas de inflação salarial, desemprego e hiato do produto, não representaram mudanças significativas entre crescimento salarial nominal e custo marginal para a economia brasileira com dados desagregados. Também foi possível observar para o período considerado, que estimativas a nível agregado utilizando-se, para isso, dados agregados referentes ao Brasil como a média ponderada de suas Unidades Federativas e estimações das 5 grandes regiões, Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro – Oeste em separado, numa estrutura de vetores – autorregressivos – VAR, não apresentaram significância estatística e econômica

2021
Descrição
  • LUCAS SILVA PEDROSA
  • O EFEITO DE VARIÁVEIS MACROECONÔMICAS NACIONAIS NAS RECEITAS PÚBLICAS: UM ESTUDO PARA A PREVISÃO DO ICMS DOS ESTADOS DO NORDESTE
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 29/11/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação tem por objetivo apresentar uma metodologia alternativa para a previsão de receitas tributárias dos estados do Nordeste, administradas por suas Secretarias da Fazenda.

    Para isto, utilizou-se um modelo de regressão linear para a projeção da receita de arrecadação própria estadual mais importante, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), com base nos efeitos parciais de curto prazo de variáveis macroeconômicas nacionais, como o PIB, inflação, taxa básica de juros e taxa de câmbio.

    O estudo será dividido em quatro partes principais: revisão sobre as receitas estaduais e os tributos no Brasil, metodologias de previsão de receitas, metodologia de pesquisa e apresentação dos resultados e discussões.

    Os resultados obtidos foram satisfatórios, de modo que se conseguiu prever as receitas anuais de ICMS dos estados do Nordeste com erros de previsão absolutos médios entre 1,48% e 6,83%. Os resultados são importantes para que seja possível estimar dentro de um grau aceitável de previsibilidade as receitas de ICMS dos estados do Nordeste para o ano subsequente por intermédio da Lei Orçamentária Anual.

  • JOSE HELENO ALVES DA SILVA
  • A influência do uso de agrotóxicos e da produção agrícola sobre os casos de intoxicação humana: uma análise para os estados brasileiros entre 2002 e 2018
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 27/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O crescimento na ocorrência de casos de intoxicação humana no Brasil devido ao consumo de agrotóxicos necessita ser amplamente discutido na sociedade, principalmente frente a uma maior liberalização desses produtos nos últimos anos. Soma-se a isso o processo de organização dos cultivares em latifúndios que, em sua maioria, destina-se à produção de commodities para transação no mercado exterior. Diante desse cenário, o presente trabalho tem por objetivo avaliar o efeito do uso de agrotóxicos sobre o número de casos de contaminação humana nos estados brasileiros entre 2002 e 2018. A estratégia empírica consiste na construção de um modelo econométrico de painel dinâmico com variável resposta dada pela ocorrência de intoxicações per capita nos estados. O modelo proposto é estimado via System GMM, com diferentes especificações. Além da demanda por agrotóxicos e da produtividade agrícola como covariáveis de interesse na explicação dos casos de intoxicação, controla-se também por PIB per capita, crédito de custeio, educação e emprego. Os resultados apontam que o aumento nas vendas de agrotóxicos, o aumento na produtividade agrícola e o baixo nível educacional geram influência significativa sobre os casos de contaminações humana por agrotóxicos no país. Nesse sentido, faz-se necessário uma discussão mais ampla sobre as externalidades negativas geradas e que funcionam como entrave ao desenvolvimento rural sustentável.

  • MAKSANDRO JOSÉ DE SOUZA
  • A gestão da Dívida Pública e a Financeirização da Economia Brasileira: 1995-2010
  • Orientador : OLINTO SILVEIRA ALVES FILHO
  • Data: 18/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As transformações econômicas observadas na economia brasileira a partir da década de 1990 foram fortemente influenciadas pelo ideário neoliberal, sintetizados no receituário do Consenso de Washington. Este conjunto de ideias, recomendadas pelos organismos financeiros internacionais (Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, Fundo Monetário Internacional - FMI e Banco Mundial), enfatiza o equilíbrio das contas públicas como indispensável para o combate à inflação e resultou em mudanças estruturais na economia do país, com implicações duradouras em termos de políticas macroeconômicas, especificamente na condução da dívida pública. Segundo dados do Fundo Monetário Internacional (2010) a dívida pública brasileira, que era de 34% do PIB em 1995 - inícios do primeiro governo Fernando Henrique Cardoso (FHC) - chegou a 76%, no final de seu segundo governo, em 2002. Seu sucessor, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula), concluiu o seu segundo mandato em 2010 com a dívida em 63% do PIB. Pesquisou-se sobre a gestão da dívida pública no contexto da financeirização da economia brasileira, a fim de buscar o esclarecimento de como se processou a condução da dívida pública brasileira, entre os anos de 1995 e 2010. Dessa forma, procurou-se verificar se houve ruptura ou continuidade na condução da gestão da dívida na comparação entre os dois mandatos do governo FHC e os dois mandatos do governo Lula. Para tanto, foi necessário avaliar o papel da dívida pública no processo de reprodução do capital no Brasil no período 1995-2010; qualificar as políticas macroeconômicas, de viés monetarista/neoliberal, como principais mecanismos de geração e perpetuação de dívida pública durante os governos de FHC/Lula; e analisar se a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) submete ou não o orçamento público brasileiro ao pagamento da dívida pública. Pretendeu-se, assim, realizar uma pesquisa que combina o método dedutivo com o método empírico-indutivo. Diante disso, observou-se que a dívida pública se constituiu no principal mecanismo de acumulação fictícia do capital entre os anos de 1995 e 2010 e que a LRF expressou a hegemonia do capital especulativo durante os governos FHC/Lula, o que impôs a constatação de que não houve ruptura no regime da dívida pública devido ao processo de financeirização observado na economia brasileira no período 1995-2010.

  • MIQUELINE LEITE COSTA
  • Decisão de Participação dos Jovens Brasileiros no Mercado de Trabalho: Análise com Base em Características Individuais e Familiares
  • Orientador : MARCO ANTONIO JORGE
  • Data: 30/04/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Em 2014 deu-se início a uma crise no país que associou baixo dinamismo econômico com problemas persistentes no mercado de trabalho. No ano de 2019, o grupo de idade das pessoas que participavam da PEA e que registrava as maiores taxas de desocupação era entre 18 e 24 anos. Para muitos jovens, não participar da PEA não é uma opção: à medida que a idade aumenta, aumentam também os custos de oportunidade de permanecerem apenas estudando. Com a crise, adiciona-se a este fato o efeito trabalhador adicionado. Ressalta-se que apesar de vários fatores terem contribuído para aumento da PEA dos jovens filhos com idade entre 14 e 24 anos, a variação dessa participação foi negativa no período. O objetivo deste estudo foi analisar a evolução da participação dos filhos jovens com idade entre 14 e 24 anos no mercado de trabalho, considerando para isso características individuais e interações familiares. Com este objetivo, buscou-se responder o seguinte problema de pesquisa: como as interações familiares e os problemas no mercado de trabalho brasileiro vêm afetando as decisões de participação dos jovens de idade entre 14 e 24 anos no mercado de trabalho? A base de dados utilizada neste estudo foram os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) Contínua, divulgados trimestralmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e a metodologia aplicada foi um modelo econométrico logit em painel. Testaram-se duas hipóteses no estudo e com a investigação verificou-se uma menor participação no mercado de trabalho ao longo do tempo pelos jovens, mas não somente isso, houve também variação na participação considerando a maioria das variáveis analisadas e na maioria dos casos as mudanças, principalmente a partir de 2014, foram provocadas pela crise. Constatou-se também – considerando que algumas variáveis domiciliares/familiares importantes não foram analisadas por questão de organização dos dados – que não é possível afirmar que de forma isolada algumas características podem definir a participação do jovem no mercado de trabalho, apesar de reconhecer a grande influência exercida por características familiares, conforme foi o caso da renda. Destaca-se, porém, que variáveis diversas exercem grandes influências sobre essa decisão: idade, anos de estudo, sexo masculino, aumento no número de componentes do domicílio, jovens de famílias nas menores faixas de renda, residir nas regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste, em comparação com a região Norte, que contribuíram com efeitos marginais médios positivos para a participação dos jovens na força de trabalho. Os efeitos negativos vieram de variáveis como: residir em área urbana, estar em famílias nas maiores faixas de renda e ser da região Nordeste do país. Como contribuição deste trabalho, destaca-se a utilização do modelo painel logit tendo como base a divisão intra domiciliar do trabalho não apenas de famílias formadas por casal, sem considerar os demais membros, mas principalmente considerando nesta divisão a decisão de trabalho pelos filhos jovens.

  • BRUNA MARIA DIAS DOS SANTOS
  • AS DIRETRIZES DAS POLÍTICAS NEOLIBERAIS E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A ECONOMIA BAIANA (2011-2018)
  • Orientador : OLINTO SILVEIRA ALVES FILHO
  • Data: 25/03/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem como objetivo investigar as consequências sociais e econômicas advindas da utilização de políticas neoliberais para a economia baiana. Especificamente, o trabalho busca responder a seguinte problemática: as políticas neoliberais estabelecidas na economia brasileira, entre os anos de 2011 a 2018, trouxeram benefícios socioeconômicos para o Estado da Bahia e sua população? Para responder esta indagação, pesquisa foi desenvolvida através da combinação do método dedutivo e empírico-indutivo. Dessa forma, com base no método dedutivo, foram resgatadas as contribuições de Keynes e das teorias pós-keynesianas, contrastando-as com o arcabouço teórico neoliberal no que se referem ao papel do Estado e das políticas econômicas – evidenciando os impactos das políticas neoliberais sobre as economias centrais e em desenvolvimento. As análises do comportamento de algumas variáveis macroeconômicas – produto, emprego e gastos públicos – são feitas a partir da perspectiva empírica-indutiva, de maneira que foi possível investigar as estruturas orçamentárias e os níveis de investimento público para o Estado da Bahia. A hipótese defendida aqui é que, para o período em tela, as políticas neoliberais impactaram de maneira desastrosa na economia baiana e não proporcionou melhora das condições de vida da população. Os dados utilizados têm como principais fontes as agências de pesquisas e instituições governamentais. Constatou-se que a efetiva implementação das políticas neoliberais, no período estudado, não apenas produziu resultados econômicos desastrosos (aumento da concentração de renda; diminuição ou mesmo queda do PIB; aumento do desemprego e diminuição da renda etc.), mas também provocou o enfraquecimento do papel do Estado e dos instrumentos macroeconômicos de dinamização da demanda agregada.

  • JOÃO ERICK ALEXANDRE BARBOSA COSTA
  • O Impacto dos Determinantes Macroeconômicos Sobre o Investimento Produtivo dos Estados Brasileiros: uma análise em painel dinâmico
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 18/03/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação analisa os principais determinantes macroeconômicos do investimento dos estados brasileiros. O objetivo desse estudo é verificar o impacto de variáveis macroeconômicas como crédito, inflação, taxa de câmbio real, PIB per capita e corrente de comércio sobre o nível de investimento no período de 2008 a 2018. A hipótese a ser testada é que essas variáveis afetam de forma diferenciada os seus estados, dadas suas heterogeneidades produtivas. Utiliza-se de tal período em decorrência da disponibilidade de dados relacionados aos indicadores macroeconômicos estaduais. A metodologia utilizada foi o GMM com uso de variáveis instrumentais adicionais, para suavizar o problema de endogeneidade no modelo. Foram usadas informações anuais das 26 unidades federativas do Brasil, mais Brasília. A variável dependente, o investimento, foi obtida através de uma proxy da produção de bens de capital (fabricação de máquinas e equipamentos). As variáveis explicativas foram a produção de bens de capital defasada em um período, a taxa de juros real, a taxa de câmbio real, as operações totais de crédito estaduais, a corrente de comércio estadual, o índice de preço ao consumidor amplo estadual e o PIB per capita dos estados. Dos resultados obtidos na estimação foi possível evidenciar que as variáveis de produção de bens de capital do período anterior, o crédito, a corrente de comércio e o PIB per capita, tiveram um impacto positivo sobre o investimento no período corrente, sendo significativas a 1%. Mostrando que o investimento corrente possui uma correlação com as decisões de investimento realizadas no passado. O crédito como sendo uma variável essencial para a concretização do investimento, na premissa de quanto maior a disponibilidade de crédito, maior a possibilidade de aumentos os investimentos. Já a corrente de comércio sendo uma variável importante para setor externo da economia brasileira, pois à medida que os estados comercializam mais com o resto do mundo, haverá maior possibilidade de aumentar seu estoque de capital, transformando a economia em um ambiente mais dinâmico. E o PIB per capital, evidenciando que variações no investimento produtivo estão fortemente correlacionados com oscilações do produto. Já as variáveis, taxa de juros real e taxa de câmbio real, tiveram um impacto negativo e foram significativas, a 1% e 5%, respectivamente. Conforme referendado na literatura uma taxa de juros alta e um câmbio apreciado contraem o investimento. Por fim, o IPCA apresentou possuir uma correlação positiva, entretanto, foi não significante.

  • LINDOMAYARA FRANÇA FERREIRA
  • Três ensaios sobre energia renovável e o financiamento público à pesquisa: uma análise a partir do fundo setorial de energia
  • Data: 26/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A atuação do Estado brasileiro no apoio financeiro à PD&I em energia se consolidou com a criação do Fundo de Energia Elétrica (CT-Energ) – dentro do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) com a Lei nº 9.991/2000 –, representando uma reforma crucial no Sistema Nacional de Inovação (SNI). Embora desde 2006 tenha sido ampliado o percentual da aplicação de recursos em atividades de P&D pelas concessionárias, a ausência de fundos de financiamento específicos da PD&I em energias renováveis acarretam uma fragilidade no Sistema Setorial de Inovação em Energia Renovável (SIER) – sendo este, ainda incipiente no Brasil. A presente dissertação se subdivide em três ensaios. No primeiro ensaio, além da discussão teórica em torno dos desafios das energias renováveis no Brasil – com ênfase no esgotamento do atual modelo, no papel da P&D e da atuação do Estado para uma transição energética ambientalmente sustentável –, foi realizado um mapeamento regional das tecnologias renováveis, por meio do indicador de Quociente Locacional (QL), a fim de identificar os seus padrões de especializações. O setor ainda apresenta alguns gargalos, contudo, os resultados mostraram indícios de especialização em energias renováveis na maioria dos estados brasileiros, com destaque para a região Nordeste, que em 2019 apresentou alto grau de especialização na produção de energia eólica e solar. No segundo ensaio, além da discussão em torno da importância da ciência, P&D e inovação para a maturidade das fontes renováveis de energia e o papel do financiamento público, foi realizado uma análise: i) da trajetória de produção científica-tecnológica em energias renováveis e, ii) da capacidade de compartilhamento do conhecimento entre as instituições, no âmbito científico, por meio do método de análise de redes (networks). Por fim, o terceiro ensaio, analisou a contribuição do fundo setorial de energia do FNDCT no tocante a sua capacidade de fomento à pesquisa científica em energias renováveis no Brasil, a partir de uma análise econométrica probabilística, entre o período de 2011 a 2015. A base de dados utilizada nas estimativas foi construída a partir da combinação de dados da base do FNDCT/CNPq e o Currículo Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O levantamento consistiu na extração de informações e características dos pesquisadores doutores e doutorandos no período de acesso ao recurso. Os resultados obtidos demonstraram um impacto marginal positivo do Fundo Setorial de Energia de 2,27% sobre a produtividade científica dos pesquisadores da amostra. Assim, dentro desse arcabouço, foi possível justificar a importância do financiamento a pesquisa destinado às energias renováveis, de modo a criar um ambiente mais atrativo para outras modalidades de financiamento no Brasil.

  • FERNANDA RODRIGUES DOS SANTOS
  • Turismo e Economia: uma análise dos impactos das atividades turísticas sob a estrutura produtiva e o nível de emprego da economia brasileira
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 25/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O turismo é uma atividade econômica que vem se destacando muito nos últimos anos. Segundo o Conselho Nacional de Viagens e Turismo (WTTC, 2020), em 2019, o impacto provocado pelo turismo foi equivalente a 10,3% do PIB global. Nesse mesmo ano, o turismo representou 7,7% do PIB brasileiro. Diante deste contexto, o presente estudo será composto por dois ensaios que abordam as contribuições do turismo para a economia brasileira. O primeiro ensaio tem por objetivos mensurar o grau de dependência do Brasil em relação às atividades características do turismo (ACTs); e decompor a variação da produção das atividades ligadas ao turismo, em efeitos de mudança tecnológica e de demanda final para os anos de 2010 e 2015. Utilizando, respectivamente, o método de extração hipotética e decomposição estrutural. Os principais resultados mostram que a retirada das ACTs provocaria redução de 1,33% no Valor Bruto da Produção (VBP) brasileira e que os impactos provocados pela retirada das estruturas de compra e venda dessas atividades foram relativamente baixos, o que pode ser explicado, em parte, pelo fato das ACTs serem orientadas para a demanda final, em média 55% da sua oferta. Além disso, as variações na produção das ACTs foram predominantemente explicadas pelo comportamento da demanda final, com impacto reduzido do progresso técnico. Dentre os componentes da demanda final, o consumo das famílias e as exportações foram os que mais contribuíram para as variações no produto entre 2010 e 2015. Por sua vez, no segundo ensaio será realizada uma análise regional com o objetivo de investigar a influência das externalidades de especialização, urbanização e diversificação na dinâmica do emprego turístico nas microrregiões brasileiras para o período de 2006 a 2018. Para isso, utilizou-se um modelo dinâmico de dados em painel para captar os efeitos dessas externalidades. Os principais resultados sugerem que as externalidades de especialização e urbanização contribuem positivamente para o emprego formal no setor turístico. Todavia, os efeitos da diversificação afetam negativamente a dinâmica do emprego turístico.

  • OLGA HIANNI PORTUGAL VIEIRA
  • Impactos Econômicos de Curto e Longo Prazo da Usina Termoelétrica Porto De Sergipe
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 25/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta dissertação é avaliar a magnitude dos impactos regionais e setoriais de curto e longo prazo, isto é, fase de construção (2017-2019) e de operação (2020-2030), respectivamente, da Usina Termelétrica (UTE) Porto de Sergipe, com vistas à problemática das desigualdades regionais, sobretudo as intrarregionais no estado de Sergipe. O trabalho está dividido em dois ensaios complementares que utilizam como principal metodologia modelagens em equilíbrio geral. Assim, o primeiro ensaio busca analisar os impactos da fase de construção da termelétrica, utilizando para isso um sistema inter-regional de insumo-produto de Sergipe, ano base 2009, constituído por 82 setores e 5 regiões: 3 sub-regiões de Sergipe, resto do Nordeste e resto do Brasil. Os resultados mostram que a região onde a usina está localizada sofreria maior impacto econômico. Em segundo plano, destaca-se o resto do Brasil por ter sido o maior destino dos vazamentos, fato que pode indicar baixa capacidade das demais regiões em absorver a demanda gerada pelo investimento estruturante. Já em relação à análise setorial, os resultados demonstraram que as atividades mais impactadas seriam aquelas mais intensivas em capital, típicas de um investimento para construção. O segundo ensaio, por sua vez, objetiva avaliar os impactos tanto de curto-prazo, como de longo-prazo, por meio de um modelo dinâmico e inter-regional de Equilíbrio Geral Computável (EGC), o TERM-BR, especificado para 28 regiões e 51 setores. A inovação deste trabalho consiste em desagregar o estado de Sergipe em duas regiões: região Metropolitana de Aracaju e resto de Sergipe, a fim de analisar mais detalhadamente a distribuição espacial dos impactos deste investimento estruturante. Os resultados apontam para um relevante impacto na região metropolitana, com baixo vazamento para o resto de Sergipe e demais estados da federação. Dentre os impactos interestaduais, porém, destacam-se Bahia e Alagoas. Os setores mais afetados na Região Metropolitana de Aracaju estariam mais relacionados à dinâmica de construção e operação de um investimento estruturante, tendo em vista a demanda por insumos e serviços nessas fases, a exemplo dos Serviços de manutenção e reparação, Serviços prestados às empresas, Cimento e outros produtos de minerais não-metálicos, entre outros.

2020
Descrição
  • RAAB LIMA FIGUEREDO DE ARAÚJO
  • Sobre nó(s): a precarização do trabalho na indústria têxtil sergipana
  • Orientador : CHRISTIANE SENHORINHA SOARES CAMPOS
  • Data: 29/05/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As transformações no mundo, nas últimas décadas, colocaram o processo de precarização do trabalho no centro da dinâmica do capitalismo. A partir dos anos 70, com os adventos da financeirização da economia, das políticas neoliberais e da reestruturação produtiva, a precarização do trabalho deixa de ser marginal e torna-se um elemento central na dinâmica do capitalismo, propagando-se por todos os diferentes segmentos de trabalhadores e reestabelecendo uma vulnerabilidade de massa que tinha sido “superada” no período hegemonizado pelas políticas de bem-estar social. Diante disso, presenciamos um movimento de transformações das relações e dos processos de trabalho em direção a modalidades de trabalho entendidas como flexíveis, envolvendo um número significativo de empregos e produzindo impactos sociais e econômicos relevantes. No Brasil, essas transformações foram iniciadas, de modo mais cabal, na década de 1990, momento no qual a hegemonia do pensamento neoliberal instituiu um novo paradigma, em que o predomínio das relações de mercado (com privatização e desregulamentação) minimizaria incisivamente o papel que deveria ser desempenhado pelo Estado. Sob a égide da mundialização do capital, com o estreitamento das conexões internacionais de comércio, investimento e fluxos de capitais, a política econômica do país se reduziu à criação das condições propícias para atrair investidores, lubrificando-se ao máximo a liberdade privada de acumulação. À vista disso, este trabalho analisa, nos marcos das particularidades brasileiras, de que forma a precarização do trabalho se manifesta na indústria têxtil sergipana a partir da década de 1990, considerando-se um contexto caracterizado essencialmente por três processos diferenciados, porém interdependentes: a reestruturação produtiva, a mundialização do capital e o neoliberalismo. Para tanto, utilizamos como instrumento para a compreensão da nossa problemática o método dialético tal qual pensou Marx. A escolha desse método científico se deu em função da nossa busca em romper com o aparente e descobrir as relações entre os processos ocorrentes na totalidade constitutiva do processo de precarização do trabalho. Adicionalmente, traçamos um percurso de investigação que compreende tanto a pesquisa qualitativa, quanto a quantitativa, com prevalência da primeira. Os procedimentos metodológicos utilizados são: estatística descritiva, entrevistas semiestruturadas, revisão da literatura e trabalho em campo com registro sistemático em caderno de campo. Podemos concluir nesta pesquisa que a precarização do trabalho se manifesta hoje na indústria têxtil sergipana, fundamentalmente, através do aprofundamento da intensificação do trabalho a níveis inconcebíveis, mas não só isso, mas também nas ruins condições de trabalho e na captura da totalidade da classe-que-vive-do trabalho.

  • VINICIOS VENTURA DE OLIVEIRA EMERICK
  • POBREZA E SUBDESENVOLVIMENTO SOB O MANTO DAS RENDAS PETROLÍFERAS – UMA ANÁLISE DO PROCESSO CONTRADITÓRIO DE DESENVOLVIMENTO DO NORTE FLUMINENSE, A PARTIR DA REALIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES
  • Orientador : CHRISTIANE SENHORINHA SOARES CAMPOS
  • Data: 25/03/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dinâmica socioeconômica e a ocupação territorial do Norte Fluminense foram determinadas historicamente pela produção de cana de açúcar, que se alicerçava na concentração fundiária e na exploração intensiva da força de trabalho a baixos custos. A partir da década de 1990, com a implantação das políticas neoliberais, ganha destaque na região a expansão de exploração e produção de petróleo e alguns dos municípios que a compõem passou a ter os maiores níveis de orçamento per capita do país. Apesar de toda riqueza gerada por esta atividade econômica, o processo de acumulação de capital não foi suficiente para reduzir a desigualdade socioeconômica criando uma situação sui generis para a análise teórica e para a gestão pública, que alguns estudiosos da região caracterizam como “O desafio da abundância”. Trata-se de uma situação incomum porque em geral o problema econômico consiste em lidar com a escassez de recursos, e este contexto evidenciou que a abundância de renda monetária em um determinado território, por si só também não resulta na elevação substancial dos indicadores socioeconômicos e na redução da pobreza, pelo contrário. Neste sentido, a partir da constatação de que o desenvolvimento no Norte Fluminense é marcado pela manutenção, reprodução e intensificação das desigualdades socioeconômicas, o presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise dos fatores tanto regionais quanto nacionais que influenciaram o processo contraditório de desenvolvimento nesta região, em um contexto histórico em que o acúmulo de capital com as diferentes matrizes de produção não conseguiu minimizar a desigualdade econômica na região. Partindo-se de uma abordagem estruturalista pretende-se analisar oA dinâmica socioeconômica e a ocupação territorial do Norte Fluminense foram determinadas historicamente pela produção de cana de açúcar, que se alicerçava na concentração fundiária e na exploração intensiva da força de trabalho a baixos custos. A partir da década de 1990, com a implantação das políticas neoliberais, ganha destaque na região a expansão de exploração e produção de petróleo e alguns dos municípios que a compõem passou a ter os maiores níveis de orçamento per capita do país. Apesar de toda riqueza gerada por esta atividade econômica, o processo de acumulação de capital não foi suficiente para reduzir a desigualdade socioeconômica criando uma situação sui generis para a análise teórica e para a gestão pública, que alguns estudiosos da região caracterizam como “O desafio da abundância”. Trata-se de uma situação incomum porque em geral o problema econômico consiste em lidar com a escassez de recursos, e este contexto evidenciou que a abundância de renda monetária em um determinado território, por si só também não resulta na elevação substancial dos indicadores socioeconômicos e na redução da pobreza, pelo contrário. Neste sentido, a partir da constatação de que o desenvolvimento no Norte Fluminense é marcado pela manutenção, reprodução e intensificação das desigualdades socioeconômicas, o presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise dos fatores tanto regionais quanto nacionais que influenciaram o processo contraditório de desenvolvimento nesta região, em um contexto histórico em que o acúmulo de capital com as diferentes matrizes de produção não conseguiu minimizar a desigualdade econômica na região. Partindo-se de uma abordagem estruturalista pretende-se analisar o desenvolvimento regional numa perspectiva teórica e empírica, adotando os seguintes procedimentos: a) revisão bibliográfica para compreender o desenvolvimento econômico e os elementos históricos que influenciaram o processo de desenvolvimento regional; e b) estatística descritiva para evidenciar a análise teórica com a realidade socioeconômica do Norte Fluminense a partir da década de 1990, além de verificar as repercussões da economia petrolífera. O município de Campos dos Goytacazes foi escolhido como recorte espacial para retratar o exemplo das contradições que este processo de acumulação engendrou na região. Vale salientar, que o Norte Fluminense convive com a existência concomitante de elementos regionais e nacionais que acarretam neste território um crescimento especializado e o torna dependente de decisões ligadas ao interesse do capital financeiro, de modo que o processo de acumulação de capital não resulta no efetivo desenvolvimento econômico, sob a perspectiva furtadiana. Destarte, embora o Norte Fluminense tenha gerado um imenso volume de riqueza durante as últimas décadas, observa-se por meio da análise histórico-estrutural que a estrutura socioeconômica regional ainda permanece caracterizada pela reprodução e permanência dos aspectos do subdesenvolvimento como desigualdade social, altos níveis de pobreza e baixo dinamismo econômico.

  • SIVANILDO JOSÉ DE ALMEIDA
  • INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO DE LONGO PRAZO: UMA ANÁLISE EM PAINEL ESPACIAL COM ÊNFASE NA AMÉRICA LATINA E CARIBE NO PERÍODO DE 1975-2016.
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A moderna teoria do crescimento econômico identificou diversos fatores como sendo cruciais para o bom desempenho dos países, dentre eles, estão: capital físico/ humano, progresso tecnológico, gastos do governo, abertura comercial, entre outros. No entanto, teorias alternativas apresentam outros componentes como fundamentais ao crescimento econômico das nações, este é o caso da teoria institucionalista, que reforça o papel das instituições e, que vem sendo amplamente difundida, sobretudo, a partir da década de 1990. A definição de instituição utilizada neste trabalho é de Douglass North, para ele, instituições são restrições que orientam o comportamento das pessoas, resultando na melhora da convivência de toda sociedade. As instituições podem ser formais (regras, leis e constituição) e informais (códigos de conduta e cultura de uma sociedade). Para esta vertente teórica, a chave para a compreensão do crescimento econômico dos diversos países ao longo do tempo, está no estudo da dinâmica e mudança institucional das economias. Dessa forma, o objetivo do trabalho é analisar a influência do ambiente institucional no crescimento econômico dos países, com ênfase na América Latina e Caribe, a partir da perspectiva da Nova Economia Institucional (NEI), visando identificar o papel das instituições nas diferenças de crescimento. O período analisado é de 1975-2016 onde ocorreram mudanças institucionais importantes. A metodologia está baseada em um painel espacial para 59 países desenvolvidos e em desenvolvimento e para subamostras compreendendo países do continente americano e alguns países que compõe a América Latina e Caribe para visualizar a sensibilidade dos resultados nessas regiões. Foram estimados modelos sem e com controle espacial: i) mínimos quadrados ordinários (OLS); ii) modelo autorregressivo espacial (SAR); iii) modelo de erro espacial (SEM); iv) modelo espacial de Durbin (SDM). A variável dependente é a taxa de crescimento do PIB per capita e, como explicativas, tem-se: capital físico e humano, corrente de comércio e crescimento populacional (controles) e dois índices que mensuram a qualidade das instituições, Polity IV e Fraser Institute. O primeiro, informa os níveis de democracia e autocracia das nações, enquanto, o segundo indica a liberdade econômica dos países. Os resultados indicam que as instituições econômicas são importantes para o crescimento econômico dos países em todos os recortes amostrais avaliados. Contudo, observou-se que os efeitos das instituições políticas se mostraram significativos somente nos casos das amostras para países do continente americano e da América Latina e Caribe. Ademais, a velocidade de convergência entre os países aumenta quando as instituições econômicas são incorporadas ao modelo.

  • DAYANNE SANTOS SILVA
  • A universidade como estratégia de desenvolvimento regional no contexto dos Sistemas Regionais de Inovação: uma análise para os Centros de Desenvolvimento Regional (CDR)
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As universidades possuem múltiplos papeis, cuja base se dá no conhecimento e aprendizagem. Outro sim, elas estão diretamente relacionadas a inovação. Portanto, são peças fundamentais para o desenvolvimento nacional e regional. Nesse contexto, os papeis de ensino e pesquisa, aliados ao papel da extensão são abordados, adentrando na extensão para América Latina e Brasil. No contexto brasileiro, a extensão universitária ocorre muitas vezes de maneira pontual, como solução e consolidação do papel da universidade ao desenvolvimento regional, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) cria o programa dos Centros de Desenvolvimento (CDR). Que tem como objetivo principal alavancar o desenvolvimento regional brasileiro, utilizando as Instituições de Ensino Superior (IES) como universidades desenvolvimentistas. Para movimentar os atores locais em busca do desenvolvimento regional brasileiro, a partir de políticas de inovação inclusivas que utilizem o conhecimento como base e busquem melhorar a vida da sociedade. Atualmente, existem quatro projetos pilotos em andamento, nas regiões: Campina Grande (PB), Campanha (RS), Sudoeste Paulista (SP) e Distrito Federal (DF), cuja metodologia de implementação se deu por análise do CGEE, mas necessita de aperfeiçoamento. Portanto, o objetivo do trabalho é do trabalho é avaliar o processo de implementação do projeto dos Centros de Desenvolvimento Regional (CDR), para atuar na proposição de avanços nos critérios de seleção e implementação. Para avanços e propor melhorias ao processo de implementação, é proposta metodologia que analisa os dados do Diretório de Grupos de Pesquisa (DGP) em três dimensões e indicadores, que envolve a interação do grupo de pesquisa com a sociedade e com o setor produtivo. Os resultados principais mostram que a análise dos grupos de pesquisa é uma fonte de dados de extrema relevância ao CDR, uma vez que se permite associar e verificar a relação com os projetos selecionados para cada região piloto.

  • GILMAR AGOSTINHO DE SANTANA
  • CRÉDITO RURAL E CRESCIMENTO AGRÍCOLA NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS.
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 21/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos, a dinâmica interna da economia brasileira concentrou-se na produção do setor primário destinado ao comércio internacional. O Brasil é um dos maiores produtores de commodities no mundo, sendo o agronegócio, sobretudo, a produção de bens agrícolas responsável por um quarto do PIB brasileiro e pelo saldo positivo da balança comercial. Diante deste contexto, o crédito rural é um dos principais instrumentos utilizados pelos produtores do setor primário para manutenção dos fatores de produção, além de mecanismo propulsor da produção e produtividade agrícola. Desta forma, o objetivo geral deste trabalho é avaliar se a política de crédito rural (nas modalidades de crédito de custeio e investimento), partindo da concepção neoclássica de crescimento de equilíbrio parcial de Marshall, foi propulsor para o crescimento do setor agropecuário dos munícipios brasileiros, durante os anos de 2002 a 2016. Dentre os instrumentos metodológicos que utilizado estão os métodos de análise locacionais, para obter um estudo descritivo das relações entre o crédito rural e a produção agrícola; e os métodos econométricos de análise espacial para mensurar, em termos médios, os efeitos do crédito rural no crescimento agrícola. O presente estudo mostra-se relevante devido a importância do crédito rural na produção de bens agrícola, visto que os gastos públicos com crédito de custeio e investimento cresceram de forma exponencial acima da variação da produção do setor primário. Por outro lado, dentro da literatura brasileira há poucos indícios concretos a respeito da relação destas variáveis, associados a resultados não homogêneos, uma vez que mudam de acordo com a espacialidade observada. Deste modo, justifica-se compreender minuciosamente a relação entre crédito rural e produção, a fim de construir argumentos de intensificação ou de revisão das práticas de subsídios atuais dessa política pública. Os resultados mostraram que os municípios da região Norte, Centro-Oeste e Sul se destacaram no setor primário, destacando-se como as principais relações espaciais de produção e produtividade agrícola. Com relação aos dados de crédito rural, apesar de menos evidentes, apresentam algum tipo de dependência espacial no Norte, Centro-Oeste e Sul do país. Entretanto, os resultados econométricos, demonstraram um baixo poder de impacto das modalidades de crédito rural na produção agrícola, tanto em termos de insumo como nas relações espaciais de transbordamentos.

  • FABRÍCIO ANDRE ZANGHELINI
  • Reforma Trabalhista de 2017: um incentivo à ampliação da exploração da força de trabalho por trás dos mitos neoliberais
  • Orientador : OLINTO SILVEIRA ALVES FILHO
  • Data: 11/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Dentro de um contexto nacional e mundial de ataque aos direitos dos trabalhadores, em julho de 2017, sem que houvesse um debate democrático com a sociedade civil, foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente da República a Lei 13.467/2017, que materializou a chamada Reforma Trabalhista – a mais profunda alteração das relações trabalhistas desde a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em 1943. Faz-se imperioso observar que essa reforma é apresentada, na visão neoliberal, como uma possibilidade de modernização das relações trabalhistas. Contudo, o que se verifica na essência das relações de produção é apenas a redução dos custos do trabalho. Nesse sentido, a partir da análise do fato de que a reforma trabalhista busca aumentar o poder do capital (maior capacidade em determinar as condições de contratação, uso e remuneração da força de trabalho), o objetivo da presente pesquisa é analisar a reforma trabalhista de 2017 no contexto de novos avanços das políticas neoliberais e verificar como os seus resultados – após, praticamente, dois anos da consolidação de tal reforma – repercutem sobre o mercado de trabalho e sobre a classe trabalhadora. Utilizando-se do materialismo histórico-dialético como método científico, trata-se de uma pesquisa explicativa que pretende identificar os resultados e os efeitos da reforma trabalhista de 2017 numa perspectiva teórica e empírica. Assim, na análise de procedimento, adota-se o estudo teórico-bibliográfico e documental sustentado no aporte de Marx e em diversos autores/as que apresentam uma perspectiva crítica. Quanto à análise empírica dos fenômenos observados, é utilizada a estatística descritiva, tendo como fonte de pesquisa os dados originais da base de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC/IBGE) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). Enfim, a reforma trabalhista de 2017, a qual flexibilizou (retirou) diversos direitos historicamente instituídos pela luta da classe trabalhadora e diminuiu o custo total do trabalho na promessa de modernizar as relações trabalhistas e criar novos empregos, não alterou o quadro de desemprego e informalidade e, além do mais, incentivou modalidades de contratação e de ocupação que ampliam a exploração da força de trabalho no Brasil.

2019
Descrição
  • JOSÉ CARLISSON DO NASCIMENTO SANTOS
  • OBESIDADE ADULTA E O MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA AS 26 CAPITAIS ESTADUAIS E O DISTRITO FEDERAL A PARTIR DAS MUDANÇAS CONJUNTURAIS ENTRE 2006 E 2018.
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 20/12/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A obesidade é um problema de saúde pública que atinge milhões de pessoas no mundo. Atualmente, no Brasil, esta condição crônica vem crescendo rapidamente. Além dos problemas de saúde e dos custos diretos (públicos e privados), os custos indiretos referentes às perdas de produtividade, absenteísmo no trabalho e o preconceito presente no dia a dia de quem sofre com essa condição, tem despertado o interesse de diversas áreas do conhecimento, dentre elas a economia, que busca explicar as suas causas e consequências. Neste sentido, esta dissertação tem como objetivo avaliar em que medida a obesidade afeta a participação de homens e mulheres em idade ativa na força de trabalho considerando um cenário de crescimento econômico seguido de recessão nas 26 capitais estaduais e no Distrito Federal. Para tanto, foram utilizados dados secundários da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (VIGITEL-DATASUS) para a construção de um modelo econométrico de pooled logit. Os principais resultados apontam que em um cenário geral a relação entre a obesidade e as chances de emprego é negativa para as mulheres enquanto que o sobrepeso favorece os homens. Neste contexto a sociedade impõe padrões de valorização do corpo nos quais ser acima do peso gera uma percepção negativa que potencializa a inserção de mulheres obesas no mercado de trabalho. Entretanto, tanto homens quanto mulheres com obesidade são os menos penalizados em um contexto de crise econômica. A divergência de resultados reportados pode ser atribuída, hipoteticamente, a diferença de colocação no mercado de trabalho entre diferentes grupos demográficos diante de variações na conjuntura econômica influenciada por fatores exógenos tais como lei de cotas e baixos salários de reservas da população obesa.

  • ANA CAROLINA MONTEIRO REBELO
  • ORIGEM, ASCENSÃO E CRISE DO FIES: UMA ANÁLISE REGIONAL DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL DO ENSINO SUPERIOR PARA PERÍODO DE 2011 A 2018
  • Data: 28/05/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • No cenário econômico mundial, apresenta-se claramente uma forte heterogeneidade no que se refere ao nível de desenvolvimento dos países, o que despertou o interesse de muitos economistas para o estudo do crescimento e desenvolvimento econômico, em vista de conhecer as causas desse crescimento. Também, a nível nacional, na grande maioria dos países, principalmente nos países em desenvolvimento como o no Brasil, nota-se heterogeneidade de desenvolvimento entre suas regiões. O capital humano, apesar de receber mais destaque a partir da década de 60, sempre esteve presente nas teorias do crescimento econômico como um os fatores fundamentais para esse processo, juntamente com a formação de capital físico e inovação tecnológica. Nesse sentido, o ensino superior apresenta destaque, dado sua característica de formar profissionais especializados, fomentar a pesquisa e a inovação tecnológica. No Brasil, a criação do Programa de Financiamento Estudantil do Ensino Superior (Fies), institucionalizado em 2001, visava incentivar a qualificação da mão-de-obra, principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, consideradas menos desenvolvidas e mais necessitadas dessa qualificação. Entretanto, há possíveis desdobramentos desse programa que podem trazer prejuízo a médio e longo prazos para todo o país, principalmente no sentido de acentuar as desigualdades regionais. Assim, o objetivo desse trabalho é analisar as implicações da distribuição dos recursos do Fies no contexto do desenvolvimento regional, no período de 2011 a 2018. Os dados provêm das plataformas digitais do FNDE e do INEP. Portanto, iremos resgatar um pouco das teorias do crescimento e desenvolvimento econômico, bem como a teoria do capital humano, depois faremos um apanhado histórico da educação superior no Brasil, abordando algumas realidades da educação superior pública e privada, juntamente com uma breve descrição sobre o surgimento do Fies. Em seguida, descreveremos seu desenvolvimento e declínio, no período de 2011 a 2018, concluindo com a análise da sua distribuição regional através do método shift-share para esse período, por corresponder ao intervalo de tempo cujos dados estão disponíveis.

  • ANDERSON RENÊ SANTOS SILVA
  • QUANTIFICAÇÃO DE RISCO EM FINANÇAS: BITCOIN SOB A AVALIAÇÃO DO VALUE AT RISK
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 26/04/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem por objetivo analisar o comportamento de uma das criptomoedas mais conhecidas atualmente, o BitCoin, em relação ao risco oferecido pela operação, através do Value at Risk (VaR), que é uma métrica de risco bastante utilizada em bancos e fundos de investimento, para gestão de investimentos. Apesar de possuir várias formas de obter o VaR, muitas métricas perdem em eficiência decorrente de má especificações nos modelos, é importante, para evitar decisões erradas dos investidores que seja obtida, ao menos, uma metodologia robusta e eficiente para estimação do VaR. Neste caminho, a literatura econométrica, é bastante vasta em apresentar diversas abordagens, não obstante, foram considerados trabalhos relevantes os que apresentaram uma abordagem empírica do VaR através do modelo Generalized Autoregressive Conditional Heteroskedasticity (GARCH), desenvolvido em 1986 pelo professor Tim Bollerslev. Este modelo apresenta ganhos significativos, solucionando problemas existentes ao utilizar os modelos autorregressivos com heterocedasticidade condicional, além de permitir uma memória mais longa (mais observações) e uma estrutura de atraso mais flexível.

  • MANUELA MACEDO OLIVEIRA
  • Dois ensaios sobre as emissões de gases de efeito estufa do BRIC: uma análise de insumo-produto
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 22/04/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A crescente preocupação com o meio ambiente desperta questionamentos acerca dos efeitos do crescimento econômico sobre a degradação ambiental. Um dos problemas ambientais contemporâneos de maior destaque é o aquecimento global, que tem como principal causa a intensificação das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. Historicamente, os países desenvolvidos são os principais responsáveis pelo aquecimento global, mas nas últimas décadas os países em desenvolvimento têm aumentado continuamente suas emissões, dentre eles estão os países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). Diante disso, a dissertação consta de dois ensaios e objetiva estudar as emissões de GEE dos países do BRIC a partir das matrizes de insumo-produto e emissões setoriais de GEE da World Input-Output Database (WIOD). No primeiro ensaio utiliza-se o método de análise de decomposição estrutural para decompor os fatores responsáveis pela evolução das emissões do BRIC de 1995 a 2009. Os principais resultados indicam que não houve mudança significativa no perfil de emissão dos países. No Brasil, a exportação agropecuária mostrou ser o fator que mais contribuiu para o aumento das emissões no período. Na Rússia destacou-se a demanda intermediária do setor industrial, sobretudo eletricidade e fornecimento de gás e água. Na Índia e na China, a demanda final por setores industriais foi o que apresentou maior participação no aumento das emissões dos países. Observa-se que o aumento das emissões dos países emergentes tem ocorrido concomitante a estabilização em países desenvolvidos, fomentando a hipótese de fuga da poluição a partir das relações de comércio internacional. Nesse sentido, o segundo ensaio objetiva analisar estruturalmente o comércio internacional a partir do método de insumo-produto, e identificar as emissões incorporadas nas exportações e importações dos países do BRIC em 1995, 2000, 2005 e 2009. Os principais resultados indicam que os quatro países do BRIC foram exportadores líquidos de emissão de GEE no período analisado, com destaque para a Rússia.

  • SAMIA MERCADO ALVARENGA
  • SUICÍDIOS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM ESPACIAL PARA MUNICÍPIOS
  • Data: 05/04/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O suicídio é reconhecido internacionalmente como um problema de saúde pública que figura entre as dez causas de mortes mais frequentes entre a população em geral, superando a quantidade de mortes por conflitos armados. Diante disso emergem teorias sociológicas e, posteriormente, econômicas que tentam explicar os fatores que induzem essas mortes. Do ponto de vista social, o suicídio é um ato condicionado puramente por determinantes extrínsecos ao sujeito, ao passo que a teoria econômica o concebe a partir da confluência desses determinantes com decisões individuais. Além de controvérsias teóricas, as evidências sobre o suicídio, tanto para mundo quanto para o Brasil, ainda são inconclusivas. No país, segundo dados do Sistema de Mortalidade, para cada suicídio registrado, estima-se que existem mais de vinte tentativas não reportadas. O sub-registro, aliado à raridade e às características inerentes a sua distribuição, torna o fenômeno ainda mais complexo, especialmente no contexto brasileiro, em que as dimensões continentais comportam heterogeneidades socioeconômicas e culturais. Logo, pergunta-se: qual a influência de fatores socioeconômicos nas ocorrências de suicídio considerando interações espaciais? A hipótese que norteia o desenvolvimento desse estudo sugere a existência de efeitos espaciais multiplicadores de modo que a estratégia empírica adotada para responder ao problema proposto consiste na utilização de um modelo espacial Tobit Autorregressivo para os municípios brasileiros no ano de 2010 precedido de uma Análise Exploratória de Dados Espaciais. A abordagem empírica adotada representa um importante avanço na literatura, já que, além de considerar a autocorrelação espacial a um nível de agregação que até então não era comum aos estudados a respeito do suicídio, também oferece um tratamento para variáveis censuradas. Os principais resultados corroboram estudos anteriores acerca da influência significativa dos fatores socioeconômicos e demográficos, revelando efeito positivo para renda per capita, tamanho da população urbana e área plantada com cultivo intenso de organofosforados. Em contrapartida, a variável para educação, grau de formalidade do mercado de trabalho e taxa de fecundidade evidenciaram influência negativa, ao passo que o Índice de Gini não se mostrou relevante para explicação do suicídio nos municípios brasileiros. A hipótese acerca dos efeitos multiplicadores foi consistente com os postulados durkheimianos sobre o efeito contágio. Portanto, é desejável que políticas públicas para contenção e prevenção do suicídio levem em consideração não só aspectos socioeconômicos e demográficos, como também a distribuição territorial das ocorrências e a interação espacial existente entre elas.

  • EDNA SILVA FONSECA
  • A discriminação da mulher negra no mercado de trabalho: uma análise comparativa do rendimento no trabalho na Bahia versus Brasil no período de 2001 e 2015.
  • Orientador : MARCO ANTONIO JORGE
  • Data: 29/03/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A discriminação e as desigualdades de oportunidades verificadas no mercado de trabalho é algo a ser superado pela sociedade brasileira. As assimetrias sociais e de renda entre homens e mulheres, negros e brancos não se afastam desta realidade. Desta forma, considera-se pertinente a investigação acerca da discriminação no mercado de trabalho que afeta sobremaneira a população negra, mais especificamente, as mulheres negras, confrontando seus indicadores com o grupo populacional oposto, homens brancos, além das mulheres brancas e internas ao seu grupo de cor, os homens negros. Toma-se como recorte espacial o estado da Bahia que se caracteriza, por entre as unidades federativas, apresentarem um quadro demográfico majoritariamente composto por afrodescendentes, contrapondo suas estimativas com as estatísticas nacionais. A delimitação temporal está registrada entre o período de 2001 e 2015, tomando como base as informações contidas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD). O aporte metodológico está em função de métodos analíticos históricos e quantitativos. Este último engloba a estimação da equação de salários sugerida por Mincer (1974), no formato cross-section, seguida da correção do viés de seleção amostral proposto por Heckman (1979) comumente conhecida como a Inversa de Mills, por este procedimento fornecer maior consistência para o modelo, e por fim, realiza-se a decomposição do diferencial de salários proposto por Oaxaca (1973). Os resultados iniciais sugerem, como preconizado pela literatura especializada, a existência de retornos salariais distintos de acordo com o gênero e a cor. O diferencial salarial entre os grupos caracterizados pelos homens brancos e mulheres negras, homens negros e mulheres negras, mulheres brancas e negras, verifica-se maior predominância no hiato do rendimento do trabalho entre os primeiros pares em ambos os territórios. Quanto à diferença nos rendimentos provenientes da discriminação, constatou-se que no ano de 2001 na Bahia, qualquer indivíduo que mantivesse as mesmas características das mulheres negras sofreria uma depreciação salarial, mas em distintas magnitudes. Em 2015, os homens brancos considerados a categoria mais prestigiada no mercado de trabalho não seriam impactados por tais características, no entanto, os demais indivíduos ainda sofreriam com a perda salarial decorrente de fatores discriminatórios caso apresentassem similaridades com o grupo das afrodescendentes.

  • CAIO HENRIQUE MOTA SILVA BAPTISTA
  • O EFEITO DO CRÉDITO RURAL SOBRE O CRESCIMENTO AGROPECUÁRIO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL ENTRE 2003 E 2016
  • Orientador : FABIO RODRIGUES DE MOURA
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação tem como principal objetivo o estudo da relação entre desenvolvimento financeiro e crescimento econômico, mais especificamente, a relação entre crédito rural e crescimento agropecuário dos municípios do Brasil entre 2003 e 2016. De forma que o estudo é divido entre duas análises: a relação entre crédito rural e produção agropecuária, e crédito agrícola e produtividade agrícola. Para tal, o trabalho foi dividido em dois ensaios. No primeiro ensaio é desenvolvida uma análise exploratória de dados espaciais (AEDE), com o principal intuito de verificar os padrões de correlação espacial para a primeira e segunda análise. O segundo busca investigar qual a relação estrutural das duas análises, de forma que cada análise foi constituída por um modelo econométrico; onde os dois modelos são estimados através de uma regressão com dados em painel de efeitos fixos e uma regressão quantilica condicional com dados em painel. Com base no primeiro ensaio, verificou-se que há uma correlação espacial positiva relevante entre crédito rural e produção agropecuária durante o período analisado, em detrimento da correlação espacial entre crédito agrícola e produtividade agrícola, que se mostrou irrisória. Com o segundo ensaio, foi possível observar que há um impacto positivo expressivo do crédito rural sobre a produção agropecuária municipal, de forma que apenas o crédito rural em investimento contribui para diminuir as desigualdades dos municípios em termos de VAB agropecuário. Também foi possível verificar que há um impacto positivo expressivo do crédito agrícola sobre a produtividade agrícola municipal, e que nesse caso o crédito agrícola, em custeio e investimento, contribui para diminuir as desigualdades dos municípios do Brasil em termos de VAB agropecuário.

  • JULIANA LIMA DE ANDRADE
  • Estrutura Produtiva de Minas Gerais: uma Análise dos Territórios de Desenvolvimento para os anos 2006-2016
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As disparidades econômicas regionais constituem um entrave ao desenvolvimento da nação. Em relação a Minas Gerais, dados do IBGE referentes ao PIB de 2016 apontam que o Estado ocupa a terceira posição dentre os mais ricos do país, todavia, possui disparidades significativas quanto à distribuição de suas atividades produtivas. O presente trabalho busca analisar a dinâmica setorial e os fatores locacionais determinantes da distribuição espacial das atividades produtivas no Estado de Minas Gerais, à luz das principais teorias de análise regional, além de uma revisão bibliográfica a cerca processo de desconcentração produtiva, verificada na década de 1970, bem como o impacto das diferentes orientações de política econômica adotadas e as profundas mudanças que atingiram o país a partir da década de 1980, dentre as quais a globalização, a abertura comercial e a reestruturação de seu parque produtivo, responsáveis pela intensificação das disparidades entre as regiões brasileiras. Assim, buscou-se investigar a ocorrência de especialização ou diversificação das atividades produtivas por meio do cálculo dos quocientes locacionais para os anos 2006, 2011 e 2016. Em seguida, realizou-se uma análise do crescimento econômico dos territórios de desenvolvimento de Minas Gerais em termos de sua estrutura produtiva através do método Diferencial-Estrutural, utilizando o emprego formal como variável-base. Os resultados apontam para uma elevada concentração produtiva no Território Metropolitano, apesar da diversificação das atividades produtivas verificadas em todos os territórios de desenvolvimento, além de particularidades na evolução da estrutura produtiva em cada território, evidenciando a multiplicidade de setores e orientações presentes na dinâmica de desenvolvimento do Estado.

  • EMANUEL JHONATA GOMES DA SILVEIRA
  • Efeitos da atividade turística no Brasil: uma abordagem de shift-share econométrica (2006-2016)
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Diante dos efeitos macroeconômicos criados pelo turismo, sobretudo de modo benéfico, a prática da atividade turística cada vez mais se faz presente quando o quesito é alcançar o desenvolvimento econômico. Assim, tendo que algumas microrregiões sejam mais dinâmicas que outras, no tocante ao grau de especialização e vantagens competitivas nos serviços turísticos oferecidos. Diante disso, o problema de pesquisa que se coloca é: por que algumas microrregiões são especializadas ou competitivas em turismo em detrimento de outras? Como hipótese sugere-se que microrregiões mais desenvolvidas no setor turístico tendem a ter baixos transbordamentos espaciais na geração de empregos formais, uma vez que o emprego desta atividade é eminentemente local. Os objetivos deste trabalho, portanto, são: verificar a distribuição do emprego formal do setor turístico nas microrregiões brasileiras, decompor o crescimento do emprego formal das atividades turísticas entre 2006-2016 nos componentes de especialização e competição, construir um modelo econométrico espacial para explicar esses efeitos e identificar, eventualmente, transbordamentos espaciais entre as microrregiões. Em posse dos resultados buscar-se-á a identificação de padrões estruturais do setor no sentido de serem sugeridas políticas adequadas à realidade regional que cada microrregião possui, determinando os serviços turísticos como um setor que apresente vantagens competitivas e de especialização, visando o desenvolvimento do turismo especialmente nas regiões pouco dinâmicas, dado a vizinhança geográfica pertinente.

  • SAMUEL FERNANDES LUCENA VAZ CURADO
  • Teoria dos ciclos econômicos: a economia brasileira entre 2003 e 2018.
  • Orientador : ANTON PETER MULLER
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O ciclo econômico constitui um dos principais campos da ciência econômica. Esta dissertação debate teorias dos ciclos de orientações keynesiana e austríaca. Segundo os economistas keynesianos, os ciclos são consequência de flutuações da confiança e das expectativas e devem ser respondidos com políticas econômicas anticíclicas. Para desenvolver esta corrente, o trabalho recorre às contribuições originais de Keynes, ao modelo IS-LM e a considerações pós-keynesianas sobre o ciclo. Para os economistas austríacos, as flutuações de curto prazo são naturais, mas o ciclo econômico é causado por desequilíbrios no mercado monetário e no sistema de preços. Como desenvolvimento da teoria austríaca, o trabalho faz uma exposição do modelo GSMS. A análise empírica do trabalho aborda a economia brasileira entre 2003 e 2018. Apesar de taxas elevadas de crescimento num primeiro momento, a economia chega aos últimos anos da década de 2010 estagnada, sem conseguir aumentar sua produção e com um alto número de desempregados. O objetivo é relacionar o aumento do crédito e da moeda durante o período proposto com as fases de expansão e retração econômica, no contexto do sistema de metas de inflação. O trabalho propõe a investigação das motivações por trás das políticas macroeconômicas, buscando identificar o discuso oficial do governo. Para tanto, propõe-se a leitura das atas das reuniões do Copom e de discursos e leis relevantes ao longo do período. Além disso, utiliza-se de revisão bibliográfica e estatística descritiva. A dissertação indica pontos de concordância entre austríacos e keynesianos, como o excesso de investimentos infundados na fase de alta do ciclo e a tese da não neutralidade da moeda. Os resultados empíricos apontam que o Copom, ao seguir o sistema de metas de inflação, ignorou o crescimento excessivo da oferta monetária.

  • ANTONIO ZACARIAS BATISTA DE OLIVEIRA
  • ENSAIOS SOBRE OS EFEITOS DA ATIVIDADE MINERADORA SOBRE A EFICIÊNCIA E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NOS MUNICÍPIOS BAIANOS.
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação é composta por dois ensaios estruturados de forma independente, que trazem análises sobre a natureza dos efeitos da aplicação dos royalties da mineração no processo de desenvolvimento dos munícipios baianos. Embora estejam relacionados, no primeiro será analisada a natureza de tais efeitos na evolução dos níveis de desenvolvimento socioeconômico municipal entre 2005 a 2015. Além trazer as discussões em torno dos impactos da indústria extrativa no desenvolvimento socioeconômico, adota como estratégia metodológica um modelo linear econométrico de dados em painel para efeitos fixos. A fim de verificar se há correlação entre arrecadação e uso de CFEM e os incrementos nos níveis de desenvolvimento municipal. O modelo tem como variável explicada o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal consolidado (IFDM GERAL). E como variáveis explicativas os valores arrecadados da CFEM e o PIB Municipal, ambas divididas pela população municipal. Incluindo também uma variável categórica para diferenciar municípios arrecadadores de não arrecadadores de CFEM. Os resultados apontam que, embora as regressões múltiplas tenham sido significativas a todos os níveis de significância, os pesos das variáveis explicativas são muito pequenos. Inclusive da variável categórica, o que sugere não haver muita diferença entre os municípios arrecadadores e não arrecadadores. Por sua vez, o segundo ensaio analisa a natureza dos efeitos da aplicação dos royalties da mineração na eficiência dos municípios baianos, no que se refere à promoção do desenvolvimento econômico entre 2010-2015. Para tanto, é adotada como estratégia metodológica a Análise Envoltória de Dados – Data Envelopment Analysis (DEA) ou Frontier Analysis, com efeitos variáveis à escala (BCC) orientada para o produto, e combinada com a metodologia do Índice de Malmquist de produtividade. Possibilitando uma análise intertemporal. O modelo teve com variável input a relação Arrecadação CFEM/APU Municipal. e como variáveis outputs (independentes) o IFDM – Educação, IFDM – Emprego e Renda e o IFDM – Saúde. Os resultados obtidos sugerem que os munícipios arrecadadores estudados, em sua maioria (aproximadamente 75%), foram eficientes. Ainda que, não tenham obtido incrementos significativos nos seus níveis de desenvolvimento.

  • VALÉRIA ANDRADE SILVA
  • SAÚDE, ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO: UMA ANÁLISE PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1990-2015)
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 21/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho é avaliar a relação entre o envelhecimento populacional, a saúde e o crescimento econômico nos estados brasileiros entre 1990 e 2015. A literatura chama a atenção para o fato de que o processo de envelhecimento populacional, que ocorre em todos os países, é caracterizado pela mudança nos padrões de morbidade e mortalidade da população. Assim, concomitante a esse processo, é observada a transição epidemiológica, na qual há uma redução das doenças infectocontagiosas e um aumento das doenças crônicas degenerativas. Todas essas modificações provocam efeitos significativos sobre as variáveis sociais e econômicas. No entanto, a literatura mostra que existe uma dualidade no sentido dos efeitos tanto da saúde quanto do envelhecimento populacional sobre o crescimento econômico. Para observar esse comportamento, foi proposto dois métodos em dados em painel para os estados brasileiros, quais sejam: (i) o método System GMM (método generalizado dos momentos) desenvolvido por Blundell e Bond (1998) e, (ii) Regressão Quantílica por Canay (2011), sendo que, para esta última, foram utilizadas janelas de tempo. No modelo System GMM é utilizado o logaritmo do PIB real per capita como variável dependente, e na Regressão Quantílica, a taxa de crescimento do PIB real per capita, ambos para captar também, a convergência de renda. Os resultados obtidos neste trabalho indicam que, nos estados brasileiros, o aumento da proporção de idosos e da razão de dependência não têm causado redução do PIB real per capita, embora, quando observada a relação destas variáveis, com defasagem de tempo, há um efeito negativo. De forma global, os efeitos são positivos, indicando que, no Brasil, no período de 1990 a 2015, o envelhecimento populacional não causou uma redução da economia, o que pode estar relacionado ao fato de que ainda se tem uma maior proporção da população em idade ativa, dado que se está passando pelo bônus demográfico. Observa-se também, que o aumento da população com 65 anos ou mais possui um efeito positivo sobre a distribuição da taxa de crescimento do PIB real per capita, mas, ao mesmo passo, possui um efeito de aumento das desigualdades entre as mesmas, dispersando-as. Com relação à saúde, a taxa de mortalidade infantil não se mostrou com um efeito relevante sobre o crescimento econômico. Conclui-se que, no Brasil, os efeitos do aumento da população idosa ainda não são tão aparentes, mas, não deixa de apresentar-se como um alerta, uma vez que existe uma tendência ao aumento dessa população em detrimento da população em fase ativa, o que poderá ter efeitos futuros negativos, se não houverem investimentos em capital humano, como saúde e educação, e em melhorias no sistema de proteção social.

2018
Descrição
  • RAFAEL REYNALDO DE FREITAS VICENTE
  • DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASILEIRO
  • Data: 25/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se propõe a analisar a reforma do sistema previdenciário social brasileiro. Para tanto, as discussões foram segmentadas em partes utilizando como método a revisão bibliográfica de autores, tais como: Oliveira et al. (1994), Rangel et al. (1998) e outros. A primeira parte tratou da reconstrução do sistema de previdência social e abrangeu o Decreto-Legislativo n.º 4.682, conhecido como Lei Eloy Chaves, homologado em 14 de janeiro de 1923, até a Constituição de 1954 – período representado pela baixa participação do Estado nas funções de administração e gerenciamento do sistema de previdência social. A segunda parte foi o recorte de 1960 até 1980, apresentando como a

    centralização do regime militar e o fim do milagre econômico influenciaram diretamente a estrutura de financiamento dos gastos previdenciários. Já no terceiro recorte foram apresentados os efeitos da Constituição Federal de 1988 sobre o sistema de previdência social e as reformas efetuadas no período após a promulgação da constituição, abrindo espaço para apresentação da quarta parte, onde foram exibidos os argumentos utilizados para tratar da atual Proposta de Emenda Constitucional 287/16 do sistema de previdência social, proposta durante o governo de Michel Temer. A quinta e última parte tratou da participação dos economistas na reconstrução dos quatro recortes abordados anteriormente,

    procurando demonstrar qual é a participação destes no processo de reconstrução

    histórica do sistema de previdência social.

  • LIZANDRA DUARTE DA SILVA
  • ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS FUNDOS SETORIAIS E A PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA DOS PESQUISADORES BRASILEIROS
  • Data: 16/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo averiguar se há relação estatisticamente significante entre os financiamentos dos fundos setoriais do FNDCT, o principal fomentador de ciência, tecnologia e inovação no Brasil, e a produção científica dos pesquisadores cadastrados no Diretório de Grupos de Pesquisas - DGP, no período de 2003 a 2016. Em específico objetiva averiguar a diferença por região brasileira, observando se há concentração nos recursos e na produtividade científica e investigar a diferença por área do conhecimento, observando em quais o financiamento gera maior diferença. A produtividade científica será mensurada por quantidade de artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais. Para esta análise serão feitas correlações de Pearson, em dois períodos, 2003 – 2016 e 2010 a 2016. Os resultados demonstraram que em termos proporcionais não houve concentração entre as regiões brasileiras no período analisado, o inverso acontece ao se averiguar em termos absolutos. Conclui-se que há evidências de relação estatisticamente significante entre as variáveis, entretanto, somente para publicação em periódicos nacionais e os resultados não foram homogêneos. Essa relação positiva se intensifica com o passar do tempo, demonstrando que a relação entre o financiamento público e a produtividade dos pesquisadores é positiva, porém, leva um tempo de maturação para poder ser captada. Destaca-se que as grandes áreas do conhecimento e as regiões brasileiras que receberam maior quantidade de financiamento, foram as mais produtivas. Por fim, demonstra-se que os fundos setoriais do FNDCT estão em crise, que terá como consequência direta o atrofiamento no desenvolvimento econômico do país.

  • CAROLINA CÂMARA SANTOS
  • Retornos educacionais do ensino superior: uma análise quantílica para o setor de serviços do estado de são paulo (2006 - 2016).
  • Orientador : FERNANDA ESPERIDIAO
  • Data: 28/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A ideia central deste trabalho é analisar os determinantes dos rendimentos do setor de serviços e o retorno ao Ensino Superior do estado de São Paulo, dos anos de 2006 a 2016. A Teoria do Capital Humano considera a escolaridade e a experiência como variáveis relevantes na explicação dos rendimentos. Por esta ótica, a análise da oferta e da demanda permite identificar a importância da qualificação profissional do indivíduo para a elevação dos salários. A ideia seria analisar o Brasil como um todo, devido à limitação do tempo para o desdobramento da pesquisa, optou-se por analisar o estado de São Paulo, que segundo o Ministério do Trabalho (2016) é o estado que mais emprega no setor de serviços. Na análise empírica optou-se pela utilização de regressão quantílica (RQ), que faz uso de funções quantílicas condicionais. Os dados utilizados neste trabalho foram retirados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), filtrado para o setor de serviços do estado de São Paulo entre os anos de 2006 a 2016. Foram analisados 20.688.823 indivíduos ocupados, com as seguintes características: sexo masculino e feminino; ocupados no setor de serviços do estado de São Paulo; rendimento anual no trabalho principal diferente de zero, trabalhador com Ensino Superior Completo e faixa etária de 18 a 65 anos (ou mais). Foram simuladas seis funções a partir do método de regressão quantílica e os testes empíricos, apresentaram boas estimações; as provas individuais dos coeficientes foram satisfatórias, todos os testes apresentaram um R2 acima de 97%. Em relação a estimações, os anos de permanência na mesma ocupação para alcançar o máximo dos rendimentos, aumentam à medida que aumenta o nível de educação, mas o ritmo de depreciação do capital humano é menor à medida que cresce a escolaridade. O retorno de rendimentos dos trabalhadores do estado de São Paulo, que possuem Ensino Superior completo é predominantemente maior para trabalhadores do sexo masculino. Os trabalhadores do sexo masculino possuem um retorno de rendimento médio maior que o feminino nos setores de Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação; Eletricidade e gás; Transporte, armazenagem e correio; Informação e comunicação; Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; Atividades profissionais, científicas e técnicas; Serviços domésticos; Atividades imobiliárias; Atividades administrativas e serviços complementares; Artes, cultura, esporte e recreação. Um indivíduo com curso superior completo obtém aumentos crescentes nos seus rendimentos, decorrentes dos anos adicionais de permanência na mesma ocupação.

  • RAFAELA NASCIMENTO SANTOS
  • Impactos regionais dos royalties do petróleo no Brasil
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 28/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho é avaliar os impactos dos royalties do petróleo na estrutura produtiva dos estados brasileiros e seus efeitos sobre a desigualdade regional. Para tanto, foi utilizada a Matriz de Insumo-Produto Inter-regional do Brasil, ano base 2008, constituído pelos 27 estados brasileiros e 26 setores de atividade econômica. A estratégia de simulação baseou-se na Lei 12.858/2013 dos royalties do petróleo, em que 75% destes recursos deveriam ser destinados à educação e 25% à saúde, considerando o valor médio do período de 2013 a 2016. Para medir o efeito dos royalties sobre a desigualdade regional, calculou-se o índice de Gini ex-ante e ex-post à análise de impacto, considerando a distribuição do PIB dos estados. Os principais resultados indicam um impacto no Nordeste de 0,10% no emprego e 0,13% no PIB. Na região Sudeste, principal receptora de royalties, o impacto poderia alcançar 0,23% no emprego e 0,19% no PIB. Na questão setorial, por causa da linearidade do modelo, os setores de educação e saúde apresentaram um maior impacto sobre o PIB e emprego. Por fim, o resultado do índice de Gini indica que se, de fato, os royalties do petróleo fossem destinados para educação e saúde, isto poderia contribuir com o aumento das disparidades interestaduais, mas, pelo fato de apresentar um valor marginal (0,02%) não apresentaria esse efeito. Porém, vale ressaltar, que as regiões sudeste e nordeste, por apresentarem maior arrecadação do recurso petrolífero, poderia contribuir com a redução da desigualdade intra regional.

  • LIBANIA ARAÚJO SILVA
  • Estrutura produtiva, desigualdade regional e distribuição de renda: dois ensaios para o estado da Bahia
  • Orientador : LUIZ CARLOS DE SANTANA RIBEIRO
  • Data: 28/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As discussões sobre desigualdades trazem à tona os diferentes enfoques possíveis, sendo necessária primordialmente a decisão de quais vertentes e quais variáveis são consideradas na análise. Nesse sentindo, a presente dissertação é composta por dois ensaios que abordam, separadamente, dois tipos de desigualdade no estado da Bahia que, embora estejam inter-relacionados, possuem caráter distinto. No primeiro ensaio busca-se compreender a dinâmica das disparidades produtiva e de renda entre as microrregiões do estado da Bahia e decompor o crescimento regional do emprego entre os anos 2004 e 2014, utilizando, respectivamente, o coeficiente de Williamson e a análise diferencial-estrutural. Os resultados obtidos revelaram que houve redução da desigualdade inter-regional de renda no território baiano, bem como a realocação do emprego formal gerado pelas atividades produtivas em suas microrregiões. Por outro lado, no segundo ensaio é apresentado a discussão acerca da influência da estrutura produtiva sobre as alterações na distribuição interpessoal de renda no estado da Bahia. A análise em voga está centrada na aplicação do modelo de insumo-produto de Leontief-Miyazawa (1987), a partir do qual foram estimados os impactos de mudanças exógenas sobre a renda. Na sequência, foram realizadas duas simulações visando analisar o impacto da redução nas transferências de renda, respectivamente, às famílias pobres e extremamente pobres, e calculados os indicadores de desigualdade de Gini. Os resultados obtidos sugerem que, para o estado da Bahia, os setores produtivos possuem capacidades distintas entre si de provocar mudanças sobre distribuição de renda, e que as transferências governamentais atuam como redutores das desigualdades de rendimentos.

  • MATHEUS DE ASSIS DUARTE SANTOS
  • A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA MONETARIA NA DEMANDA DE VEÍCULOS NO BRASIL (2000-2016): Uma análise por meio de vetores autorregressivos
  • Orientador : TACITO AUGUSTO FARIAS
  • Data: 27/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As autoridades monetárias utilizam-se da política monetária no intuito de controlar a liquidez da economia, almejando a estabilidade dos níveis de preços. De acordo com algumas escolas de pensamento econômico, uma política monetária pode afetar o lado real da economia. Partindo desse pressuposto, o objetivo desse estudo foi avaliar a direção e a magnitude dos choques monetários na demanda por veículos no Brasil. Foi utilizado o modelo VAR (vetores autorregressivos) em uma amostra que compreende o período entre 2000 e 2016, e por meio da função resposta a impulso, o presente estudo encontra evidência empírica de que uma política monetária contracionista impacta negativamente a demanda de veículos no Brasil e outras variáveis macroeconômicas relacionadas ao setor industrial automobilístico.

  • FELIPE MASCARENHAS COUTO
  • O efeito dos fatores institucionais no incremento da arrecadação do ISSQN nos municípios de médio e grande porte do Nordeste.
  • Orientador : MARCO ANTONIO JORGE
  • Data: 23/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, é o principal tributo próprio arrecadado pela maioria dos municípios do Nordeste, é interessante a discussão dos fatores que impulsionam a sua arrecadação, sem que haja ônus imediato para a população (aumento de tarifa). O objetivo deste trabalho é analisar o efeito de fatores institucionais sobre a arrecadação do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) nos municípios de médio e grande porte da região Nordeste. Para tanto, será apresentado como referencial teórico a visão da nova economia institucional, que conceitua as instituições e apresenta os fatores institucionais que venham a promover o crescimento de um país ou região. A outra parte do referencial teórico apresenta os conceitos da teoria da tributação até chegar as características e transformações do sistema tributário brasileiro, dos sistemas tributários municipais, e, em particular, do ISSQN. Como estratégia empírica utilizou-se a análise de dados em painel, mensurando o impacto dos fatores institucionais através de variáveis dummy. Observou-se que os fatores institucionais, além de garantir boas relações institucionais, também afeta a arrecadação, sendo que na maioria dos fatores estudados, de forma positiva.

2017
Descrição
  • THIAGO RHAONY LIMA FONSECA
  • Impactos do ciclo de commodities no crescimento dos estados brasileiros produtores de petróleo.
  • Data: 31/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A indústria extrativa de petróleo e gás configura um dos pilares da economia brasileira e sua importância ficou ainda mais evidente devido o aumento constante da demanda de commodities pelas economias emergentes, durante a década de 2000. Certamente, tal fenômeno causou impactos sobre as exportações do petróleo brasileiro e, deste modo, há indícios de que tenha influenciado, de forma direta e indireta, o crescimento econômico do país e o grau de especialização primária dos estados produtores de petróleo. Sendo assim, o objetivo desta dissertação é apurar os impactos do ciclo de commodities no crescimento dos estados brasileiros que possuem dependência da indústria extrativa de petróleo e gás. A discussão teórica está inserida no escopo do crescimento econômico e da economia regional, visando compreender o papel do setor externo como determinante no crescimento de uma região, como descrito por Kaldor, além de observar as possíveis consequências oriundas da concentração espacial, da especialização regional e do nível de encadeamento produtivo, abordado por Hirschman. Com esta finalidade, foram utilizados diferentes métodos de análise de economia regional e urbana, basicamente, a partir da Matriz de Insumo-Produto, além de um modelo econométrico de dados em painel. Como resultado, as evidências empíricas indicam que, para os estados produtores, a produção e exportação de petróleo têm efeito positivo e significativo. Por outro lado, considerando-se todos os estados brasileiros, observa-se que os produtores de petróleo apresentam um valor esperado para o PIB per capita 0,33% menor que os estados não produtores, sugerindo uma discussão acerca da importância relativa das exportações de petróleo frente às outras commodities. Constatou-se, ainda, um aumento no grau de especialização da atividade petrolífera dos estados produtores, como também um elevado nível de concentração espacial da atividade industrial do referido segmento.

  • PAULO HENRIQUE ADIB DANTAS SALIM
  • ENSAIOS ECONÔMICOS SOBRE RISCOS E INCERTEZAS
  • Orientador : TACITO AUGUSTO FARIAS
  • Data: 01/07/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Frente às incertezas acerca das condições futuras do equilíbrio macroeconômico e dos fundamentos microeconômicos, o objetivo geral desta dissertação é explorar as vantagens da aplicação da Teoria das Opções Financeiras na avaliação econômica de projetos de capital e analisar os reais efeitos comportamentais nas decisões das firmas. Desdobramse como objetivos específicos: analisar a formação histórica e científica do conceito de risco e incerteza; discutir como o homem se preocupa com o risco e, por fim, abordar as diversas formas de mensuração do risco, até os tempos atuais onde há o predomínio dos métodos quantitativos, dando ênfases aos modelos de Black-Scholes e Binomial para precificação de opções. O trabalho é composto por três ensaios: um histórico, um teóricomatemático e o outro aplicado-matemático. Ao responder a pergunta de quais são os efeitos comportamentais nas decisões da firma após o uso de uma das opções como metodologia de análise de projetos, o ensaio principal (terceiro) apresenta uma tentativa formal de combinar o estudo das finanças tradicionais, com a teoria da firma e as estratégias corporativas para compor uma narrativa detalhada da gestão de riscos, que ultrapassa o domínio do hedge (foco das finanças), das vantagens competitivas (um aspecto essencial do estudo de estratégia) e das premissas puras (e isoladas) neoclássicas para Teoria da Firma. O terceiro ensaio ensaio apresenta a parte mais inovadora da dissertação, pois uma tentativa de reunir análises e insights de diferentes áreas funcionais em uma imagem mais abrangente da teoria econômica dos riscos e das incertezas.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r18966-bf93dfabd7