Notícias

Banca de DEFESA: JESSICA DENIELLE MATOS DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JESSICA DENIELLE MATOS DOS SANTOS
DATA: 20/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do DEF
TÍTULO: EFEITOS DO HIIT SOBRE BIOMARCADORES DE LESÕES TECIDUAIS E OXIDATIVAS EM RATOS SUPLEMENTADOS COM PIRIDOXINA
PALAVRAS-CHAVES: High Intensity Interval Training, lesão tecidual, biomarcadores, piridoxina
PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

O Treinamento Intervalado de Alta Intensidade (HIIT) é conhecido por induzir a adaptações fisiológicas em sessões de exercício com duração inferior a outros tipos de treinamentos. Exercícios de alta intensidade podem elevar a concentração de espécies reativas de oxigênio (EROs), que podem ocasionar danos moleculares e teciduais, e podendo induzir a fadiga. Neste sentido, várias formas de suplementação são utilizadas para retardar essas reações. A vitamina B6 (piridoxina) participa na síntese e no metabolismo de diversas moléculas, e também vem sendo investigada, por possuir propriedades antioxidantes. Assim, o objetivo desse estudo foi analisar os efeitos do HIIT associado a suplementação de pirodoxina em marcadores de lesões teciduais e oxidativas em ratos. Ratos machos Wistar foram divididos em três grupos (n=8): sedentário (GS), HIIT (GH) e HIIT+piridoxina (GH). O HIIT consistiu em 18 sessões de 7 repetições de 2 min x 2min de descanso, 3x por semana, e feita a administração de 4 mg/kg de Piridoxina, 1 hora antes do exercício em todas as sessões. Foram analisados marcadores de estresse oxidativo (TBARS, SH) e de lesões teciduais (CK, LDH, ALT e AST). Foi usada a análise de variância ANOVA one way com Post-Hoc de Bonferroni. Houve aumento com relação as concentrações de CK e LDH de 172.86% (p<0.0001) e 268.83% (p<0.0001) no GH quando comparado ao GS, respectivamente. Todavia, a suplementação com piridoxina (GHP) reduziu as concentrações de CK em 34.37% (p<0,001) e LDH em 34.74% (p<0.0001) quando comparado ao grupo GH. Foi apresentado aumento de 229,03% da concentração de ALT no GH quando comparado ao grupo sedentário (GS) (p<0,0001). Todavia, a suplementação com piridoxina (GHP) reduziu em 80.62% (p<0,0001) quando comparado ao grupo GH. As concentrações plasmáticas da enzima AST foram semelhantes em todos os grupos (p>0,05). O GH aumentou de 39.56% (p<0,001) nas concentrações de MDA plasmático, quando comparado ao (GS), GHP apresentou uma redução de 52.92% (p<0,0001) comparado ao GH. A fração hepática de MDA, foi aumentada em 123.34% (p<0,0001) no GH comparado ao GS, o GHP diminui o MDA hepático de 20.30% (p<0,01) comparado (GH). MDA cardíaco foram semelhantes entre GS e GH (p>0,05), GHP diminui do MDA cardíaco em 22.06% (p<0,05) quando comparado GH. MDA do músculo gastrocnêmico foi semelhante entre os grupos GH e GHP (p>0,05). GH promoveu aumento do MDA na musculatura esquelética de 27.11% (p<0,05) quando comparado ao GS. Não houve diferença significativa nas concentrações de SH plasmático e nos tecidos hepático e músculo gastrocnêmico entre os grupos GS, GH e GHP (p>0,05). A concentração de sulfidrilas cardíaca foi aumentada em 80,66% (p<0.05) no grupo GH quando comparado ao grupo sedentário (GS). Os marcadores enzimáticos e de estresse oxidativo elevaram após o treinamento e atenuaram quando associados a piridoxina, evidenciando que o HIIT induziu o estresse oxidativo e dano muscular e hepático e a piridoxina atenuou esses biomarcadores.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1698331 - ANDERSON CARLOS MARCAL
Interno - 2229468 - FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
Presidente - 276.084.415-34 - SILVAN SILVA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 12/02/2020 19:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata2.fragata2 v3.5.16 -r12692-c69972fb69