Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2019
Descrição
  • RUTH ROSENDO COSTA MACEDO DOS SANTOS
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE EPISÓDIO DE ASMA E ATIVIDADE FÍSICA EM ADOLESCENTES BRASILEIROS
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 30/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A asma é uma doença heterogênea com característica inflamatória crônica de relevância mundial devido a sua alta prevalência e morbimortalidade. Objetivo: avaliar a associação entre episódio de asma e o nível de atividade física em adolescentes brasileiros. Metodologia: trata-se de um estudo transversal, utilizando dados da primeira amostra da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2015 (n = 95.387). Foram analisadas as seguintes variáveis sociodemográficas: “sexo”, “faixa etária”, “raça/cor”, “tipo de município” e comportamentais: “turno que estuda”, “percepção em relação a seu corpo”, com ênfase na variável “tempo total de atividade física”. Para a definição do desfecho, foi utilizada a questão “asma alguma vez na vida”. A regressão logística binária foi utilizada para estimar a chance de ocorrência do fenômeno na forma de Odds Ratio (OR) bruta e ajustada, além dos seus respectivos intervalos de confiança (IC95%). Resultados: Foi verificada prevalência de 52,1% para o sexo feminino, 68,2% com faixa etária menor que 14 anos, 47,8% declarados como pardos, 50,4% moravam na capital, 65,6% eram insuficientemente ativo, 82,2% estavam satisfeitos com relação ao corpo e 98,3% estudavam meio turno. Após a associação entre os determinantes e ter um episódio de asma na vida, observa-se no modelo bruto, que “residir na capital” teve 1,26 vezes mais chance de ter um episódio de asma na vida (OR = 1,26; IC 95% = 1,22-1,31). A partir do uso da razão inversa da OR verifica-se que “Não ser pardo” (OR = 1,04), “estudar em turno integral” (OR= 1,2) e “ser fisicamente ativo” (OR = 1,13) também foram associados a ter um episódio de asma na vida. No ajuste, a variável “sexo”, passou a apresentar significância. Conclusão: Ter episódio de asma, está inversamente associado ao nível de atividade física em adolescentes brasileiros.

  • LUANA CAROLINE DANTAS PEREIRA
  • AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE TRONCO EM INDIVÍDUOS COM DOR LOMBAR CRÔNICA INESPECÍFICA
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 28/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dor lombar crônica inespecífica está intimamente relacionada à estabilidade do tronco envolvendo fraqueza muscular ou controle motor insuficiente dos músculos profundos dessa região. Diante da necessidade de tornar as evidências mais fortes no que diz respeito à avaliação da estabilidade de tronco tanto em estudos transversais quanto em ensaios clínicos e da necessidade de observar o efeito de diferentes protocolos de tratamento sobre a mesma, o objetivo da presente dissertação é avaliar a estabilidade de tronco de indivíduos com dor lombar crônica inespecífica através da força isométrica máxima, endurance e do comportamento do Centro de Pressão (CoP) em superfícies estáveis e instáveis (“Paradigma do assento estável”). Para alcançar esse objetivo foram desenvolvidos três estudos. O primeiro estudo teve como objetivo verificar a reprodutibilidade do “Paradigma do assento estável” visto que, até o nosso conhecimento, tal protocolo não foi utilizado ainda nessa população. Ao comparar os dados avaliados com um intervalo de 48hrs foi observado que o Índice de Correlação Intra-Classe variou entre valores muito altos e altos em cinco dos seis ensaios que compõem o protocolo de avaliação. O segundo estudo teve como objetivo comparar a estabilidade de tronco entre indivíduos com dor lombar crônica inespecífica e assintomáticos. Foi observado que os indivíduos com dor lombar apresentam maior deslocamento do CoP em ensaios circulares estáveis e instáveis, menor desempenho nos testes de endurance (flexores, flexores laterais e extensores do tronco), porém sem diferença no que se refere à força isométrica máxima. Por fim, o terceiro estudo teve como objetivo observar os efeitos da adição de exercícios funcionais a um protocolo de estabilização sobre a estabilidade, endurance e força isométrica de tronco em indivíduos com dor lombar inespecífica. Para isso, foi realizado um ensaio clínico no qual a amostra foi aleatorizada em dois grupos: Grupo funcional (GF) e Grupo Tradicional (GT). Após oito semanas de intervenção, foi observado que não houve interação estatística entre os grupos, porém, houve melhora de dor, função, endurance de flexores laterais e redução do deslocamento do CoP nos ensaios circulares em ambos os grupos. Insta salientar que apenas o GT melhorou os valores de endurance de flexores de tronco. Desse modo, conclui-se que o “Paradigma do assento estável” é um instrumento reprodutível em indivíduos com dor lombar crônica inespecífica e que os ensaios circulares parecem ser mais sensíveis para identificar tanto alterações quando adaptações neuromusculares. Além disso, testes que exijam isometria máxima podem subestimar o desempenho dessa população sendo necessários testes complementares para maior clareza dos achados quanto à estabilidade desses indivíduos.

  • PAULO VINÍCIUS PAES LIMA
  • AVALIAÇÃO DO BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO, FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA E QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS ASMÁTICAS
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 27/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O broncoespasmo induzido pelo exercício (BIE) se caracteriza como uma broncoconstrição temporária que ocorre após um período relativamente curto de atividade física. Esta condição impacta negativamente na qualidade de vida das crianças asmáticas, ocasionando limitação para atividade física. Na suspeita do BIE o mesmo deve ser confirmado através do teste de broncoprovocação com exercício, porém, é frequentemente diagnosticada apenas a partir do relato dos pais ou dos próprios pacientes acerca dos sintomas de asma associados ao exercício. Objetivo: Avaliar se existe associação entre as queixas de sintomas respiratórios ao exercício com a resposta do teste de broncoprovocação com exercício em esteira, bem como comparar a influência da queixa sob a força muscular respiratória, qualidade de vida e perfil de atividade física das crianças. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal e analítico, realizado com crianças de 6 a 12 anos em acompanhamento ambulatorial. Resultados: Foram incluídas no estudo 45 crianças com diagnostico de asma, sendo 12 sem queixas respiratórias ao exercício, alocadas no grupo QN e 33 com pelo menos uma queixa compondo assim o grupo QP. Vinte e duas crianças (48,8%) apresentaram queda de VEF1 maior ou superior que 10% em qualquer dos tempos da espirometria. Não houve diferença significativa entre os grupos com e sem queda maior ou igual que 10% do VEF1 pós exercício quanto as queixas respiratórias (p=0,314), controle da asma (p=0,189), perfil de atividade física (1,000). O grupo QP apresentou piores resultados que o grupo QN. Sendo significativos quanto ao VEF1 aos 5 minutos, VEF0,75 aos 20 e 30 minutos e FEF 25-75 aos 10, 20, e 30 minutos. As crianças com queixa positiva apresentaram menores escores de qualidade de vida que o grupo queixa negativa em todos os domínios com significância no domínio sintomas (p=0,037) seguido do domínio limitação das atividades (p=0,019). Conclusão: Não houve relação entre a queixa dos sintomas respiratórios e a resposta obtida no teste de broncoprovocação com exercício. Somente as queixas respiratórias não fornecem um diagnóstico preciso do BIE e testes objetivos são necessários para seu correto reconhecimento. As crianças queixosas apresentaram pior desempenho na espirometria pós exercicio e apresentaram pior qualidade de vida que seus pares em queixas. Desta forma, crianças asmáticas poderiam, assim, se beneficiar de intervenções multiprofisisonais por meio de programas de condicionamento físico

  • ERLANYO FRANCISCO DOS SANTOS VIEIRA
  • INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO RESISTIDO SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL EM DIFERENTES ESTÁGIOS MATURACIONAIS DE ADOLESCENTES NA CIDADE DE LAGARTO-SE
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 20/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: O treinamento resistido (TR) é caracterizado pela execução de uma variedade de exercícios dinâmicos que podem ser realizados com pesos livres e/ou aparelhos, esses exercícios recrutarão a musculatura esquelética para que execute uma movimentação contra à resistência. OBJETIVO: Avaliar após 12 semanas de Treinamento Resistido seus efeitos sobre a composição corporal de escolares com idade entre 10 e 15 anos através da aferição do índice de massa corporal (IMC), circunferências da cintura e quadril e dobras cutâneas. METODOLOGIA: A amostra foi composta por adolescentes de ambos os sexos, sendo composto de 22 do sexo masculino e 24 do sexo feminino, que foram divididos em 2 grupos para cada sexo, um em estágio de maturação sexual púbere e o outro pós-púbere, ambos os grupos foram submetidos a uma avaliação antropométrica e a um Programa de Treinamento Resistido. Após as 12 semanas foram realizadas uma reavaliação. RESULTADO: Nos grupos de meninas púbere, tivemos um aumento pós intervenção nas variáveis dobra cutânea subescapular (8,00±2,40 para 9,50±2,32 p=0,01), circunferência da cintura (63,75±5,47 para 70,75±5,74 p=0,0001). Nos grupos de meninas, pós-púbere, tivemos um aumento pós intervenção nas variáveis massa corporal (53,65±7,96 para 54,70±7,86 p=0,01), dobra cutânea subescapular (11,18±4,85 para 14,09±5,22 p=0,0001), somatório das dobras TR+SE (27,90±9,64 para 30,27±7,96 p=0,02), circunferência da cintura (71,00±5,39 para 72,37±5,20 p=0,0001). Nos grupos de meninos púbere, tivemos um aumento pós intervenção nas variáveis Estatura (1,60±0,07 para 1,63±0,08 p=0,0001), dobra cutânea tricipital (7,18±3,60 para 10,45±4,08 p=0,0001), dobra cutânea subescapular (8,45±5,63 para 10,64±6,08 p=0,003), somatório das dobras TR+SE (15,63±8,64 para 21,09±9,59 p=0,0001) e circunferência do quadril (84,65±7,84 para 87,42±8,13 p=0,0001). Nos grupos de meninos pós-púbere, tivemos um aumento pós intervenção nas variáveis estatura (1,67±0,10 para 1,70±0,09 p=0,0001), dobra cutânea subescapular (7,75±3,45 para 10,25±4,20 p=0,004), somatório das dobras TR+SE (17,25±7,58 para 20,87±7,98 p=0,01) e circunferência do quadril (90,16±6,91 para 92,38±7,58 p=0,003). CONCLUSÃO: Podemos verificar que após 12 semanas de intervenção de TR, com meninos e meninas divididos em 2 grupos por sexo que estavam em estágio de maturação sexual púbere e pós-púbere apresentaram valores estáveis para as medidas antropométricas e índice de massa corporal. Para os parâmetros preditores de aumento de massa gorda e de doenças metabólicas (dobras cutâneas tricipital e subescapular, circunferência da cintura e quadril), o TR manteve algumas variáveis inalteradas e em outras foi evidenciado um aumento significativo em adolescentes saudáveis.

  • ANDERSON MELO DE ALMEIDA
  • PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CADEIRANTES PRATICANTES OU NÃO DE ESPORTES
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 20/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O esporte tem como objetivo trazer aos seus participantes, a prevenção de doenças melhorando a qualidade e o estilo de vida. De fato, são poucas as políticas existentes de esportes que são direcionadas à deficientes físicos cadeirantes e que contemplem suas realidades e necessidades. De acordo com o Censo Brasileiro 6,2% da população brasileira possui algum tipo de deficiência, isto equivale a cerca de 45,6 milhões de deficientes. Desta forma, buscou-se nos esportes, novos caminhos de interação desses indivíduos com a sociedade. O objetivo deste estudo é a comparação da percepção da qualidade de vida de cadeirantes que praticam esportes com os que não praticam. Foi realizado um estudo descritivo, de corte transversal, a amostra foi composta por 20 estudantes e pessoas que participam de algum projeto da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Foram aplicados dois questionários, um sócio demográfico e o Short Form Health Survey (SF-36). Na análise estatística foi utilizada a média e desvio-padrão e para a comparação das variáveis a ANOVA ONE WAY. Foram considerados significativos valores de p ≤ 0,05. Os resultados mostraram uma melhor percepção de qualidade de vida para os seguintes domínios: capacidade funcional, onde quem pratica obteve 43,94 ± 33,15 % e quem não pratica 11,86 ± 10,49%, F(1,19)= 9,26, p=0,007 e estado geral de saúde, onde quem pratica, 65,77 ± 27,68% e quem não pratica, 37,96 ± 17,82, F(1,19)=7,40, p=0,014. Conclui-se que a percepção da qualidade de vida de cadeirantes é melhor nos que praticam esportes.

  • SERGIO COSTA SANTOS
  • EFEITOS DA DURAÇÃO DO INTERVALO DE TEMPO PÓS-AQUECIMENTO SOBRE A EFICÁCIA DA PERFORMANCE TÉCNICO-TÁTICA EM ATLETAS DE BASQUETEBOL
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 14/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • No basquetebol não é permitido que o jogadores se aqueçam ou façam qualquer aitividade de manutenção do aquecimento a partir do momento que a partida é iniciada. Não é claro, portanto, se esse período de inatividade pode causar impacto sobre o desempenho de jogadores que venham a entrar em quadra somente no segundo quarto de jogo. A partir desse cenário pode-se levantar dois releventes questionamentos: quanto tempo um jogador substituto permance sentado no banco de reservas sem atividade, caso ele entre no jogo apenas no segundo quarto da partida? Em que medida esse período de inatividade poderia ser prejudicial a eficácia das ações tecnico-táticas durante a partida? A partir disso, essa disertação elaborada a partir de dois estudos, tem por finalidade é investigar os efeitos da duração do intervalo de tempo pós-aquecimento sobre a eficácia da performance técnico-tática em atletas de basquetebol. No estudo 1, foram analisados 126 jogos de quatro competições: Novo Basquete Brasil (NBB 2011/2012), American Cup 2017, Eurobasket 2017 e Afrobasket 2017. Foram calculados os percentis de cada variável, além da comparação entre competições e entre fases da competição (fase classificatória e playoffs). Os resultados, expressos como média±desvio-padrão (mediana), da duração do primeiro quarto, do intervalo entre o fim do aquecimento e o início da partida, e o intervalo entre o fim do aquecimento e o fim do primeiro quarto (min:s) foram de 17:47±02:08 (14:44), 02:05±00:36 (02:08) e 20:16±02:08 (20:23), respectivamente. No estudo 2, a amostra foi composta por 10 atletas em grupo único. Em três dias (definidos por ordem aleatória) separados por uma semana, os atletas compareceram ao ginásio para a realização de um jogo simulado (5 x 5) com 10 min de duração, em três condições: jogo sem aquecimento (JSA), jogo imediatamente após o aquecimento (JIME), e jogo 20 min após o aquecimento (JP20). Em cada jogo foi avaliada a eficácia da performance técnico-tático dos atletas através do Instrumento de Avaliação do Desempenho Técnico-Tático Individual no Basquetebol. Resultados não encontraram diferença estatística na Eficácia Geral entre JIME (157 ± 39), JP20 (137 ± 26) e JSA (140 ± 31) (p = 0,353). No entanto, a análise da inferência baseada na magnitude sugere que o intervalo é provavelmente prejudicial à eficácia. Conclui-se que o tempo de espera do jogador substituto que entra na partida apenas no segundo quarto ultrapassa 20 min, e que esse tempo de inatividade é possivelmente suficiente para causar prejuízos à performance.

  • ALICE CONRADO DE SOUZA
  • COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO FÍSICO E RECUPERAÇÃO MUSCULAR ENTRE VEGETARIANOS E ONÍVOROS
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A literatura não apresenta consistência quanto aos benefícios que a dieta

    vegana (VEGAN) e ovolactovegetariana (OVLA) podem provocar para o

    desempenho físico. Além disso, por VEGAN possuir baixa ingestão habitual de

    proteínas e aminoácidos, que são benéficos para recuperação após a dano

    muscular induzido por exercício (DMIE), pode ser prejudicial para a recuperação de

    atletas e praticantes de exercício. O objetivo deste trabalho é comparar o

    desempenho físico entre indivíduos fisicamente ativos aderentes a dieta OVLA,

    VEGAN e onívora (ONI) e a recuperação do DMIE entre alimentação VEGAN e

    ONI. Por isso foram desenvolvidos dois estudos. No estudo 1,

    ovolactovegetarianos, veganos e onívoros executaram testes de capacidade

    aeróbica, força e potência muscular; e responderam a recordatório alimentar para

    avaliação dietética. Houve diferença na ingestão energética (ONI: 1801 ± 377 vs.

    VEGAN: 2430 ± 632 kcal) e proteica (ONI: 1,73 ± 0,47 vs OVLA: 1,6 ± 0,39 vs

    VEGAN: 0,86 ± 0,35 g/kg de peso). VEGAN, OVLA e ONI apresentaram diferenças

    nos testes de força (i.e. força dinâmica máxima: 62 ± 25 vs 70 ± 12 vs 60 ± 27 kg),

    potência muscular (43,83 ± 7,41 vs 46,21 ± 10,28 vs 46,34 ± 11,99 cm) e

    capacidade aeróbica (15,82 ± 1,45 vs 15,62 ± 2,31 vs 14,48 ± 2,17 Km/h). No

    estudo 2, quatorze veganos e onívoros passaram por um protocolo de DMIE e

    foram avaliados antes, imediatamente após, 24, 48 e 72h com testes de salto

    vertical com contra movimento (Countermovement jump – CMJ), amplitude de

    movimento (ADM), concentração de creatina quinase (CK) e lactato desidrogenase

    (LDH), dor muscular tardia (DMT) e circunferência da coxa (CCx). A dieta VEGAN

    apresentou redução de 4% no CMJ, enquanto ONI aumentou o salto em 6%. E

    maior DMT foi encontrada para VEGAN nas 24h e 72h após DMIE (p ≤ 0,05). Houve

    menor ingestão de proteínas e aminoácidos pelos veganos (ONI: 128,94 ± 45,58

    vs. VEGAN: 56,88 ± 13,22). Contudo, a condição física de OVLA e VEGAN não é

    afetada pela ingestão diferenciada de nutrientes. No entanto, ao submeter a DMIE,

    VEGAN pode apresentar prejuízos na recuperação muscular.

  • WALESKA DOS SANTOS
  • ANÁLISE DAS RESPOSTAS FISIOLÓGICAS E METABÓLICAS ENTRE DOIS TIPOS DE TREINAMENTO EM RATOS WISTAR.
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Treinamentos físicos são alternativas para promoção da saúde e manutenção dobem-estar. Dentre os variados tipos de treinamento, existem o treinamentocontínuo moderado, o qual possui benefícios bastante estabelecidos na literatura;e o treinamento intervalado de alta intensidade, o qual também aponta melhorias.Nesse sentido, é relevante avaliar as variáveis de alterações corporaisdecorrentes desses dois treinamentos físicos, possibilitando assim, umaprescrição mais eficaz. Contudo, existem lacunas acerca do efeito dessesexercícios, sobretudo utilizando os protocolos específicos desta pesquisa. Sendoassim, o objetivo geral desta, foi analisar diferentes métodos de treinamento,como agentes moduladores fisiológicos e metabólicos em ratos Wistar. Paratanto, esse trabalho contou com o seguinte objetivo específico: analisar asrespostas fisiológicas e metabólicas de oito semanas do Treinamento Intervaladode Alta intensidade (HIIT) e do Contínuo de Intensidade Moderada (CM) em meiolíquido de ratos Wistar, através da quantificação de marcadores de lesão tecidual,estresse oxidativo e do perfil glicêmico. Como resultados principais foramrevelados que os treinamentos apontaram para uma lesão tecidual aguda (emfunção das elevadas concentrações da creatina quinase no grupo que fez o HIIT(GHIIT) em relação ao grupo sedentário (GSED) p=0.0008; bem como, devido alactato desidrogenase ser aumentada nos grupos treinados (GHIIT e GCM) emrelação ao GSED, (p=0.006), em contrapartida, o GHIIT aumentou as sulfidrilashepáticas não oxidadas em relação ao GCM (p=0.03); a glicemia estava maisestável no GCM em relação ao GHIIT (p= 0.0002). Conclui-se então, que osprotocolos de HIIT e CM utilizados neste estudo, resultaram em respostasequilibradas quanto aos aspectos morfológicos e funcionais de ratos Wistar.

  • ÉRIK DE CERQUEIRA WANDERLEY
  • RESPOSTAS HEMODINAMICAS NA VIGÍLIA E SONO DE MULHERES HIPERTENSAS APÓS UMA SESSÃO DE TAE KWON DO.
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Tae kwon do, arte marcial coreana com mais de 80 milhões depraticantes em todo o mundo. Contudo, pouco se sabe sobre seu efeito nasrespostas cardiovasculares de mulheres hipertensas. Objetivo: Analisar o efeitoagudo de uma sessão de Tae Kwon do nas respostas cardiovasculares demulheres hipertensas. Métodos: 23 mulheres (60,8±6 anos) hipertensas,previamente tratadas pela forma medicamentosa, foram submetidas a umasessão controle e Tae kwon do composto por exercícios tradicionais demovimentos balísticos de ataque e defesa em posições e movimentos querequerem coordenação e controle postural. Foram avaliadas as variáveiscardiovasculares como pressão arterial e frequência cardiaca em um período de24 horas, vigília e sono pela monitorização ambulatorial após o Tae kwon do e ocontrole. Resultados: A análise demonstrou que o Tae kwon do, comparadocom o controle, mantem a pressão arterial sistólica mais baixa em 10,5mHg atéseis horas após o estimulo, reduz a PAD em 5,6 mmHg 75 min após o estimulotão como mantem a frequência cardiaca mais alta em 6bpm até quatro horas. Navigília e sono não foram encontradas diferenças entre o Tae kwon do e ocontrole. Conclusão: o comportamento da pressão arterial e frequência cardiacaapós uma sessão de Tae kwon do demonstra que essa modalidade pode seradotada como forma auxiliar a forma medicamentosa no controle da pressãoarterial em mulheres hipertensas.

  • ANGELO DE ALMEIDA PAZ
  • Avaliação do efeito hemodinâmico pós-exercício em diferentes intensidades de treinamento em atletas depowerlifiting paralímpicos
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivos: Essa dissertação foi desenvolvida a partir de dois estudos com osobjetivos: Estudo 1 – Analisar as respostas hemodinâmicas agudas geradas pordois diferentes métodos de treinamento no powerlifting paralímpico, verificar seocorre risco de sobrecarga cardiovascular e efeito hipotensor em até 60 minutosapós o término da sessão de treino; Estudo 2 – Comparar as variáveishemodinâmicas e se ocorre efeito hipotensor em atletas do powerliftingconvencional e atletas do powerlifting paralímpico submetidos a uma sessão detreinamento de força máxima com 5 séries de 1 RM no exercício supino.Métodos: A amostra do Estudo 1, foi composta por 10 atletas masculinos depowerlifting paralímpico (PP) (idade 25,4 ± 3,3 anos; massa corporal 70,3 ± 12,2kg) com no mínimo 1 ano de experiência e classificados oficialmente pelo ComitêParalímpico Brasileiro (CPB). No Estudo 2, a amostra foi representada pelosatletas do Estudo 1 para compor o grupo 1(PP), acrescida de 10 atletasmasculinos (conventional powerlifting) para compor o grupo 2(PC), semdeficiências físicas (idade 24,4 ± 1,5 anos; massa corporal 80,7 ± 6,8 kg) comexperiência de no mínimo seis meses de treinamento. Na 1a semana dos doisestudos, foi realizada a determinação da carga de treino através do teste de 1RMpara os atletas PP e, na 3a semana do Estudo 2 para o grupo PC. Na 2a e 3asemanas do Estudo 1, os atletas foram submetidos aos treinos de 5 series de 5repetições (a 90% de 1RM) e 5 séries de 3 repetições (a 95% de 1RM),respectivamente. Na 2a semana do Estudo 2, o grupo PP treinou 5 séries de 1repetição (a 100% de 1RM) e o grupo PC fez o mesmo treino na 4a semana desseestudo. A pressão arterial (PA) e a frequência cardíaca (FC) foram medidas antesdo treino, imediatamente após a sessão de treino e, nos momentos 5’, 10’, 20’,30’, 40’, 50’ e 60 minutos após cada sessão de treinamento em todos os atletas(PP e PC). Resultados: No Estudo 1 verificou-se que houve diferençassignificativas na PAS com reduções em relação aos valores de repouso(PAS=124,2±3,3) após as sessões de treino com 5x5RM nos momentos: 20minutos (PAS=117±12,5; p=0,019; -7,2mmHg), 30 minutos (PAS=114±9,2;p=0,001; -10,2 mmHg), 40 minutos (PAS=113±7,7; p=0,001; -11,2 mmHg) e 50minutos (PAS=113±6,3; p=0,001; -11,2 mmHg). Em relação ao método 5x3RM
    v
    hove redução aos 10 minutos (PAS=116±12,2; p=0,031; -8,2mmHg), 20 minutos(PAS=117±11,8; p=0,047; -7,2mmHg), 30 minutos (PAS=116±10,1; p=0,034; -8,2mmHg) e 50 minutos (PAS=114±6,6; p=0,004; -10,2mmHg), apresentandoEHP nos respectivos momentos dos treinos. No Estudo 2 para PAS, houvediferenças significativas com efeito hipotensor (EHP) para o grupo PP aos 60minutos (110,0±9,9 mmHg com a redução de 17mmHg em relação aos valores derepouso, p=0,028). Em relação aos demais momentos e em relação ao grupo PCnão houve efeito hipotensor. Conclusão: De acordo com os resultadosalcançados nos dois estudos pode-se concluir que ocorre o EHP nos trêsmétodos investigados para o grupo PP. Porém, nos métodos de 5x5RM e 5x3RMo efeito hipotensor (EHP) ocorre mais precocemente (de 10’ a 50’) se comparadoao método de 5x1RM que necessitou de 60 minutos para promover o EHP ematletas de elite de powerlifting paralímpico após uma sessão de treino.

  • LORRANY DA ROSA SANTOS
  • EFEITOS DE 12 SEMANAS DE TREINAMENTO RESISTIDO SOBRE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES ESCOLARES
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 27/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A incidência de fatores de risco cardiovasculares (FRC) tem aumentado consideravelmente na população mundial, contribuindo para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (DC) e mortalidade de indivíduos em idade ainda produtiva. Tais fatores podem ser desenvolvidos desde a infância e adolescência, porém, ainda são escassos estudos que versem sobre a presença de FCR em idades precoces. Como forma de tratamento e/ou prevenção dos FRC’s destacam-se o uso de medicamentos (método farmacológico) e a prática de exercício físico (método não-farmacológico). Dentre as diferentes modalidades de treinamento têm-se destacado na literatura, a prática do exercício resistido enquanto capaz de promover ajustes benéficos nos parâmetros hemodinâmicos, antropométricos, lipídicos e glicêmicos dos indivíduos. Porém, são poucos estudos que envolvam avaliar os efeitos do exercício resistido e sua influência sobre os FRC em adolescentes. Portanto, o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos da indução um programa de treinamento resistido (PTR) durante doze semanas sobre FRC em adolescentes. Participaram da pesquisa 122 adolescentes com idade entre 10-19 anos de ambos sexos divididos em dois grupos: Grupo Controle (GC) e Grupo Intervenção (GI). Foi realizada coleta sanguínea e avaliação de medidas antropométricas antes e após o período de doze semanas de PTR em ambos grupos. Após as 12 semanas de intervenção do PTR na população de adolescentes os resultados indicaram que este promoveu no GI uma redução nas variáveis Triglicerídeos (- 1,72%), LDL (-5,42%), no-HDL (-5,48%), glicemia (-6,30%), PAS (-10,09%) e PAD (-15,38%), bem como um aumento na variável peso corporal (+1,72%). Estes resultados sugerem que o PTR pode ser utilizado para a manutenção da saúde e/ou redução de FRC em indivíduos com idades precoce. Conclui-se 12 semanas de intervenção do PTR foram suficientes para apresentar diferenças significativas na população de adolescentes avaliadas demonstrando a importância do PTR em ambientes escolares. Visto que o PTR quando preconizado desde a adolescência e de forma orientada, pode prevenir o desenvolvimento de diversas doenças crônico degenerativas na vida adulta.

  • ANDRES ARMAS ALEJO
  • AVALIAÇÃO PSICOSSOCIAL E HEMODINAMICA DE ATLETAS DE BOXE EM SITUAÇÃO PRE - COMPETITIVA E DE TREINO.
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 27/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A presente pesquisa foi dividida em dois estudos. Estudo 1,Objetivo: analisar o efeito dos parâmetros ansiogênicos em atletas de boxemasculino. Metodologia: Participaram do estudo 35 atletas adultos e, 60 Juvenis,deste último grupo foram 38 não medalhistas (Grupo Juv-NM) e 22 medalhistas(Grupo-Juv-Med), com idade média de 17,5±0,50 anos, Já nos Adultos (atletasacima de 18 anos), foram 11 não medalhistas (Grupo Adul-NM) e 24 medalhistas(Grupo Adul-Med). Foi utilizado o questionário de ansiedade o CSAI-2.Resultados: Ambos os grupos foram classificados com baixo nível de ansiedadecognitiva 15,92±5,20 (Grupo-NM), 12,77±2,62 (Grupo-Med), ansiedade somática14,03±4,6320 (Grupo-NM), 12,55±2,46 (Grupo-Med) e com nível alto deautoconfiança 29,42±4,82 (Grupo-NM), 31,59±4,24 (Grupo-Med), indicandodiferença significativa somente na ansiedade cognitiva. Estudo 2, Objetivo:Avaliar o efeito da recuperação pós treino sobre indicadores hemodinâmicos ematletas de boxe. Metodologia: participaram oito atletas de Boxe do sexomasculino (idade: 23 ± 3,83 anos, estatura: 1,75 ± 0,09 cm; massa corporal: 68,43±12,51 Kg); com experiência mínima 12 meses, submetidos a uma sessão detreino de aproximadamente 120min e utilizaram-se três diferentes métodos derecuperação: recuperação passiva (RP), o Dry Needling (DN) e Imersão em águafria (CW). Foram avaliados indicadores hemodinâmicos antes, logo após, com 5 ́,10 ́, 20 ́, 30 ́, 40 ́, 50 ́, e 60 ́ após treino. Resultados: A pressão arterial sistólica ea frequência cardíaca foram as de maior significância no período pós-exercícioquando comparadas ao período de repouso (pré-exercício), (P<0,05), e apósrecuperação. Conclusão: O estudo 1, indica que a autoconfiança pode interferirnos níveis de ansiedade, tendo em vista que boxeadores medalhistas sãopropensos a apresentarem menos ansiedade cognitiva que os não medalhistas eque ambos os grupos apresentam níveis altos de autoconfiança. O estudo 2,indica que a utilização de diferentes tipos de recuperação pós-treino visando acompetição tendem a interferir no efeito hemodinâmico em atletas de boxe.

  • WÉLIA YASMIN HORACIO DOS SANTOS
  • Avaliação de métodos de recuperação sobre indicadores mecânicos, bioquímicos, de imagem e na dor no powerlifting paralímpico
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 26/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Powerlifting é um esporte caracterizado por elevadamanifestação da capacidade física e durante o processo treinamento o usofrequente de cargas altas, impactam os mecanismos de recuperação. Objetivo:Avaliar os efeitos de diferentes métodos de recuperação pós treino sobreindicadores mecânicos, bioquímicos, de imagem e da dor em atletas depowerlifiting paralímpic Métodos: Trata-se de um estudo do tipo crossover, ondeforam recrutados doze atletas competidores a nível nacional (idade 25,40±3,3anos e peso: 70,30±12,1 quilos). Foi avaliada a presença de edema muscular,limiar de dor por pressão, marcadores bioquímicos sanguíneos (citocinas) emedida de desempenho (contração isométrica máxima) pré, imediatamente pós,2, 24 e 48 horas após a intervenção através de Passive Recovery (PR), DryNeedling (DN) e Cold Water (CW) Resultados: Houve aumento do edemaimediatamente pós exercício, e que o DN reduziu o edema após 24 horas, houvetambém redução da dor no DN e CW quando comparados ao PR, nas 2 horas.Houve equilíbrio das intervenções e 24 e 48 horas PR e DN apresentarammenores níveis de dor. Já a força isométrica máxima apresentou melhora após48 horas de aplicação com CW. Em contraponto as análises dos marcadoresbioquímicos não apresentaram resultados significativos nos momentos emrelação aos métodos de recuperação. Conclusão: Conclui-se que asintervenções alteram alguns aspectos da recuperação local, como o edema e ador, porém ainda existem efeitos sistêmicos a serem elucidados. Além disto, ométodo CW foi superior aos outros métodos no momento 24 horas e que ométodo DN apresentou melhores resultados no momento 48 horas.

  • WENDEL DE OLIVEIRA MOTA RIBEIRO
  • ANÁLISE DE DESEMPENHO EM JOGOS DE WHEELCHAIR PARA-BADMINTON
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 26/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O para-badminton é uma modalidade ainda jovem no contexto esportivo mundial. Muito em função disso, apresenta um campo aberto para as ciências do esporte. Um dos aspectos mais destacados atualmente nas ciências do esporte é a análise de desempenho, pois a mesma da suporte para que técnicos e atletas possam traçar as estratégias de treinos e de competição a fim de obter o melhor resultado possível. Em função disso, essa dissertação, organizada em dois estudos independentes, que teve como objetivo analisar as características temporais e técnicas, além de definir quais os níveis dos games e ações realizaram os vencedores dos jogos de para-badminton nas classes WH1 e WH2, durante I Etapa do Campeonato Brasileiro de Para-Badminton 2018. Mesmo considerando que no paradesporto o número de atletas não seja tão grande, no estudo 1, foram filmados 23 jogos, das classes (WH1: n = 15; WH2: n = 10), compostas pela elite de atletas do wheelchair para-badminton brasileiro na modalidade simples masculino na principal competição nacional, resultando no registro e análise de 6.807 golpes, de cada um dos tempos de rali e intervalos de descanso. Foi realizada a comparação das variáveis técnicas e temporais entre as classes, utilizando o teste t para amostras independentes ou o teste U de Mann-Whitney. Como resultados identificamos que, considerando as variáveis temporais: carga de trabalho, densidade de trabalho, tempo total e tempo de rali, os jogos da classe WH2 foi mais intensos que a WH1 (p<0,05; ES: grande). O golpe net-shot foi o único que apresentou diferença entre as classes, com valor maior para a WH2 (p < 0,001 ; ES: grande). Os golpes clear e net-lift correspondem aproximadamente a dois terços de todos realizados por ambas as classes. A parte da frente da quadra foi a mais vulnerável, através dos pontos vencedores de drop-shot (WH1 = 28%) e net-shot (WH2 = 24%). No estudo 2, foram analisados 52 games, da mesma amostra do estudo 1, acrescentando 2 jogos na classe WH2, em seguida, de forma inédita foi realizada a classificação de três tipos de níveis de games (equilibrado, desequilibrado e muito desequilibrado), através da diferença de placar e da análise de cluster, já para estimar a o quanto cada ponto vencedor influenciou no resultado dos games, foi utilizada a regressão logística binária, além disso, análise discriminante foi realizada para verificar quais variáveis melhor discriminavam os vencedores. Por fim, foram categorizadas e classificadas sequências táticas dos três últimos golpes executados (golpe-resposta-ponto vencedor), de acordo com as zonas de destino dos golpes. Quanto aos resultados do nível dos games, o nível desequilibrado foi o mais frequente para ambas as classes. O net-lift (OR = 2,9), ponto vencedor gerado por net-lift (OR = 6,8) e ponto vencedor gerado por drop-shot (OR = 4,8) foram as variáveis que melhor estimaram as chances de vitória nos games. A análise discriminante ratificou a importância do net-lift como fator diferencial para a vitória (CE = 0,33; p = 0,001). Concluímos que as classes WH1 e WH2 diferenciam quanto a intensidade do jogo e a maior utilização do net-lift ao longo do game e os pontos vencedores obtidos através dos golpes net-lift e drop-shot são os fatores que melhor estimam as chances de vitória. Por fim, as respostas táticas para zona do meio da quadra, levando em consideração o golpe adversário podem aumentar as chances de vitória.

  • MARIA JAQUELINE ALMEIDA RODRIGUES
  • Atividade Física e Consumo Alimentar em Adolescentes: Estudo CRiS_Adolescentes
  • Data: 26/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Fatores demográficos, socioeconômicos e comportamentais potencializam os danos à saúde, sugerindo estudos de monitoramento. Objetivo: Verificar fatores associados à condição alimentar e biológica em adolescentes de Sergipe. Métodos: Este estudo trata-se de uma análise de levantamento epidemiológico com delineamento transversal, com uma amostra representativa de estudantes da Rede Pública Estadual de Sergipe, composta por 4151 escolares, com idade entre 14 e 19 anos. Os dados foram coletados mediante questionário auto administrado, Global School – Based Student Health Survey. Em decorrência da quantidade de variáveis, optou-se por apresentar dois estudos. No primeiro, as variáveis dependentes foram consumo de frutas e verduras e consumo de refrigerante; já no segundo estudo a variável desfecho foi a relação cintura/estatura. Foi analisado a associação destas variáveis com fatores demográficos, socioeconômicos e comportamentais de acordo com o sexo. Para os estudos, utilizou-se a regressão logística binária bruta e ajustada para a associação entre os desfechos e as variáveis independentes. Resultados: No primeiro estudo o percentual de consumo inadequado de frutas e verduras foi de 87,3% e mostrou-se associado, nas meninas, ao local de residência (OR=0,78; IC95%= 0,61-0,99), chefe de família (OR=1,81; IC95%= 1,17-2,78) e nível de atividade (OR=0,56; 0,41-0,76), e nos meninos à escolaridade paterna (OR=1,66; IC95%= 1,25-2,45) e renda familiar (OR=1,72; IC95%=1,08-2,76). Ainda no mesmo, o percentual de consumo diário de refrigerante foi de 51,5% e mostrou-se associado, nas meninas, a faixa etária (OR=0,78; IC95%= 0,60-0,99), local de residência (OR=0,78; IC95%= 0,66-0,92), nível de atividade física (OR=0,76; IC95%= 0,60 – 0,97) e comportamento sedentário dias (OR=1,46; IC95%= 1,19-1,78), e nos meninos a escolaridade paterna (OR=1,78; IC95%= 1,25-2,54). No segundo estudo, a obesidade central mostrou-se associada, no sexo feminino, a faixa etária (OR=0,61; IC95%=0,42-0,89/OR=0,62; IC95%=0,47-0,82), turno escolar (OR=0,74; IC95%=0,56-0,97), com quem reside (OR=0,63; IC95%= 0,45-0,89/OR=0,58; IC95%=0,43-0,79) e comportamento sedentário (OR=0,75; IC95%=0,57-0,99), nos meninos a faixa etária (OR= 0,62; IC95%=0,44-0,88) e renda familiar (OR=1,83; IC95%=1,20-2,80). Conclusões: Foi evidenciado mais fatores associados ao sexo feminino. Também foi percebido que apenas os fatores comportamentais estiveram associados nas meninas. Nos meninos o fator socioeconômico foi presente em todas as análises. Ainda no estudo a idade foi um fator de risco importante para ambos os sexos. Assim, nossos achados fornecem suporte para a implantação de ações direcionadas à promoção do estilo de vida saudável na adolescência, que podem subsidiar ações no âmbito escolar, considerando o sexo e suas características.

  • MARCELO DANILLO MATOS DOS SANTOS
  • ANÁLISE DA AMPLITUDE DA PEGADA SOBRE INDICADORES NEURO MUSCULARES NO POWERLIFTING PARALÍMPICO
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 25/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: Avaliar a força muscular dinâmica e isométrica, taxa de desenvolvimento de força e atividade elétrica muscular em relação às diferentes amplitudes da pegada em atletas do Powerlifting Paralímpico (PP). Metodologia: Foram avaliados 12 atletas do PP participantes do projeto de extensão da Universidade Federal de Sergipe. Faixa etária (25,40±3,30 anos), massa corporal (70,30±12,15 Kg) e experiência (2,45±0,21 anos) no esporte. Competidores em nível nacional, classificados, e ranqueados entre os dez melhores de suas respectivas categorias. Para avaliação das forças dinâmica (FDM) e isométrica (FIM), velocidade, tempo, taxa de desenvolvimento de força (TDF) e atividade muscular, foram utilizados um Encoder linear, Sensor de força, e um Eletromiógrafo. A avaliação perdurou cinco semanas, sendo que há primeira semana foi destinada a familiarização e ao teste de uma repetição máxima 1RM. As demais semanas foram destinadas as avaliações com diferentes larguras da pegada; 1x, 1,3x, 1,5x da distância bi acromial (DBA) e 81,0 centímetro entre os dedos indicadores, que é o máximo permitido no esporte. Resultados: Estudo 1: Houve diferença significativa (p = 0,019) no aumento da velocidade 1,52 ± 0,36 m/s para força dinâmica máxima relativa com 25% da força dinâmica máxima com a largura da pegada de 1,5x da DBA, resultados significativos no tempo (ms) (p = 0,030) (p = 0,032) (p = 0,030) com a pegada de 1,5x DBA para força isométrica com 30%, 50% e 100% (187,44 ± 85,81 ms, 312,66 ± 142,92 ms, 626,00 ± 285,98 ms). Nenhuma diferença entre os tipos de força e atividade muscular para ambas as larguras da pegada. Estudo 2: Não houve diferença na FIM entre as diferentes larguras da pegada e as distâncias da barra ao peito DBP. A pegada de 1x DBA gerou mais FIM e TDF com a barra encostada no peito BP, contudo, houve uma tendência às pegadas de 1,3x DBA, 1,5x DBA e 81 cm gerarem mais FIM e TDF (10, 20, 30 cm DBP, 653,84 ± 256,62 N, 859,25 ± 293,95 N, 1130,28 ± 390,22 N e 20 cm DBP, 2029,22 ± 1753,37; 30 cm DBP 1609,66 ± 1555,00 N.m.s-1 ) Conclusão: A largura da pegada de 1,5x DBA proporcionou aumento na FDM e FIM, velocidade, tempo para máxima força, maior ativação do peitoral maior parte esternal (PME) e deltoide anterior (DA). As pegadas de 1,3x DBA, 1,5x DBA e 81 cm promoveram FIM em relação à 10, 20, 30 cm DBP. Exceto para FIM BP onde a pegada de 1x DBA promoveu a maior FIM. A pegada de 1x DBA aumentou a TDF com BP e com 10 cm DBP, para 20 e 30 cm DBP as pegadas 1,3x DBA e 1,5x DBA geraram mais TDF no PP.

  • TANISE PIRES MENDONÇA
  • ANÁLISE AGUDA DO TREINO DE FORÇA COM REPETIÇÃO PARCIAL E TOTAL EM ATLETAS DO POWERLIFTING PARALÍMPICO
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 22/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO:Introdução: O Powerlifting Paralímpico é um esporte no qual a força dos membrossuperiores é avaliada, sendo o supino adaptado o único movimento realizado. Otreino visa o ganho de força, que usa a amplitude de movimentos como uma dasvariáveis para o desenvolvimento da força máxima.Objetivo: Avaliar o efeito de uma sessão treino com repetições parciais (130%1RM) e totais (90% 1RM) sobre o índice de fadiga (IF), o pico de torque (PT), tempoaté o Pico de Torque (Tempo), taxa de desenvolvimento de força (TDF), aespessura muscular (USG) e a ativação dos músculos envolvidos (EMG) em umasessão de treino tradicional e parcial (boards) do Powerlifting Paralímpico (PP).Participaram 12 atletas de nível nacional do PP, durante três semanas (com28,60±7,60 anos, 71,80±17,90 kg) e com experiência de treino mínima de 12meses. Foi realizada uma ANOVA (Two Way) para medidas repetidas, e Post Hocde Bonferroni, com p < 0,05.Resultado: Não foram encontradas diferenças significativas nos indicadores deforça, (IF: 76,12 e 61,02; TDF: 640,43 e 602,78; Tempo: 0,72 e 0,64 e PT: 1119,68e 771,63N) nas condições com repetições parcial e total respectivamente. Comrelação a ativação muscular mensurada através do EMG que não houve diferençassignificativas entre os músculos avaliados durante os exercícios. Já no edema naporção Clavicular do Musculo Peitoral Maior (3,03 e 3,34 Cm, p=0,001) e PorçãoEsternal (2,97 e 3,33 Cm, p=0,001) houve diferenças significativas entre asintervenções com repetições parciais e totais respectivamente.Conclusão: O treino com uma carga maior e com repetições parciais tendem apropiciar um edema maior, que tende a proporcionar uma fadiga aumentada porocasião do treino.

  • FLÁVIO VINICIUS FONSECA BARRETO
  • TENDÊNCIA EVOLUTIVA E ANÁLISE PREDITIVA NAS COPAS DO MUNDO DE FUTEBOL PROFISSIONAL MASCULINO (1930-2018)
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 14/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • No futebol moderno, as estatísticas de jogo são uma ferramenta importante para determinação de modelos preditivos de performance ou de resultado. O conhecimento desses modelos pode auxiliar treinadores no planejamento de treinos e jogos. Assim, essa dissertação, organizada em dois estudos independentes, analisou a tendência evolutiva da média de gols e estimar as chances de ocorrência de resultados a partir dos dados estatísticos de jogo nas Copas do Mundo de Futebol Profissional Masculino da FIFA (CMFIFA). No estudo 1, foram analisadas todas as 900 partidas das 21 CMFIFA realizadas entre os anos 1930 e 2018. Os dados foram organizados em: gols marcados e sofridos no primeiro tempo e final das partidas; e resultados parciais (primeiro tempo) e finais das mesmas (vitória, empate, derrota). Foram realizadas análises descritivas e de tendência para verificar a evolução da média de gols nas edições das CMFIFA estudadas. Foi realizada uma tabela cruzada a fim de verificar os placares finais dos jogos, seguida de uma análise de associação entre os resultados parciais (primeiro tempo) e finais de todas as partidas, e uma regressão logística multinomial para identificar a razão de chance de vitória final a partir dos resultados parciais (primeiro tempo). Os resultados mostraram uma tendência polinomial da média de gols (p ≤ 0,01; r = 0,34) com a maior média para a CMFIFA Suíça 1954 (5,23 ± 2,86) e a menor média para a CMFIFA Itália 1990 (2,1 ± 1,56). Em 64% dos jogos os placares terminaram entre 0x0 e 2x1. Equipes que terminaram o primeiro tempo vencendo obtiveram vitória em pelo menos 70% dos jogos, sendo que nunca uma equipe perdeu a partida quando o resultado do primeiro tempo foi de vitória por ≥2 gols de diferença. Por outro lado, perder no primeiro tempo aumentou em mais de 100 vezes a chance de perder a partida (OR = 102,6; p < 0,01). No estudo 2, analisamos as estatísticas de jogo oficiais de todas as 384 partidas das CMFIFA África do Sul 2010, Brasil 2014 e Rússia 2018. Foram incluídas no modelo cinco variáveis independentes categorizadas a partir da mediana (posse de bola efetiva, cartões vermelhos, finalizações efetivas (%), relação finalizações/gols (%) e resultado do primeiro tempo). Logo após foi realizada análise de regressão multinomial tendo como desfecho os resultados finais das partidas (vitória, empate e derrota). O modelo foi capaz de predizer acima de 70% dos resultados em geral, passando dos 80% em predições de resultados de vitória. As chances de sucesso (vitória no jogo) foram maiores em 50 vezes com vitória no primeiro tempo, em 14 vezes com a relação finalizações/gols >7,7%, e em quatro vezes caso não recebam cartões vermelhos. Concluímos que as médias de gols das CMFIFA possuem uma tendência ondulatória; há prevalência de placares ≤3 gols; vitória parcial é associada à vitória final e derrota parcial aumenta a chance de derrota no final do jogo; vitória parcial, não tomar cartões vermelhos e ter uma melhor relação gols/finalizações representam maiores chances de vitória no final das partidas.

  • SAULO DA CUNHA MACHADO
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, REPRODUTIBILIDADE DO TESTE DE ESTABILIDADE DINÂMICA E ASSOCIAÇÃO ENTRE VALÊNCIAS FÍSICAS E QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS COM OSTEOARTRITE DE JOELHO.
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 24/01/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A funcionalidade é a capacidade de realizar as atividades de vida diária, respeitando elementos do corpo, suas funções e estruturas, além de fatores ambientais e estruturais, onde qualquer condição de saúde, como a osteoartrite de joelho, pode provocar redução da mesma, associada com influência negativa na qualidade de vida e capacidade física. Nesse contexto foram confeccionados três manuscritos utilizando como prerrogativa relacionar as avaliações de joelho com a funcionalidade, apresentar a confiabilidade do instrumento de avaliação de estabilidade de membros inferiores e gerar uma associação entre qualidade de vida e valências físicas. O Estudo 1 teve como objetivo relacionar os itens avaliados em diversos instrumentos e ferramentas de quantificação de condições relacionadas a articulação do joelho com a Classificação Internacional de Funcionalidae (CIF). Foram codificados avaliações de indivíduos com osteoartrite de joelho através da CIF. Verificou-se que a mobilidade foi a principal categoria relacionada na codificação dos instrumentos e nenhuma das avaliações contemplaram todos os fatores da funcionalidade. O Estudo 2 teve como objetivo verificar a reprodutibilidade de uma avaliação da estabilidade dinâmica de membros inferiores com adaptação para indivíduos com osteoartrite de joelho. Um sistema de suspensão parcial tracionou 10% do peso corporal e foi realizado o Lower Body. Através da análise dos testes estatísticos, pode-se concluir que realizar do teste com as adaptações para avaliação da estabilidade dinâmica de membros inferiores em mulheres que apresentam osteoartrite de joelho é reprodutível. Já o Estudo 3 teve como objetivo verificar se há relação entre valências físicas e qualidade de vida em mulheres com osteoartrite de joelho. Para isso foi realizado análises de regressão com os resultados de testes de valências físicas com o questionário de qualidade de vida específico para osteoartrite de joelho. Os resultados demosntraram que há uma relação entre todas as valências físicas analisadas e o questionário de qualidade de vida, além disso foi possível criar uma fórmula de regressão com essas variáveis. Com isso, podemos então compreender a caracterização de indivíduos com osteoartrite de joelho e gerar relações práticas.

  • LUÍS FERNANDO SOUSA FILHO
  • EXERCÍCIO FÍSICO E DOR LOMBAR CRÔNICA
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 08/01/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O exercício físico é um dos componentes mais importantes na prevenção e no tratamento da dor lombar crônica. Objetivo geral: Avaliar a efetividade e os fatores que influenciam a prática de exercícios específicos em indivíduos com dor lombar crônica. Para alcanças esse objetivo, três estudos foram desenvolvidos. Objetivo do estudo 1: Analisar a influência de fatores clínicos, físicos e psicossociais no tempo de caminhada dos indivíduos com dor lombar crônica. Achados do estudo 1: Somente a percepção de ansiedade limitou o tempo total de caminhada desses indivíduos. Fatores clínicos, como a intensidade da dor, e fatores funcionais, como o escore de incapacidade, não limitaram o tempo de caminhada. Objetivo do estudo 2: Elaborar um protocolo de estudo investigando o efeito da adição de exercícios neurodinâmicos a exercícios de extensão em indivíduos com dor lombar crônica irradiada para a perna. Achados do estudo 2: O protocolo de estudo foi elaborado e publicado em periódico internacional. Objetivo do estudo 3: Verificar a efetividade da adição de exercícios neurodinâmicos a exercícios de extensão em indivíduos com dor lombar crônica irradiada para a perna. Achados do estudo 3: Não foi observada diferença entre os exercícios combinados e o exercício de extensão isolado após a intervenção na maioria dos desfechos. No acompanhamento, um mês após o fim das intervenções, foi observado que o grupo que fez somente os exercícios de extensão melhoraram mais que os indivíduos que fizeram esses exercícios combinados com os neurodinâmicos. Conclusão: O único fator que limitou a prática da caminhada em indivíduos com dor lombar crônica foi a ansiedade e a adição de exercícios neurodinâmicos a exercícios de extensão não foi efetiva.

2018
Descrição
  • IZABELLA FONTES DOS REIS
  • DETERMINANTES DA DISTÂNCIA PERCORRIDA NO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS NA ALTA HOSPITALAR DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 30/08/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O teste de caminhada de seis minutos (TC6) vem sendo considerado o padrão de referência na avaliação da capacidade funcional de diversas populações. A distância percorrida nesse teste é usada como uma medida para avaliar o risco de hospitalização, mortalidade e o prognóstico funcional de pacientes cardíacos. Objetivo: Identificar quais os fatores determinantes da distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos (DTC6) no momento da alta hospitalar de pacientes com insuficiência cardíaca e estabelecer uma equação de referência para o cálculo da DTC6 prevista nesta população. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo clínico do tipo descritivo e tranversal. A amostra foi composta por pacientes com insusficiência cardíaca classes funcional de I a III. Foram coletados os dados: idade; sexo; IMC (índice de massa corporal); fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE); delta da frequencia cardíaca (entre a inicial e final do TC6), hemoglobina; glicemia em jejum; etiologia da doença; tempo de diagnóstico; tempo de internamento; presença de fatores de risco para doenças cardiovasculares e presença de infecção durante o internamento. A força muscular do movimento de extensão de joelhos foi avaliada por dinamometria, a qualidade de vida com o questionário Perfil de Saúde de Nottingham (PSN), o nível de atividade física prévio pelo Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) e a DTC6. Resultados: Sessenta pacientes fizeram parte da amostra final sendo 58,3% do sexo masculino; com idade média de 56,23±10,44 anos. A média da DTC6 foi 393,16±42,80 metros. As variáveis selecionadas da análise multivariada foram: IPAQ (p=0,017), Dinamometria Média Total (p=0,001), PSN total (p=0,021) e Idade (p=0,046), com R=0,74 e R²=0,55 com p <0,05. A equação derivada da análise multivariada foi DTC6= 353,436 + IPAQ (11,628) + Dinamometria Média Total (1,582) – PSN escore total (0,197) – Idade (0,776). Conclusão: Neste estudo os determinantes da DTC6 foram: IPAQ, Força muscular isometrica máxima de extensão de joelhos, PSN total e Idade. Foi possível com este estudo gerar uma equação preditiva para a DTC6 na alta hospitalar de pacientes com insuficiência cardíaca.

  • ANA CLAUDIA SANTOS SILVA GUIMARÃES
  • ATIVIDADE FÍSICA EM DIFERENTES CONTEXTOS EM ESCOLARES DO NORDESTE DO BRASIL, 2011 E 2016
  • Data: 28/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Nível Insuficiente de Atividade Física (NIAF) resultante do tempo de Lazer, das aulas de Educação Física Escolar e do modo de Deslocamento constitui fator prejudicial à saúde dos adolescentes e pode estar associado a indicadores econômicos, sociais, demográficos e comportamentais. Objetivo: Analisar a prevalência e a associação do Nível Insuficiente de Atividade Física nos domínios do Lazer, da Escola e do Deslocamento em relação à fatores sociodemográficos e de comportamentos de risco em escolares do estado de Sergipe, Brasil, 2011-2016. Método: O estudo trata-se de dois levantamentos epidemiológicos com delineamento transversal, realizados em 2011 e 2016, com amostra representativa de escolares da Rede Estadual de Ensino de Sergipe, composta por 8143 adolescentes (2011=3992; 2016=4151), com idade entre 14 e 19 anos. O instrumento utilizado foi o Global School-based Student Health Survey (GSHS). O desenvolvimento originou dois estudos, cada qual com três variáveis dependentes relativas aos domínios de NIAF, sendo o primeiro associado com características sociodemográficas, e o segundo com comportamentos de risco à saúde. Os dados foram analisados na forma de estatística descritiva, aplicação do teste do Qui-quadrado para análise inferencial e a Regressão Logística Binária Bruta e Ajustada para associação entre as variáveis. Resultados: Houve elevada prevalência dos NIAFs entre os adolescentes. No estudo 1, o NIAF no Lazer foi associado com os estudantes do sexo feminino e do 3º Ano do Ensino Médio nos dois inquéritos, e com o turno diurno e a cor da pele branca apenas no ano de 2016. Com o NIAF Escolar verificou-se associação com o sexo feminino, do turno noturno e residentes da zona urbana em ambos os anos de pesquisa; com a cor de pele branca em 2011 e os de maior nível socioeconômico em 2016. O NIAF de Deslocamento foi significativo para o turno noturno, residentes da zona rural, com mães de nível superior de escolaridade e que possuíam renda familiar acima de 2 salários mínimos no ano de 2011; em 2016 manteve-se as mesmas chances com exceção da renda da família. No estudo 2, o NIAF no Lazer apresentou associação com a exposição ao comportamento sedentário nos dois inquéritos, com o fato de não fumar tabaco em 2011, e com os não usuários de drogas e que consumiam baixas porções de frutas no ano de 2016. O NIAF Escolar foi associado com o baixo consumo de frutas e o NIAF no Deslocamento com o não uso do tabaco. Conclusão: Foi evidenciado elevadas prevalências de NIAF entre os inquéritos e os domínios de Atividade Física se associam diferentemente com aspectos sociodemográficos e comportamentais, a depender das características, sendo o NIAF de Deslocamento o único domínio influenciado por aspectos econômicos.

  • JOSÉ CARLOS TAVARES JÚNIOR
  • Efeito de uma sessão de exercício isométrico sobre variáveis hemodinâmicas de mulheres hipertensas
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 28/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A hipertensão arterial é uma das doenças que mais acomete a população adulta, e está associada a uma maior incidência de mortalidade por causas de doenças cardiovasculares. Diante disso, é sugerido uma modificação no estilo de vida como forma de tratamento e prevenção, sendo o exercício físico isométrico adjuvante no auxílio na diminuição de níveis pressóricos. Objetivo: analisar o efeito de uma sessão de exercício isométrico de sobre variáveis hemodinâmicas de mulheres hipertensas. Metodologia: A amostra foi composta por 10 mulheres hipertensas que realizaram duas sessões (sessão exercício isométrico e a outra sessão controle), a ordem das sessões foram feitas através de um sorteio e o intervalo entre as intervenções foi de 48h. A sessão de exercício isométrico foi realizada com 3x1min e intervalo de 90 segundos, com uma carga de 30% de 1RM. Enquanto que a sessão controle, as mulheres permaneciam na posição sentada e em silêncio por uma hora, após cada sessão a pressão arterial e frequência cardíaca foi aferida por um período de 24 horas pela monitorização ambulatorial da pressão arterial. Os dados foram analisados através da ANOVA de duas vias para medidas repetidas. Após foi realizado o teste pos hoc de SIDAK. Para análise da PAS e PAD vigília e sono foi aplicado test t stdent pareado. Resultados: Foi observado uma redução de 15,5 mmHg na PAS na condição exercício em relação a condição controle [F(3,4,31,16) =6,425; p<0,01; r=0,417] após 24h.Houve redução na PAD nos momentos 12 horas na condição exercício em comparação a condição controle [F(2,961,26,687) =2,601; p>0,05; r=0,224]. Ocorreu uma redução na PAM nos momentos 12 e 24 horas pós condição exercício em relação a condição controle [F(2,767,24,902) =1,984; p>0,05; r=0,181] respectivamente. Observou-se uma diminuição no duplo produto nos momentos 6 e 12 horas pós condição exercício em comparação a condição controle [F(2,508,22,574) =1,668; p>0,05; r=0,984] nessa ordem. Houve uma diminuição tanto da PAS vigília e sono (CC:135,00; CE:128,400 e CC:122,70; CE:116,60) na devida ordem, quanto na PAD vigília e sono (CC:76,20; CE:72,80; CC:63,40; CE:59,90) No que se refere a condição exercício a condição controle. Conclusão: O exercício isométrico mostrou-se eficiente para reduzir a PAS, PAD, PAM, DP, ademais o mesmo diminuiu a PAS e PAD de vigília e sono de mulheres hipertensas.

  • HORTENCIA MARIA SANTOS DE MELO
  • PRÁTICA ESPORTIVA DE SERVIDORES DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL: FACILITADORES E BARREIRAS
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 26/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A motivação para a prática esportiva tem sido objeto frequente de estudos. Ainda que os servidores de universidades tenham maiores possibilidades de acesso a informações atualizadas sobre os benefícios do esporte para a saúde, pouco se sabe sobre sua prática, assim como o reconhecimento de barreiras, torná-los fisicamente ativos. OBJETIVOS: Identificar os fatores motivadores e as barreiras para a prática de atividades físico-esportivas de servidores de uma universidade federal. MÉTODOS: Trata-se de um estudo descritivo e transversal. A amostra foi composta por 431 servidores efetivos da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Utilizamos três instrumentos, sendo um com dados sociodemográficos, a Escala de Motivos para Prática Esportiva - EMPE, e a Mensuração da Percepção de Barreiras para a Prática de Atividades Físicas – MPBPAF. A análise dos dados foi realizada através da estatística descritiva, análise fatorial, alfa de Cronbach e o teste “t” de Student para amostras independentes. Consideramos significativos valores de p<0,05. RESULTADOS: A partir da análise fatorial, os 33 itens da EMPE foram organizados em 6 fatores e os 19 itens do MPBPAF foram organizados em 5 fatores. As comparações dos fatores motivadores assim como os reconhecidos como barreiras para a prática de esportes em relação às variáveis estudadas não apresentaram diferenças estatisticamente significativas, exceto para os fatores percebidos como barreiras relacionados à variável sexo. CONCLUSÃO: Os indivíduos encontraram maior motivação para a prática de esportes na conquista da saúde. As maiores barreiras reconhecidas foram da dimensão “Organização social”, e as menos importantes foram das dimensões “Psicológica”, “Física” e “Motivacional”.

  • PATRICIA ALMEIDA FONTES
  • EFEITOS DA GAMETERAPIA E DO TREINAMENTO FUNCIONAL NO EQUILÍBRIO E NA FUNCIONALIDADE EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 26/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A doença de Parkinson é uma doença neurológica degenerativa, idiopática, ou seja, de origem desconhecida. É caracterizada pela diminuição da produção do neurotransmissor da dopamina, localizada predominantemente na substância negra e em regiões do cérebro envolvidas com a função motora. Os exercícios físicos na doença de Parkinson favorecem a realização de atividades funcionais como: sentar, levantar, caminhar, bem como, reduz a bradicinesia, a instabilidade postural e o índice de quedas. Objetivos: Os objetivos desta dissertação foram: (1) Revisar sistematicamente a literatura para identificar os instrumentos de avaliação de equilíbrio mais utilizados em indivíduos com doença de Parkinson; (2) avaliar e comparar os efeitos do exercício físico através da gameterapia e treinamento funcional no equilíbrio e funcionalidade de indivíduos com doença de Parkinson.Resultados: (1) Quatro são os métodos que merecem destaque por terem sido os mais utilizados e os mais sensíveis na avaliação do equilíbrio de indivíduos portadores da doença de Parkinson (Time up and Go, Berg Balance Scale,Plataformas de equilíbrio e pressão e a Falls Efficacy Scale-International); (2) Observou-se que o exercício físico através da gameterapia e treinamento funcionalmostrou-se eficaz para a melhora do equilíbrio e funcionalidade de indivíduos com doença de Parkinson. Conclusões: Conclui-se, que existe na literatura uma grande variedade de testes que buscam mensurar o equilíbrio, porém, quatro são os métodos que merecem destaque por terem sido os mais utilizados e os mais sensíveis na avaliação do equilíbrio de indivíduos com doença de Parkinson. E que o exercício físico através da gameterapia e treinamento funcional mostrou-se eficaz para a melhora do equilíbrio e funcionalidade de indivíduos com doença de Parkinson, sugerindo ser uma alternativa terapêutica viável para o tratamento desta patologia.

  • DILTON DOS SANTOS SILVA
  • EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE MARCADORES SANGUÍNEOS, AUTONOMIA FUNCIONAL, QUALIDADE DO SONO E DEPRESSÃO EM ADULTOS VELHOS E IDOSOS DA CLÍNICA DO IDOSO DA CIDADE DE LAURO DE FREITAS-BA.
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 20/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O treinamento aeróbico e de resistência muscular localizada tem tido cada vez mais adeptos, graças aos benefícios de promoção e prevenção da saúde e no controle das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), na melhora da qualidade do sono e na redução de quadros depressivos. Objetivo: Analisar os efeitos de um programa de exercício físico sobre os marcadores sanguíneos, autonomia funcional, qualidade do sono e depressão em usuários da clínica do idoso da cidade de Lauro de Freitas-Ba. Métodos: Este estudo trata-se de uma análise em dois momentos pré e pós intervenção de exercício físico (caminhada supervisionada, ginástica e exercícios localizados), durante três vezes por semana com duração de 60 min. durante 16 semanas com 112 indivíduos de ambos os sexos com idade entre 52 e 63 anos com hipercolesterolemia e diabetes Mellitus diagnosticados clinicamente. Os voluntários foram distribuídos em dois grupos: (“Idoso em Movimento”) e controle. Os dados foram coletados mediante questionário auto relato, teste de autonomia funcional e exames sanguíneos. No primeiro estudo para avaliação das alterações nas taxas sanguíneas (ureia, creatina, potássio e alamina Amino transferase (TGP) e sódio), da autonomia funcional através do protocolo GDLAM (Dantas, 2004) ((C10) caminhada de 10 min.; (LPS) levantar-se da posição sentada; (LPDV) Levantar-se da posição de decúbito ventral; (VTC)Vestir e tirar camisa; (LCLC) levantar-se de uma cadeira e locomover pela casa) e a depressão utilizou-se o questionário de Beck. No segundo estudo, a variável desfecho foram os marcadores sanguíneos (glicose, colesterol total, triglicerídeos, HDL, VLDL, LDL, cálcio) e qualidade do sono através do questionário de Pittsburgh. Para análise dos dados utilizou-se teste ANOVA (two way), Post Hoc de Bonferroni, para o nível de significância adotou-se p≤ 0,05 e para o tamanho do efeito foi utilizado os valores de eta (μp2), adotando-se os valores de efeito baixo (0,1 e 0,24), efeito médio (0,25 e 0,39) teste de f2 de e efeito alto (superior a 0,40). Resultados: No primeiro estudo o grupo experimental reduziu os níveis as variáveis sanguíneas que tiveram redução foram TGP 121,41 + 26,47 (p<0,047; f2 0.153), sódio 131,33±4,68 (p<0,039; f2 0,43) e todos os testes da autonomia funcional obteve efeitos alto enquanto a depressão reduziu o escore. No segundo estudo o grupo experimental apresentou significância e efeito alto nas concentrações sanguíneas de LDL 106,16 + 26,50 (p <0.004; f2 0.77), VLDL 29,24±17,68 (p <0.016; f2 0.49) e cálcio 9,04 + 0,38 (p <0.001; f2.35) o escore da qualidade do sono reduziu para 7,35±1,92 com significância de p <0,001 e efeito grande de f2 0,78. Conclusão: O programa de exercício físico mostrou-se capaz de reduzir as taxas dos marcadores sanguíneos TGP, sódio, LDL, VLDL, cálcio e melhorar a qualidade do sono da capacidade funcional e reduzindo os níveis de depressão.

  • GRACIELLE COSTA REIS
  • ESTIMATIVA DA ESPECIALIZAÇÃO ESPORTIVA PRECOCE EM ESCOLARES
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 18/05/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: Em geral adolescentes desfrutam da prática esportiva. O crescimento do número de competições e competitividade nos esportes juvenis, vem causando um aumento na frequência e volume de treinamento, levando a especialização esportiva. Ainda que seja um tema bastante discutido na literatura, não existe um consenso sobre suas consequências em escolares. OBJETIVO: Estimar a chance de especialização esportiva precoce em uma população atlética escolar. MÉTODO: Os instrumentos para caracterização da amostra e o Questionário Sobre Especialização foram respondidos por 830 praticantes de modalidades distintas. Os participantes foram recrutados de escolas públicas e particulares. A classificação da especialização foi feita baseada nos métodos de autoclassificação e no sistema de três pontos. A análise dos dados foi realizada através da estatística descritiva, teste qui-quadrado e análise de regressão logística multinomial. Foram considerados estatisticamente significativos valores de p<0,05. RESULTADOS: Os resultados das análises mostraram que a maior parte da população estudada é do sexo masculino. O sistema de pontos classificou os adolescentes em níveis: baixa, média e alta especialização, mostrando 61,8% (n=495), 29,5% (n=235), 8,7% (n=70) respectivamente, alocados em cada categoria. Os participantes se classificaram como praticantes de um único (n=405, 50,6%), ou vários esportes (n=396, 49,4%) através do sistema de autoclassificação. A associação entre os métodos (sistema de 3 pontos e autoclassificação), mostrou-se significativa estatisticamente (p=0,001). CONCLUSÃO: A chance de um escolar ser especializado precocemente é baixa. As variáveis idade e tamanho da escola não foram determinantes para influenciar na especialização dos escolares. Contudo, a especialização esportiva parece ser influenciada pela sexo e tipo de escola.

  • KENIA REJANE DE OLIVEIRA BATISTA
  • FLEXIBILIDADE E CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 30/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A aptidão física relacionada à saúde é considerada um indicador de saúde, tanto na infância quanto na adolescência, estando amplamente associada à redução do risco à saúde. Objetivo: analisar o comportamento da flexibilidade e da aptidão cardiorrespiratória em crianças e adolescentes. Metodologia: O trabalho foi dividido em duas partes organizadas da seguinte forma: a primeira teve o intuito de analisar a evidência quanto ao comportamento da flexibilidade em crianças e adolescentes brasileiros. Já a segunda, objetivou verificar o comportamento da capacidade cardiorrespiratória, conforme grupo etário e sexo, em crianças e adolescentes da cidade de Aracaju/SE. Resultados: Os resultados foram apresentados na forma de dois manuscritos, onde o primeiro apresentou uma lacuna nas análises e trabalhos que abordam a flexibilidade, indicando que esta vem sendo tratada como coadjuvante da aptidão física, sugerindo o mascaramento de sua real importância. Ao analisar estes estudos, ficou evidenciado que faltam informações quanto ao uso adequado da flexibilidade nas referências dos trabalhos, visto que não existe uma comparação com um padrão de referência. Já o segundo manuscrito indicou que até os 13 anos de idade o comportamento da aptidão cardiorrespiratória foi aleatório em ambos os sexos, no entanto, para os adolescentes com idades maiores de 13 anos de idade, o comportamento da aptidão cardiorrespiratória tende a aumentar em ambos os sexos. O sexo masculino apresentou valores superiores na capacidade cardiorrespiratória em todas as idades quando comparados ao sexo oposto. Conclusão: conclui-se que talvez seja necessária a elaboração de um critério de referência tanto para a flexibilidade quanto para a aptidão cardiorrespiratória com crianças e adolescentes brasileiros.

  • THIAGO MACHADO DE ARAUJO
  • EFEITOS DA PREPARAÇÃO FÍSICA SOBRE A PERFORMANCE GLOBAL DE ATLETAS AMADORES DE BASQUETEBOL UNIVERSITÁRIO.
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 27/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O basquetebol é um esporte coletivo, de invasão, intermitente, caracterizado pela sua alta intensidade, devido à qual, o jogador necessita de um bom condicionamento físico para executar ações tanto de demandas físicas como técnico-táticas. No entanto, diferentemente da estrutura favorável disponível para equipes profissionais, equipes universitárias amadoras se deparam com limitações importantes que interferem no treinamento. Desta forma, o uso agregado da preparação física e do treinamento com bola (TCB) em uma mesma sessão de treino parece ser uma estratégia metodológica coerente, e que pode otimizar o tempo de treinamento. Essa abordagem é entendida como treinamento multicomponente (TMC). No entanto, não é claro em que medida o TMC interfere na performance global dos atletas, ou seja, não apenas do ponto de vista das capacidades físicas, mas também levando em conta os aspectos técnico-táticos do jogo de basquetebol. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do TMC sobre a performance de atletas de uma equipe masculina amadora de basquetebol universitário. A amostra foi composta por oito jogadores amadores universitários de basquetebol masculino (idade: 22,7 ± 3,2 anos, estatura: 180,8 ± 7,5 cm, massa corporal: 74,9 ± 4,7 kg) que foram avaliados em três momentos: Apresentação, TCB e TMC, totalizando 29 semanas de pesquisa. As fases TCB e TMC duraram 12 semanas com dois treinos semanais. Cada sessão tinha duração de 90 minutos. Para mensuração da capacidade atlética dos atletas foram utilizados dois testes: o Line Drill Test (LDT) e o Yo-Yo Intermittent Recovery Test level 1 (Yo-Yo IR1). O conjunto desses testes nos fornece informações sobre capacidade anaeróbia, taxa de redução do desempenho anaeróbio (TRDA) e potência aeróbia dos atletas. Para a mensuração da capacidade técnico-tática foram realizados três jogos simulados em quadra toda (um a cada fase), com duração de 10 minutos contínuos. Os jogos foram filmados para posterior análise através do Instrumento de Avaliação do Desempenho Técnico-Tático Individual do Basquetebol - IADBB. As análises estatísticas foram realizadas através de estatística descritiva, ANOVA one-way de medidas repetidas, com post hoc de Bonferroni, sendo aceito um nível de significância de 5%. Posteriormente foi feito o teste T de Student emparelhado para gerar dados para a análise da inferência baseada na magnitude. No tocante às capacidades físicas, os atletas se mostraram mais rápidos na execução do LDT (redução de quase 2,5 s no tempo total) e com um melhor condicionamento aeróbio (aumento de 48,5% na distância percorrida). Nas capacidades técnico-táticas os atletas progrediram no número de ações realizadas no jogo (melhora de 14,16%), somatório de pontos (30,62%), nos componentes Adaptação (28,49%), Tomada de Decisão (24,10%), Eficácia (21,80%) e também no Desempenho Geral (23,44%). Ou seja, após a intervenção os atletas não só apresentaram evolução no condicionamento físico como transferiram essa melhora para a quadra, aumentando assim, em caráter global, sua performance

  • JAMILLE MENDONÇA REINALDO
  • MANIPULAÇÃO DA PROTEÍNA COMBINADA AO TREINAMENTO MULTICOMPONENTE EM MULHERES EM PÓS-MENOPAUSA
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 27/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: As alterações do envelhecimento ocorrem precocemente nas mulheres devido às mudanças dos hormônios sexuais que acontecem durante o climatério, tais como a redução da força e massa muscular além do aumento da adiposidade. A alimentação hiperproteica com restrição calórica combinada ao exercício de força tem mostrado efeitos positivos contra essas mudanças, entretanto precisa ser investigado o que ocorre quando combinado ao exercício multicompomente. OBJETIVO: Avaliar a efetividade da dieta hiperproteica associada ao treinamento multicomponente sobre a redução da massa corporal e marcadores bioquímicos em mulheres em pós-menopausa. METODOLOGIA: A intervenção teve duração de 12 semanas e participaram do estudo 29 mulheres em pós-menopausa (>12 meses de amenorreia). Foram realizadas a dieta hiperproteica (HP, n=16) com > 20% valor energético total de proteína (~ 1,2g/kg/dia) e normoproteica (NP, n=13), ambas com restrição calórica de ~500 kcal/dia. O treino multicomponente ocorreu 3 vezes por semana em dias não consecutivos com duração de 60 minutos cada sessão. Foi aplicado o teste ANOVA two-way com post-hoc de Bonferroni, considerando significativo os valores de p<0,05. RESULTADOS: A massa corporal (Pré:69,6 ± 14,8, Pós:67,6 ± 13,4 kg, p<0,05) e a circunferência do quadril (Pré:105,4 ± 9,6, Pós:102,5 ± 8,2cm, p<0,05) reduziram no grupo HP e a circunferência da panturrilha (Pré: 38,2 ± 4,2, Pós: 37,6 ± 4,1 cm, p<0,05) no grupo NP. A lipoproteína de alta densidade aumentou enquanto a lipoproteína de baixa densidade, colesterol total e triglicérides reduziram no grupo HP (p<0,05). A glicemia de jejum reduziu e a aptidão física aumentou em ambos os grupos (p<0,05). CONCLUSÃO: HP combinada ao treinamento multicomponente apresentou perda de peso com manutenção da massa e contribuiu para a melhoria do perfil lipídico em mulheres em pós-menopausa. Tanto HP quanto NP apresentaram mudanças positivas na glicemia de jejum e aptidão física.

  • EDSON GOMES LOPES
  • EFEITO DO TREINAMENTO MULTICOMPONENTE SOBRE O CONTROLE POSTURAL DINÂMICO DE ATLETAS AMADORES DE BASQUETEBOL UNIVERSITÁRIO.
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 27/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O controle postural dinâmico (CPD) durante o movimento “drible, parada e jump” (DPJ) do basquetebol depende da força do core e do costume com as situações naturais do jogo. Um método de treinamento que abranja em uma mesma sessão treinos físico e técnico-tático (treinamento multicomponente – TMC) pode ser uma eficaz ferramenta para aprimorar a performance. Não é claro, contudo, em que medida o TMC pode favorecer o CPD. O objetivo deste estudo é investigar o efeito do TMC sobre o CPD em atletas de uma equipe amadora masculina de basquetebol universitário durante o movimento DPJ. A amostra foi composta por nove jogadores amadores universitários de basquetebol masculino (idade: 23,3 ± 2,9 anos, estatura: 181,5 ± 7,7 cm, massa corporal: 76,4 ± 5,0 kg). Os atletas foram avaliados antes e depois de um período de 12 semanas de TMC contemplando preparação física (treinamento funcional) associado ao treino técnico-tático (jogos reduzidos). Os treinos ocorriam duas vezes por semana com duração de 90 min. Para a avaliação do DPJ, cada atleta individualmente iniciava o movimento driblando em velocidade em deslocamento zig-zag, contornando cones localizados de forma equidistante (5,5 m), para em seguida, executarem uma parada brusca e salto para o arremesso. Todo o procedimento foi filmado para posterior digitalização das imagens em software específico e determinação do deslocamento do centro de gravidade (CG). Os dados foram analisados por estatística descritiva, teste t emparelhado, tamanho do efeito, correlação de Pearson e análise de inferência baseada na magnitude (ɑ = 0,05). A redução do deslocamento do CG (19,4 ± 13,5 cm vs. 13,8 ± 12,6 cm, pré e pós-intervenção, respectivamente; p = 0,08) e da aceleração final do CG (0,96 ± 1,53 m/s2 vs. -0,56 ± 1,04 m/s2, pré e pós-intervenção, respectivamente; p = 0,06) margearam o nível de significância. Não houve diferença nos valores de energia cinética inicial (12,4 ± 14,8 J vs. 8,8 ± 9,54 J, pré e pós-intervenção, respectivamente; p = 0,76) e final (13,1 ± 15,7 J vs. 6,6 ± 8,64 J, pré e pós-intervenção, respectivamente; p = 0,86). A análise da inferência baseada na magnitude indicou que o TMC foi provavelmente benéfico para reduzir o deslocamento do CG no eixo anteroposterior e para energia cinética final. Conclui-se que o TMC é capaz de reduzir a variação do deslocamento do CG no eixo anteroposterior, indicando maior CPD em atletas amadores de basquetebol universitário.

  • MARCELI MATOS ANDRADE MESQUITA
  • AVALIAÇÃO DA FORÇA DOS MÚSCULOS DO TRONCO EM IDOSAS: REPRODUTIBILIDADE, ASSOCIAÇÃO COM O DESEMPENHO FUNCIONAL E EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL E TRADICIONAL.
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 09/04/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A manutenção da força dos músculos do tronco apresenta grande importância nasaúde em idosos, uma vez que está relacionada com um melhor desempenhodurante as atividades de vida diária. Entretanto, limitações são encontradas naliteratura científica ao analisar os testes para mensurar a força desses músculos ealém disso, não encontra-se claro a importância desses músculos no desempenhofuncional em idosos. Diante disso, o objetivo desta dissertação foi: I) Avaliar areprodutibilidade do teste de força isométrica máxima do tronco em idosas; II)Verificar a associação entre a força e endurance do tronco sobre as medidas dedesempenho funcional em idosas; e III) Analisar os efeitos dos treinamentosfuncional e tradicional sobre a força isométrica máxima e endurance do tronco emidosas. O estudo I verificou a reprodutibilidade do teste de força máxima dosmúsculos do tronco em idosas, em dois dias de avaliações através do Coeficientede Correlação Interclasse, Coeficiente de Variação, Mínima Mudança Detectável,Erro Padrão de Medida, bem como análise gráfica de Bland-Altman. Os achadosdesse estudo revelaram alta a muita alta correlação interclasse (extensores=0,93;flexores=0,86, respectivamente); baixa variação (9% para os dois gruposmusculares); e mínima mudança detectável aceitável (extensores=51,1 N;flexores=48,9 N). Além disso, a análise de Bland-Altman revela baixo viés e valoresdentro dos limites de concordância. No estudo II, foi realizado uma regressão linearmúltipla com o intuito de explicar em que magnitude a força e endurance dosmúsculos do tronco contribuem no desempenho funcional em idosas. Dessa forma,houve uma participação do endurance dos músculos extensores do tronco quevariou entre 17,9 a 24,4% no desempenho funcional em idosas. Já no estudo III, foirealizado um ensaio clínico randomizado e controlado com três grupos: treinamentofuncional, treinamento tradicional e grupo controle. Os grupos de intervençãorealizaram um treinamento com característica funcional e progressivo, de forma queo grupo treinamento tradicional realizou os exercícios em máquinas analíticas e ogrupo treinamento funcional com características de padrões de movimentos demaneira multiplanar e coordenada, incorporando múltiplas articulações. Aplicadas12 semanas de treinamento, foi constatado que o grupo treinamento funcionalobteve melhora significativa para todas as variáveis analisadas: Teste de forçamáxima, taxa de desenvolvimento de força e endurance dos músculos extensoresive flexores do tronco. O grupo treinamento tradicional foi superior apenas na variávelde taxa de desenvolvimento de força dos músculos extensores do tronco. Assimconclui-se que o teste de força máxima para os músculos do tronco em idosasapresenta alta reprodutibilidade, há associações entre o endurance dos músculosdo tronco e desempenho funcional, e que o treinamento funcional parece maiseficaz que o treinamento tradicional em relação ao aumento de força máxima eendurance músculos do tronco, além da taxa de desenvolvimento de força dosmúsculos flexores do tronco.

  • THIAGO SILVEIRA PRADO DANTAS
  • ANÁLISE DA HIPOTENSÃO, FORÇA, POTÊNCIA E TEMPERATURA CORPORAL APÓS SESSÃO DE CROSSFIT®
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 20/03/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Crossfit® se caracteriza por exercício de alta intensidade, movimento variado e funcional, como levantamento olímpico, de peso e movimentos de ginástica, realizados de forma combinada. A complexidade de treinamento e o grande número de indivíduos ligados ao Crossfit®, aumenta a necessidade de estudos para avaliar o efeito dessa modalidade de treinamento no sistema músculo esquelético e metabólico. Objetivo: analisar o efeito de uma sessão de Crossfit® nos parâmetros cardivasculares, força, potência e temperatura corporal. Métodos: Participaram do estudo 10 sujeitos, todos do sexo masculino com experiência de pelo menos 12 meses na modalidade Crossfit® e com idade entre 18 e 35 anos (29 ± 6,32 anos). O teste consistiu em uma única sessão Crossfit®, composta pelo seguinte WOD: 7 roundes de 20 repetições de american swing, 15 de wall ball e 50 double unders , já a sessão controle foi composta por uma sessão de musculação tradicional composta por quatro séries de 10 repetições de Leg press e quatro séries de 10 repetições de supino com descanso de dois minutos, sendo as intervenções separadas por 72 horas. Resultados: Os resultados encontrados mostraram diferenças significativas na PA sistólica logo após a intervenção (p = 0,002) e 40 minutos depois (p = 0,021) do grupo experimental em relação ao controle, na PA diastólica (p = 0,042) e na PA média em 40 minutos pós treino (p = 0,004) em comparação com o controle e diferenças significativas (p<0,05) nos testes de salto em contra movimento (CMJ) (49,03±3,13 vs. 45,27±4,20), e potência em MMSS (762,50±171,54 vs. 696,40±162,89) e assimetria térmica de braço (0,27±0,21 vs.0,55±0,34). Conclusão: A partir da primeira sessão de Crossfit® é possível concluir que a curva dose-resposta do exercício em indivíduos normotensos sofre um declínio, como também há o acometimento de alterações físicas, as quais se forem repetitivas podem vir a gerar sobrecargas locais

  • LARISSA MONTEIRO COSTA
  • ESTUDO RETROSPECTIVO DE DEZ ANOS DE CIRURGIA BARIÁTRICA SOBRE OS FATORES DE RISCO CARDIOMETABÓLICOS, ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 02/03/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A obesidade trás agravos a saúde do indivíduo como o diabetes tipo 2,hipertensão arterial, dislipidemia associada ao maior risco para as doençascardiovasculares. A atividade física tende a melhorar as comorbidades associadas aobesidade, auxilia no controle de peso e tem impacto positivo na qualidade de vidados indivíduos.Obejtivo: Avaliar a evolução do nível de atividade dos indivíduos, a qualidade de vidaapós a cirurgia bariátrica, os paramêtros clínicos, laboratoriais e os fatores de riscocardiometabólico em 12 meses pós CB em grupos de diferentes anos atendidos pelosistema único de saúde nos últimos 10 anos.Metodologia: Participaram do estudo 78 pacientes submetidos à cirurgia bariátrica(CB). Os avaliados foram divididos em quatro grupos: 12 indivíduos entre 1-2 anos deCB (CB2), 14 indivíduos de 2- 4 anos de CB (CB4), 22 indivíduos de 4-6 anos de CB(CB6), e 30 indivíduos entre 6-10 anos de CB (CB+6). Foram avaliados peso, IMC,percentual de excesso de peso, indicadores bioquímicos, comorbidades associadas aobesidade (ACRO), o nível de atividade física através do IPAQ e a qualidade de vidaavaliado por BAROS. Para verificação das possíveis diferenças entre os gruposdivididos por tempo de pós operatório CB, foi utilizado o teste ANOVA (One Way),Post Hoc de Bonferroni para BAROS e PEP nos diferentes grupos. Para os demaisindicadores analisados foi utilizado o teste ANOVA (Two Way), (Grupo X Momentos)e Post Hoc de Bonferroni. No que se refere ao ACRO foi realizada a contagem dosindivíduos em relação ao ponto de corte.Resultados: Houve melhoras na evolução do peso corporal nos diferentes momentos,no IMC, na circunferência da cintura, mudanças significativos no perfil lípidico nosprimeiros 12 meses de pós operatório, melhora no risco cardiometabólico, nahipertensão, na dislipidemia, e no diabetes após CB. O nível de atividade físicaaumentou de forma significativa em CB2, CB4, CB6, no primeiro ano de pós operatórioe teve queda no momento atual IPAQ 1 ano CB2 (207,50±30,79), CB4 (210,67±33,69),CB6 (220,00±42,78). Na qualidade de vida CB2 e CB4 como excelente, CB4 e CB+6como muito boa.Conclusão: A cirurgia bariátrica predispõe a prática de atividade física tende a terresultado positivo sobre as comorbidades e a melhoria da qualidade de vida. O nívelde atividade física após a cirurgia bariátrica aumentou nos diferentes gruposviiiinvestigados ao mesmo tempo que número de sujeitos com diabetes, dislipidemia ehipertensão, sofreu uma diminuição em todos os grupos ao longo do tempo, comdiferenças significativas no perfil lípidico dos diferentes grupos.

  • MADSON RODRIGO SILVA BEZERRA
  • ADAPTAÇÕES CARDIORRESPIRATÓRIAS E NEUROMOTORAS AO USO DE EXERGAMES EM CRIANÇAS PARTICIPANTES DE AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 28/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Os exergames aparecem como uma excelente solução para a mudança do comportamentosedentário e fonte de prática de atividade física regular em crianças e adolescentes. Objetivo:Verificar a efetividade do uso dos exergames em aulas de educação física para proporcionar alterações cardiorrespiratórias, de flexibilidade e funcionais em crianças. Métodos: Participaram do estudo 32 escolares com faixa etária entre 8 e 10 anos, distribuídos em dois grupos, organizados aleatoriamente em GC (n=10) e GE (n=22). Os resultados foram mostrados em dois manuscritos. No primeiro, foi observada a resposta cardiorrespiratória, em 16 sessões, com o uso de exergames. No segundo manuscrito, observaram-se as respostas neuromotoras. Em ambos os manuscritos a análise estatística foi feita a partir da ANOVA fatorial 2x2, com tamanho do efeito e p<0,05. Em todas as análises foi utilizada o SPSS for Windows, versão 23.0. Resultados: O primeiro manuscrito identificou aumento significativo nos alunos que praticaram exergames nas aulas de educação física, F (1, 30) = 13,236; p<0,05; r= 0,54 Além disso, notou-se o grupo controle não apresentou alteração significativa durante o tempo de intervenção F (1,30) = 0,32; p=0,57; r= 0,10 e na comparação entre os grupos ocorreu diferença significativa de adaptação cardiorrespiratória F(1, 33) = 6,27; p< 0,05; r= 0,41. O segundo manuscrito identificou ao analisar o nível de flexibilidade entre os grupos, alterações significativas, F(1,30) = 7,683; p< 0,01; r= 0,45 e apresentou alteração significativa no GE F(1,30)= 15,1; p< 0,01; r=0,57 e não mostrou alterações significativas no GC F(1,30)= 0,52; p=0,47; r= 0,13. Na variável Força de membros superiores apenas apresentou adaptação significativa no GE F(1,30)= 5,01; p<0,05; r=0,37, não apresentou alterações significativa no GC e entre os grupos. Na variável força abdominal, não houveram alterações significativas.Conclusão: o uso dos exergames nas aulas de educação física promoveram adaptações significativas na variável cardiorrespiratória. Da mesma forma que promoveu adaptações significativas nos níveis de flexibilidade e força de membros superiores em seus praticantes, mas não alterou significativamente a variável força abdominal.

  • DAIANNE CARDINALLI RÊGO
  • TENDÊNCIA À DEPRESSÃO BASEADA EM SINTOMAS EM ATLETAS SUBELITE
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 27/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A depressão é o transtorno de humor mais comum na população mundial e e trabalhos que buscaram entender como a intensidade do exercício físico interfere na melhora dos sintomas revelaram que o humor piora com a prática intensa. Atletas de elite estão submetidos a fatores desencadeadores de depressão e praticam exercício intenso, sendo possíveis implicações para a alta prevalência de depressão nessa população. Entretanto, pouco se entende sobre essa prevalência em atletas subelite. OBJETIVO: Investigar a tendência à depressão baseada em sintomas em atletas subelite. MÉTODO: Os instrumentos para caracterização da amostra e o Inventário de Depressão de Beck II (BDI-II) foram respondidos por 50 atletas, 35 não praticantes e 30 esportistas. Para análise estatística foram utilizados os testes U de Mann-Whitney, ANOVA fatorial com contraste, Qui-quadrado de Pearson e Correlação de Spearman, considerando significativos p<0,05. RESULTADOS: Estudo 1: Atletas subelite apresentaram tendência à depressão menor que não praticantes (p<0,000), havendo diferença entre homens, adolescentes e adultos jovens, beneficiando os atletas subelite. Para todos os níveis de competição, atletas subelite apresentaram melhores resultados (p<0,001). Os que recebem auxílio financeiro apresentam menos sintomas de depressão que os que não recebem (p=0,010) e não praticantes (p<0,001). O tempo de participação em competições (até 3 anos, p=0,003; mais de 4 anos, p<0,001) foi beneficiador de atletas, bem como a quantidade de dias de treinamento semanal (até 3 dias, p=0,001; mais de 4 dias, p<0,001). Atletas de esportes coletivos apresentam menor sofrimento mental que os de esportes individuais (p=0,005) e não praticantes (p<0,001). Bem como a tendência à depressão foi associada e inversamente correlacionada a condição de ser atleta subelite. Estudo 2: Atletas apresentaram tendência à depressão menor que esportistas (p=0,011). Atletas subelite que recebem auxílio financeiro apresentam menos sintomas de depressão que os que não recebem (p=0,007) e que esportistas (p=0,001). Atletas subelite que competem a mais de 4 anos apresentaram melhores resultados e os de esportes coletivos apresentam menos sintomas que os atletas individuais (p=0,019). Além de que a tendência à depressão foi associada e inversamente correlacionada a condição de ser atleta subelite. CONCLUSÃO: Atletas são menos acometidos por sintomas de depressão, apresentando mínima vulnerabilidade à doença. Homens apresentam menos sintomas, principalmente os atletas, e ser atleta parece beneficiar os adolescentes. Essa menor vulnerabilidade também se evidencia diretamente com o recebimento de auxílio financeiro e quanto à escolha de esportes coletivos.

  • GILVANDRO OLIVEIRA BARROS
  • ANÁLISE DO DANO MUSCULAR, FORÇA E ASSIMETRIA NA RECUPERAÇÃO DO TREINO DE KUNG FU
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 27/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A arte marcial é uma atividade praticada a milênios e nos últimos anos bastante crescente no Brasil, devido a divulgação da própria mídia quanto os resultados positivos em relação ao ganho de saúde física e mental em seus praticantes. Dentre os diferentes tipos de artes marciais temos o Kung Fu e seu estilo Garra de Águia na situação de treino tradicional e recuperação pós treino Objetivo: Analisar a recuperação ativa, com a crioterapia , avaliando o dano muscular, pico de torque e fadiga em praticantes de Kung Fu. Métodos: A amostra do estudo foi composta por 16 indivíduos do sexo masculino, com idade entre 18 e 39 anos, praticantes graduados com tempo de treino de pelo menos 1 ano continuo e com experiência em competição neste ano de prática. Todos foram submetidos as simulações de treino tradicional, mas somente 8 dos 16 indivíduos foram para o tratamento crioterápico com a imersão em água gelada, realizado as simulações em local apropriado de treino e a recuperação corporal em piscina montável com capacidade de 2000 litros. Foi realizada coleta de sangue venoso para análise dos indicadores de dano muscular, antes, após, 24 e 48 horas após a realização do treino, bem como a coleta de imagens termográficas para análise de temperatura da pele de assimetria térmica. Resultados: Os resultados apresentados sobre potência muscular, em membros inferiores houve diferença significativa após o método de recuperação em água fria em relação ao dano, com squat jump 48h após e o Counter Moviment Jump após 24h e 48h. No que se refere a dano muscular os indicadores LDH e AST houve uma melhora significativa após 24h na crioterapia. Na termografia, a assimetria demonstrou a temperatura da pele comparando indivíduos submetidos ao tratamento de recuperação e aos que não efetuaram, tendo o grupo ativo os melhores resultados 24h e 48h após. Conclusão: O método de crioterapia promove melhora na potência em membros inferiores reduzindo o dano muscular principalmente após 24h servindo como procedimento alternativo na recuperação e prevenção de lesões nos praticantes de Kung Fu.

  • ANDRESSA PÂMELA PIRES DE SIQUEIRA
  • AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE RATOS TRATADOS CRONICAMENTE COM DEXAMETASONA E SUBMETIDOS AO EXERCÍCIO RESISTIDO
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 27/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O exercício físico é de fundamental importância na vida e na saúde dos indivíduos. Dentre os diferentes tipos de exercícios, o exercício resistido promove alterações positivas na composição corporal, tratamento e prevenção de doenças em diversas populações assim como melhora na aptidão física. Esta modalidade é caracterizada pela tensão muscular (possuindo ou não movimento articular) contra alguma resistência a ação muscular. Objetivo do estudo consistiu em analisar os efeitos do exercício resistido na composição corporal dos ratos tratados com dexametasona. Foram utilizados 40 ratos wistar divididos em quatro grupos (SS-salina sedentário, ST-salina treinado, DS- dexa sedentário, DT- dexa treinado), pesando entre 250- 300g, acondicionados em caixas com acesso livre a água e comida e em sistema ciclo claro-escuro. Os grupos treinados (ST e DT) foram submetidos ao exercício resistido e os grupos DS e DT administrado glicocorticoide (dexametasona 0,2 mg/kg/dia). Foi possível observar que não houve diferença significativa no peso corporal nos ratos sob medicação e treinados. Um ganho de massa muscular do sóleo foi evidenciada após o período de treinamento (28,33% e 25,29%, para os grupos controle treinado e dexa treinado, respectivamente), assim como a diminuição da gordura perigonadal (26,6% e 24%, para os grupos controle treinado e dexa treinado, respectivamente). Os resultados sugerem que o exercício resistido melhora a musculatura esquelética e consequentemente a diminuição da massa gorda. Além disso, o principal achado deste estudo foi a hipertrofia do músculo sóleo.

  • LILLIAN BEATRIZ FONSECA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Analise de diferentes métodos de recuperação em relação ao treino e competição no jiu-jitsu
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 27/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Quando falamos em esporte temos duas direções as quais podemos seguir quanto praticantes, existem aqueles que buscam na atividade a promoção da saúde e condicionamento físico e de outro lado pessoas que procuram no esporte o rendimento competitivo. Devido a popularização das lutas o Jiu-Jítsu vem sendo cada vez mais procurado e praticado, o que exige que seus professores aptidão para desenvolver técnicas de intervenção que atendam os seus alunos e dessa forma consigam promover a manutenção da atividade, seja ela praticada para o ganho de saúde ou para o aspecto competitivo. Esta demanda gera por sua vez a necessidade de estudos específicos da modalidade que sirvam de base para prescrição de um bom programa de treinamento. Objetivo: analisar diferentes métodos de recuperação em relação ao treino e competição de Jiu-Jítsu. Métodos: a amostra foi composta por 10 indivíduos do sexo masculino, com idade entre 18 e 29 anos, praticantes das modalidades, com experiência em competições,houve uma simulação de treino e competição no primeiro momento metade dos indivíduos foram submetidos ao tratamento com a crioterapia, a outra metade permaneceu em repouso. Uma semana depois os houve o cruzamento dos grupos para que todos passassem por todos momentos. Foi realizada coleta de sangue em diferentes momentos para medir o dano muscular antes, imediatamente depois, 24h e 48h pós da realização de treino e simulação de competição. Resultados: O tratamento da crioterapia, como método de recuperação, promove diminuição significativa no dano muscular 24h pós-intervenção. Conclusão: a recuperação com crioterapia, demonstrou benéfico para Jiu-Jítsu, tendo me vista que houve uma redução do níveis séricos de LDH, além de reduzir a percepção de dor muscular, bem como auxiliou na recuperação da potência nos membros superiores e inferiores, podendo ajudar na recuperação dos atletas de Jiu-Jítsu para a manutenção dos níveis de treinamento

  • DEBORAH LIMA RAMOS DE MELO
  • IMAGEM CORPORAL E A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 26/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A imagem corporal é a representação mental de nossa aparência física; é a maneira como o corpo se apresenta para nós. Os exercícios físicos e a prática de esportes podem ser tanto um fator de proteção, como um fator de risco para o desenvolvimento de transtornos relacionados à imagem corporal. A maioria das pesquisas abordam esta temática em indivíduos diagnosticados com algum tipo de distúrbio alimentar, transtorno mental ou em praticantes de exercício físico. Contudo, pouco se sabe a respeito dessa abordagem em servidores públicos federais. OBJETIVO: Analisar a autopercepção da imagem corporal de servidores públicos federais e a relação com a prática físico-esportiva. MÉTODO: Os instrumentos para caracterização da amostra e o Questionário Sobre Imagem Corporal (BSQ) foram respondidos por 433 servidores da Universidade Federal de Sergipe. A classificação dos resultados foi feita pelo total de pontos obtidos e refletiu os níveis de preocupação (insatisfações) com a imagem corporal. A análise dos dados foi realizada através de comparação de médias, utilizando o Teste t de Student para amostras independentes. Foram considerados estatisticamente significativos valores de p<0,05. RESULTADOS: O resultado da análise do BSQ mostrou que as mulheres apresentaram escores significativamente mais elevados, obtendo valores médios de distorção maiores quando comparadas aos homens. Servidores que praticavam exercício físico ou esporte apresentaram média de escores mais baixos do que os que não praticavam nenhum tipo de atividade, e que os docentes demonstraram valor percentual de distorção menor que os técnicos administrativos. CONCLUSÃO: A prática de atividades físico-esportivas não caracteriza o principal fator de influência na autopercepção da imagem corporal dos servidores. Docentes adeptos à prática apresentaram uma melhor percepção de sua autoimagem, sendo que as mulheres demonstraram uma leve insatisfação de imagem corporal, enquanto que os homens não apresentaram insatisfação.

  • MONA GIZELLE DREGER NERY
  • COMPORTAMENTO VIOLENTO E ATIVIDADE FÍSICA EM ADOLESCENTES
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 26/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O comportamento violento e bullying são ações presentes entre os adolescentes, não estando claro a sua associação entre atividade física e prática esportiva. Dessa forma, o objetivo deste estudo é verificar a associação entre o comportamento violento e a prática de atividade física e esportiva em adolescentes. Metodologia: O trabalho foi dividido em duas etapas organizadas da seguinte forma: a primeira teve o intuito de analisar a associação entre a prática esportiva e os determinantes do comportamento violento em adolescentes de Aracaju e Região Metropolitana, a partir de estudo realizado nesta região, enquanto que, a segunda etapa, baseada na Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar-PeNSE/2015, teve o objetivo de analisar a associação entre o comportamento do bullying e a atividade física acumulada em adolescentes escolarizados do Brasil. Estas etapas resultaram em dois manuscritos submetidos à publicação a periódicos ranqueadas na área 21 da CAPES. Resultados:O primeiro trabalho apresentado, identificou uma maior chance de comportamento violento no sexo masculino (OR = 3,0; IC95% 2,3 - 3,9), indivíduos que relataram consumo de bebidas alcoólicas (OR = 2,5; IC95% 1,9 - 3,3) e que relataram consumo de cigarros (OR = 2,6; IC95% 1,7 - 4,0). Além disso, notou-se que a prática esportiva favorece em 40% a chance de comportamento violento quando comparado com os indivíduos que não praticam modalidades esportivas (OR = 1,4; IC95% 1,1 - 1,8). Para o segundo manuscrito, considerando a estratificação em “ativos” e “menos ativos” e um modelo logístico binário ajustado para cada estrato, para o desfecho “perpetrar bullying” verificou-se, para os “ativos”, associação entre perpetrar bullying e o sexo masculino (OR = 2,21; IC95% 1,81 - 2,67) e sofrer bullying enquanto percepção (OR = 2,45; IC95% 2,05 - 2,93) e conceito (OR = 1,47; IC95% 1,22 - 1,76). Para os “menos ativos”, percebeu-se associação entre “perpetrar bullying” e sexo masculino (OR = 1,88; IC95% 1,65 - 2,13), adolescente do ensino fundamental (OR = 1,33; IC95% 1,14 - 1,56) e sofrer bullying enquanto percepção (OR = 2,93; IC95% 2,56 - 3,36) e conceito (OR = 1,43; IC95% 1,25 - 1,64). Conclusão: Quem pratica esporte tem mais chance de ter um comportamento violento, enquanto que, independentemente de ser ativo ou menos ativo, quem perpetra bullying tem mais chance de ter sofrido bullying.

  • AKELINE SANTOS DE ALMEIDA PEREIRA
  • EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO COM EXERGAME E DO TREINAMENTO FUNCIONAL EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON.
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 23/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A doença de Parkinson é definida como uma desordem degenerativa progressiva dos neurônios dopaminérgicos nigroestriatais, acometendo 1 a 2% da população mundial acima de 60 anos. Tal patologia resulta em disfunções motoras, respiratórias, baixa qualidade de vida e depressão. As alterações motoras podem estar relacionadas as disfunções respiratórias, a baixa qualidade de vida e a depressão em indivíduos com doença de Parkinson. A realização de exercícios físicos minimiza e retarda a evolução dos sinais e sintomas motores em sujeitos com doença de Parkinson, proporcionando aumento da função motora e possível melhoria da capacidade física, respiratória, qualidade de vida e depressão. Dentre os exercícios físicos, o treinamento funcional e o exergame são modalidades novas no treinamento físico de indivíduos com doenças neurológicas, demonstrando resultados significativos na melhora da função motora. Objetivos: (1) revisar sistematicamente a literatura sobre a influência dos exercícios físicos na função respiratória em indivíduos com doença de Parkinson; (2) Verificar a influência da função motora na capacidade respiratória, no estado percebido de qualidade de vida e de depressão; (3) avaliar e comparar os efeitos do treinamento físico com exergame e do treinamento funcional na capacidade respiratória; (4) avaliar e comparar os efeitos do treinamento físico com exergame e do treinamento funcional na capacidade motora, estado percebido de qualidade de vida e de depressão. Resultados: (1) Não é possível afirmar que os exercícios físicos promovem aumento na capacidade respiratória em indivíduos com doença de Parkinson; (2) Evidenciou-se que a função motora influencia negativamente a percepção da qualidade de vida e a capacidade respiratória; (3) Foi observado que o grupo exergame e o grupo treinamento funcional aumentaram a força dos músculos respiratórios e a distância percorrida no teste de caminhada de 6 minutos após a intervenção. Porém quando comparados com o grupo controle, somente a força muscular inspiratória nos indivíduos que realizaram exercícios com exergame foi diferente. Constatou-se também que o grupo controle diminuiu o fluxo expiratório forçado médio após a intervenção; (4) Verificou-se que o treinamento físico com exergame e o treinamento funcional aumentaram a função motora, percepção da qualidade de vida e diminuíram o estado percebido de depressão em sujeitos com doença de Parkinson. Já a percepção de qualidade de vida diminuiu no grupo controle após 1 mês da não realização de exercícios físicos. Conclusões: Não é possível afirmar que os exercícios físicos promovem melhora na capacidade respiratória em indivíduos com doença Parkinson. Também foi observado que a função motora influencia na capacidade respiratória e na percepção de qualidade de vida nesta população. E que, o treinamento físico com exergame e o treinamento funcional promoveram melhora na força dos músculos respiratórios, distância do teste de caminhada de 6 minutos, função motora, estado percebido de qualidade de vida e de depressão, mantendo o fluxo expiratório forçado médio, já no grupo controle piorou.

  • MARTA SILVA SANTOS
  • A IMPORTÂNCIA DO CORE NA FUNCIONALIDADE DE JOVENS ADULTOS
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 23/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos a comunidade científica tem destacado a importância do core tanto no contexto esportivo, quanto no da reabilitação. O core é uma zona do corpo, responsável por gerar força do centro e dissipá-la para as extremidades. Nessa perspectiva, tem sido utilizado exercícios específicos para essa zona no treinamento funcional, com o intuito de promover melhorias na performance funcional e do core. No entanto, não está claro em que magnitude o core realmente participa da realização de ações funcionais em jovens adultos e ainda se a inclusão de exercícios físicos específicos para o core no treinamento funcional provoca adaptações funcionais mais acentuadas do que quando não ocorre essa inclusão. Sendo assim, os objetivos da presente dissertação foram: I) analisar os efeitos de 12 semanas de treinamento específico do core e treinamento funcional, com e sem a inclusão de exercícios específicos do core, sobre a performance do core e a performance em testes funcionais; e II) Analisar a associação entre a endurance do core e medidas de performance funcional em indivíduos jovens. Esta dissertação foi composta por três estudos: Um estudo de protocolo/ trial (Estudo I), transversal (Estudo II) e experimental (Estudo III). Participaram da amostra dos estudos, indivíduos jovens e saudáveis, classificados como insuficientemente ativos pelo Questionário Internacional de Atividade Física. No estudo II foi realizado uma regressão linear múltipla com o intuito de explicar em que magnitude a endurance do core contribui para a realização de testes funcionais. Os achados desse estudo demonstraram que há uma participação da endurance do core que varia entre 1,4 e 46,9 % a depender do teste funcional executado. Ademais, a maioria dessas interações foram estatisticamente significativas. Já no estudo III, os participantes foram alocados em três grupos de intervenção: Treinamento Funcional com core, que realizava exercícios globais além de exercícios específicos para o core; Treinamento funcional, que executava apenas exercícios globais de caráter funcional; e Treinamento do core, que executava apenas exercícios que provocassem maior ativação na musculatura do core. Após 12 semanas de treinamento, todos os grupos melhoraram de maneira significativa tanto na performance funcional quanto do core, entretanto não houveram diferenças significativas entre eles. Assim, conclui-se que a endurance do core é importante para a funcionalidade de jovens adultos e que, quando incluído exercícios específicos para o core no treinamento funcional, os ganhos referentes à performance funcional e do core são potencializados.

  • LUCAS SOUZA SANTOS
  • MÚLTIPLOS COMPORTAMENTOS DE RISCO À SAÚDE EM ADOLESCENTES DE UM ESTADO DO NORDESTE DO BRASIL
  • Data: 22/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Tem se observado que a adoção aos Comportamentos de Riscos à Saúde (CRS) tais como, consumo de álcool, uso de tabaco, baixo consumo de frutas, exposição ao comportamento sedentário e nível insuficiente de atividade física, potencializam as ameaças à saúde quando atuam conjuntamente, sugerindo estudos de monitoramento. Objetivo: Investigar mudanças na exposição dos múltiplos comportamentos de riscos à saúde e fatores associados em adolescentes. Métodos: Este estudo trata-se de uma análise de dois levantamentos epidemiológicos com delineamentos transversais, realizados em 2011 e 2016, com uma amostra representativa de estudantes da Rede Pública Estadual de Sergipe, composta por 7145 escolares (2011=3528; 2016=3617), com idade entre 14 e 19 anos. Os dados foram coletados mediante questionário auto administrado. No primeiro estudo a exposição aos múltiplos CRS foi utilizado como variável dependente, que foi obtido a partir do somatório dos 4 CRS (consumo de álcool, tabaco, baixo consumo de frutas e níveis insuficientes de atividade física). Recorreu-se à análise das prevalências observadas e esperadas para identificar a simultaneidade dos comportamentos de riscos à saúde, assim como, a regressão de Poisson para a associação. No segundo estudo, a variável desfecho foi o nível insuficiente de atividade física e foi analisado a sua associação com os múltiplos CRS (consumo de álcool, tabaco, baixo consumo de frutas e exposição a comportamento sedentário). Para este estudo utilizou-se a regressão logística binária bruta e ajustada para a associação entre o desfecho e outros CRS, assim como, as variáveis demográficas e socioeconômicas. Resultados: No primeiro estudo as prevalências dos múltiplos comportamentos de riscos à saúde aumentaram na adolescência e mostraram-se associados com turno noturno (RP= 1,04; IC95% 1,02-1,06) e renda familiar (RP=1,05; IC95% 1,00-1,56). No segundo estudo o percentual de adolescentes expostos ao nível insuficiente de atividade física foi 83% e mostraram-se associados com o sexo feminino (OR= 1,90 IC95% 1,56-2,32), turno noturno (OR=1,25; IC95% 1,00-1,56), renda familiar (OR= 1,57; IC95% 1,28-1,86) e exposição à múltiplos CRS (2 CRS OR=1,76; IC95% 1,27-2,45 e 3 CRS: OR=1,49; IC95% 1,00-2,20). Conclusões: Foi evidenciado mudanças na exposição dos múltiplos CRS na adolescência ao longo do tempo. Sugerem-se ações mais abrangentes com estratégias multidisciplinares para reduzir à exposição de múltiplos comportamentos de riscos à saúde entre os jovens.

  • THAYSA PASSOS NERY CHAGAS
  • EFEITO AGUDO DO PARACETAMOL NA TEMPERATURA CORPORAL, AMONEMIA E DESEMPENHO EM CICLISTAS DURANTE EXERCÍCIO EM AMBIENTE TERMONEUTRO
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 22/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: embora haja discordância, sugere-se que os antipiréticos possam reduzir a temperatura corporal durante o exercício físico em diferentes condições ambientais. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito agudo do paracetamol na temperatura corporal, metabolismo da amônia e desempenho após o exercício sob um ambiente com baixo estresse térmico. Métodos: oito ciclistas treinados do sexo masculino, foram divididos em dois grupos: suplemento com paracetamol (PCT) e placebo (PLA), duplo-cego e crossover. Ambos os grupos realizaram uma sessão de ciclismo de 30 minutos e logo em seguida realizaram teste máximo (TE). A temperatura corporal e as amostras de sangue foram obtidas em repouso, durante e após o exercício. Os testes cognitivo-motores foram realizadas antes e depois da sessão de ciclismo, e o tempo de exaustão foi utilizado para avaliar o desempenho físico. Resultados: a temperatura corporal do PLA aumentou significativamente nos momentos 30 min e TE (37,5 ± 0,17 ºC e 37,4 ± 0,13 ºC, respectivamente), mas não no grupo PCT. As concentrações de amônia, ureia e urato no sangue não apresentaram diferença significante entre os grupos. Observou-se um aumento significante no lactato no momento TE em ambos os grupos. Não houve diferença significante nos tempos de exaustão entre os grupos e nos testes cognitivo-motores após o protocolo. Conclusão: PCT (500 mg) atrasou a elevação da temperatura corporal durante o exercício contínuo, mas não durante o teste incremental máximo. No entanto, não foram observados efeitos no amônia plasmática e no desempenho físico ou cognitivo-motor devido ao PCT sob condições de baixo estresse térmico.

  • DAVI SOARES SANTOS RIBEIRO
  • NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E EXPOSIÇÃO AO COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO: um estudo comparativo em escolares de Sergipe entre 2011 e 2016
  • Data: 22/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O nível insuficiente de atividade física (NIAF) e a exposição ao comportamento sedentário (ECS) são comportamentos de risco que podem prejudicar a saúde dos adolescentes. Objetivos: Identificar a prevalência do NIAF e ECS e analisar suas associações a indicadores de condição socioeconômica em escolares adolescentes no Estado de Sergipe nos anos 2011 e 2016. Métodos: O estudo trata-se de dois levantamentos epidemiológicos com delineamento transversal, realizados em 2011 e 2016, com amostra representativa de estudantes da Rede Pública Estadual de Sergipe, composta por 8.143 escolares (2011=3.992; 2016=4.151), com idade entre 14 e 19 anos. Foram investigados o NIAF e a ECS associados com indicadores de condição socioeconômica. Para a análise estatística, foi utilizada estatística descritiva e o qui-quadrado. Recorreu-se à regressão logística binária bruta e ajustada. Resultados: No primeiro estudo, a prevalência do NIAF foi de 83,1% (2011) e 83,5% (2016) e associou-se a faixa etária de 14 a 15 anos (2011= OR:1,38; IC 95%: 1,05-1,82), sexo feminino (2011= OR: 2,20; IC 95%: 1,83-2,64 / 2016= OR: 2,05; IC 95%: 1,69-2,50), adolescentes residentes na área rural (2011= OR: 1,23; IC 95%:1,01-1,50), que possuem mães analfabetas (2011= OR: 1,97/ IC 95%: 1,27-3,06) e com fonte de renda proveniente da aposentadoria (2016= OR: 1,42; IC 95%: 0,78-2,58). No segundo estudo, a prevalência de ECS foi de 46,2% (2011) e 44,8% (2016) e associou-se a faixa etária de 14 a 15 anos (2011= OR: 1,39; IC 95%: 1,12-1,72 / 2016 = OR: 1,59; IC 95%: 1,28-1,98); sexo feminino (2011= OR: 1,46; IC 95%: 1,26-1,69 / 2016 = OR: 1,23; IC 95%: 1,06-1,43), adolescentes residentes na área urbana (2011= OR: 1,22; IC 95%: 1,05-1,42 / 2016= OR: 1,48; IC 95%: 1,27-1,72), que possuem mães com ensino médio (2011= OR: 1,74; IC 95%: 1,31-2,32 / 2016= OR: 1,49; IC 95%: 1,11-2,02), com renda familiar acima de dois salários mínimos (2011= OR: 2,11; IC 95%: 1,70- 2,60 / 2016= 1,53; IC 95%: 1,19-1,97). Conclusão: Foi evidenciado o aumento na prevalência do NIAF e redução da ECS, bem com associações a características socioeconômicas em adolescentes de Sergipe-Brasil. Sugere-se intervenções nos espaços dentro e fora da escola para elevar oportunizar a reflexão e construção de estilos de vida saudáveis aos adolescentes.

  • LUCIANA DE FREITAS ABBEHUSEN
  • RESPOSTAS DO EXERCÍCIO RESISTIDO SOBRE O PERFIL HEMATOLÓGICO DE RATOS WISTAR TRATADOS COM DEXAMETASONA
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 21/01/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução:Glicocorticoides são fármacos utilizados no tratamento de doenças inflamatórias. Entretanto, podem desencadear reações adversas que comprometem o sistema imune e o metabolismo. O exercício físico pode ser utilizado como um meio não farmacológico para atenuar esses efeitos. Objetivo: avaliar as respostas do exercício resistido sobre o perfil hematológico de ratos Wistar tratados com dexametasona.Métodos:Foram utilizados quarenta ratos Wistardivididos randomicamente em quatro grupos: controle sedentário (CS), controle treinado (CT), dexametasona sedentário (DxS) e dexametasona treinado (DxT), e submetidos ao exercício resistido por 12 semanas (3 séries de 10 repetições, com intensidade de 70% - 1RM), em aparelho de agachamento em modelo proposto por Tamaki et al. A dexametasona (0,2 mg/kg) foi administrada via intraperitoneal, 1 vez por semana.Após 24 horas da última sessão de treinamento, os animais foram eutanasiados para coleta das amostras. O teste estatístico utilizado foi ANOVA One Way, com pós-teste de Bonferroni e os dados foram expressos em média ± erro padrão (SEM) com p<0,05.Resultados: A concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM) diminuiu nos gruposDxS (3,4%) e DxT (3,6%), em relação ao grupo CT. O número de leucócitos totais aumentou no CT quando comparado com os grupos CS (24,3%) e DxS (37,8%). O número de neutrófilos no grupo DxS aumentou quando comparado com os grupos CS (50,0%) e CT (41,9%). O número de linfócitos diminuiu no grupo DxS em relação aos grupos CS (31,4%) e CT (26,9%). O número de monócitos diminuiu no grupo DxS em relação aos grupos CS (46,1%) e CT (47,9%).Conclusão:O exercício resistido não foi capaz de atenuar os efeitos dadexametasonasobre a CHCM, neutrófilos, linfócitos e monócitos.

  • LUCIO MARQUES VIEIRA SOUZA
  • EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE DE CURTO PRAZO SOBRE OS BIOMARCADORES DE ESTRESSE OXIDATIVO E DANOS MUSCULARES EM RATOS WISTAR.
  • Data: 09/01/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) tem se tornado muito popular em função da divulgação de resultados experimentais. O HIIT promove adaptações semelhantes aos exercícios de longa duração e baixa intensidade, tais como melhora da capacidade cardiorrespiratória, do VO2 máx, do metabolismo de respouso, aumento da ventilação pulmonar, entre outros. Porém, estas adaptações são obtidas com duração muito inferior em intensidades máximas ou submáximas, com segundos ou poucos minutos de intervalo. Contudo, a frequente realização pode aumentar a suscetibilidade a lesões, promover a fadiga crônica e overtraining, parcialmente em razão da elevada síntese de espécies reativas de oxigênio (ERO’s). Estresse é um estado de desequilíbrio entre as reações de oxidação e de antioxidação. Entretanto, os efeitos do HIIT sobre o estado oxidativo e danos musculares ainda não estão bem esclarecidos na literatura científica. O objetivo desta dissertação foi verificar os efeitos do HIIT de curto prazo sobre os biomarcadores de estresse oxidativo e danos musculares em ratos Wistar. Desta forma, foram elaborados três estudos: 1) No primeiro avaliou-se os efeitos do HIIT de curto prazo sobre os marcadores de estresse oxidativo e danos musculares; 2) Neste segundo buscou-se caracterizar as respostas dos marcadores de estresse oxidativo cardíaco ao HIIT em ratos. 3) E no último foi de verificar o impacto de 12 sessões consecutivas e não consecutivas do HIIT no estresse oxidativo hepático. Conclui-se que o HIIT, seja realizado em dias consecutivos ou não consecutivos, não promoveram danos hepáticos, cardíacos e musculares em ratos.

2017
Descrição
  • ALAN DOS SANTOS FONTES
  • AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DA CINTURA ESCAPULAR E LOMBO-PÉLVICA ATRAVÉS DO UPPER BODY TEST: REPRODUCIBILIDADE E EFEITOS DE DUAS ORGANIZAÇÕES METODOLÓGICAS DE TREINAMENTO FUNCIONAL
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 30/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Limitações são encontradas ao verificar testes para capacidade de estabilidade da cintura escapular e lombo-pélvica, fato que compromete a capacidade de avaliação desta variável para a prática profissional e para a realização de pesquisa científica. A adequada capacidade de estabilidade do core é importante por prevenir dor lombar e melhorar o rendimento em esportes. O objetivo desta dissertação foi avaliar a reprodutibilidade do Upper Body Test e aplicá-lo para avaliação da capacidade de estabilização da cintura escapular e lombo-pélvica após um programa de treinamento com características funcionais, realizado com duas metodologias de organização de movimentos. Para isto, foi realizado um estudo para avaliar a reprodutibilidade do teste em adultos jovens, durante três dias de avaliações, através do coeficiente de correlação intraclasse, coeficiente de variação e análise gráfica de Bland-Altman, bem como, identificação da mudança mínima detectável do instrumento. Em seguida foi realizado um ensaio clínico controlado com três grupos: grupo de treinamento agrupado, grupo de treinamento alternado e grupo controle. Os grupos realizaram um período de treinamento com características funcionais, com a mesma carga e diferenciados pela organização metodológica dos movimentos. Um grupo treinou de maneira agrupada, um de maneira alternada de acordo com os padrões de movimentos funcionais, e o grupo controle não realizou nenhum tipo de treinamento. Os grupos foram avaliados antes e após 10 semanas de treinamento por meio do Upper Body Test. Foi observado diferença estatística entre a primeira e a segunda sessão de testes, com estandardização das avaliações para a terceira sessão. Desse modo encontrou-se alta a muito alta reprodutibilidade (r = 0,87 a 0,94) entre a segunda e terceira avaliação, com baixa variação (3,31% a 5,91%) e concordância entre as medidas obtidas com o Upper Body Test. A mudança mínima detectável para o teste, apresenta maior sensibilidade para os hemisférios corporais (3,3 a 3,8). A partir da reprodutibilidade obtida para o teste e aplicadas 10 semanas de treinamento, foi constatado que o grupo que treinou de maneira agrupada obteve melhora estatística entre os momentos inicial e final do treinamento, com um tamanho do efeito pequeno para as medidas em relação aos hemisférios corporais. O grupo de treinamento agrupado obteve diferença estatística em relação ao grupo controle. Assim conclui-se que Upper Body Test apresenta fiabilidade para avaliação da capacidade de estabilização da cintura escapular e lombo-pélvica em adultos jovens, e que a maneira de treinamento funcional agrupada promove melhora nessa capacidade de estabilização.

  • MARCELA ESTEVÃO DOS SANTOS
  • EFEITO DE UMA SESSÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO INTERVALADO NA REATIVIDADE PRESSÓRICA E BIODISPONIBILIDADE DO ÓXIDO NÍTRICO.
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 30/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O controle da pressão arterial (PA) se dá através da interação entre o sistema nervoso autônomo e substâncias secretadas por diferentes tipos de células, entre elas as endoteliais, fazendo com que alterações em algum desses mecanismos acarrete no desenvolvimento da hipertensão arterial. A prática de exercícios físicos se mostra como um tratamento não-farmacológico capaz de reduzir significativamente tanto a PA sistólica como a diastólica, atenuar a reatividade pressórica e aumentar a biodisponibilidade de óxido nítrico. O objetivo do presente estudo foi observar a resposta pressórica, da frequência cardíaca e de substância vasoativa (óxido nítrico) após uma sessão de exercício aeróbio intervalado em mulheres hipertensas. Para tanto foram realizados dois protocolos, sendo um de exercício intervalado (sequência alternando 30 seg/ 90% e 90 seg/ 60% da velocidade aeróbia máxima) e uma sessão controle (sem exercício). Como resultado, observou-se que o comportamento pressórico e da frequência cardíaca no pós-exercício mostraram-se semelhantes à sessão controle, não sendo evidenciada atenuação da reatividade pressórica pós teste de estresse (CPT) quando observadas a PA sistólica com relação ao repouso: CPT:160,9 ± 32,27 mmHg x Repouso: 122,4 ± 18,58 mmHg e após 60 minutos de recuperação: CPT:160,9 ± 32,27 mmHg x 60 min: 121,4 ± 13,87 mmHg. Bem como não foram observadas em relação à PA diastólica (CPT 99,3 ± 16,19 mmHg x Repouso 75,4± 15,17 mmHg; momento imediatamente após o exercício: 82,5± 9,42 mmHg; e, após 60 min de recuperação: 76,3± 13,18 mmHg. Com relação à frequência cardíaca, não foi apontada reatividade no pós exercício, tendo apresentado elevação, apenas, quando observado o momento imediatamente após o exercício. De igual modo, não foram observadas diferenças entre os valores pré e pós relacionados à biodisponibilidade do óxido nítrico, em ambos os protocolos. Conclui-se que, na intensidade e volume avaliados, o exercício físico não é capaz de atenuar a reatividade vascular, assim como não influencia nas concentrações de óxido nítrico.

  • RENATA KARYNE TEIXEIRA FONSECA
  • EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO CONTÍNUO E INTERVALADO EM MULHERES HIPERTENSAS SOBRE BIOMARCADORES DE ESTRESSE OXIDATIVO
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 29/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A hipertensão arterial é o fator de risco mais importante para eventos cardiovasculares e está associada a diversas outras doenças. A prática de exercícios físicos é eficaz para a prevenção e o tratamento da hipertensão, o que permite queseja utilizada enquanto terapia não farmacológica. Porém,a depender da intensidade e do método doexercício, este poderá levar o organismo ao estresse oxidativo. O objetivo do presente estudo foi avaliar a resposta aguda do sistema oxidante e antioxidante após exercícios contínuos e intervalados, em mulheres hipertensas, sob controle farmacológico. As mulheres hipertensas, acima de 40 anos e fisicamente ativas, foram submetidas a 3 sessões experimentais, de forma randomizada, sendo: #1. Protocolo intermitente de alta intensidade (HIIE), alternando 30 segundos na intensidade de 90% da velocidade máxima, seguidos por 90 segundos na intensidade de 60% da velocidade máxima. #2. Contínuo com volume de 25 min em intensidade de cerca de 70% da velocidade máxima e #3. Controle sem exercício físico. Anteriormente e posteriormente aos protocolos, amostras sanguíneas foram coletadas para analisar os biomarcadores de estresse oxidativo (proteínas carboniladas, TBARS e hidroperóxidos) e o sistema antioxidante (grupamento sulfidrilas, ácido úrico e 2,2-difenil-1-picrilhidrazil). Tanto o exercício intervalado quanto o contínuo não promoveram dano oxidativo,através das análises na concentração de proteínas carboniladas, TBARS e hidroperóxidos. Quanto aos marcadores que representam o sistema antioxidante, percebe-se que não houve alterações na liberação do grupamento sulfidrilas, ácido úrico e da capacidade antioxidante tanto no contínuo quanto no intervalado. Conclui-se que os exercícios contínuos e intervalados não promovem estresse oxidativo em mulheres hipertensas fisicamente ativas e que a utlização dos diversos biomarcadores reforçam os resultados encontrados.

  • CARLA SOUZA DE JESUS
  • EFEITOS DO ESFORÇO PRÉVIO DE ALTA INTENSIDADE NO DESEMPENHO TÉCNICO -TÁTICO EM JOGADORES DE BASQUETEBOL UNIVERSITÁRIO
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 11/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: O basquetebol possui esforços intensos e intermitentes, contudo, não é claro, em que medida eles afetam o desempenho técnico-tático. OBJETIVO: Comparar os efeitos de um esforço prévio de alta intensidade sobre o desempenho técnico-tático em jogadores de basquetebol universitário. METODOLOGIA: Dez atletas de equipe de basquetebol universitário do sexo masculinorealizaram aquecimento (5 min), seguido ou não do exercício Super-7, em distintos dias. Logo após, os atletas realizaram um jogo simulado 5v5 com duração de 10 min (Jogo de Estímulo Prévio Leve (JLEV) x Jogo Estímulo Prévio Vigoroso (JVIG). A percepção de esforço foi registradanos procedimentos e a carga interna dos jogos foi calculada. O desempenho técnico-tático foi avaliado por: Instrumento de Avaliação do Desempenho Técnico-Tático Individual no Basquetebol (IAD-BB), e as Estatísticas de Jogo Básicas e Avançadas. Os dados dos atletas foram agrupados para comparação entre os jogos simulados. RESULTADOS: as percepções de esforço nos aquecimentos foram equivalentes e o JVIG apresentou maior valor que o JLEV(7,6 ± 1,1 e 5,7 ± 1,3 u.a.). Não houve diferença estatísticano desempenho técnico-tático geral, ou nos componentes específicos do IAD-BB (Adaptação, Tomada de Decisão e Eficácia). Na estatística básica do JVIGocorreram menos arremessos de 3 pontos, assistências, bolas perdidas e aproveitamento dos arremessos de quadra, contra-ataques bem-sucedidos, pontos no garrafão, infiltrações com bola, frequência e aproveitamento dos arremessos do tipo catch and shoot, aproveitamento das bandejas,total de arremessos tentados e aumento na frequência dos rebotes defensivos.CONCLUSÃO: o esforço prévio de alta intensidade não interferiu no desempenho técnico-tático dos jogadores de basquetebol. Houve, contudo, alterações na qualidade das ações ofensivas (melhora) e defensivas (piora), acompanhadas de alterações nas características do jogo observadas nas estatísticas de jogo.

  • IZABELLA DE OLIVEIRA VIEIRA DE MOURA
  • EFEITOS DO EXERCÍCIO ISOMÉTRICO SOBRE OS ÍNDICES DE PRESSÃO ARTERIAL E FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ADULTOS: REVISÕES SISTEMÁTICAS.
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 07/08/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os efeitos de exercícios isométricos sobre os índices de pressão arterial (PA) e frequência cardíaca (FC) vêm sendo investigado. No entanto, as amostras costumam ser reduzidas o que dificultaa generalização dos dados. Revisões sistemáticas com meta-análises se apresentam como alternativas por possibilitar o agrupamento dos dados de diferentes estudos.Assim, o objetivo deste trabalho foiavaliar na literaturaa influência da idade sobre as alterações agudas de PA e FC de adultos geradas pelo exercício isométrico (Estudo I), bem como investigar os efeitos crônicos sobre estes mesmos parâmetros (Estudo II). Para tal, foram realizadas buscas nas bases de dados: PubMed, Lilacs, Scopus e PeDro, por ensaios clínicos publicados até 23 de Maio de 2016 que avaliaram mudanças de PA e FC em adultos após exercícios isométricos e realizadoscom sujeitos com idade >18. Os estudos que estudaram as respostas após umasessão de exercício isométrico foram selecionados e separados de acordo com a idade da amostra, < e > 60 anos, para análise da influência da idade sobre o efeito agudo.Aqueles com períodode intervenção≥4 semanas foram selecionados para avaliação deefeito crônico. Assim, foram incluídos 4 artigos no estudo I e,apesar de metade dos trabalhos ter sido realizada com adultos e a outra com idosos, a comparação diretados estudos não foi realizada, devido às divergências entre as características de exercício utilizadas. No estudo II, foram identificados 2 trabalhos que demonstraram que o treino isométrico de preensão manual é capaz de reduzir significativamente apenas a PAS e a PAM, -1,58 [ -2,64 , -0,51 ] , p = 0,004, e -0,91 [-1,58 , -0,24], p = 0,008, respectivamente, após um período de intervenção de 8-10 semanas. Com isso, observou-seuma necessidade de produção de trabalhos que busquem avaliar as respostas agudas a protocolos de exercicio isométrico com caracteristicas similares as utilizadas nos programas de treinamentos crônicos atuais, sobretudo em idosos e hipertensos, para que questões sobre o risco e diferenças entre as populações sejam identificadas. Além disso, o treino de preensão manual isométricoreduz significativamente a PA sistolica e PA média de adultos. Todavia,estudos com amostras diferentes e modalilidades de isometrias diferentes ainda são necessariospara subsidiar com segurança a utilização desta modalidade de treino no manejo da hipertensão.

  • IZABEL CRISTINA DE OLIVEIRA LIMA
  • ASSOCIAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA, QUALIDADE DE VIDA E RISCOS CARDIOVASCULARES EM AMPUTADOS ATENDIDOS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE ARACAJU-SE.
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 20/06/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: AMPUTAÇÃO É A PERDA TOTAL OU PARCIAL DE UM MEMBRO,DE FORMA CIRURGICA OU TRAUMATICA OCASIONADA POR DIVERSAS ETIOLOGIAS. É CONSIDERADA UM PROBLEMA DO SISTEMA DE SAÚDE DEVIDO AO CRESCIMENTO EPIDEMIOLOGICO ALÉM DE ACARRETAR CONSEQUENCIAS FISICAS,PSICOLOGICAS E SOCIAIS AO AMPUTADO. OBJETIVO: AVALIAR O NIVEL DE ATIVIDADE FISICA SOB QUALIDADE DE VIDA E RISCO CARDIOVASCULAR EM AMPUTADOS ATENDIDOS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) DE ARACAJU-SE. METODOLOGIA: ESTE TRABALHO FOI DIVIDIDO EM TRES ETAPAS A SABER: VISITA ÁS UBS PARA IDENTIFICAÇÃO DOS ATENDIEMNTOS REALIZADOS EM APUTADOS DE MEMBROS INFERIORES, TOTALIZANDO 225 USUARIOS; SELEÇÃO ALETÓRIA DE 60 INDIVIDUOS AMPUTADOS DE MEMBROS INFERIORES PARA APLICAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE COLETA E POR FIM VISITA DOMICILIAR AOS AMPUTADOS SELECIONADOS, QUE RESPONDERAM AO QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FISICA (IPAQ), E QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DESENVOLVIDA PELA WORLD HEALTH ORGANIZATION QUALITY OF LIFE ( WHOQOL). ALÉM DISSO, FOI AVALIADO O TIPO DE EXERCICIO FISICO QUE O GRUPO REALIZAVA E O RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE DOENÇA CARDIOVASCULARES PELOS CRITÉRIOS DA FRAMINGHAM HEART STUDY. RESULTADOS: A MAIOS INCIDENCIA DE AMPUTADOS NESTE ESTUDO PERTENCEU AO SEXO MASCULINO. APENAS 23% DOS INDIVIDUOS ESTUDADOS FORAM CLASSIFICADOS COMO ATIVOS, E DE ACORDO COM O ESCORE DE FRAMINGHANM NÃO FOI OBSERVADO RISCO CARDIOVASCULA. A PARTIR DA ANALISE DO WHOQL, EVIDENCIOU-SE QUE A QUALIDADE DE VIDA FOI MAIOR ENTRE OS AMPUTADOS ATIVOS. CONCLUSÃO: O PANORAMA OBSERVADO COM BASE NOS RESULTADOS OBTIDOS MOSTRA QUE O NIVEL DE ATIVIDADE FISICA EXERCE BAIXA INFLUENCIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS AMPUTADOS.

  • ADONAI PINHEIRO BARRETO
  • O perfil de lesões ortopédicas no praticante de JiuJitsu
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 30/05/2017
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O Brasilian Jiu-Jitsu (BJJ) é uma arte marcial a qual tem como objetivo o controle do adversário através de quedas, imobilizacões e bloqueios articulares. O presente trabalho teve o propósito de avaliar o perfil de lesões ortopédicas dos praticantes de Jiu Jitsu do estado de Sergipe.Foram avaliados 137 lutadores, sendo 92%(126) do sexo masculino e 8%(11) feminino, através dos serviços de ortopedia e fisioterapia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe, bem como em centros de treinamento da arte marcial no estado de Sergipe Foram avaliados seguindo entrevistas guiadas por questionário pré-estabelecidos pela equipe, apresentando média de 5,77±5,07 anos de prática esportiva, além disso, sendo que 85,4% dos participantes já sofreram algum tipo de lesão ortopédica na prática do jiu-jitsu. Sendo o entorse a lesão mais prevalente com 61,5 %, e os atletas de faixa azul com a maior prevalência de lesões (30,8%). A região anatômica mais acometida foi o ombro (21,7%), seguido do joelho (20,5%), mão (12,3%), tornozelo (11%) e cotovelo (10,4%). A maior parte das lesões foram consideradas de gravidade leve (35,9%), e o tratamento mais utilizado pelos atletas foi conservador através de medicações e fisioterapia, com uma média geral de 21,32 ±14,5 seções fisioterápicas.

  • ANDRESSA MELO ALVES
  • FATORES ASSOCIADOS À APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA EM IDOSOS.
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 12/05/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO. Avaliar as condições físicas e sociais dos idosos é de fundamental importância, uma vez que, elas estão diretamente ligadas a autonomia e consequente qualidade de vida desta parcela da populaçãoOBJETIVO: Analisar fatores associados à aptidão cardiorrespiratória em idosos. MÉTODOS: trata-se de um estudo descritivo com delineamento transversal. A população da pesquisa foi composta por idosos cadastrados na base de dados SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica do município de Cedro de São João (SE). A amostra foi composta por 224 idosos, com média de idade de 70,58 ± 6,43 anos. Utilizou-se instrumento para descrição do nível socioeconômico, da percepção de qualidade de vida, dos níveis de atividade física e para a mensuração da aptidão física. Foi utilizada a Regressão logística binária com nível de significância de 5% organizada em modelo univariado e multivariado. Para tratamento estatístico foi utilizado o SPSS versão 22. RESULTADOS:As variáveis domínio físico ruim do WHOQOL (OR= 5,04; IC 2,62 – 9,69), flexibilidade ruim de membros superiores (OR=4,30; IC 2,37 – 7,79) e inferiores (OR=2,83; IC1,60 – 5,03), baixa força de membros inferiores (OR=13,8; IC 7,00 –27,1)e agilidaderuim (OR=1,06; IC 0,62 –1,85), apresentaram associação com a aptidão cardiorrespiratória. CONCLUSÃO: Uma percepção negativa do domínio físico, baixa flexibilidade de membros superiores e de membros inferiores estão associados à aptidão cardiorrespiratória em idosas de baixa renda.

  • ALESSANDRA DE SOUSA MARTINS
  • ATIVIDADE FÍSICA, AVALIAÇÃO NEGATIVA DE SAÚDE E CONDUTAS DE RISCO EM ADOLESCENTES.
  • Data: 28/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Durante a adolescência o individuo adquiri comportamentos que podem influenciar sua saúde, como a prática de Atividade Física e algumas condutas de risco associada autoavaliação negativa de Saúde. Objetivo: verificar a associação entre atividade física e autoavaliação negativa de saúde com condutas de risco à saúde em adolescentes. Métodos: Trata-se de uma pesquisa epidemiológica de base escolar com delineamento transversal. Realizada com estudantes do Ensino Médio da Rede Pública Estadual de Sergipe com idade entre 14 e 19 anos. Foi aplicado um questionário autoadministrado. As variáveis de análise foram: Autoavaliação Negativa de Saúde (ANS) e Não ativo. As variáveis independentes consideradas para o estudo foram organizadas em dois domínios: a) Domínio Sociodemográfico (idade, sexo, cor da pele, território, ano de estudo do adolescente, escolaridade materna, renda familiar); b. Domínio Comportamental (uso de drogas, álcool, tabaco e hábito Alimentar: consumo de frutas, verdura, suco de frutas e refrigerantes). Na análise da associação foi empregado o teste de Qui-quadrado e na análise multivariável foi usada à regressão logística binária. Resultado: A prevalência da autoavaliação negativa de saúde foi maior entre adolescentes do sexo feminino (61,3%). A conduta de risco associou-se à adolescentes inativos (OR=0,63; IC95%0,55-0,73), hábito alimentar inadequado, consumo de fruta (OR= 0,67; IC95%0,53-0,85), consumo de verduras (OR= 0,66; IC95%0,51-0,86), consumo de frutas (OR=0,63; IC95%0,50-0,79), uso de tabaco (OR=0,92 IC95%0,80-1,07). A prevalência de adolescentes inativos foi de 44,7% que se associou a autoavaliação negativa de saúde (OR=0,63; IC95% 0,55-0,72), a hábito alimentar inadequado, consumo de suco de frutas (OR=1,42; IC95%1,14-1,76), consumo de frutas (OR=1,37; IC95%1,12-1,69). Conclusões: As evidências geradas pela pesquisa constitui um importante instrumento para subsidiar informações e monitorar a saúde dos escolares sergipanos dando sustentabilidade a implantação de programas voltados para a saúde de escolares, como o Programa Saúde na Escola.

  • DANILO BARBOSA MORAIS
  • FATORES ASSOCIADOS À PERCEPÇÃO NEGATIVA DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 28/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A percepção de saúde é um indicador utili­zado em inquéritos de saúde que, embora subje­tivo, propicia uma medida eficaz, rápida e de bai­xo custo sobre a saúde de grupos populacionais. OBJETIVO: Analisar os fatores associados à percepção negativa de saúde e qualidade de vida em idosos.MÉTODOS: trata-se de uma pesquisa caracterizada com delineamento transversal. A população da pesquisa foi composta de idosos cadastrados na base de dados SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica. A amostra foi composta por 224 idosos do município de Cedro de São João (SE), com média de idade de 70,58±6,43 anos. Utilizou-se instrumento compilado a partir dos questionários ABEP, WHOQOL-BREF, IPAQ e Sênior Fitness Test(SFT) para descrição do nível socioeconômico, a percepção de qualidade de vida e satisfação com a saúde, os níveis de atividade física e a mensuração da aptidão física, respectivamente. Foi utilizada a Regressão logística binária com nível de significância de 5% organizada em modelo univariado e multivariado. Para tratamento estatístico foi utilizado o SPSS versão 22. RESULTADOS: As variáveis categóricas: sexo femininoOR= 1,64 (IC= 1,13 - 2,38), responsável financeiro “não” OR= 0,167 (IC= 0,10 – 0,28), convivência familiar “não” OR= 0,09 (IC= 0,05-0,17) e agilidade “ruim”OR= 1,76 (IC= 1,21-2,57)apresentaram associação significativa com o desfecho Percepção Negativa de Saúde. Para a percepção negativa de qualidade de vida, o responsável financeiro OR= 0,18 (IC= 0,11–0,30) e a convivência familiar OR= 0,07 (IC= 0,03–0,14) apresentaram maiores chances de não terem relação ruim. A flexibilidade de membros inferiores mostrou ter três vezes maiores chances de relação ruim com a percepção negativa de qualidade de vida.CONCLUSÃO: os fatores sociodemográficos mostraram-se associados para percepção negativa de saúde e qualidade de vida quando analisados de forma bruta. A variável agilidade de aptidão física após análise univariada manteve-se associada à percepção negativa de saúde e qualidade de vida.

  • REBECA MARÍLIA DE ALCANTARA ARAUJO
  • EFEITOS DO TREINAMENTO DO MÉTODO PILATES COM APARELHOS SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL, O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL E A FUNÇÃO PULMONAR DE MULHERES HIPERTENSAS.
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 28/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivos: Avaliar o efeito do treinamento do método Pilates na pressão arterial sistólica (PAS), na pressão arterial diastólica (PAD), na pressão arterial média (PAM), no percentual de gordura corporal e na capacidade vital forçada (CVF) de mulheres hipertensas. Métodos: Vinte e seis mulheres, sendo oito normotensas (C), 10 hipertensas controladas (HC) e oito hipertensas descompensadas (HD), com idade de 50 a 65 anos, foram submetidas 12 semanas, duas sessões semanais com duração de 60 minutos cada sessão. O protocolo foi composto por 10 exercícios executados em equipamentos específicos, com três séries de 10 repetições e intervalo de um minuto entre séries. Foram medidas PAS, PAD, PAM, percentual de gordura corporal e CVF 48 horas antes e 48 horas após o período de treinamento. Resultados: O Pilates promoveu redução da PAS de 9 mmHg e na PAM de 7 mmHg no grupo HD, na PAD não promoveu alterações em nenhum dos grupos. O Pilates também reduziu o percentual de gordura nos grupos de hipertensas controladas e hipertensas descompensadas (HC: pré: 28±3; pós: 26±3; HD: pré: 24±5; pós: 23±4%). A hipertensão arterial diminuiu a CVF, independente da condição pressórica, mesmo após 24 sessões de treinamento com o método Pilates a CVF não apresentou alterações. Conclusão: Foi possível verificar que 24 sessões de treinamento do método Pilates com aparelhos, com intensidade moderada reduz a pressão arterial e o percentual de gordura corporal em mulheres hipertensas que não tinham a PA dentro de valores de normalidade. A função pulmonar apresentou uma diminuição nos grupos de hipertensa, e o Pilates não reverteu essa condição.

  • RENATA COSTA MATOS
  • ESTADO NUTRICIONAL, ESTRATÉGIAS PARA PERDA DE PESO E EFEITO DA REDUÇÃO DE CARBOIDRATOS SOBRE MARCADORES SANGUÍNEOS E DESEMPENHO DE ATLETAS DE BRAZILIAN JIU-JITSU.
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 28/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: O brazilian jiu-jitsu é um esporte de luta no qual os competidores são distribuídos de acordo com categorias de peso. Por isso, acabam utilizando estratégias, muitas vezes prejudiciais, para se adequarem às categorias antes das competições. Uma das estratégias utilizadas é a redução da ingestão energética. Neste âmbito, a restrição de carboidratos vem sendo amplamente utilizada. Entretanto, devido a importância do carboidrato para a prática da modalidade, a sua utilização em atletas de brazilian jiu-jitsu ainda necessita ser estudada. OBJETIVO: Avaliar o estado nutricional e as estratégias adotadas por atletas de brazilian jiu-jitsu; analisar o efeito de duas estratégias alimentares hipocalóricas com proporções distintas de carboidrato na perda de peso e em marcadores bioquímicos; avaliar o efeito da redução de carboidratos no desempenho e em marcadores sanguíneos do metabolismo energético e de lesão muscular. METODOLOGIA: Tratam-se de três estudos. O estudo 1 refere-se ao perfil nutricional e às estratégias de perda de peso mais adotadas por atletas de luta. Para tanto, foi aplicado um questionário de perda de peso e foram avaliados o estado nutricional, composição corporal e marcadores hormonais e lipídicos. O artigo 2 trata-se de um ensaio clínico randomizado, com intervenção dietética monitorada de 4 semanas. A amostra foi distribuída em dois grupos (R-CHO- redução moderada de carboidrato e A-CHO- adequado carboidrato). Antes e após a intervenção foram aferidos peso, dobras cutâneas. Foram medidas as concetrações de marcadores hematológicos, imunológicos e colesterol sérico e frações. O artigo 3 é um ensaio clínico randomizado, no qual os atletas foram submetidos a dois protocolos de intervenção nutricional com duração de 4 semanas: um com redução moderada de carboidratos (R-CHO) e outro com teores adequados de carboidrato (A-CHO). Antes a após a intervenção dietética os atletas foram submetidos a quatro testes físicos para a avaliação do desempenho e antes e após a realização dos testes, foi realizada uma coleta sanguínea para avaliação dos marcadores de metabolismo energético e de lesão celular. RESULTADOS: Um total de 35 atletas participou do estudo 1, destes 21 (60%) já haviam utilizado estratégias para perda de peso. Os atletas com maior massa corpórea e maior percentual de gordura apresentaram maiores níveis de VLDL e triglicérides, e menores de testosterona. No estudo 2, 18 atletas concluíram a intervenção. Tanto o R-CHO (n=10) quanto o A-CHO (n=8) apresentaram redução de peso, IMC e percentual de gordura, sem alteração da integridade dos marcadores hematológicos e imunológicos. Quanto 5 aos dados cardiometabólicos, o grupo A-CHO apresentou elevação nos valores de VLDL e triglicérides. Quanto ao estudo 3, ambas estratégias promoveram perda de peso sem alterar o desempenho dos atletas. A glicemia aumentou nos dois grupos apenas no momento pré-intervenção. Quanto aos outros marcadores do metabolismo energético, o grupo R-CHO apresentou maiores valores de lactato e creatinina pósteste físico comparado ao A-CHO. CONCLUSÃO: Há uma elevada prevalência de indivíduos que utilizam estratégias para a perda rápida de peso. Com isso, é necessário propor a adoção de métodos eficientes e seguros para a perda de peso gradual. Neste sentido, a redução de carboidratos mostrou-se uma estratégia eficiente e segura, visto que promovou a perda de peso, sem afetar o desempenho e sem alterar a integridade de marcadores hematológicos, imunológicos e cardiometabólicos.

  • SAMARA CELESTINO DOS SANTOS
  • AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FATORES ASSOCIADOS EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: UM ESTUDO NO CONTEXTO SERGIPANO.
  • Data: 28/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivos: Analisar a associação entre a participação em aulas de Educação Física e fatores sociodemográficos, educacionais, econômicos e religião de estudantes do ensino médio. Métodos: O presente estudo trata-se de uma análise secundária dos dados de um levantamento epidemiológico de delineamento transversal com amostra composta por 3.992 escolares (com idade entre 14 a 19 anos) do Ensino Médio da Rede Pública Estadual de Sergipe. A coleta dos dados deu-se mediante o questionário autoadministrado Global Student Health Survey (GSHS). A participação em aulas de Educação Física foi usada como variável dependente (Participa/Não participa). Utilizou-se as variáveis independentes: sexo, faixa etária, cor da pele, “com quem mora”, série (ensino médio), turno de estudo, reprovação, escolaridade da mãe, escolaridade do pai, principal fonte de renda, renda familiar, religião e prática da religião. Para a análise da associação entre as variáveis foi utilizada a regressão logística binária. Resultados: O percentual de adolescentes que participa das aulas de Educação Física foi de masculino= 78,2% e feminino= 71,8%. Na regressão logística, após ajuste para as variáveis sexo e faixa-etária, verificou-se associação à Participação em aulas Educação Física: cor da pele “não branca” (OR 1,30; IC95% 1,10–1,54), turno de estudo noturno (OR 0,62; IC95% 0,54–0,72), religião “não católica” (OR 1,19; IC95% 1,02–1,39) e não praticante de religião (OR 0,83; IC95% 0,72–0,97). Em relação a variável religião, percebeu-se que houve uma inversão na relação entre “Ser Católico ou Não e Participar de aulas de Educação Física”. Dessa forma, as variáveis sexo e idade são consideradas no presente estudo como fatores de confusão para essa relação. Conclusão: Após ajuste para as variáveis sexo e faixa-etária, percebeu-se associação entre a participação em aulas de EF e autorelatar cor de pele “não branca”, estudar no turno diurno, ser da religião “não católica” e praticar sim a religião afiliada.

  • RAFAEL PINTO LOURENÇO
  • NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, EXCESSO DE PESO E QUALIDADE DE VIDA EM AMPUTADOS DE MEMBRO INFERIOR ATENDIDOS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE ARACAJU-SE.
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 20/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O crescente número de casos de perda do membro inferior já é reconhecido como uma questão de saúde pública em todo o mundo. Uma vez que a amputação é potencialmente incapacitante, limitante, e que leva a sérios danos na funcionalidade, podendo alterar o nível atividade de física, o estado nutricional e a qualidade vida do indivíduo. Objetivo:Avaliar a associação do nível de atividade física com excesso de peso e qualidade de vida de amputados de membros inferiores atendidos nas Unidades Básicas de Saúde de Aracaju, SE. Métodos:Estudo descritivo, transversal, quantitativo, com amostra por conveniência, de indivíduos adultos, de ambos os sexos, submetidos à amputação de membros inferiores unilaterais. Na amostra (n= 54) foi avaliado o excesso de peso (IMC e circunferência do pescoço), o nível de atividade física (IPAQ versão curta) e a qualidade de vida (WHOQOL-Bref). Para a análise estatística,foram utilizados os testes qui-quadrado (variáveis categóricas), t student e Mann-Whitney (variáveis numéricas), e um modelo de regressão, sendo o valor de p < 0.05.Resultados:74% da amostra foi classificada comoinsuficientemente ativa, sendo o sexo masculino identificado como o mais ativo da amostragem. Foi observada uma associação significativa entre o nível atividade físicacom o excesso de peso, a qualidade de vida e o nível de amputação.Osinsuficientemente ativos apresentaram maiores índices de excesso de peso, maior nível de amputação e baixa qualidade de vida em comparação aos indivíduos ativos. Conclusão:O nível de atividade física de indivíduos amputados de um membro inferior associou-se com o excesso de peso e com aspectos da qualidade de vida.

  • SANDRO LEÃO MATOS
  • EFEITO DO TREINAMENTO RESISTIDO SOBRE O TECIDO CARDÍACO DE RATOS SUBMETIDOS A DEXAMETASONA
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 20/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dexametasona é um fármaco pertencente à classe dos corticosteroides, majoritariamente utilizado como anti-inflamatório. Em excesso ou em uso crônico indiscriminado pode levar a complicações endócrinas e/ou cardiovasculares. O exercício físico pode atuar no tratamento dessas enfermidades atuando como um atenuador ou em alguns casos, reverter algumas dessas complicações, aliado sempre ao tratamento medicamentoso tradicional. Desta forma, os objetivos desta dissertação foram: (1) avaliar o efeito de um programa de exercícios resistidos no coração e ventrículos em animais submetidos ao tratamento com dexametasona por quatro semanas; (2) realizar uma revisão de literatura sobre os efeitos crônicos que o uso excessivo de glicocorticoides pode ter e sua relação com o exercício físico. Para a revisão, utilizamos as bases de dados PubMed®, SciELO®, DIALNET® e LILACS® para a seleção dos artigos. Detectamos que o exercício físico aeróbio ou resistido é capaz de promover melhorias em pacientes em uso crônico de glicocorticoides como diminuição da hiperglicemia, hipertensão e melhorias nos índices cardiovasculares. Para os experimentos, quarenta ratos Wistar machos foram selecionados e divididos em quatro grupos. Foram avaliados o peso absoluto do coração e peso absoluto e seco dos ventrículos esquerdo e direito. Foi verificado que o exercício de força associado ao dexametasona (0,2 mg.kg-1 .dia-1 ) não alterou significativamente o peso absoluto do coração e peso absoluto e seco do ventrículo direito. Houve uma diferença significativa no peso seco do ventrículo esquerdo que ao normalizar pelo comprimento da tíbia deixou de existir. Os resultados deste trabalho sugerem que o exercício pode ser eficaz com alguns acometimentos decorrentes do uso de glicocorticoides e que quatro semanas de exercício associado a dexametasona não são capazes de alterar o peso absoluto e seco do coração e ventrículos

  • WILIANE NERY SANTOS
  • ESTEROIDES ANABÓLICOS ANDROGÊNICOS E SEUS EFEITOS NO TREINAMENTO DE FORÇA DE RATAS WISTAR EUTRÓFICAS.
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 17/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Treinamentos de força têm sido consistentemente demonstrado em estudos como responsáveis por aumentos significativos na massa magra e da taxa metabólica, acompanhada por reduções significativas no peso de gordura corporal, utilizando-se de estratégias para acelerar este processos os esteroides anabólicos androgênicos tem sido bastante utilizados por praticantes desta modalidade. Objetivo: Avaliar o treinamento de força atuando de forma conjunta com Esteroides Anabólicos Androgênicos sobre o percentual de gordura corporal de ratas eutróficas. Métodos: Foram utilizados 24 ratas fêmeas distribuídas randomicamente em quatro grupos: 1) Controle Sedentário (CS) 2) Controle Treinado (CT) 3) Decanoato de Nandrolona Sedentário (DS) 4) Decanoato de Nandrolona Treinado (DT). O treinamento de força foi realizado em aparelho de agachamento composto por quatro séries de 12 repetições, com intensidade de 70% de 1RM durante oito semanas. Em dias alternados, os grupos DS e DT recebiam diariamente Decanoato de nandrolona intraperitoneal 5mg/kg por secção e os grupos CS e CT recebiam somente solução salina (0,9%). Os dados representam a média ± erro padrão da média. Utilizou-se o teste t de Student para análise entre os grupos, ns = sem diferença estatística. Resultados: Após oito semanas de treinamento, o peso entre os grupos CS e CT foram diferentes quando comparados com os grupos DS e DT (não foi observado diferença estatística intergrupos (CS vs CT; DS vs DT)), neste sentido, o grupo CT que foram submetidos ao treinamento de força apresentaram um incremento da força de 10,8% e 11,2%, nas 6ª e 8ª semanas, respectivamente, quando comparado ao grupo CS. Foram avaliados os conteúdos gordurosos de diferentes territórios conforme segue: gorduras subcutâneas (SUB), retroperitoneal (RETRO) e periovariana (PERI) o qual não identificamos diferenças estatísticas entre os grupos avaliados. Conclusão: O uso de Decanoato de Nandrolona nas ratas treinadas não causou alteração, no peso, na força e no tecido adiposo.

  • HELENO ALMEIDA JUNIOR
  • A PRÁTICA DO STRETCHING GLOBAL ATIVO PARA OTIMIZAÇÃO DA FORÇA E PREVENÇÃO DE LESÕES EM ESPORTES DE COMBATE.
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 24/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivando analisar a prática do Stretching Global Ativo (SGA) para otimização da força e auxílio na prevenção de lesões em esportes de combate, verificou-se o efeito da prática regular do SGA no desempenho de judocas em uma bateria de testes físicos, assim como o efeito dessa prática no auxílio da manutenção e restituição de valores normais da assimetria térmica para membros superiores de jiujitsukas. Para compor a amostra dos estudos foram recrutados 12 judocas no período de 10 semanas e 18 jiujitsukas por três dias consecutivos, divididos em grupo experimental e grupo controle. Os resultados apontam que a prática regular do SGA potencializou o ganho de flexibilidade e impulsão vertical, com ganho de 3,00 ± 1,09 cm e 2,49 ± 0,63 respectivamente, e não foi prejudicial em outros testes para atletas de judô. Já para jiujitsukas, a prática do SGA acelerou o processo de recuperação para região do antebraço após a competição, diminuindo em 0,18°C o ΔTP (°C). Conclui-se que, a prática do SGA aumenta a flexibilidade da cadeia posterior e o desempenho no salto vertical de judocas, e não prejudica a manutenção da normalidade térmica em regiões contralaterais dos membros superiores de competidores de jiu jitsu podendo restituir valores normais de assimetria térmica na região posterior do antebraço.

  • ANTONIO GOMES DE RESENDE NETO
  • EFEITOS DOS TREINAMENTOS FUNCIONAL E TRADICIONAL SOBRE A APTIDÃO FÍSICA E QUALIDADE DE MOVIMENTO DE IDOSAS SEDENTÁRIAS
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 23/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Protocolos tradicionais de treinamento de força apesar de seus benefícios morfológicos e neuromusculares comprovados, nota-se questionamentos sobre seus efeitos na melhora da performance para as atividades da vida diária no idoso, podendo o treinamento funcional (TF) ser uma melhor estratégia para essa finalidade. Porém, observa-se uma carência de investigações comparando e integrando o TF com métodos de treinamento tradicionais para melhor observação dos reais efeitos em respostas adaptativas multissistêmicas. Objetivo: Analisar comparativamente os efeitos de oito e doze semanas de treinamento funcional com um treinamento de força tradicional na aptidão física e qualidade do movimento de idosas sedentárias. Metodologia: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, no qual participaram da intervenção 25 idosas divididas em dois grupos distintos: Treinamento Funcional (TF: n=13; 64,8 ± 4,6 anos; 29,6 ± 5,2 kg/m-² ) e Treinamento Tradicional (TT: n=12; 66,0 ± 5,5 anos; 28,5 ± 5,6 kg/m-² ). Para a verificar a aptidão física foi utilizado a bateria Senior Fitness Test e um teste complementar de força isométrica máxima. E para qualidade de movimento foi utilizado o Functional Movement Screen. Os dados foram analisados a partir de uma ANOVA 2x3 com post hoc test de Sidak. Resultados: Ao final das 8 semanas, quando comparado com o TT, o TF promoveu melhoras estatisticamente significativas nas variáveis: equilíbrio/agilidade (p = 0,03; +7%), força de membros inferiores (p = 0,03; +18%), força de membros superiores (p = 0,02; +15%), capacidade cardiorrespiratória (p=0,02; +8%), e força isométrica (p = 0,04; +16%). Em 12 semanas o TF apresentou diferença estatisticamente significativa nas variáveis: equilíbrio/agilidade (p = 0,00; +9%), força de membros inferiores (p = 0,03; +18%), capacidade cardiorrespiratória (p = 0,01; +7%) e na qualidade do movimento (p = 0,02; +16%), quando comparado ao TT. Entretanto, em relação aos testes de flexibilidade não apresentaram diferenças entre os grupos. E os dois grupos melhoraram significativamente em todas as variáveis (p˂0,05) com relação aos valores iniciais. Conclusão: Apesar de ambos os protocolos de treinamento demostrarem-se eficientes na melhora da aptidão física e qualidade de movimento em idosas sedentárias, o treinamento funcional aplicado demonstra-se mais eficaz que o treinamento tradicional.

  • MARINA DE MACÊDO RODRIGUES LEITE
  • PROGRAMA DE PERDA DE PESO SAUDÁVEL E SEU EFEITO SOBRE O PERFIL DE RISCO CARDIOMETABÓLICO DE ADULTOS.
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 23/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: Atualmente, uma das principais estratégias aplicadas para redução ponderal e melhora da condição cardiometabólica é a restrição de carboidratos da dieta. Porém, ainda não se encontra totalmente elucidado o real efeito desta restrição sobre a condição cardiometabólica, devido aos diversos níveis de restrição e principalmente quando se trata da associação com a prática de exercício físico de alta intensidade. OBJETIVO: Propor um protocolo de intervenção para perda de peso saudável e avaliar o seu efeito sobre os marcadores do risco cardiometabólico de indivíduos com excesso de peso. METODOLOGIA: Trata-se de um ensaio clínico controlado randomizado desenvolvido em 12 semanas de acompanhamento nutricional com dieta com baixo teor de carboidratos (R-CHO – 100 g/d) ou teor adequado deste nutriente (A-CHO – 250 g/d) associado ao treinamento intermitente (HIIT) ou contínuo. Iniciaram o estudo 106 indivíduos com excesso de peso, destes, 57 foram alocados no grupo de treinamento contínuo e 49 foram alocados no grupo HIIT, divididos em dois grupos, de acordo com o teor de carboidratos da dieta. Os indivíduos foram avaliados no período pré-intervenção (M0) e ao final das 12 semanas (M1). Foi realizada aferição de peso, estatura, circunferências abdominal e do quadril. Finalizaram a intervenção no grupo HIIT 31 voluntários, cujo os dados foram utilizados para o artigo II desta dissertação. Este artigo propõe a avaliação do efeito da intervenção com dieta R-CHO e HIIT sobre o risco cardiometabólico dos voluntários, avaliado com base nos marcadores lipidêmicos, insulinêmicos e glicêmicos. Para análise estatística dos dados foi aplicado o teste ANOVA two-way com post-hoc de Bonferroni, considerando significativo os valores de p<0,05. RESULTADOS: Ambos os grupos apresentaram melhora significativa das variáveis antropométricas. Já com relação aos marcadores de risco cardiometabólico, observou-se que houve uma melhora para ambos os grupos, no entanto, o aumento significativo do HDL-c foi observado apenas no grupo A-CHO (53,3 mg/dl – 60,1 mg/dl), enquanto que o LDL-c reduziu significativamente em ambos os grupos (A-CHO: 121,8 mg/dl – 97,4 mg/dl; R-CHO: 112,7 mg/dl – 94,9 mg/dl). Observou-se uma redução significativa do número de fatores de risco associados a síndrome metabólica, porém a redução da prevalência de indivíduos metabolicamente não saudáveis foi mais expressiva entre os indivíduos do grupo A-CHO (24,3%). CONCLUSÃO: Conclui-se que ambas as dietas aplicadas foram eficientes para garantir melhora da composição corporal e perda de peso. Ambas estratégias dietéticas podem ser eficientes para promover melhoras dos marcadores de risco cardiometabólico, porém, a melhora no fator de proteção (HDL) e na classificação final do risco apontou a adequação de carboidratos na dieta como melhor estratégia associada à restrição calórica e HIIT.

  • GILBERTO SANTOS MORAIS JUNIOR
  • O EXERCÍCIO FÍSICO NEUROMUSCULAR AGUDO PROMOVE RESPOSTAS NA EXPRESSÃO DO miR-146a EM IDOSOS COM DIABETES DO TIPO 2
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 23/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O diabetes mellitus do tipo 2 (DM2) caracteriza-se por defeitos na ação e secreção da insulina e na regulação da produção hepática de glicose. O exercício físico aparece como uma das principais formas de prevenção e controle do DM2. A literatura vem sugerindo que os MicroRNAs circulantes (126, 146a e 155), apresentam uma relação inversamente proporcional entretaxas glicêmicas e o estado pró-inflamatório decorrentes do DM2. Assim, o objetivo desse estudo foi analisar o efeito agudo de dois tipos de intervenções (cardiovascular e neuromuscular) sobre as concentrações circulantes totais dos miRs 126, 146a e 155 em idosos portadores do DM2. Participaram do estudo 23 idosos (68,23±5,31 anos), de ambos os sexos, sendo 13 portadores do DM2 (controlados) e dez assintomáticos denominados, respectivamente, Grupo 1 e 2. Estes foram submetidos a dois tipos de intervenções: circuito neuromuscular e caminhada orientada, realizadas com a intensidade entre 60% a 70% da frequência cardíaca de reserva. A expressão dos miRNAs foi realizada através do método Real Time Quantitative PCR (qPCR) e foi adotado a análise de covariância (ANCOVA) considerando as medidas basais como co-variável. Em todas as análises foi utilizado nível de significância de 5%. Enquanto principais resultados verificam-se que a baseline (co-variável), está significativamente relacionada com a magnitude do efeito do miR-146a frente a intervenção neuromuscular F (1, 23) = 166,31; p<0,001. Também houve um significativo efeito nos níveis circulantes do miR-146a em face de o paciente ser ou não diabético com elevações substancialmente maior que os incrementos exibidos pelo os não diabéticos, frente a intervenção 1, verificando-se F (2, 23) = 54,33; p<0,001. Conclui-se que a intervenção neuromuscular, quando realizada em forma de circuito, altera os níveis circulantes totais do miR-146a, com elevações significativamente maiores entre diabéticos quando comparado com a variação observada em sujeitos controle.

  • NATALIE DE ALMEIDA BARROS
  • ANÁLISE DO DANO MUSCULAR, PICO DE TORQUE, FADIGA E ASSIMETRIA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINO DE FORÇA
  • Orientador : FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
  • Data: 23/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O treinamento de força vem ganhando cada vez mais adeptos, devido aos benefícios que tem trazido para a saúde tanto na prevenção quanto no tratamento de diversas patologias. Dentre os diferentes tipos de treinamento de força, destacamse: o Kaatsu e o treinamento tradicional. Ambos apresentam ganhos no que diz respeito ao ganho de força e hipertrofia. Objetivo: analisar o dano muscular, pico de torque, fadiga e assimetria em diferentes métodos de treino de força. Métodos: A amostra do estudo foi composta por 10 indivíduos do sexo masculino, com idade entre 18 e 25 anos, praticantes de treinamento de força há pelo menos 12 meses. Todos foram submetidos a dois tipos de treinamento de força, realizados no aparelho de Leg Press 45°. Foi realizada coleta de sangue venoso para análise dos indicadores de dano muscular, antes, imediatamente após, 24 e 48 horas após a realização do treino, bem como coleta de imagens termográficas para análise de assimetria térmica dos membros exercitados. Resultados: Os resultados encontrados mostraram que a utilização do método Kaatsu promoveu maior dano muscular, maior índice de fadiga e menor pico de torque imediatamente após o treinamento, em relação ao mesmo momento no método tradicional. As concentrações de CK elevaram-se a 1093U/l no método Kaatsu e a 447,80U/l no método tradicional. Quanto ao pico de torque, este diminuiu após o exercício para 755,38N/m no método Kaatsu e 936, 28N/m no método tradicional. Já o índice de fadiga apresentou elevação de 58,28% e 37,30% em relação ao pré treino nos métodos Kaatsu e tradicional, respectivamente. No que diz respeito a termografia, a assimetria encontrada bilateralmente pode ser considerada normal, embora casos isolados devam ser observados com mais atenção, considerando parâmetros descritos na literatura. Conclusão: O treinamento com o método Kaatsu promoveu maior dano muscular, maior índice de fadiga e menor pico de torque quando comparado ao método tradicional, embora, tenha apresentado uma recuperação mais rápida. É necessário novas investigações a respeito desses métodos no intuito de tornar a realização desses treinamentos mais segura e eficaz aos praticantes.

  • JUVIANE MENEZES DOS SANTOS
  • EFEITO DO MÉTODO PILATES SOBRE AS VARIÁVEIS HEMODINÂMICAS E DA CREATINA QUINASE EM MULHERES HIPERTENSAS
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 21/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A hipertensão arterial é uma disfunção sistêmica que altera várias condições metabólicas, entre elas: o aumento da pressão arterial, aumento da frequência cardíaca e aumento da atividade enzimática da creatina quinase. O exercício físico tem sido bastante utilizado no controle dessas alterações e o método Pilates tem se mostrado benéfico no tratamento e prevenção dessas alterações. Objetivo: Avaliar o efeito do método Pilates sobre as variáveis hemodinâmicas e da creatina quinase em mulheres hipertensas. Método: 30 mulheres hipertensas (54,09 ± 5,71anos) e 15 normotensas (49,5 ± 6,64 anos) foram submetidas a 24 sessões de Pilates, 2 vezes por semana com duração de 60 minutos cada sessão. Foram medidas antes e logo em seguida o termino de cada sessão, a pressão arterial e a frequência cardíaca. Para a análise da CK foi realizada uma coleta de sangue 72 horas antes do início do treinamento físico e 72 h após a 24ª sessão de Pilates. Na análise dos dados para comparação dos grupos foi utilizado ANOVA two way para medidas repetidas e o teste T de Student para amostras não pareadas. Resultado: Não foi encontrada diferença significativa na pressão arterial e frequência cardíaca para ambos os grupos (p>0,05), entretanto, na análise da CK foi encontrada diferença significativa entre o grupo de mulheres hipertensas (p =0,0218). Conclusão: O método pilates não interferiu significativamente na PA e FC de ambos os grupos avaliados, entretanto, diminuiu significativamente o nível da creatina quinase no grupo das mulheres hipertensas.

2016
Descrição
  • JOÃO BARBOSA PEREIRA JÚNIOR
  • EFEITO AGUDO DA ACUPUNTURA, ATIVIDADE FÍSICA LÚDICA E REALIDADE VIRTUAL SOBRE A DOR APÓS CIRURGIA CARDÍACA
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 31/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A prescrição de atividade física no pós-operatório para pacientes submetidos à toracotomia para cirurgia cardíaca possui grande importância para a reabilitação e o controle álgico. Contudo, compreender os benefícios das inúmeras possibilidades de intervenção faz-se necessário, logo, o presente estudo objetivou avaliar o efeito de atividade lúdica, da utilização da realidade virtual, bem como da acupuntura para atenuar a dor dos pós-operatória da unidade cardiotorácica submetidos à cirurgia cardíaca. Para tanto, a amostra foi composta de 27 pacientes com idades entre 45 a 65 anos submetidos à toracotomia para cirurgia cardíaca, sendo aplicadas as escalas visuais analógica (EVA) e numérica (EVN) para a análise de mitigação da dor, bem como mensuração da pressão arterial (PA) e da frequência cardíaca (FC) pré e pós intervenções. Os participantes foram divididos em quatro grupos no pós-operatório: a) Realidade Virtual utilizando um único jogo que não necessita de controle no PS4; b) Acupuntura elétrica em corrente mista de 4hz à 10hz; c) Atividade Lúdica na forma de basquetebol adaptado à realidade hospitalar e; d) Grupo controle que seguiu os procedimentos habituais do hospital. A análise estatística foi realizada através de medidas de tendência central e variância, sendo a significância estatística adotada menor que 0,05. Após os programas de intervenção dos pacientes e da alta hospitalar, verificou-se que a realidade virtual e a acupuntura melhoraram satisfatoriamente a dor auto relatada dos pacientes (p<0,05), sendo que o período pós-acupuntura obteve significativo controle álgico em relação as demais intervenções (p<0,05). Com relação aos parâmetros cardiovasculares, a acupuntura demonstrou maior efetividade (p<0,05), com redução da PAS e da FC. Concluímos que a eletro-acupuntura é a intervenção mais eficaz para mitigar a dor e controlar as variáveis hemodinâmicas, em relação as demais sessões, sendo que a Realidade Virtual também é satisfatória para o controle do quadro álgico, sendo um recurso lúdico de intervenção.

  • JOCARLA DA CONCEIÇÃO CHAGAS
  • EFEITO AGUDO DO NÚMERO DE SÉRIES DE EXERCÍCIOS DO MÉTODO PILATES NAS RESPOSTAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES HIPERTENSAS.
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 26/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Método Pilates, caracterizado como exercício de força, tem se mostrado benéfico no fortalecimento muscular, condicionamento físico e redução do percentual de gordura. Contudo, poucos estudos investigaram o seu efeito sobre as respostas cardiovasculares, além de apresentarem lacunas no que se refere as variáveis de treinamento. Objetivo: Avaliar os efeitos agudos do número de séries de exercícios do método Pilates nas respostas cardiovasculares em mulheres hipertensas. Métodos: Dezessete mulheres, sendo oito hipertensas (59 ± 1,7 anos) e nove normotensas (57 ± 1,6 anos) foram submetidas a uma sessão de Pilates composta por 15 exercícios com uma ou três séries, ambas com 10 repetições, intervalo de um minuto de repouso entre as séries e intensidade moderada. Foram realizadas medidas de pressão arterial (PA) e frequência cardíaca (FC) durante 20 minutos, previamente ao exercício, e por 60 minutos, após as sessões. Resultados: A análise entre grupos demonstrou que o número de série não interferiu nas respostas de PA, FC e duplo produto (DP). Na análise intragrupos verificou-se redução da FC em todos os grupos. No grupo de hipertensas foi observado redução do DP após ambas as sessões de Pilates, e no grupo de normotensas somente após a sessão com uma série. Conclusão: O comportamento das variáveis, após uma sessão de exercícios, demonstra que realizar uma ou três séries de exercícios do método Pilates não interfere nas respostas cardiovasculares de mulheres hipertensas.

  • ELENILTON CORREIA DE SOUZA
  • CARACTERIZAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DE OBESOS E IDOSOS SUBMETIDOS A 12 SEMANAS COM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 25/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A obesidade é considerada um dos maiores problemas de saúde pública, resultando em incapacidades e mortes. É uma doença crônica de ordem multifatorial, caracterizada pelo balanço energético positivo, que está relacionada ao surgimento de outras doenças crônicas não transmissíveis. Devido às alterações biomecânicas geradas, indivíduos acima do peso adquirem limitações e déficits funcionais, comprometendo as atividades da vida diária. Um outro fenômeno é o aumento do número de idosos, visto que a população está em fase de transição demográfica, daí as projeções mostram que para os próximos anos haverá mais idosos do que crianças e jovens. Esse comportamento também está relacionado com a perda da capacidade funcional e com a redução da qualidade de vida. Dessa forma, as recomendações da prática regular de exercício físico vêm aumentando como forma de prevenir ou melhorar capacidades físicas nessas populações. Os treinamentos mais utilizados na prática são: Treinamento Funcional, Treinamento de Endurance e o Treinamento Tradicional. Porém, ainda não há um consenso de quais desses métodos de exercícios podem ser mais adequados para indivíduos obesos e idosos no que se refere à aquisição de ganhos na funcionalidade através de um instrumento de classificação específica, tal como é a Classificação Internacional de Funcionalidade. Sendo assim, esta dissertação foi composta por três estudos que, embora independentes, buscaram de forma associada verificar os efeitos desses treinamentos sobre a funcionalidade de grupos específicos. Os estudos tiveram como objetivos: a) defender a aplicação prática da CIF como forma de complementar uma avaliação funcional relacionada ao método TF. b) mensurar e classificar a funcionalidade de sujeitos com sobrepeso antes e após 12 semanas com dois métodos de treinamento físico. c) associar a CIF com a qualidade de vida, qualidade de movimento e testes de capacidade funcional em idosas antes e após 12 semanas com dois métodos de treinamento. Para Tal, o primeiro estudo buscou através de uma reflexão discursiva apresentar possibilidades de aproximação entre a CIF e o TF. No segundo, 62 participantes com sobrepeso participaram de protocolo experimental, em que 31 realizaram durante 12 semanas o TF e 31 realizaram o TE, sendo que no momento pré e pós intervenção todos passaram pela avaliação de qualidade de movimento e por testes de capacidades físicas, em que todos os scores foram associados com os qualificadores da CIF para expressar o perfil de saúde funcional em ambos os momentos. Já no terceiro estudo, por fim, 24 idosas foram divididas randomicamente no grupo de treinamento funcional (n=12) e treinamento tradicional (n=12). Foram avaliadas a qualidade de vida, a qualidade de movimento e a capacidade funcional, sendo que todos os scores foram associados a CIF no pré e pós treinamento de 12 semanas. De um modo geral, ocorreram alterações significativas na maioria das variáveis analisadas para ambos os grupos. Foi possível concluir que a CIF pode ser utilizada em grupos específicos para verificar mudanças no perfil de saúde funcional em virtude de determinados treinamentos físicos, contanto que a estratificação para o uso de seus qualificadores associados aos scores dos testes respeitem os intervalos percentuais propostos no documento da CIF, para que dessa forma o método utilizado seja correto e reprodutível.

  • JÚLIO CÉZAR DANTAS SANTOS
  • ATIVIDADE FÍSICA COM REALIDADE VIRTUAL EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA INTRADIALÍTICO NA FRAGILIDADE E QUALIDADE DE VIDA
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 24/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O doente renal crônico dialítico caracteriza-se por apresentar vulnerabilidade a alterações físicas e emocionais, acarretando na redução da qualidade de vida do mesmo. A realidade virtual, que muitas vezes proporciona a quebra da monotonia e pode gerar uma maior integração dos pacientes durante a hemodiálise, é uma possibilidade de aumentar a qualidade de vida desses sujeitos. Objetivo: a prática de atividade física através da realidade virtual intradialítica na melhora dos níveis de fragilidade e qualidade de vida dos pacientes submetidos a hemodiálise. Métodos: É um ensaio clínico do tipo II, controlado e randomizado. O estudo foi realizado com um grupo de controle (GC) e outro de intervenção (GI), onde foram aplicados os testes de velocidade de marcha (T10) e o questionário KDQOL em ambos, na primeira e na décima segunda semana. O GI participou de exercícios através da realidade virtual três (03) vezes por semana, utilizando o Nintendo Wii® e os jogos Wii Sports e Wii Fit durante doze (12) semanas enquanto que o grupo de controle seguiu os procedimentos habituais da clínica não sendo submetidos a nenhum tipo de atividade física. Resultados: O GI obteve diminuição significativa de pacientes frágeis de 45,5% dos sujeitos chegando a 0%, enquanto que o GC teve um aumento de 10% após doze (12) semanas. Em relação aos componentes de fragilidade, houve melhora significativa na capacidade física do GI (p<0,05). No que diz respeito à qualidade de vida, o GI obteve êxito progressivo quando relacionado ao componente físico dele. Os valores basais (p<0,05), por sua vez, não apresentaram diferença estatística no componente emocional. Conclusão: A atividade física através da realidade virtual em pacientes que estão submetidos à hemodiálise melhora o nível de fragilidade, dentre eles o perfil da capacidade funcional, bem como possibilita uma melhora na qualidade de vida quando relacionado aos aspectos físicos desses pacientes renais.

  • BÁRBARA LÚCIA FONSECA CHAGAS
  • Efeitos da redução de carboidratos da dieta associada a exercício físico em um programa de perda de peso para obesos
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 08/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A restrição de carboidratos na dieta tem sido utilizada como estratégia na perda de peso corporal e de melhoria de indicadores hormonais, no entanto, não se tem claro na literatura o quanto da redução deste nutriente, principalmente quando associada à prática de exercício físico, pode ocorrer sem consequências prejudicais à saúde entre indivíduos com excesso de peso. O estudo teve como objetivo analisar a adesão dietética de indivíduos inseridos no programa de perda de peso e o efeito da adoção de dietas com diferentes teores de carboidratos sobre a perda de peso, composição corporal e marcadores hormonais de indivíduos sobrepesados. O estudo é de caráter experimental do tipo clínico aleatório. Os indivíduos foram alocados em dois grupos, com baixo teor de carboidratos (R-CHO) e o outro com teores adequados (A-CHO), em que todos os indivíduos estiveram inseridos em sessões de treinamento (3x/semana). Todos foram avaliados no início ao final de 12 semanas do programa. Ambos os grupos apresentaram semelhanças sobre a redução dos parâmetros antropométricos avaliados, porém o grupo com redução de carboidratos da dieta apresentou maiores escores de dificuldades no seguimento dietético de refeições noturnas (p<0,05), bem como reduções, ao longo das 12 semanas de intervenção, nas taxas hormonais de t4, t4 livre e testosterona (p<0,05). A restrição calórica associada à prática de treinamento regular sem necessariamente a redução de carboidratos, são capazes de favorecer a perda de peso e melhoria na composição corporal, além de alterações hormonais características no processo de perda de peso, podendo também ser mantida com menores relatos de dificuldades de adesão.

  • DAYANNE DA COSTA
  • IMPACTO DA RESTRIÇÃO ENERGÉTICA PARA PERDA DE PESO COM DIFERENTES PROPORÇÕES DE CARBOIDRATOS NA DIETA DE PRATICANTES DE BRAZILIAN JIU-JITSU
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 08/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: Os esportes de luta nos torneios são divididos por faixas rígidas de peso, visando equilibrar as disputas, minimizando as diferenças entre os competidores. Um dos métodos para perda de peso rápida é a restrição calórica com consequente diminuição do carboidrato, que apesar da sua eficácia tem sido uma área de controvérsia. OBJETIVO: analisar o efeito de duas estratégias nutricionais para perda de peso gradual com diferentes proporções de carboidratos. MÉTODOS: Estudo do tipo clínico, com 18 atletas de Brazilian Jiu-Jitsu, durante dois meses com intervenção dietética de 28 dias, a amostra foi dividida em dois grupos (redução de carboidrato – R-CHO e adequado carboidrato - A-CHO). Foram avaliados o estado nutricional, composição corporal, estado psicológico, parâmetros hormonais e testes físicos, além de monitoramento dietético. A análise estatística utilizada foi a Anova two-way, tendo como nível de significância p≤0,05. RESULTADOS: A maioria dos atletas (88,9%) de ambos os grupos conseguiram obter a perda de peso com adequação da categoria (>3%), e consequente diminuição do IMC e do percentual de gordura, sem utilizar da desidratação. A potência de membros inferiores foi significativamente maior após intervenção nutricional para o grupo de R-CHO. Já em relação aos dados hormonais houve aumento do T4 para o grupo R-CHO e diminuição de T4 livre para o grupo A-CHO. Em relação ao monitoramento de adesão da dieta, ambos os grupos diminuíram calorias diárias, e apenas o grupo R-CHO teve diminuição significativa do carboidrato, sem diminuir frequência de treinos e sem alteração do humor. CONCLUSÃO: Os atletas submetidos a uma dieta com redução de carboidrato e treinamento regular, obteve perda de peso eficaz, sem alteração negativa de desempenho físico e minimizando alterações hormonais.

  • ANA CAROLINA SANTOS BARBOSA MACHADO
  • MANIPULAÇÃO DE CARBOIDRATOS ASSOCIADO A TREINAMENTO FÍSICO CONTÍNUO E INTERMITENTE EM INDIVÍDUOS COM EXCESSO DE PESO.
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 05/08/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO Dada a atual condição epidemiológica sobre a obesidade, atualmente, estudam-se novas medidas de prevenção, controle e tratamento do excesso de peso e da melhora do perfil cardiometabólico. Dentre as medidas adotadas, sabe-se que a manipulação do carboidrato da dieta asociado ao exercício físico regular trazem benefícios sob a composição corporal e capacidade cardiometabólica. OBJETIVO Diante disso, a dissertação consiste em dois objetivos: a) comparar as alterações na composição corporal e na aptidão física em sobrepesados e obesos submetidos a um programa de perda de peso de 12 semanas; e, b) avaliar a efetividade redução de carboidrato sobre a composição corporal e marcadores cardiometabólicos de mulheres obesas sedentárias. Foram conduzidos dois estudos: METODOLODIA Participaram do estudo 33 indivíduos adultos com excesso de peso e sedentários submetidos a dois tipos de exercícios físicos: intermitente e contínuo do estudo. Já no estudo dois, 24 mulheres obesas sendo 8 consumindo dietas com adequado teor de carboidrato (A-CHO) e 16 consumindo dietas com redução de carboidrato (R-CHO) realizando exercício físico contínuo semi-supervisionado por 12 semanas Foram aferidos para os estudos perfil antropométrico (peso, circunferências abdominal e do quadril, peso em gordura e percentual de gordura), bioquímico (colesterol e suas frações, ALT, AST, ácido úrico, ureia, glicemia) e testes físicos (neuromusculares e cardiovasculares). Utilizou-se ANOVA two-way para análise dos dados, e nível de significância de 5%. RESULTADOS Houve perda de peso, redução da circunferências da cintura e do abdômen ao longo do tempo em ambos os estudos (p<0,05). As variáveis de aptidão física avaliadas no primeiro artigo, sofreram alterações positivas ao longo do tempo (p<0,05). Houve melhoria do perfil lipídico e hepático dos indivíduos do estudo dois ao longo do tempo (p<0,05). Não houve interação entre os exercícios e nem entre os tipos de dieta (p>0,05). CONCLUSÃO A melhora do perfil alimentar associado a prática de exercício físico regular em obesos provocam melhorias na composição corporal, perfil cardiometabólico e aptidão física independente do tipo de dieta ou do tipo de exercício físico.

  • MICHEL HABIB MONTEIRO KYRILLOS
  • MOTIVOS PARA A PRÁTICA ESPORTIVA E O SENSO DE AUTOEFICÁCIA EM ATLETAS SERGIPANOS
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 28/07/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente, a prática esportiva é um fenômeno social que inclui uma série de fatores psicológicos que podem ser determinantes na conduta esportiva. Assim, o estudo dos fatores motivacionais e das crenças de autoeficácia é essencial para o desenvolvimento e manutenção dos atletas em programas esportivos. Sendo assim, os objetivos dessa dissertação são: a) identificar e analisar os motivos para a prática esportiva e a autoeficácia em atletas sergipanos; b)comparar os motivos para a prática esportiva e a autoeficácia em atletas que recebem ou não auxílio financeiro do programa Bolsa Atleta (estudo 1); c) analisar os motivos para a prática esportiva de atletas de esportes individuais (estudo 2); d) analisar os fatores influenciadores da autoeficácia de atletas de esportes individuais (estudo 3). Foi identificado que em todos os atletas os motivos extrínsecos são predominantes assim como uma alta autoeficácia, havendo variação em relação a presença de auxílio financeiro. Quando analisados apenas os atletas de esportes individuais, os resultados indicam que os principais motivos de participação são os considerados extrínsecos, como a competição, aptidão física e competência técnica. Vários são os fatores que influenciam a autoeficácia em atletas de esportes individuais, sem existir um fator predominante. Conclui-se que os motivos apresentados como os mais importantes foram Competição, Competência Técnica e Aptidão Física, considerados como extrínsecos e que a autoeficácia sofre variação em função do atleta possuir ou não o auxílio financeiro. Nos esportes individuais, os fatores motivacionais mais valorizados foram a Competição, a Competência Técnica e a Aptidão Física, que são considerados como motivos extrínsecos. Quanto maior a experiência e maior o nível competitivo, ocorre uma diminuição na pontuação média dos motivos que levam os atletas a realizarem uma prática esportiva. Possivelmente aautoeficácia varia em função da modalidade esportiva que se pratica, onde os atletas da Natação apresentaram um senso de autoeficácia maior que os demais. O sexo, a idade, o tempo de prática e o nível competitivo, por si só, não são determinantes para influenciar a autoeficácia.

  • LUAN MORAIS AZEVEDO
  • Cinética pressórica e biodisponibilidade do óxido nítrico após o fracionamento de exercício concorrente em mulheres hipertensas.
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 26/04/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O exercício físico atua positivamente contra os agravos correlatos à hipertensão arterial sistêmica, doença crônica e não-transmissível que incide aproximadamente 30% da população mundial. Contudo, embora haja inúmeros estudos que investigaram as respostas fisiológicas do exercício nesta população, estudar a “dose-resposta” do seu fracionamento ao longo do dia faz-se necessária, permitindo novas possibilidades de prescrição. Deste modo, o presente estudo teve como objetivo avaliar as respostas pressóricas em até 24h após o fracionamento de uma sessão de exercício concorrente, bem como a biodisponibilidade do óxido nítrico em mulheres hipertensas. Para tanto, participaram voluntariamente do presente estudo 11 mulheres hipertensas de meia-idade (57,45 ±5,13 anos) submetidas a 3 sessões experimentais e um dia controle (SC). Nas sessões manhã (SM) e noite (SN) o exercício foi realizado integralmente pela manhã e pela noite, respectivamente. Na sessão fracionada (SF), realizou-se 50% do volume pela manhã e os demais 50% no turno da noite. Verificou-se que a SM proporcionou maior decaimento e menor reatividade pressórica (p<0,05) para a pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e para a pressão arterial média (PAM) 1h após o exercício, quando comparada à SC. A SM também foi mais eficaz em promover hipotensão pós-exercício para a PAS que as sessões SN e SF, além de promover maior atenuação à reatividade pressórica (p<0,05) que as sessões SN, SF e SC. Ao analisar a cinética pressórica nas 24h subsequentes ao exercício, foi evidenciado que a SF promoveu menor área abaixo da curva pressórica (p<0,05) para a PAS, PAD e PAM no período do sono, além de maior biodisponibilidade (p<0,05) do óxido nítrico que as demais sessões. Neste sentido conclui-se que a SF foi mais eficaz em promover valores pressóricos reduzidos de PA nas 24h subsequentes à prática de exercício físico que as demais sessões, ainda que esta redução não tenha sido evidenciada de forma aguda, como observada após a SM.



  • FABIANA MEDEIROS DE ALMEIDA SILVA
  • COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO E FATORES ASSOCIADOS EM ADOLESCENTES DO NORDESTE DO BRASIL
  • Data: 29/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Comportamento sedentário é o termo utilizado para caracterizar um conjunto de atividades com gasto energético próximo aos valores de repouso e normalmente realizadas na posição sentada. Objetivos: Analisar os fatores associados à exposição ao comportamento sedentário em adolescentes. Métodos: Este estudo é uma análise secundária dos dados de um levantamento epidemiológico de delineamento transversal com amostra representativa de estudantes do ensino médio da Rede Pública Estadual de Sergipe, composta por 3.992 escolares, com idade entre 14 e 19 anos. Os dados foram coletados mediante questionário auto administrado. O tempo em atividades como assistir televisão, jogar no computador, conversar com os amigos, jogar cartas ou dominó foi usado como medida do comportamento sedentário (>2 horas/dia = exposto). Variáveis como: nível de atividade física habitual, tabagismo, uso de drogas, consumo (frutas e verduras, refrigerante, álcool), indicadores de estresse psicossocial (percepção negativa de estresse, sentimento de solidão, dificuldade para dormir), fatores demográficos (sexo, idade, cor da pele) fatores socioeconômicos (série escolar, turno de estudo, reprovação, local de residência, escolaridade materna, renda familiar) foram analisadas. Recorreu-se à regressão logística binária para análise de associação entre as variáveis. Resultados: A prevalência de exposição ao comportamento sedentário foi de 46,7% e associou-se ao baixo nível de atividade física (OR=1,18; IC95%1,01-1,38), consumo de refrigerantes (OR=1,26; IC95%1,10-1,43), sentimento de solidão (OR=1,19; IC95%1,05- 1,36) percepção negativa de estresse (OR=1,31; IC95%1,12-1,53), dificuldade para dormir (OR=1,20; IC95%1,05-1,37), sexo feminino (OR=1,33; IC95%1,14- 1,55), menor faixa etária (OR=1,51; IC95%1,18-1,94), série inicial do ensino médio (OR=1,29; IC95%1,05-1,59), turno diurno de estudo (OR=1,21; IC95%1,02-1,45), local de domicílio em área urbana (OR=1,25; IC95%1,08- 1,46), maior escolaridade materna (OR=1,58; IC95%1,21-2,06), não trabalhar (OR=1,57; IC95%1,31-1,89) e classe econômica mais privilegiada (OR=2,22; IC95%1,82-2,72). Conclusões: Foi evidenciada alta prevalência de exposição ao comportamento sedentário e associação com características demográficas, ix socioeconômicas e comportamentais dos adolescentes. São sugeridas intervenções para reduzir o sedentarismo entre os jovens, especialmente, nos subgrupos de maior exposição.

  • RODRIGO MIGUEL DOS SANTOS
  • ALTERAÇÕES RENAIS E CARDÍACAS DECORRENTES DO TREINAMENTO DE FORÇA NA HIPERTENSÃO EXPERIMENTAL: EFEITOS MORFOLÓGICOS E NO ESTRESSE OXIDATIVO
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 29/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco associados às morbidades e mortalidade cardiovasculares, causando a morte de milhões de pessoas por ano. E na hipertensão o estresse oxidativo está aumentado, podendo ser este o motivo ou uma consequência da elevação da pressão arterial. Nos últimos anos o exercício físico tem se mostrado como uma alternativa para a prevenção e tratamento da hipertensão por reduzir a pressão arterial, assim como tem sido demonstrada a capacidade de o treinamento de força melhorar a defesa antioxidante em normotensos. Desta forma, os objetivos desta dissertação foram: (1) avaliar o efeito de uma sessão de exercício de força de baixa intensidade sobre os indicadores de estresse oxidativo no músculo cardíaco de ratos hipertensos; (2) avaliar os efeitos do treinamento de força sobre a hipertrofia renal e cardíaca induzida pela hipertensão renovascular; (3) avaliar os efeitos do treinamento de força sobre o estresse oxidativo renal em ratos com hipertensão renovascular. Verificamos que o exercício de força é capaz de reduzir os danos oxidativos através do aumento da atividade das enzimas antioxidantes no coração. Estes efeitos são similares no rim quando é realizado o treinamento de força de forma crônica na hipertensão renovascular. Foi possível verificar que o treinamento de força tem efeitos benéficos na hipertensão renovascular e é capaz de reduzir a pressão arterial média e frequência cardíaca, além de reverter a hipertrofia do rim contralateral e do coração.

  • MARCOS ANTONIO MATTOS DOS REIS
  • FATORES DETERMINANTES DA APLICAÇÃO DO CONHECIMENTO ESPECÍFICO DE JOVENS FUTEBOLISTAS.
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 26/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O conhecimento específico dos jogadores de futebol consiste na capacidade de solução dos problemas advindos de um ambiente de jogo complexo, imprevisível e caótico, emergindo da interação entre a tática e a técnica. A tática consiste na capacidade de administração do espaço de jogo a partir de comportamentos táticos oriundos de princípios táticos. A técnica consiste em habilidades motoras específicas realizadas prioritariamente com a bola e que materializam a inteligência de jogo do jogador. Desta forma, é possível que fatores biopsicossociais influenciem de maneira direta a formação e o desenvolvimento do conhecimento específico de jogadores de futebol. São exemplos desses fatores, o perfil de liderança dos treinadores, a idade relativa, a maturação somática, a idade motora, e a assimetria funcional técnica. Sendo assim, esta dissertação foi composta por quatro estudos que, embora independentes, buscaram de forma associada verificar os efeitos desses fatores sobre a manifestação do conhecimento específico de jovens futebolistas. Sucintamente os estudos visaram responder as seguintes questões: a) Qual o perfil de liderança dos treinadores de futebol das categorias de base de Aracaju/SE? b) Jogadores nascidos nos primeiros meses do ano apresentam comportamento tático diferenciado daqueles nascidos nos últimos meses? c) Em que medida a maturação somática e a idade motora influenciam o comportamento tático em jovens jogadores? e d) A proporção de uso dos pés preferido e não preferido (assimetria funcional técnica) nas ações técnicas afeta o comportamento tático em jovens jogadores? Foram avaliados 22 treinadores e um total de 152 jogadores de equipes que disputaram os Campeonatos de Base 2015, promovidos pela Federação Sergipana de Futebol. O perfil de liderança dos treinadores foi determinado pela Escala de Liderança Revisada para o Esporte. O comportamento tático e a assimetria funcional técnica foram avaliados por meio da análise de jogo, sendo aplicados os protocolos FUT-SAT e SAFALL-FOOT, respectivamente. A idade relativa foi estratificada em quadrimestres referentes ao mês de nascimento. A maturação somática foi identificada a partir da distância (em anos) de cada jogador do pico de velocidade de crescimento. Por fim, a idade motora foi estabelecida pela bateria de testes de Lincoln-Oseretsky. Os treinadores de Aracaju apresentam estilo de decisão predominantemente autocrático, e de elevado reforço positivo e treino-instrução. O desempenho tático não sofreu influência da idade relativa, do nível de maturação somática, da idade motora ou da assimetria funcional técnica, muito embora a eficiência tática fosse parcialmente influenciada.

  • FABIO JORGE SANTOS DE CASTRO
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE OS COMPONENTES DA APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE E DESEMPENHO ESCOLAR DE ADOLESCENTES.
  • Orientador : ANTONIO CESAR CABRAL DE OLIVEIRA
  • Data: 26/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: níveis adequados de aptidão física são reconhecidos por benefícios à saúde, sendo possível relacioná-los com a prevenção de várias doenças. Todavia, a associação entre aptidão física e desempenho escolar ainda não está estabelecida na literatura e tem sido uma preocupação atual, considerando o processo de desenvolvimento do ser humano num contexto global. Objetivo: Verificar a associação entre os componentes da aptidão física relacionada à saúde e o desempenho escolar de adolescentes. Métodos: estudo descritivo e transversal. A amostra foi composta por 326 adolescentes com idades entre 15 e 18 anos do Instituto Federal de Sergipe (IFS). Os dados relativos à aptidão física foram coletados mediante aplicação da bateria de testes da American Aliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance e os relativos ao desempenho escolar (boletins de notas) foram obtidos junto à coordenação de registro escolar do IFS. Recorreu-se à regressão logística binária para análise de associação entre as variáveis. Resultados: as moças apresentaram menor prevalência (p<0,05) de inaptidão na flexibilidade (FLEX) e os rapazes na força/resistência muscular (FRM). Na composição corporal (CC) e resistência cardiorrespiratória (RC), não houve diferença entres os grupos (p˃0,05). Sobre o desempenho escolar, a prevalência de aprovação geral foi de 86,3%, sem diferença significativa (p˃0,05) entre os desempenhos dos grupos nas três áreas do conhecimento juntas e na área das ciências humanas (CH) isolada. Todavia, nas áreas das linguagens e códigos (LC) e ciências da natureza (CN), as moças apresentaram desempenho superior aos rapazes (p<0,05). A área das CN apresentou a maior prevalência (p<0,05) de inaptos, 24,5%, contra 12,8% das CH e 8,8% das LC. Por fim, não houve associação da CC e da Flex com o desempenho escolar (p˃0,05), a FRM associouse com o desempenho escolar somente antes do controle de possíveis fatores de confusão (OR=2,78; IC95%=1,08-7,13) e a RC associou-se tanto antes do controle de possíveis fatores de confusão (OR=2,15; IC95%=0,98-4,75) quanto depois do ajuste por sexo e idade (OR=2,39; IC95%=1,05-5,44). Conclusão: houve associação entre o componente resistência cardiorrespiratória e o desempenho escolar de adolescentes.

  • JOÃO BOURBON DE ALBUQUERQUE II
  • AVALIAÇÃO DE UMA COORTE DE JOGADORES DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA CIDADE DE ARACAJU-SE
  • Orientador : WALDERI MONTEIRO DA SILVA JUNIOR
  • Data: 23/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Lesões decorrentes da prática do futebol são extremamente comuns e geram alto custo. Estudos epidemiológicos na área, escassos no Nordeste brasileiro,permitem a identificação de fatores de risco e a criação de estratégias de prevenção.Objetivos:Determinara incidência de lesões e analisar os fatores associados. Métodos:Estudo observacional prospectivo, no qual atletas de futebol masculino foram avaliadoscom preenchimento de ficha de dados, do questionárioShort form-36 e através de exame físico ortopédico. Avaliações ocorreram na pré-temporada e a cada três meses. Foi realizada análise em separado para dados da linha de base (estudo 2) e da coorte (estudo 1), tendo sido utilizados métodos descritivos, testes para avaliação inferencial e elaborado modelo de equações estruturais, além de efetuado o cálculo da densidade de incidência.Resultados:Na primeira avaliação, 59 atletas apresentaram idade média de 26.2 anos (IC95%: 25.1 a 27.3 anos), sendo 51% (30/59) do Sergipe e 49% do Confiança. Vinte lesões foram identificadas, sendo a maioria (65%) no jogo, envolvendo algum trauma (80%) e na ausência de chuva (90%). Membros inferiores foram o local mais acometido e o estiramento da coxa, a lesão mais comum (75%, 15/20). Houve forte associação entre componentes psicossocial e físico do questionário SF-36 dos atletas lesionados. A coorte durou sete meses e contou apenas com atletas sadios, sendo 20 Sergipe e 19 do Confiança, com idade média de 26 anos (IC95%: 25,2 a 28 anos), e duração média da carreira de 9,6 anos (IC95%: 7,9 a 11,3 anos). As 13 lesões (2,4/1000horas) ocorreram quase exclusivamente nos membros inferiores e o estiramento muscular da coxa foi a lesão mais comum. Não houve associação significativa com qualquer das variáveis. Para ambos os estudos, as lesões foram, majoritariamente, leves a moderadas e maioria dos atletas retornou às atividades apresentando sintomas.Conclusões: As lesões ocorreram em pequeno número, mas mantendo padrão de ocorrência semelhante ao observado na literatura.

  • GILENE DE JESUS PEREIRA
  • Respostas cardiovasculares associadas ao intervalo interséries de exercício resistido em mulheres hipertensas sob controle farmacológico.
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 29/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O exercícioresistido (ER) é indicado como complemento aos programas de exercícios aeróbios para controle da hipertensão arterial. Porém, sabe-se que durante o ER pode ocorrer pico pressórico e risco aumentado de evento cardiovascular em indivíduos hipertensos. Sabe-se que a intensidade de esforço, volume de exercício e fadiga muscular potencializam tais efeitos. Os efeitos do tratamento farmacológico e do tempo de descanso interséries ainda não foram investigados. Assim, o objetivo desse estudo foi verificar em mulheres hipertensas submetidas a um exercício resistido os efeitos do tratamento farmacológico e do tempo de descanso interséries (30s, 60s e 90s) nas respostas de pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD), frequência cardíaca (FC) e duplo produto (DP).Dezenove mulheres hipertensas, com idade média de58,5±5,2 anos e IMC,29,4±4,9Kg/m2, foram divididas em grupos: controlado (n=6), descompensado (n=8 e não tratado (n=5), participaram do estudo. Os sujeitos foram submetidos a um teste de 1RM, na cadeira extensora e realizaram três sessões de exercício resistido (3x12 a 60% de 1RM de extensão de joelhos). Cada sessão foi realizada com um intervalo interséries diferente (30, 60 e 90 segundos). Foi utilizado ANOVA de 2 vias para medidas repetidas, com pós teste de Tukey, estabelecendo nível de significância de p<0,05.No grupo controlado, não houve diferença significativa de PAD, FC e DP em nenhum dos intervalos (p>0,05), enquanto a PAS foi maior quando o intervalo interséries foi de 30s (p= 0,0204). Nos grupos descompensado e não tratado, houve elevação de todas as variáveis, comparadas ao repouso (p<0,05)independentedo tempo de descanso, contudo a análise não mostrou diferença significativa entre os diferentes intervalos de descanso (p>0,05).Picos pressóricos atingidos durante o exercício, no grupo controlado (PAS: 171,3±14 e PAD: 99,5± 11mmHg) foram menores que os picos atingidos pelos grupos descompensado (216,1±11 e PAD: 132,5±16mmHg) e não tratado (216,8±21 e PAD: 133,6±13). Dessa forma, seo quadro hipertensivo não está controlado, o esforço cardiovascular aumenta significativamente durante o ER e o controle farmacológico mostra-se efetivo para diminuir esse esforço durantea sessão de ER. Portanto, a condição de controle do quadro hipertensivo influencia as respostas cardiovasculares ao ER, mas não o intervalo de descanso entre séries.Dessa forma, podemos sugerir que o efetivo controle da PA, através do tratamento farmacológico pode diminuir o risco de pico pressórico durante a prática do exercício resistido.

  • BRUNO FARIAS CASTRO
  • EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO COM KETTLEBELL SOBRE A FORÇA MUSCULAR E A QUALIDADE DE MOVIMENTO APÓS DIFERENTES EXECUÇÕES, VOLUMES E INTENSIDADES
  • Orientador : MARZO EDIR DA SILVA
  • Data: 28/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Desde que foi reintroduzido nos Estados Unidos em 2001, o treinamento com Kettlebell cresceu exponencialmente entre atletas profissionaise amadores das mais diversas modalidades. O principal argumento utilizado pelos disseminadores desta metodologia foi o fato de que seus exercícios balísticos seriameficientes para gerar adaptações positivas na força e potência muscular e na resistência cardiorrespiratória simultaneamente, além de ser uma atividade de extremo consumo energético. Tais afirmações são atualmente suportadas por respeitadas publicações científicas entretanto,ainda não está claro cientificamente se existe diferentes adaptações entre as duas formas mais comuns de praticar oswing, exercício fundamental no treinamento com Kettlebell.Assim como, também não é de conhecimento científico, a dose de treinamento com kettlebellmais eficientepara que ocorram positivas adaptações nas capacidades físicas.Foram então desenvolvidos dois estudos com os seguintes objetivos:a) Comparar as duas formas mais comuns de execução do exercício swing, unilateral e bilateral (estudo um); b) Comparar duas típicas rotinas de treinamento com kettlebell com diferentes volume e intensidade (estudo dois). Participaram desta pesquisa estudantes universitários fisicamente ativos, sem experiência (estudo um) ou com experiência (estudo dois) em treinamento com kettlebell.Os resultados dos nossos estudos sugerem que: a) As duas formas de execução do exercício swing, unilateral e bilateral, são eficazes para melhorar a qualidade de movimento, a força muscular e a resistência cardiorrespiratória; b) Independentemente do volume e da intensidade utilizados no protocolo deste estudo, a carga total de treinamento foi o principal responsável pela resposta significativamente positiva na qualidade de movimento, na força e na resistência cardiorrespiratória.

  • ALINE DA SILVA ADÃES MOTTA DOS SANTOS
  • RESPOSTAS PRESSÓRICAS DO PILATES E A INFLUÊNCIA DA RESPIRAÇÃO NA PRESSÃO ARTERIAL
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 28/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A hipotensão pós-exercício (HPE) é uma importante estratégia não farmacológica no tratamento da hipertensão arterial. Ademais, técnicas de controle respiratório têm mostrado efeitos benéficos na redução da pressão arterial (PA). O Pilates é uma modalidade de exercício resistido que utiliza técnica respiratória como princípio de prática, mas suas respostas hemodinâmicas ainda não estão bem delimitadas na literatura. OBJETIVO: verificar as respostas hemodinâmicas agudas após uma sessão de Pilates e se a respiração seria um componente ativo para a redução da PA. MÉTODOS: 30 mulheres (63,7±5,8 anos) foram randomizadas em três grupos (n=10) os quais realizaram uma sessão de três protocolos de exercício: Pilates convencional (SPR), Pilates sem o componente respiratório (SP) e exercícios de respiração (SR), respectivamente (sessões de Pilates: 12 exercícios, 30 segundos de repouso entre as séries; sessão de respiração: 6 ciclos de 30 respirações, quatro minutos de respiração resistiva durante cada ciclo e 1 minuto de repouso entre os ciclos). Para os três grupos foram feitas aferições prévias da PA, por 20 minutos e posteriores ao exercício por 60 minutos.RESULTADOS: Nenhuma das sessões de exercício foi capaz de reduzir os valores da PAS e PAD, tampouco atenuar a reatividade pressórica de sujeitos hipertensos. Não houve diferença significativa entre os grupos embora, qualitativamente, na SR e SP houve uma maior proteção cardiovascular. CONCLUSÃO: Uma única sessão de Pilates não é capaz de reduzir significativamente a PA, tampouco atenuar a reatividade pressórica. Ademais, a técnica respiratória específica do Pilates não foi um componente ativo na redução da PA.

  • JOSIVAN ROSA SANTOS
  • ENVELHECIMENTO, PERCEPÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM GRUPOS DE CONVIVÊNCIA DO BAIXO SÃO FRANCISCO SERGIPANO
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 28/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: o crescimento populacional de idosos tem promovido amplas discussões em torno impacto social e proposições acerca da epidemiologia do envelhecimento. O envelhecimento provoca a redução das funções vitais, dos níveis de saúde e mobilidade podendo ser um fator de agravo à qualidade de vida do idoso. OBJETIVO: identificar o nível de atividade física, a percepção de saúde e qualidade de vida em idosos participantes de grupo de convivência do Baixo São Francisco Sergipano. MÉTODOS: o estudo é uma pesquisa epidemiológica descritiva e transversal. A população foi composta de idosas participantes de grupos de convivência ligados ao CRAS/CREAS. A amostra foi composta por 184 idosas de 11 municípios do Território Baixo São Francisco (SE), com idade de 69±7,16 anos. Utilizou-se os questionários ABEP, WHOQOL-BREF e IPAQ para descrição do nível socioeconômico, a percepção de qualidade de vida e satisfação com a saúde, e níveis de atividade física. Foi utilizada a Regressão logística binária com estimador robusto com nível de significância de 5% organizada em modelos univariados e multivariados. Para tratamento estatístico foi utilizado o SPSS versão 22. RESULTADOS: os principais resultados indicam que os baixos níveis de escolaridade e renda não interferem de forma negativa na percepção de saúde e Qualidade de vida (p=0,271). A utilização de medicamentos (p=0,03) e limitações motoras para doenças relatadas (p=0,02) interferem de forma negativa na percepção de saúde e qualidade de vida. O nível de atividade física não houve diferença significativa, 50,5% apresentaram bons níveis de atividade física. CONCLUSÃO: as relações sociais em grupos de convivência são fatores que favorecem a melhoria da autoestima e a percepção positiva na promoção da saúde e qualidade do idoso, por meiodo envelhecimento ativo, sendo, uma prática a ser considerada como medida de saúde pública em relação a sua sistemática, planejamento e intervenção no processo de envelhecimento.

  • CRISTIANE KELLY AQUINO DOS SANTOS
  • PERMANÊNCIA DE IDOSOS EM UM PROGRAMA COMUNITÁRIO DE ATIVIDADE FÍSICA
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 11/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução:Compreender o tempo de permanência de sujeitos e grupos em Programas de Exercício Físico apresenta-se como fundamental para as políticas de implementação de Programas Comunitários de Atividade Física. Objetivo: Analisar o tempo de permanência de idosos participantes de um Programa Comunitário de Atividade Física. Métodos: estudo observacional epidemiológico de coorte retrospectiva, realizado na cidade de Aracaju-SE Brasil com dados secundários de 526 idosos, com 477 do sexo feminino e 49 do sexo masculino, apresentando 66,4 ± 5,4 anos. Para caracterização do perfil e permanência da amostra foi utilizada a estatística descritiva através de frequências, médias e desvios padrão. Para analisar o tempo de permanência foi utilizado o estimador de sobrevivência não paramétrico de Kaplan-Meier. Para verificar a associação entre as variáveis no tempo observado foi aplicado o modelo de regressão de Cox. Em todas as análises foi utilizado o intervalo de confiança de 95% e p≤0,05. Resultados: Os principais resultados indicam que o tempo médio de permanência foi de 33,5 ± 2,2 meses, que 1% da amostra permaneceu até o final da coorte. O primeiro intervalo apresentou-se como mais crítico com a permanência de 58,17% sendo que apenas 40,51% concluem o primeiro ano. Para todo o intervalo do estudo verificou-se que há uma chance de 45% de permanência para o sexo feminino e de 35% os que relataram ter osteoporose. Quando ajustado por sexo o diagnostico de osteoporose, identificou-se que as chances de permanência dos que relataram não ter osteoporose caíram para 32%. Conclusão: Um pouco mais de 1% da amostra estudada permaneceu até o fim do estudo, as maiores taxas de desistência se encontram nos primeiros três meses, com maior chance de permanência para o sexo feminino e indivíduos que não são acometidos pela osteoporose.

2015
Descrição
  • IVAN DO NASCIMENTO DA SILVA
  • Efeito subagudo do exercício físico sobre a hipertensão arterial sistêmica e qualidade de vida em pacientes da estratégia de saúde da família
  • Orientador : JOSE ADERVAL ARAGAO
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Está bem estabelecido que o exercício exerça efeito hipotensor, fato que o torna um importante método de prevenção, controle e tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), sendo a caminhada o exercício mais conhecido e recomendado por profissionais da Estratégia de Saúde da família (ESF). Apesar disso, nenhum estudo comparou o efeito hipotensor de um programa de caminhada e força com um programa de caminhada, sobre a Pressão Arterial (PA) e a Qualidade de Vida (QV) de hipertensos com mais de 50 anos atendidos pela ESF. Assim, o objetivo do presente estudo foi comparar o efeito subagudo do exercício físico sobre a pressão arterial e qualidade de vida em hipertensos com mais de 50 anos atendidos pela ESF. Foram randomizados 118 indivíduos em grupo caminhada e grupo caminhada mais exercício de força. Antes de iniciarem as atividades, bem como após as 14 semanas de intervenção, os hipertensos passaram por uma avaliação constituída de 5 etapas. Foi constatado redução dos valores da Pressão Arterial (PA), bem como melhora no escore de qualidade de vida de ambos os grupos, sendo mais importante no grupo que realizou caminhada e exercício de força.

  • CHRISTIANNE TENÓRIO DOS SANTOS
  • MOTIVAÇÃO PARA PRATICA ESPORTIVA E SUA RELAÇÃO COM CARACTERÍSTICAS DA PERSONALIDADE EM ATLETAS DE ESPORTES DE COMBATE
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Devido ao crescente número de adeptos às modalidades de esporte de combate e a rotatividade que nelas existem é importante se investigar quais os reais motivos para a procura e a permanência. Vários fatores motivam os indivíduos para a prática esportiva e a força de cada motivo e seus padrões são influenciados pela maneira dele perceber o mundo. Assim como a motivação, a personalidade também pode exercer influência no desempenho em atletas durante uma competição. Devido a isso, o nosso estudo objetivou identificar as motivações para a prática esportiva, as principais características de personalidade e por fim, correlacionar as duas variáveis. Este estudo se caracteriza por ser descritivo, de caráter transversal, do qual participaram 150 atletas de 4 modalidades de esportes de combate (Boxe, Luta Olímpica, Judô e Taekwondo) com idade superior a 18 anos, de ambos os sexos. Para coleta de dados foram utilizados dois instrumentos: Escala sobre Motivos para a Prática Esportiva (EMPE) e o modelo de Cinco Grandes Fatores da Personalidade (CGF). Para análise descritiva dos dados, a avaliação da normalidade da distribuição e comparação das variáveis, sexo e modalidade esportiva utilizou-se os testes não paramétricos de Kruskal-Wallis e Mann Whitney. Os resultados obtidos demostraram que as dimensões motivacionais que receberam maior pontuação foram saúde e técnica, apontando o quanto essas variáveis têm importância para atletas de esportes de combate. Quanto aos traços de personalidade, podemos afirmar que os atletas praticantes de esportes de combate possuem como característica de personalidade mais pontuada a Amabilidade. Por fim, correlacionando o tipo de motivação à prática esportiva aos traços de personalidade em atletas de esporte de combate, concluímos que não há correlação entre as variáveis estudadas.

  • AYRTON MORAES RAMOS
  • EFEITO DO TREINAMENTO CONCORRENTE E DO DESTREINAMENTO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL DE MULHERES HIPERTENSAS
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Poucos estudos investigaram o efeito do Treinamento Concorrente (TC) sobre a pressão arterial, tampouco, as consequências do destreinamento nesta variável, principalmente em indivíduos hipertensos. Sendo assim, o presente estudo objetivou analisar os valores pressóricos de mulheres hipertensas pré e pós 12 semanas de Treinamento Concorrente, bem como após 8 semanas de destreinamento, submetidas a dois diferentes programas de TC [musculação/caminhada (MC) e caminhada/musculação (CM)]. Participaram voluntariamente 40 mulheres hipertensas (56,0 ±5,2 anos), as quais foram distribuídas em dois grupos: MC (n=20) e CM (n=20). Foram observadas diferenças (p≤0,05) para os valores da PAS e PAD, entre MC e CM no momento pré-treinamento, sendo estas utilizadas como co-variáveis nas demais análises. Já no grupo MC, observou-se redução (p≤ 0,05) do momento pós para o pré e aumento no momentodestreinamento. No grupo CM, teve apenas redução (p≤ 0,05) no momento pós para o momento pré. Apenas o grupo MA apresentou diferença (p≤ 0,05) para os valores de PAD, entre os momentos pós e pré-treinamento. Quanto aos valores de DP, houve melhora momento pós para o momento pré-treinamento (p≤ 0,05) e destreinamento (p≤ 0,05) somente no grupo MC. O Treinamento Concorrente, na sequência de musculação e caminhada, apresenta maiores benefícios, principalmente para a pressão arterial de indivíduos hipertensos, sendo que estes são sustentados mesmo após o período de 8 semanas de destreinamento.

  • OBANSHE SEVERO D'ACELINO E PORTO
  • MEDIDA DA CAPACIDADE ANAERÓBICA DE ATLETAS DOS ESPORTES COLETIVOS DE INVASÃO: MAOD E LINE DRILL TEST
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A capacidade anaeróbica é determinante nos resultados dos esportes coletivos de invasão e pode ser avaliada através do Line Drill Test (LDT), que apresenta correlações com o Wingate. Seu resultado, tempo de execução, é comumente obtido utilizando cronômetros manuais. A capacidade anaeróbica também pode ser mensurada pelo máximo déficit de oxigênio acumulado (MAOD), adotado como padrão-ouro para essa capacidade. A versão clássica desse método demanda tempo e custo relativamente elevados, ao passo que a versão alternativa (MAODALT), embora apresente tempo e custos de execução reduzidos, foi validada exclusivamente para o cicloergômetro, o que não satisfaz as solicitações motoras dos esportes coletivos de invasão. A partir deste cenário, foram desenvolvidos três estudos cujo objetivos foram: a) Determinar a fidedignidade dos resultados de registros do tempo de execução do LDT através de cronômetros e da análise de vídeo; b) Validar o protocolo para determinação do MAOD através do MAODALT realizado na esteira ergométrica em atletas de esportes coletivos de invasão; e c) Validar o LDT como medida da capacidade anaeróbica em atletas de desporto coletivo de invasão comparando-o com um teste padrão-ouro e específico para movimento. Participaram da presente pesquisa atletas universitários de basquetebol, handebol e futsal. Houve uma boa concordância entre as medidas de registro do tempo de execução para todas as medidas e não houve diferença significativa (p = 0,999). O MAODALT apresentou alta correlação (r = 0,76; p = 0,030) e boa concordância com o MAOD. Por fim, o MAOD obtido no LDT (MAODLD) apresentou boa concordância com o MAOD clássico e o MAODALT. Nossos resultados sugerem que: a) A utilização tanto de cronômetros como de vídeos para registrar o tempo do LDT é válida e confiável; b) O MAODALT obtido em testes na esteira ergométrica mostrou-se capaz de estimar o MAOD clássico em atletas de esportes coletivos de invasão; e c) O LDT pode ser utilizado para estimar o MAOD, contudo, seu tempo de execução não está associado à medida da capacidade anaeróbica representada pelo MAOD.

  • EDUARDO TELES DE OLIVEIRA
  • CARACTERÍSTICAS E FATORES ASSOCIADOS DOS CORREDORES DE RUA DE ARACAJU.
  • Orientador : ANTONIO CESAR CABRAL DE OLIVEIRA
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Corrida de Rua no Brasil apresenta um crescimento significativo no número de praticantes e isso pode ser refletido no aumento da quantidade de provas realizadas em todo país. Frente a isso identificar o perfil dos seus praticantes pode favorecer a aspectos relacionados ao treinamento, gestão e promoção desta modalidade. O objetivo do presente estudo foi determinar as características e os fatores associados dos corredores de rua de Aracaju. O presente estudo se caracteriza como levantamento descritivo um com delineamento transversal. A amostra foi de 496 sujeitos sendo 392 do sexo masculino e 104 feminino, do tipo não probabilística, por conveniência e selecionada no momento da coleta dos dados. Utilizou-se um questionário que foi construído para este estudo e validado por face, com questões abertas e fechadas, aplicados na véspera dos eventos contendo características sociodemográficas, socioeconômicas e dados antropométricos. As variáveis numéricas foram descritas como média e desvio padrão. Nas variáveis categóricas utilizou-se frequências simples e relativas. Utilizou-se Shapiro-Wilk para avaliar normalidade, Qui-quadrado, teste “t” e análise de variância com um fator. O nível de significância foi de p<0,05. Utilizou-se ainda SPSS versão 21.0. O estudo foi aprovada pelo CEP/UFS (Protocolo 387.765). Os resultados mostram uma maioria masculina (79%), idade média de 39,7±12 anos, casado, nível superior e renda familiar acima de 10 salários mínimos. As características antropométricas registram 72,7±12,3kg de massa corporal, 171±1 cm de altura e IMC de 24,7±3,1kg/cm². Prevaleceram praticantes amadores (73,7%), recreacionais (21,8%) e profissionais (4,4%). Os fatores motivacionais da pratica destacados foram saúde, condicionamento físico e alto rendimento. O fator socioambiental predominante foi a influência de terceiros, enquanto que para os de comportamento prevaleceu uso de tênis adequado, de acessórios de corrida e o consumo de suplementos alimentares. Os principais fatores de treinamento observados foram o tempo de prática de até 3 anos, frequência semanal de 3 treinos, ritmo médio acima dos 5 min/km e volume semanal com até 20 km. Diante dos achados é possível concluir que os corredores de rua de Aracaju se caracterizam como predominantemente do sexo masculino, adultos jovens, casados, urbanos e elevado nível socioeconômico. Se pode afirmar ainda que os motivos para a prática da corrida são distintos a depender dos perfis de corredores. Ademais, se conclui que existe diferença entre os fatores de treinamento quando se analisa sob o aspecto do perfil de corredores.

  • RAFAEL ARAUJO DOS SANTOS LIMA
  • ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA EM AMPUTADOS DE MEMBRO INFERIOR NO MUNICÍPIO DE ARACAJU-SE
  • Orientador : MARCO ANTONIO PRADO NUNES
  • Data: 31/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A amputação consiste na perda ou retirada total ou parcial de um membro, de forma cirúrgica ou por traumatismo, causando danos físicos, psicológicos e/ou sociais que resultam em redução da qualidade de vida. O aumento da atividade física tem sido recomendado tanto por seus efeitos físicos quanto por benefícios psicológicos e sociais. Porém indivíduos amputados de membros inferiores apresentam menores níveis de atividade física, além de apresentarem características que podem alterar a relação entre qualidade de vida e atividade física. O objetivo deste estudo foi verificar os fatores relacionados a pratica de atividade física e a qualidade de vida de sujeitos amputados em membro inferior. Foi realizado um estudo transversal, utilizando um formulário com questões sociodemográficas e clínicas, um questionário de qualidade de vida o WHOQOL-BREF, de atividade física o IPAQ e a mobilidade foi avaliada através do LCI. Para a análise estatística, foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk, qui-quadrado, t student e Mann-Whitney (p < 0.05). Dentro da amostra geral a atividade física apresentou relação apenas com o domínio físico da qualidade de vida. Encontramos também diferença significativa entre o domínio psicológico e o domínio qualidade de vida global na comparação entre os gêneros. Para a amostra com apenas amputados protetizados, observamos uma diferença significativa entre os domínios psicológico e relação social em relação ao domínio meio ambiente, isto se repetindo também entre os amputados protetizados considerados ativos. Nestapesquisa, a atividade física mostrou ter impacto apenas sobre o domínio físico da qualidade de vida e em protetizados a qualidade de vida pareceu não ser influenciada pelo nível de atividade física.

  • ANA CLÉCIA ALVES DOS SANTOS
  • SÍNDROME DE BURNOUT EM ATLETAS INFANTO JUVENIS
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 27/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome de Burnout é um tema que se apresenta atualmente como um dos grandes problemas que afeta a atividade laboral nas mais diversas áreas, inclusive em atletas. Conhecida como Síndrome do esgotamento físico-psíquico-social tem se tornado objeto de estudo da Psicologia. Contudo, na Psicologia do Esporte é pouco explorada e, são escassas as publicações sobre o tema, o que dificulta o conhecimento e a compreensão da Síndrome. Esta pesquisa trata-se de um estudo descritivo, de caráter transversal e com abordagem quantitativa, da qual participaram 194 atletas de diferentes estados, de ambos os sexos, com uma faixa etária de 14 a 17 anos, praticantes de natação e voleibol. Para a coleta de dados foram utilizados dois instrumentos: um questionário de dados sociodemográficos e o Questionário de Burnoutem Atletas – QBA. A análise dos dados constituiu-se da análise descritiva e comparação das variáveis, sexo, modalidade esportiva, escolaridade, lesão esportiva, idade e tempo como atleta federado, utilizando-se dos testes não paramétricos de Kruskal-Wallis e Mann Withney. Os resultados obtidos demonstraram que de maneira geral, os atletas presentes no estudo, não se encontravam em um estado de risco para o Burnout, com uma média geral de 2,09 pontos que correspondem, a uma frequência de sentimentos entre raramente e algumas vezes. Em relação à dimensão Exaustão Física e Emocional, na variável modalidade esportiva, houve diferenças entre as mesmas, que se apresentou estatisticamente significativa (p=˂0,001), mesmo com médias de 1,88 (natação) e 1,58 (voleibol), respectivamente referentes a uma frequência entre quase nunca a raramente. A dimensão Reduzido Senso de Realização apresentou maiores índices em todas as variáveis analisadas, apresentando uma frequência de sentimentos referentes a raramente a algumas vezes, média que variou entre 2,50 a 2,59. Conclui-se que os atletas juvenis de natação e voleibol não apresentaram uma frequência de sentimentos alta, referente ao Burnout.

  • PATRÍCIA CARDOSO BRAZ
  • AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E DA NEUROPATIA EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 ATENDIDOS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO CATETE - SERGIPE
  • Orientador : MARCO ANTONIO PRADO NUNES
  • Data: 26/08/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Avaliação do nível de atividade física e da neuropatia em indivíduos com Diabetes Mellitus tipo 2 atendidos na atenção primária do município de Rosário do Catete - Sergipe

    Introdução: A atividade física (AF) faz parte das recomendações do Ministério da Saúde para o controle do Diabetes Mellitus (DM) e suas complicações. Objetivo: Avaliar o nível de atividade física e ocorrência de neuropatia diabética periférica em idosos com DM tipo 2.Casuística e Métodos:Trata-se de estudotransversal com amostra escolhida por conveniência, equivalente a 11.8% dos diabéticos de Rosário do Catete-SE, correspondentea 49 indivíduos.Critérios de inclusão: idade ≥ 18 anos e cadastro nas Unidades de Saúde da Família como diabéticos tipo 2. Critérios de exclusão: incapacidade de realizar atividade física e ausência de déficit cognitivo. Instrumentos utilizados: Questionário Internacional de Atividade Física,Escore de Sintomas e Comprometimento Neuropático. Dados coletados nos ambulatórios e residências. Análises estatísticas realizadas com os testes T Student, U de Mann Whitneye Regressão Logística Multivariada (p<0,20) por meio da versão 13.0 Stata. Resultados: Foram selecionados 52 indivíduos, idade média igual à 63 anos, categorizados em neuropáticos (n=29) e não neuropáticos (n=23), bem como em mais ativos (n=16) e menos ativos (n=36). Verificou-se que apenas31% dosindivíduos erammais ativos, esses tinham idade média e glicemias menores, assim como maior tempo de diagnóstico. A presença da neuropatia diabética foi estatisticamente significante naqueles menosativos (p<0,0000001)tal qual o inverso (p<0,000001). Conclusão: Não foram encontrados parâmetros adequados do nível de atividade física, o que pode ter contribuído para frequência elevada daneuropatia diabética. Deduz-se que essa localidade encontra se em risco.

  • GLAUBER ROCHA MONTEIRO
  • Tempo de permanência em Programa Comunitário de Atividade Física: Um estudo longitudinal
  • Orientador : ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
  • Data: 30/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetiva-se estudar o tempo de permanência de participantes em um Programa Comunitário de Atividade Física (PCAF) sob a perspectiva da Saúde Pública, e neste âmbito, apontar mecanismos de estimativa e avaliação de programas de intervenção de longo prazo para conhecer o tempo de participação e envolvimento de indivíduos em prática regular de atividade física. Para atender aos objetivos, foram utilizados registros secundários do Programa Academia da Cidade (PAC) de Aracaju, do estado de Sergipe. O estudo foi organizado em dois levantamentos epidemiológicos, onde no primeiro foram observados 727 participantes e no segundo 2616 de ambos os sexos. Enquanto procedimentos de análise de dados utilizou-se os elementos da estatística descritiva, análise de sobrevivência e foi aplicado o modelo de regressão de Cox para analisar a influência de regressores na variável dependente, considerando-se o grupamento etário “18 a 35 anos” como referência. Em todas as análises foi utilizado nível de significância de 5%. Utilizouse os Programas Estatísticos Bioestat 5.3 e SPSS for Windows ® versão 22 para as análises. Considerando o primeiro levantamento, verificou-se que, o tempo médio de permanência dos participantes foi de 16.0 + 7.9 meses, sendo que dos 727 participantes somente seis (0,08%) permaneceram durante toda a coorte. A maior desistência (68%) foi percebida no primeiro ano no programa. O tempo máximo de permanência dos participantes maiores de 35 anos no PAC foi de aproximadamente dois anos, com desistência de maioria dos participantes até o primeiro ano e maior permanência dos sujeitos adultos e idosos. O segundo levantamento identificou uma frequência de participação ao longo de 69 meses de acompanhamento. As covariáveis observadas foram organizadas em quatro grupos: “indicadores sociodemográficos”, “estilo de vida”, “percepção de saúde” e “doenças referidas por diagnóstico clínico”. A permanência mediana na coorte foi de três meses. Ao longo de todo o período de observação foram observados 94,9% casos de desistências e 5,1% de censurados. As maiores taxas de desistências (56,3%) ocorreram nos três primeiros meses. Em aproximadamente um ano de acompanhamento na coorte foram percebidas 76% de desistências. A partir do modelo de regressão de Cox verificou-se que o grupamento etário “36 a 59 anos” obteve maior chance de permanência no programa (OR = 1.630; IC95% 1.438 – 1.848) em relação à referência. Para o grupo “60 anos ou mais”, também foi verificada maior chance de permanência em relação à referência (OR = 1.165; IC95% 1.051 – 1.291). No que se refere as covariáveis verificou-se, em modelo único, que os indivíduos que referiram diagnóstico clínico positivo para lombalgias apresentaram mediana de permanência estimada maior em relação ao grupo que não referiu lombalgias. No que se refere à desistência ao PAC a chance de desistência entre os lombálgicos foi de 10% (OR = 0.902; IC95% = 0.823 – 0.989). Os resultados apontam para a necessidade de uma sistematização das informações sobre o tempo de permanência em programas de intervenção a fornecer informações valiosas aos gestores e profissionais envolvidos nos mesmos.

  • JOÃO ELIAKIM DOS SANTOS ARAUJO
  • EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO RESISTIDO DE ALTA INTENSIDADE SOBRE A GLICEMIA E SENSIBILIDADE À INSULINA EM RATOS COM RESISTÊNCIA À INSULINA
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 30/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O exercício físico resistido tem emergido como um importante tratamento para a melhora do metabolismo, desempenhando um papel essencial no aumento da sensibilidade à insulina, e, por conseguinte uma estratégia para prevenção e controle do diabetes mellitus do tipo 2. Objetivo: Avaliar os efeitos agudos do exercício resistido de alta intensidade sobre a glicemia e a sensibilidade à insulina em ratos com resistência à insulina. Métodos: 30 Ratos foram distribuídos em 3 grupos: controle sedentário (CON), tratado sedentário (DS, apenas foram induzidos a resistência à insulina), tratado exercitado (DE, realizou o protocolo de exercício e indução da resistência à insulina). O protocolo de exercício resistido foi realizado no aparelho de agachamento, composto por cinco séries, 10 repetições, com intensidade de 70% de 1RM. Para induzir a resistência à insulina os animais dos grupos DS e DE recebiam diariamente dexametasona intraperitoneal (4,0 mg/kg/dia, i.p.) por sete dias. Ao final do protocolo foi aferido o peso corporal e a glicemia de jejum, também foi aferia a glicemia na condição inicial e imediatamente após a finalização da sessão de treinamento resistido. Além disso, foi realizado o teste de sensibilidade à insulina. Resultados: O grupo que realizou o exercício resistido agudo de alta intensidade (DE) reduziu a glicemia plasmática em relação à condição inicial. Já no teste de sensibilidade à insulina, o grupo DE melhorou a resistência à insulina e apresentou uma menor área sob a curva em relação ao grupo DS. Conclusão: O exercício resistido agudo de alta intensidade reduziu a glicemia plasmática e promoveu melhora na sensibilidade à insulina em ratos com resistência à insulina induzidos por dexametasona.

  • ANNE EMANUELLE DA SILVA PEREIRA NOBRE
  • PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS COM OS ESTÁGIOS DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO PARA ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES.
  • Data: 29/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Adolescência é reconhecida como um período de mudanças nos padrões de comportamentos relacionados à saúde. Por outro lado, a mudança de comportamento relacionado á Atividade Física percorre uma série de Estágios. Objetivo: Verificar a prevalência e fatores associados aos estágios de mudança de comportamento para atividade física em escolares. Método: Este estudo foi realizado com 3992 (2448 feminino e 1544 masculino) escolares do Estado de Sergipe, nas faixas etárias de 14 a 19 anos. As variáveis do estudo foram verificadas através de um questionário auto-administrado e as análises estatísticas utilizadas foram a descritiva (freqüência) e a Inferencial (Qui-Quadrado e regressão logística binária). Resultados: De um modo geral os escolares apresentaram alta prevalência de comportamento inativo (77,8%), sobretudo estudantes do sexo feminino, classificadas nos estágios de pré-contemplação (68,7%) e contemplação (77,3%) enquanto os meninos nos estágios de ação (45,2%) e manutenção (65,7%) indicando que as meninas têm uma probabilidade duas vezes maior OR 2,69 (IC95% 2,30 – 3,16) de comportamento inativo em relação os meninos. Os Escolares que moram na zona rural OR = 1,49 (IC95% 1,25 -1,78) demonstraram mais chance de comportamento inativo em comparação aos que moram na zona urbana. Observou-se também que quanto maior o nível de escolaridade dos pais menores são as chances de o adolescente ter comportamento inativo do que aqueles cujos pais não estudaram. Os escolares que têm uma renda familiar mais baixa e aqueles que avaliaram a saúde como “ruim” também apresentaram associação positiva com o comportamento inativo. Conclusão: Os Estágios de Mudança de Comportamento para atividade física podem ser explicados por indicadores de condição de vida, e a alta prevalência de comportamento “inativo” aponta a necessidade de programas de promoção de saúde que busquem considerar o engajamento familiar, acessibilidade local e financeira e vise ações diferenciadas para escolares sergipanos do sexo feminino.

  • JOÃO PAULO DA SILVA
  • CONHECIMENTO SOBRE A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES NO ESTADO DE SERGIPE.
  • Data: 29/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O conhecimento é um caminho necessário para que os indivíduos comecem tomar decisões a partir do conhecimento adquirido, assim, é de suma importância transmitir no ambiente escolar, através de uma metodologia diferenciada, o conhecimento sobre as recomendações de atividade física, para que os educando mudem seu comportamento no que diz respeito à adoção ou manutenção de um estilo de vida ativo. Objetivou-se verificar a prevalência e fatores associados ao conhecimento sobre as recomendações internacionais de atividade física em escolares do estado de Sergipe. O estudo é de caráter transversal com amostra composta por 3992 (2448 feminino e 1544 masculino) escolares do Estado de Sergipe, com idade entre 14 a 19 anos. As variáveis do estudo foram verificadas através de um questionário auto-administrativo, utilizando a análise descritiva (frequência, Qui-Quadrado) e Inferencial (regressão logística binária bruta e ajustada). Os resultados deste estudo apontam para alta prevalência de escolares que desconhecem os componentes freqüência (85,2%), duração (69,4%), sessão (72%) e intensidade (81,5%) das recomendações de atividade física, como também, 99,8% desconhecem as recomendações de atividade física geral. Contudo, os meninos apresentaram ter mais conhecimento em relação às meninas, apresentando a maioria das variáveis sociodemograficas, Nível de Atividade Física e Exposição ao Comportamento Sedentário associadas as recomendações de atividade física. Nas recomendações sobre a freqüência os escolares do sexo feminino, do turno de estudo noturno e que são considerados sedentários tiveram mais chance de desconhecerem as recomendações. No componente duração o sexo feminino, escolares do 3º ano e que são considerados sedentários apresentaram mais chance de conhecer as recomendações, tendo os escolares com 3-4 anos de atraso escolar com mais chance de desconhecer as recomendações. Já, em relação a sessão as meninas, alunos com idade entre 16-17 e 18-19 anos e que estudam no 2º e 3º ano tiveram mais chance de desconhecer as recomendações. E, no componente intensidade as meninas apresentaram mais chance de desconhecer as recomendações. Conclui-se que os escolares tiveram alta prevalência em relação ao não conhecimento das recomendações de atividade física e, que algumas variáveis sociodemográficas e nível de atividade física apresentaram associações significativas, tendo algumas variáveis de forma separada ou agrupada influenciando o nível de conhecimento dos escolares sergipanos. Desta forma, a intervenção em busca de meios para impelir os escolares ao conhecimento das recomendações de atividade física é de fundamental importância, criando projetos que levem a promoção da saúde desses escolares.

  • SEBASTIÃO BARBOSA NETTO
  • ANÁLISE E INTERAÇÃO DE DOIS COMPONENTES DA APTIDÃO FÍSICA NA PRÁTICA COTIDIANA: ALONGAMENTO E FORÇA
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 21/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A flexibilidade, através dos exercícios de alongamento, e a força muscular são duas variáveis do treinamento físico bastante investigadas na literatura científica. Divergências nos resultados dos estudos são encontradas quando os exercícios de alongamento precedem a força, independentemente do tipo de alongamento ou força investigada. Na década atual, há uma preocupação em aproximar os estudos realizados no ambiente laboratorial e a prática profissional, a chamada validade ecológica, com o intuito de proporcionar resultados aplicáveis no cotidiano. Sendo assim, os objetivos da dissertação foram: a) identificar em que intensidade os praticantes de treinamento de força costumam treinar em suas rotinas de treinamento; b) identificar como é realizada a prescrição dos exercícios de alongamento nas academias e centros de treinamento de força; c) verificar o efeito dos exercícios de alongamento (fracionado vs. contínuo) sobre a força muscular; e d) identificar o tempo de duração do efeito deletério dos exercícios de alongamento sobre a força muscular. Sucintamente, houve uma análise do alongamento e da força muscular na prática cotidiana. Com relação a força, identificamos que os praticantes de treinamento de força não atingem os níveis máximos de intensidade em suas rotinas de treino. No que diz respeito aos exercícios de alongamento, a prescrição é realizada com o objetivo de prevenir dores e lesões e o método mais utilizado é o estático. Quando houve a interação dessas duas variáveis, um único exercício de alongamento não causou prejuízo na produção da força, independentemente de ser realizado de forma contínua ou fracionada. Contudo, ao aumentar o número de exercícios e o tempo total do alongamento a capacidade imediata de gerar força muscular diminuiu, sendo restabelecida 5 minutos após.

  • TALITA KIZZY BARBOSA BARRETO
  • Impacto do acompanhamento nutricional nas mudanças antropométricas e dietéticas de atletas com deficiências motoras.
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 06/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Alimentação adequada aliada a atividade física influenciarão no desempenho do atleta deficiente e na saúde. Este estudo objetivou comparar o impacto do acompanhamento nutricional sobre variáveis antropométricas e dietéticas de atletas com deficiência motora. O estudo é clínico quase experimental do tipo antes e depois conduzido entre indivíduos que faziam parte do Ciep e do Projeto Paradesportivo de Sergipe. A amostra foi composta por 30 indivíduos e todos os indivíduos eram avaliados quanto à antropometria e alimentação e, em seguida, receberam orientação e plano alimentar. Os resultados indicam que na caracterização da população (n = 30), os atletas competitivos (AC) apresentaram maior CMB e menor DCT quando comparados aos atletas recreacionais (AR). Com relação à alimentação, os AC apresentaram maior ingestão nutricional e alimentar do que os AR, no entanto, ambos apresentaram elevada prevalência de inadequações de macro e micronutrientes. Os AR apresentaram maior inadequação quanto à ingestão de fibras, carboidratos, proteína e gordura poli-insaturada e também maior percentual de inadequação na ingestão de Vitamina C, B12 e Folato e Magnésio. Na análise dos grupos alimentares, os AC consumiram mais porções e para o grupo das hortaliças isto foi significativo. No acompanhamento nutricional (n=14), os AR apresentaram diminuição da DCT. Foi observado aumento do número de refeições e redução no intervalo e na omissão das mesmas para ambos os grupos. Os AR aumentaram a ingestão de gordura poli-insaturada e fibras após a intervenção. Ambos os grupos apresentaram elevada prevalência de melhorias na ingestão de macronutrientes e porções alimentares. Conclui-se que o acompanhamento nutricional foi importante para melhorar a ingestão alimentar e antropométrica de atletas deficientes. Este é um benefício para saúde destes e um alerta para a atenção nutricional desta população.

  • MARCUS VINICIUS SANTOS DO NASCIMENTO
  • EFEITO DE UMA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL SOBRE A INGESTÃO DIETÉTICA, COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONHECIMENTO EM NUTRIÇÃO DE ATLETAS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA ATLETA DO MUNICÍPIO DE ARACAJU-SE
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 02/07/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Obejtivo: avaliar e comparar o efeito de uma intervenção nutricional sobre conhecimento em nutrição, a ingestão dietética e a composição corporal em atletas adultos e adolescentes.

    Métodos: em um estudo clínico quasi-esperimental do tipo antes e depois, 32 atletas ( 21 adultos e 11 adolescentes) participaram de um acompanhamento nutricional, que consistia em quatro consultas separadas por um intervalo de 45 a 60 dias. Nas consultas os participantes foram avaliados quanto à composição corporal por meio de dobrals cutâneas e quanto à alimentação pelo recordatório de 24 horas. Além disso, preencheram um questionário de conhecimento em nutrição no início e ao final do acompanhamento. Para avaliação de energia, nutrientes e porções alimentares foi criada a variável efeito positivo da intervenção nutricional, a qual consistia na prevalência de indivíduos que se mantiveram ou aproximaram das recomendações.

    Resultados: Ambos os grupos tiveram um aumento no nível de conhecimento em nutrição, e um aumento da massa coprporal e da massa magra (p<0,05). Somente os adolescentes aumentaram a área muscular do braço, o número de refeições, ingestão hídrica e de gordura monoinsaturada e poli-insaturada. além disso, diminuiram a prevalência de omissão de lanches (p<0,05). ambos os grupos aumentaram a adequação de refeições pré e pós-treino e tiveram efeitos positivos na ingestão de nutrientes e grupos alimentares. Os adolescentes tiveram maior efeito positivo com relação à ingestão de açucares e doces do que os adultos (p<0,05).

    Conclusão:O acompanhamento nutricional foi eficaz em promover mudanças benéficas na composição corporal, no conhecimento em nutrição e na alimentação de ambos os grupos, no entanto, o efeito foi maior nos adolescentes.

  • PATRÍCIA MORGANA FERREIRA SANTOS
  • EFEITO AGUDO DO RAST TEST SOBRE O ESTRESSE OXIDATIVO E OS MARCADORES INDIRETOS DE DANO MUSCULAR EM CORREDORES ADOLESCENTES
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 30/06/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Durante as duas últimas décadas vem crescendo substancialmente o interesse pela performance anaeróbica de crianças e adolescentes. No entanto, poucos estudos abordam os efeitos dos exercícios de alta intensidade e curta duração, como o RAST TEST, sobre o estresse oxidativo e marcadores indiretos de lesões musculares em adolescentes, o que pode favorecer o adequado controle das sessões de treino e, consequentemente, o desempenho atlético. Nesse sentido, o objetivo desse estudo foi investigar o efeito agudo de um teste anaeróbio máximo -RAST TEST - sobre o estresse oxidativo e danos musculares em corredores adolescentes. Para tal, participaram voluntariamente do estudo nove adolescentes corredores, de ambos o sexo e idade entre 15 e 18 anos (59,25±11,45 kg; 1,70±0,06 m; 19,57±2,52 kg.m2; 0,84±0.08 e 12,56±4,01 %G). Todos os voluntários realizaram uma semana de familiarização, sendo respeitado um intervalo mínimo de 72h para a realização do RAST TEST propriamente dito. As coletas sanguíneas para realizar as análises bioquímicas foram realizadas antes e após o teste. Os dados foram expressos como média ±DP e analisados por meio do teste t de Student para dados pareados, bem como aplicada correlação de Pearson entre todas as variáveis, sendo adotado um nível de significância de 5%. As concentrações séricas de lactato desidrogenase (LDH) (pré: 326,0±72,65U/L e pós: 758,72±135,09U/L) e da creatina quinase (CK) (pré: 278,1±78,64U/L e pós: 983,62±339,49 U/L) tiveram um aumento de 132,72% e 253,69% após a realização do RAST teste (p≤ 0,05). Em relação à enzima antioxidante, o protocolo também promoveu um aumento significativo (p≤0,05) da atividade da glutationa depois do teste, sendo evidenciado aumento do estresse oxidativo avaliado pelo TBARS no pós-teste (p≤0,05). Conclui-se que o RAST TEST além de avaliar a aptidão anaeróbia promove um aumento significativo do dano muscular e do estresse oxidativo em atletas adolescentes.

  • ODILON SALIM COSTA ABRAHIN
  • AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DOS DIFERENTES VOLUMES DE TREINAMENTO RESISTIDO SOBRE AS FORÇAS MUSCULAR E RESPIRATÓRIA DE IDOSAS
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 02/06/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O envelhecimento está relacionado com reduções progressivas daforça muscular respiratória, assim como, da força muscular.Objetivo: Comparar os efeitos de diferentes volumes de treinamento resistidosobre a pressão muscular inspiratória (Pimax), pressão muscular expiratória(Pemax), desempenho funcional e força muscular de idosas.Métodos: Trinta mulheres idosas foram divididas randomicamente em doisgrupos, série simples (1-SET) ou três séries (3 SET) de exercícios resistidos. Oteste de sentar e levantar, Pemax, Pimax e força muscular foram avaliados antese após 24 sessões de treinamento. O treinamento resistido progressivo foirealizado duas vezes por semana, entre 8-12 repetições, utilizando-se osprincipais grupos musculares dos membros superiores e inferiores.Resultados: Os principais resultados demonstram que ocorreram aumentossignificativos na Pemax (p<0,05; 1-SET: 34,6%; 3-SET: 35,8%) e Pimax (p<0,05;1-SET: 13,7%; 3-SET: 11,2%). Ambos os grupos também melhoraram no teste desentar e levantar (p<0,05; 1-SET: 10.6%; 3-SET: 17.1%). Após 24 sessões detreinamento resistido, a força muscular aumentou também significativamente(p<0,001; 40-80%) nos grupos. A comparação intergrupo não revelou diferençasignificativa em nenhum parâmetro analisado.Conclusão: Séries simples e múltiplas de treinamento resistido melhoram aPemax, Pimax, força muscular e o desempenho funcional no teste de sentar elevantar após 24 sessões de treinamento. Estes resultados sugerem quemulheres idosas que não possuem o hábito de praticar atividade física podeminiciar programas de séries simples de treinamento resistido, como estratégia decurto tempo para a manutenção da saúde.


  • REJANE WALESSA PEQUENO RODRIGUES
  • Efeitos do exercício resistido de alta intensidade sobre o metabolismo dos carboidratos em ratos submetidos ao uso crônico de dexametasona.
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 02/06/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A dexametasona administrada em longo prazo promove alterações deletérias sobre o metabolismo dos carboidratos. Objetivo: Avaliar os efeitos do exercício resistido de alta intensidade sobre a sensibilidade a insulina, tolerância à glicose e força muscular de ratos submetidos ao uso crônico de dexametasona. Métodos: Foram utilizados 40 ratos machos divididos randomicamente em quatro grupos: 1) Controle + Sedentário (CS) 2) Controle + Treinado (CT) 3) Dexametasona + Sedentário (DS) 4) Dexametasona + Treinado (DT). O exercício resistido foi realizado em aparelho de agachamento composto por três séries, 10 repetições, com intensidade de 75% de 1RM durante quatro semanas. Concomitantemente, os grupos DS e DT recebiam diariamente dexametasona intraperitoneal (0,2g/kg) e os grupos CS e CT recebiam somente solução salina (0,9%). Ao final do protocolo foram realizados testes de tolerância à glicose, sensibilidade à insulina e teste de força máxima. Resultados: Nos grupos treinados (CT e DT) houve aumento da força muscular de 14,78% e 36,87% respectivamente, sem ganho significativo nos grupos sedentários. No teste de tolerância a glicose, os grupos treinados (CT e DT) apresentaram amplitudes da glicose plasmática atenuada quando comparados aos grupos sedentários (CS e DS). No teste de sensibilidade à insulina, o grupo DT apresentou menor área sob a curva em relação ao grupo DS. Conclusão: O exercício resistido de alta intensidade promoveu melhora na sensibilidade a insulina, tolerância à glicose e aumentou a força muscular em ratos submetidos ao uso crônico de dexametasona.

  • KEILA DE OLIVEIRA DINIZ
  • ÍNDICES ANTROPOMÉTRICOS COMO PREDITORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS RESIDENTES EM UMA CIDADE DE PEQUENO PORTE
  • Orientador : ANTONIO CESAR CABRAL DE OLIVEIRA
  • Data: 13/04/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A hipertensão arterial é uma das principais causas de mortalidade em âmbito mundial e fator de risco para diversas doenças. Tal enfermidade em idosos está associada ao significante aumento nos distúrbios cardiovasculares e a incidência de doenças incapacitantes. Por outro lado, a gordura corporal está relacionada com a pressão arterial elevada em idosos, a qual pode ser avaliada por meio de índices antropométricos. O objetivo deste estudo foi determinar o poder preditivo de índices antropométricos e estabelecer seus pontos de corte como discriminadores de hipertensão arterial e identificar o indicador antropométrico de obesidade que melhor discrimina a hipertensão arterial. Um estudo transversal foi realizado com uma amostra de 310 idosos com idades iguais ou superiores a 60 anos, sendo 175 (56,5%) mulheres. A coleta ocorreu entre o período de 03/02/2014 a 20/02/2014 na cidade de Ibicuí-BA. Foram mensurados os seguintes índices antropométricos: índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (CC), razão cintura/estatura (RCEst) e índice de conicidade (Índice C). Ademais, coletaram-se medidas de pressão arterial sistólica e diastólica. Para identificação dos preditores de hipertensão arterial, foi adotada a análise das curvas Receiver Operating Characteristic (ROC), com intervalo de confiança de 95%. Posteriormente, identificaram-se os pontos de corte com suas respectivas sensibilidades e especificidades. As análises foram efetuadas respeitando-se o nível de significância de 5%. Após a construção das curvas ROC, evidenciou-se que alguns índices antropométricos apresentaram Área Sobre a Curva (ASC) significativas, sendo o IMC = 0,60 (0,50-0,70); RCEst = 0,61 (0,51-0,71); Índice C = 0,58 (0,58-0,68), nos homens. Os diversos pontos de corte dos índices antropométricos com melhores poderes preditivos e suas respectivas sensibilidades e especificidades foram identificados. Conclui-se que as melhores áreas sob a curva ROC foram para IMC, RCEst e Índice C para os homens, porém tais medidas não foram satisfatórias para predizer hipertensão arterial em mulheres idosas. Sugere-se que a utilização de dois índices simultaneamente possa resultar em uma maior eficiência na avaliação do risco de hipertensão arterial em idosos.

  • MARCUS VINICIUS MARINHO DE CARVALHO
  • ANÁLISE DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA DE IDOSAS PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA NÃO PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO: UM ESTUDO TRANSVERSAL
  • Orientador : DANILO RIBEIRO GUERRA
  • Data: 06/04/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O envelhecimento está associado a várias mudanças anatômicas e fisiológicas que podem levar à incapacidade, fragilidade óssea e osteoporose. É sabido que o exercício pode contribuir para a melhora da densidade mineral óssea (DMO). O objetivo deste estudo foi comparar a DMO de idosas que praticam exercício aquático, há no mínimo três anos, com idosas não praticantes de exercício físico. A amostra teve 67 idosas, alocadas em dois grupos: Praticante de Hidroginástica (PH, n = 30) e Não Praticante de Exercício Físico (NP, n = 37). A coleta foi realizada em maio de 2014 na Clínica CEMISE, em Aracaju. Os instrumentos de avaliação foram: SF-36, IPAQ, Medida de Independência Funcional (MIF) e DEXA. Para a análise estatística, foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk, qui-quadrado, tde Student,Mann-Whitney e Anova twoway (p < 0,05). Quando comparados os anos de 2011 e 2014, verificou-se que o grupo PH apresentou aumento significativo da DMO no fêmur total (p < 0,001); enquanto o NP, uma diminuição (p < 0,001); o grupo PH apresentou, em 2014, DMO no fêmur total mais elevada (p < 0,001) que o NP. Não houve diferença significativa entre os grupos nem em relação aos oito domínios do SF-36 e nem na análise da MIF (p = 0,590). O valor do IPAQ foi significativamente mais elevado no PH do que no NP (p < 0,001). Conclui-se que as idosas praticantes de hidroginástica apresentaram valores mais elevados de DMO apenas no segmento fêmur total, assim como um maior nível de atividade física quando comparadas às idosas não praticantes de exercício físico. Já a qualidade de vida e a independência funcional de ambos os grupos foram similares.

2014
Descrição
  • ARISTELA DE FREITAS ZANONA
  • QUALIDADE DE VIDA E FUNCIONALIDADE DE INDIVÍDUOS AMPUTADOS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE ESPORTES
  • Orientador : DANILO RIBEIRO GUERRA
  • Data: 29/09/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Amputação consiste na perda ou remoção total ou parcial de um ou mais membros, de forma traumática ou cirúrgica, acarretando danos físicos, psicológicos e/ou sociais, que resultam em redução da qualidade de vida (QV). O esporte tem sido apontado como relevante ferramenta para a reabilitação e reintegração social de indivíduos amputados. O objetivo desta pesquisa foi analisar a qualidade de vida, desempenho ocupacional, força muscular e amplitude de movimento de adultos com amputação dos membros inferiores praticantes e não praticantes de esportes. A amostra foi constituída por 45 amputados, divididos em dois grupos: Esportista (GE, n = 23) e Não Esportista (GNE, n = 22). A coleta foi realizada em Curitiba, Aracaju e Maceió, no período de dezembro/2013, janeiro e março de 2014. Os instrumentos utilizados foram o questionário The Short Form Health Survey (SF-36), a Medida Canadense de Desempenho Ocupacional (COPM), a goniometria e o teste de força muscular de Kendall. Para a análise estatística, foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk, qui-quadrado, T de Student e de Mann-Whitney (p < 0.05). Para a variável qualidade de vida, houve diferença significante em todos os oito domínios da avaliação SF-36: capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, emocional e saúde mental entre os grupos, tendo o GE apresentado os melhores resultados, indicando melhor qualidade de vida que o GNE. O GE apresentou índices significantemente mais elevados de desempenho ocupacional, força muscular (para os músculos flexores e extensores do quadril) e amplitude de movimento (para flexão e abdução do quadril). Concluiu-se, portanto, que houve maior qualidade de vida, desempenho ocupacional, força muscular e amplitude de movimento para amputados que praticam alguma modalidade esportiva.

  • MANUELLA DE OLIVEIRA MOTA FERNANDES
  • INFLUÊNCIA DA INTENSIDADE DO EXERCICIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM DIFERENTES GENÓTIPOS DO POLMORFISMO I/D NO GENE DA ECA
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 28/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Hipotensão pós-exercício (HPE) é considerada uma estratégia não farmacológica adotada para redução da pressão arterial (PA). Sabe-se que a PA se modifica com a idade e oscila durante o dia. Essa oscilação é controlada por mecanismos regulatórios, um deles possui o sistema renina angiotensina como responsável pela vasoconstricção e consequente elevação da PA. Ademais, alguns fatores influenciam na HPE, entre eles o genético, responsável por 30% da predisposição a doenças cardiovasculares. Sabe-se também que a presença de polimorfismos genéticos, como o I/D do gene da enzima conversora da angiotensina (ECA), pode influenciar na resposta pressórica. Com isso, o presente estudo teve como objetivo analisar a influência do polimorfismo ID da ECA sobre a HPE, bem como a possível atenuação da reatividade da pressão arterial após a realização de um teste de estresse cardiovascular em jovens normotensos e fisicamente ativos. Participaram voluntariamente 26 adultos jovens, normotensos, do sexo masculino, separados por dois grupos genótipos (DD=11, ID / II=15). Todos foram submetidos a um sessão máxima de 1.600 metros, na pista de atletismo, com o intuito de estimar o limiar anaeróbio, o VO2max e a Velocidade média. Posteriormente, de forma randomizada, foram realizadas as três sessões experimentais. Teste moderado (6% abaixo do limiar anaeróbio), intenso (6% acima do limiar anaeróbio), e a sessão controle. Todas as sessões foram compostas por cinco momentos. Aferição previa da PA (repouso) a cada 5min durante 20min, corrida por 20min, com imediato registro da PA a cada 15min totalizando 60min; posteriormente, aplicação do teste estressor cardiovascular (CPT) e por fim, aferição da PA por 30min a cada 10min. Observou-se que o exercício moderado proporcionou HPE independente do grupo genotípico, sendo mais evidenciada para a pressão arterial sistólica nos momentos 45min e 60min (p≤0,05), característica que perdurou no grupo portador do alelo “I” após o CPT. Desse modo, conclui-se que o polimorfismo I/D no gene da ECA apresenta influencia na resposta hipotensora no grupo carreador do alelo I, além de observar a ausência da reatividade da pressão arterial após a aplicação do teste estressor para o mesmo grupo genótipo.

  • JYMMYS LOPES DOS SANTOS
  • Avaliação do estresse oxidativo e lesão muscular no exercício resistido de alta intensidade em animais tratados com Bowdichia Virgilioides
  • Orientador : ANDERSON CARLOS MARCAL
  • Data: 29/05/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Embora considerada uma modalidade de exercício físico segura, a execução do exercício resistido (ER) de alta intensidade pode induzir isquemia-reperfusão e aumento de radicais livres (RL). O uso de agentes antioxidantes naturais pode reduzir os danos oxidativos em resposta ao ER de alta intensidade. O objetivo do presente estudo foi investigar o potencial antioxidante in vitro e o efeito protetor do extrato hidroetanólico de Bowdichia Virgilioides (BV) sobre lesão muscular e parâmetros de estresse oxidativo em ratos submetidos a exercício resistido de alta intensidade. Trinta e dois ratos machos da linhagem Wistar com 3 meses de idade (200-250 g) divididos em 4 grupos: 1) Grupo sedentário (GC, n = 8) – tratado com veículo (tween 80, via oral, vo) e eletroestimulação; 2) Grupo treinado (GT, n = 8) - tratado com veículo (tween 80, a 3% Vo) e treinamento resistido; 3) Grupo BV sedentário (GBV, n =8) - tratado com extrato EHE de BV (200 mg.kg-1, vo); 4) Grupo BV treinado (GBVT, n = 8) - tratado com EHE de BV a (200 mg.kg-1, vo). Os resultados do estudo peroxidação lipídica no plasma e tecido foram diminuídas em 55,8%, e 66,1% no plasma e no músculo esquelético, respectivamente, a partir de GBVT comparando a GT (p <0,05). Além disso, o stress oxidativo, foram reduzidos em 58,8%, e 62,8% no plasma e no músculo esquelético, respectivamente, a partir de GBVT comparação com GT (p <0,05).Nossos estudos demonstram que o EHE da BV foi capaz de reduzir alguns maracadores de estresse oxidativo frente ao exercicio resistido de alta intensidade, como também observamos que o consumo do EHE da BV durante o treinamento foi capaz de prevenir ou reduzir significativamente o conteúdo de algumas enzimas marcadoras de lesão tecidual.

  • GUADALUPE DE MORAES SANTOS SILVA
  • SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE
  • Orientador : AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
  • Data: 23/04/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome de Burnout em professores é um tema que vem chamando atenção por se tratar de um problema de saúde pública, relacionado ao trabalho. O objetivo principal deste estudo éverificar a presença da Síndrome de Burnout em professores de educação física da rede pública estadual de Sergipe. Sendo um Estado em que o esporte é predominantemente escolar, os professores de educação física exercem um papel decisivo no ambiente esportivo local, que vai desde a formação inicial do atleta, até a ação como técnico durante as competições. Esta pesquisa trata-se de um estudo transversal, de caráter descritivo e com abordagem quantitativa, onde participaram 164 professores, de ambos os sexos, sem delimitação de faixa etária, graduados em educação física e atuantes em escolas públicas estaduais de Sergipe. Para a coleta de dados, foram utilizados dois instrumentos de avaliação: um questionário sócio-demográfico e o Maslach Burnout Inventory-MBI, questionário com 22 questões fechadas em uma escala Linkert de 0 a 6. A seleção da amostra foi aleatória estratificada, obedecendo a uma proporcionalidade nas 10 diretorias regionais do Estado de Sergipe o que possibilitou um processo de seleção por conglomerados. A análise dos dados foi realizada em fases: A primeira consistiu na avaliação descritiva dos dados para caracterizar a amostra e identificar os escores da Síndrome de Burnout e na avaliação da distribuição, utilizando o teste de Kolmogorov-Smirnov.Na segunda fase se calculou o coeficiente de Alfa de Cronbach no intuito de testar a consistência interna do MBI. Na terceira fase se comparou os dados obtidos entre as variáveis sociodemográficas: sexo, estado civil, idade, tempo de exercício da profissão, carga horária e outro vínculo empregatício, com as três dimensões do MBI, utilizando-se dos testes não paramétricos Mann- Whitney e Kruskal-Wallis. Para o processamento e análises das respostas se utilizou o programa estatístico SPSS para Windows, versão 20.0. A significância estatística foi estipulada em 5% (p≤0,05). Os resultados obtidos demonstraram que os professores de educação física da rede estadual de ensino de Sergipe não apresentam casos extremos de Burnout,porém os identificadores encontrados nas três dimensões apontam para um possível início de desenvolvimento do processo de instalação da síndrome, uma vez que os índices intermediários de pontuação foram elevados nas três dimensões: Despersonalização (84,2%); Exaustão Emocional (78,4%) e Realização profissional (67,9%). Conclui-se que a amostra não apresentou casos extremos de Burnout, porém os identificadores encontrados nas três dimensões apontam para um início de desenvolvimento da síndrome.

  • ARTHUR NAVAJAS MOREIRA
  • EFEITO DA MOVIMENTAÇÃO ATIVA TÍBIO-TÁRSICA EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS DURANTE A HEMODIÁLISE
  • Orientador : JOSE ADERVAL ARAGAO
  • Data: 31/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A movimentação ativa tíbio-társica pode favorecer um aumento no retorno venoso contribuindo para a melhora do tratamento de hemodiálise, incrementando circulação periférica e consequente remoção de toxinas do sangue. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da movimentação ativa tíbio-társica sobre o índice de depuração de uréia (Kt/V) e o percentual de remoção de uréia (PRU), além de verificar o efeito na pressão arterial e frequência cardíaca de pacientes renais crônicos durante a hemodiálise. A amostra foi composta por 44 pacientes, com idades entre 23 e 72 anos e estatura média de 167cm ± 11 e peso de 66,7kg ± 14,4, divididos em dois grupos, sendo um grupo controle e o outro grupo exercício. A movimentação ativa tíbio-Társica foi realizado na posição sentada com joelhos a 900 realizando movimentos de dorsiflexão e flexão plantar. A movimentação foi realizada com um suporte de madeira ajustável de forma que o paciente ficasse em posição correta e confortável para a realização do exercício. A realização do exercício foi feita no horário de tratamento de cada paciente e nas duas primeiras horas da sessão. O protocolo de exercício foi de quatro séries de 15 repetições, seguindo uma progressão de 5 repetições por mês até que completássemos as quatro séries de 30 repetições, com intervalos de 60 segundos entre as séries. O resultado não apresentou diferença significativa no Kt/V e também não alterou o PRU com a movimentação ativa tíbio-társica, no entanto apresentou elevação da pressão arterial comparado ao controle (p<0,001) e da frequência cardíaca (p<0,05). Conclui-se que o protocolo de movimentação ativa-tíbio társica não foi eficiente para melhorar o Kt/V e o PRU, mas promoveu alteração das variáveis cardiovasculares.

  • LUIZ EDUARDO MELLO DE GOIS JUNIOR
  • PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA ANÁLISE DA TOMADA DE DECISÃO EM AÇÕES OFENSIVAS NO BASQUETEBOL
  • Orientador : MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
  • Data: 31/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: no basquetebol o jogador deve utilizar a síntese de raciocínio para tomar decisões e realizar as ações adequadas frente às relações entre os elementos do esporte. Uma forma para se avaliar a tomada de decisão (TD) é a análise de jogo, que é uma estratégia bastante utilizada tanto no âmbito científico como no acadêmico. Alguns estudos utilizaram vídeos ou fotos projetadas para que os atletas analisassem a projeção e informassem o que eles fariam se acontecessem aquelas mesmas ações durante uma partida. Esse tipo de estudo exclui as propriedades presentes nas situações do jogo descaracterizando o contexto real e distanciando-o das variáveis que interferem no jogo. Para minimizar essa descaracterização alguns autores utilizaram a metodologia observacional, a qual utiliza a observação de jogos filmados para avaliar as TD durante a partida, ou seja, dentro do contexto real do jogo, e buscando preservar a validade ecológica. Contudo, apesar dos estudos já realizados, nota-se que não existe um instrumento validado que descreva as ações a serem observadas durante as partidas, e que deste modo, orientem a avaliação das TD por professores e treinadores no contexto natural do jogo. OBJETIVO: propor uma ferramenta de fácil utilização para orientar a avaliação das tomadas de decisão de atletas de basquetebol. MÉTODOS: a amostra foi formada por 18 treinadores de basquetebol que possuem o curso nível III (categoria adulto) da Escola Nacional de Treinadores de Basquetebol. A média de idade foi de 42,3 (±11,1) anos e o tempo de experiência com o basquetebol entre 8 e 44 anos. Primeiramente foi criado um formulário contendo 30 situações reais de jogo, divididas em cinco categorias (drible, arremesso, corte com bola, movimentação de jogador sem bola, passe). Posteriormente, o formulário foi enviado para os treinadores via e-mail para que avaliassem as situações como certas ou erradas. Para analisar a concordância foi calculado o percentual de respostas idênticas entre os treinadores. Foram considerados três níveis de concordância: alta (entre 80% e 100%), moderada (entre 70% e 79%) e baixa (entre 50% e 69%). Foi criada uma planilha informatizada para a análise. Três técnicos com experiência em competições nacionais foram convidados a testar a viabilidade operacional da ferramenta. Para isso, assistiram individualmente a um vídeo com 20 posses de bola consecutivas de uma mesma equipe durante a final do Campeonato Estadual Sergipano Adulto de 2010. Em seguida, responderam a um questionário acerca da utilização da planilha. RESULTADOS: todas as ações descritas para a categoria “Drible” tiveram alto grau de concordância (83% a 100%). Na categoria “Arremesso” quatro ações tiveram alto grau de concordância (94% a 100%), duas com grau moderado (ambas com 78%) e uma teve baixo grau de concordância (67%). Na categoria “Corte com a bola”, três tiveram alto grau de concordância (94% e 100%) e uma teve baixa concordância (56%). As categorias “Movimentação de jogador sem bola” e “Passe” obtiveram alto grau de concordância em todas as ações (94% a 100% e 89% a 100%, respectivamente). Quanto ao uso da planilha, os três técnicos a consideram razoavelmente viável, com seu manuseio tornando-se mais simples logo após um breve período de familiarização. CONCLUSÃO: as ações definidas para cada categoria mostraram-se válidas para fazer parte do instrumento de avaliação da TD, e o uso da planilha mostrou-se viável do ponto de vista operacional.

  • VICTOR HUGO DE MELO
  • FATORES RELACIONADOS COM NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS AMPUTADOS E A RELAÇÃO ENTRE NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA COM A QUALIDADE DE VIDA
  • Orientador : MARCO ANTONIO PRADO NUNES
  • Data: 27/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Atividade Física tem sido recomendada pela sua importância tanto na prevenção de doenças quanto na saúde.Porém indivíduos amputados apresentam menores níveis de prática de Atividade Física, além de alterações de características específicas que podem alterar a natureza da relação entre Atividade Física e Qualidade de Vida. Por isso, o objetivo deste estudo foi verificar os fatores relacionados com maiores níveis de Atividade Física, como também verificar a relação entre Atividade Física e Qualidade de Vida. Para tal, foi conduzido um estudo transversal utilizando formulários com perguntas sociais e clínicas e de questionários de Qualidade de Vida WHOQOL-BREF e de Atividade Física IPAQ.Para as variáveis categóricas foi utilizado o teste doqui quadrado p<0,05, as variáveis numéricas foram avaliadas através do teste t student p<0,05 e as variáveis que apresentaram p<0,2 foram inseridas no modelo de regressão logística. O nível de Atividade Física apresentou relação apenas com os domínios físico e psicológico p<0,05 da Qualidade de Vida, e os fatores relacionados com os níveis de Atividade Física foram: idade, independência funcional e a participação no programa de reabilitação p<0,05.Não houve alteração na natureza da relação entre nível de Atividade Física e Qualidade de Vida, e o Programa de Reabilitação foi à única variável associada com maiores níveis de Atividade Física, apresentando um risco de chance aumentado em vinte e cinco vezes para o indivíduo ser ativo.

  • RICARDO FONTES MACÊDO
  • O SOBREPESO NÃO INFLUÊNCIA A RESPOSTA CARDIOVASCULAR E AUTONÔMICA CARDÍACA AO EXERCÍCIO DE FORÇA EM ADOLESCENTES
  • Orientador : ROGERIO BRANDAO WICHI
  • Data: 27/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com a alta prevalência de obesidade na adolescência tem sido recomendado a prática de exercício físico. Recentemente o exercício de força tem sido recomendado para a redução do peso corporal e melhora da função cardiovascular. Porém, as respostas cardiovasculares e autonômicas cardíacas durante e após uma sessão de exercício de força em adolescentes com excesso de peso não são conhecidas. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar se o sobrepeso influência nas repostas da frequência cardíaca (FC), da pressão arterial e da modulação autonômica cardíaca ao final e após uma sessão de exercício de força em adolescentes. Participaram do estudo 34 adolescentes, sendo 19 eutróficos (idade: 15±1 e IMC: 26±1) e 15 sobrepeso (idade: 16±1 IMC: 20±1). A sessão de treinamento consistiu em 10 minutos de repouso em posição supina, 10 minutos de aquecimento, 20 minutos de exercício de força (5 exercícios, 3 séries de 12 repetições a 60% de 1RM) e 30 minutos de recuperação. A pressão arterial foi analisada no repouso e ao final da recuperação. A FC, IRR e SDNN (modulação simpatovagal), RMSSD e pNN50 (modulação parassimpática) foram mensuradas em repouso, no final do exercício e na recuperação. Para comparar as respostas mensuradas inter e intra grupos foi utilizado o teste de ANOVA de 2 vias e ANOVA de 2 vias para medidas repetidas, com Post-hoc de Tukey. O nível de significância adotado foi de p<0,05. A FC e a modulação simpática de repouso foram maiores no grupo sobrepeso. O grupo sobrepeso também apresentou reduzido IRR e modulação parassimpática em repouso. Porém, o sobrepeso não influenciou nas respostas de tais variáveis ao final e depois do exercício de força. Portanto, estes dados adolescentes sugerem que o comportamento cardiovascular e autonômico cardíaco, em adolescentes, em resposta ao exercício de força não sofre influência do sobrepeso corporal.

  • CHARLES NARDELLI VALIDO
  • SUPLEMENTAÇÃO DE CITRATO DE SÓDIO INCREMENTA O DESEMPENHO EM LUTADORES DE JUDÔ
  • Orientador : CIRO JOSE BRITO
  • Data: 20/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O judô competitivo demanda alta capacidade anaeróbica, neste sentido, o efluxo muscular e tamponamento dos íons lactato e hidrogênio são determinantes para o desempenho competitivo. Objetivo: Verificar o efeito da suplementação de citrato de sódio (0,5 g.kg-1 massa corporal) sobre o desempenho de lutadores de judô. Métodos: Em um modelo duplo-cego cruzado, 12 competidores altamente treinados (graduação mínima faixa roxa) foram selecionados, destes 8 completaram todas as etapas do estudo. Realizou-se uma simulação de competição (3 lutas com duração de cinco minutos e intervalo de 15 minutos) onde mediram-se as variáveis: lactato,gases sanguíneos(pH, PCO2, PO2,HCO3- e bases), percepção subjetiva do esforço e pontuação por combate. Após a terceira luta os lutadores realizaram o Judogi Handgrip Test, em seguida o Special Judo Fitness Test (SJFT). Resultados: Após todas as lutas, os níveis de lactato foram maiores no citrato (p<0, 005) e a percepção subjetiva do esforço no controle (p<0, 005). Após a segunda e terceira luta o grupo que foi suplementado apresentou maior concentração sanguínea de HCO3, pH e menor déficit de bases ( p <0,05). Na terceira luta, o grupo Controle cometeu significativamente maior quantidade de faltas 10 vs. 3; p<0,05). Após a simulação de competição, o grupo Citrato apresentou melhor desempenho para a força estática (47,4± 3,9 vs. 39,5 ±4,0, p<0,05), dinâmica (16,5±1,7 vs. 12,8± 1,4) e menor índice de fadiga no SJFT (13,5± 0,3 vs. 14,6±0,3; p<0,05). Somente um lutador apresentou efeito adverso decorrente do consumo de citrato de sódio. Conclusão: A ingestão prévia (60 minutos) citrato de sódio resulta em melhor desempenho físico e competitivo de judocas.

  • RICARDO AUGUSTO LEONI DE SOUSA
  • Efeitos do exercício resistido agudo intenso sobre os marcadores de dano muscular, inflamação e no perfil hormonal e hemodinâmico em indivíduos com diabetes mellitus tipo 2.
  • Orientador : EMERSON PARDONO
  • Data: 14/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é caracterizada pela resistência à insulina que pode ser combatida pelo exercício físico. O objetivo deste estudo foi o de avaliar os efeitos agudos do exercício resistido agudo de alta intensidade nos marcadores de dano muscular, inflamação e no perfil hormonal no DM2. Foram voluntários 40 homens, sendo 20 diabéticos (D) e 20 não-diabéticos (N/D) que foram divididos em quatro grupos com 10 indivíduos cada que realizaram o exercício a 60% e 75% da carga máxima (N/D-60, D-60, N/D-75, D-75). Os exercícios utilizados foram: supino reto, tríceps no pulley, remada no aparelho, rosca direta com barra, elevação lateral com halteres e agachamento com barra. Sangue foi coletado e foram dosadas a creatina quinase (CK), lactato desidrogenase (LDH), proteína C reativa (CRP), testosterona, cortisol e glicemia antes e depois do protocolo de exercícios, sendo também aferida a pressão arterial para avaliar a hipotensão pós exercício (HPE) e a freqüência cardíaca (FC). Utilizou-se Shapiro-Wilk para checar a normalidade da amostra e o teste t de Student pareado, o delta absoluto, a correlação de Spearman, ANOVA one way e pós-teste de BonFerroni para a análise estatística realizada através do programa prisma 5.0. Foi estabelecido como significativos valores de p<0,05. Houve diferença significativa para CK e LDH entre o pré e pós protocolo experimental apenas nos grupos que realizaram ER intenso (p<0,05). Quando avaliada a variação da CK intra e inter grupos obteve-se significância quando comparados N/D-60 com N/D-75 e D-60 com D-75 (p<0,05). Já na LDH só houve significância quando comparados D-60 com D-75 (p<0,05). A testosterona apresentou diferença significativa entre o antes e depois ER em N/D-75, D-60 e D-75 (p<0,05). Para o cortisol houve uma redução significativa para todos os grupos (p<0,05). Existiu uma redução da glicemia mostrando uma significativa diferença entre o pré e pós protocolo experimental nos grupos N/D-60, N/D-75 e D-75 (p<0,05). Quando avaliado o delta absoluto da relação intra e inter grupos foi obtido na testosterona significância quando comparado o grupo D-60 com D-75 (p<0,05); no cortisol quando comparado intra grupos N/D-60 com N/D-75 e D-60 com D-75 (p<0,05) e inter grupos N/D-75 e D-75 (p<0,05); na razão T/C houve diferença significativa intra grupos quando comparados N/D-60 com N/D-75 e D60 com D-75 (p<0,05) e na glicemia foi constatada diferença significativa na comparação entre D-60 com D-75 (p<0,05), sendo também mostrada diferença significativa entre N/D-60 com D-60 (p<0,05). A testosterona e a glicemia apresentaram correlação no grupo D-75 com o valor de r = -0,7447 e p = 0,0135. O ER agudo de alta intensidade ocasiona elevação sérica da CK e da LDH e não promove aumento da CRP que diagnostique inflamação que comprometa a saúde do indivíduo com DM2. O aumento da razão entre a testosterona e o cortisol é favorecida e há redução dos valores da glicemia nos indivíduos com DM2. HPE foi induzida no ER moderado e intenso e a redução da FC apenas no intenso quando comparado o pré e pós protocolo nos diabéticos (p<0,05). Logo, o ER intenso promove excelentes respostas metabólicas e hemodinâmicas sobre os marcadores de dano muscular, inflamatório e no perfil hormonal em indivíduos com DM2.

    Palavras chave: diabetes mellitus tipo 2; exercício resistido; dano muscular; hormônio; glicemia.

  • ELBER RIBEIRO GAMA
  • PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO NO ESTADO DE SERGIPE.
  • Orientador : DANILO RIBEIRO GUERRA
  • Data: 13/03/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • É crescente o número de pesquisas que visam a analisar a existência de associação entre condutas de risco à saúde e sobrepeso/obesidade (SO). Tem sido verificado o constante aumento da prevalência de SO em adolescentes, o que se constitui em um fator de risco para diversas doenças na fase adulta da vida. O presente estudo teve como objetivo investigar a existência de associação entre condições de vida, condutas de risco à saúde e sobrepeso/obesidade em estudantes do ensino médio público no estado de Sergipe. Foi realizada uma pesquisa epidemiológica, com delineamento transversal. A amostra foi composta por 3992 adolescentes, distribuídos em 39 unidades de ensino situadas em 27 municípios do estado de Sergipe. Os dados coletados foram analisados através de estatística descritiva e de procedimentos de regressão logística binária, utilizando um nível de significância de 5% (p≤0,05). Por meio da análise dos indicadores para condutas de risco à saúde, observou-se que a prevalência de sobrepeso/obesidade nos sujeitos da amostra foi de 15,5%, sendo maior nos homens (16,3%) do que nas mulheres (15%). A variável dependente SO mostrou-se associada: a) à situação de domicílio dos estudantes (OR 0,74; IC 95% 0,55-0,99); à renda familiar (OR 1,34; IC 95% 1,08-1,68); c)ao não atendimento às recomendações internacionais para a prática de atividade física (OR 0,72; IC 95% 0,55-0,95); e d) ao elevado consumo de refrigerante pelos adolescentes, principalmente no gênero feminino (OR 1,23; IC 95% 1,03-1,46). Pode-se concluir que o estudo identificou uma considerável prevalência de sobrepeso/obesidade entre os adolescentes, e que a mesma está associada à situação de domicílio, renda familiar, consumo de refrigerantes e ao não atendimento às recomendações internacionais para prática de atividade física. Em contrapartida, não foi observada associação entre a exposição ao comportamento sedentário e o SO. Outros estudos com método semelhante são necessários para determinar se os resultados encontrados se confirmam em outras populações de crianças e adolescentes.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2019 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r8469-1e09b6918