Notícias

Banca de DEFESA: ANTÔNIO GOMES DE RESENDE NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTÔNIO GOMES DE RESENDE NETO
DATA: 23/02/2017
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do DEF
TÍTULO: EFEITOS DOS TREINAMENTOS FUNCIONAL E TRADICIONAL SOBRE A APTIDÃO FÍSICA E QUALIDADE DE MOVIMENTO DE IDOSAS SEDENTÁRIAS
PALAVRAS-CHAVES: Treinamento resistido, Envelhecimento, Atividades diárias,Qualidade de vida.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Introdução: Protocolos tradicionais de treinamento de força apesar de seus benefícios morfológicos e neuromusculares comprovados, nota-se questionamentos sobre seus efeitos na melhora da performance para as atividades da vida diária no idoso, podendo o treinamento funcional (TF) ser uma melhor estratégia para essa finalidade. Porém, observa-se uma carência de investigações comparando e integrando o TF com métodos de treinamento tradicionais para melhor observação dos reais efeitos em respostas adaptativas multissistêmicas. Objetivo: Analisar comparativamente os efeitos de oito e doze semanas de treinamento funcional com um treinamento de força tradicional na aptidão física e qualidade do movimento de idosas sedentárias. Metodologia: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, no qual participaram da intervenção 25 idosas divididas em dois grupos distintos: Treinamento Funcional (TF: n=13; 64,8 ± 4,6 anos; 29,6 ± 5,2 kg/m-² ) e Treinamento Tradicional (TT: n=12; 66,0 ± 5,5 anos; 28,5 ± 5,6 kg/m-² ). Para a verificar a aptidão física foi utilizado a bateria Senior Fitness Test e um teste complementar de força isométrica máxima. E para qualidade de movimento foi utilizado o Functional Movement Screen. Os dados foram analisados a partir de uma ANOVA 2x3 com post hoc test de Sidak. Resultados: Ao final das 8 semanas, quando comparado com o TT, o TF promoveu melhoras estatisticamente significativas nas variáveis: equilíbrio/agilidade (p = 0,03; +7%), força de membros inferiores (p = 0,03; +18%), força de membros superiores (p = 0,02; +15%), capacidade cardiorrespiratória (p=0,02; +8%), e força isométrica (p = 0,04; +16%). Em 12 semanas o TF apresentou diferença estatisticamente significativa nas variáveis: equilíbrio/agilidade (p = 0,00; +9%), força de membros inferiores (p = 0,03; +18%), capacidade cardiorrespiratória (p = 0,01; +7%) e na qualidade do movimento (p = 0,02; +16%), quando comparado ao TT. Entretanto, em relação aos testes de flexibilidade não apresentaram diferenças entre os grupos. E os dois grupos melhoraram significativamente em todas as variáveis (p˂0,05) com relação aos valores iniciais. Conclusão: Apesar de ambos os protocolos de treinamento demostrarem-se eficientes na melhora da aptidão física e qualidade de movimento em idosas sedentárias, o treinamento funcional aplicado demonstra-se mais eficaz que o treinamento tradicional.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ESTÉLIO HENRIQUE MARTIN DANTAS
Interno - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
Presidente - 2019019 - MARZO EDIR DA SILVA
Notícia cadastrada em: 08/02/2017 08:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata4.fragata4 v3.5.16 -r12646-2c874e3307