Notícias

Banca de DEFESA: CELINA SANTOS ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CELINA SANTOS ALMEIDA
DATA: 25/07/2019
HORA: 00:08
LOCAL: Campus Lagarto
TÍTULO: Agentes de ação direta contra o vírus da hepatite C: Uma coorte de vida real.
PALAVRAS-CHAVES: Hepatite C; Sofosbuvir; Simeprevir; Daclatasvir; Desfechos do tratamento.
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

O vírus da hepatite C (HCV) pode gerar uma infecção crônica que desencadeia um processode degeneração discreto e progressivo no fígado, sendo um importante problema de saúdepública, que demanda assistência à saúde especializada e de alta complexidade. Sendo assim,diversos tratamentos são aprovados com o objetivo de erradicá-lo. O objetivo do estudo foiavaliar fatores preditores relacionados a falha terapêutica aos novos Agentes de Ação Direta(AAD) de segunda geração contra o HCV em um serviço de referência em hepatologia nonordeste do Brasil. Um estudo de coorte de vida real retrospectiva realizado em um serviço dereferência em hepatologia, onde a coleta foi realizada no período de janeiro/2018 aagosto/2018. Foram coletados em prontuário informações referentes a dados demográficos,quantificação da carga viral, estadiamento da doença hepática, além de dados como falha atratamento prévio e esquemas terapêuticos. O presente estudo foi submetido e aprovado peloComitê de Ética em Pesquisa sob o número 58131716.5.000.5546. As análises estatísticasforam realizadas por meio dos testes Exato de Fisher, Qui-quadrado, teste de Shapiro-Wilk eMann-Whitney. As variáveis categóricas foram descritas por meio de frequência absolutas e relativas percentuais, já as variáveis contínuas foram descritas por meio de média e desvio-padrão. Foram calculados riscos relativos e seus intervalos com 95% de confiança. O nível de significância adotado foi de 5% e o software utilizado foi o R Core Team 2018. Foram 126pacientes incluídos no estudo, desses, 21,5% não tinham relatos em prontuário de resultadosda resposta virológica sustentada na 12a semana após o tratamento (RVS 12), ficando 99pacientes com resultado de RVS 12 para análise, o que gerou uma taxa de efetividade de91,9%, faixa acima da esperada quando comparado com ensaios clínicos. Quanto acaracterística demográfica dos pacientes verificou média de idade de 58 anos, além dapredominância do sexo masculino. Quando buscou avaliar fatores preditores, o único fatorpreditor para uma falha terapêutica identificado foi a presença da carga viral detectada nofinal do tratamento, risco relativo 14,63 e IC95% (4,17-51,28). Porém, foram identificadosfatores protetores para uma falha terapêutica como a variável genótipo 1, pacientesexperimentados, o que foi particularmente significativo quando consideramos que quasemetade dos pacientes do estudo eram considerados difíceis de tratar. A presença da carga viraldetectada no final do tratamento foi o único fator preditor para falha terapêutica identificado.Os AADs foram considerados terapia de sucesso, com efetividade acima de 90%, além dissofomentasse futuras pesquisas sobre perda de seguimento dos pacientes em tratamento, e quaisintervenções devem ser implementadas para minimizá-las.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2869627 - ADRIANA GIBARA GUIMARÃES
Externo à Instituição - CARLOS ADRIANO SANTOS SOUZA
Presidente - 828.039.355-20 - GRACE ANNE AZEVEDO DÓRIA
Notícia cadastrada em: 21/07/2019 23:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r12182-3b7fa45029