A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JORDANA DANTAS RODRIGUES REIS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JORDANA DANTAS RODRIGUES REIS
DATA: 20/11/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Teleconferência do RENORBIO
TÍTULO: Desenvolvimento de ferramentas moleculares para o diagnóstico e genotipagem de papilomavírus canino
PALAVRAS-CHAVES: papilomavírus canino, diagnóstico molecular, genotipagem, desenvolvimento
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Genética
SUBÁREA: Genética Molecular e de Microorganismos
RESUMO:

O papilomavírus canino (CPV) é o agente etiológico da papilomatose viral canina, que afeta os cães com neoplasias epiteliaisbenignas (papilomas e placas pigmentadas), com possível progressão para o câncer (Carcinoma de células escamosas - CCE);observando-se que as lesões podem diferir de acordo com a variabilidade genética do vírus. O CPV possui 24 tiposdistribuídos em três gêneros: o Chipapillomavirus (ChiPV), que está relacionado com as placas pigmentadas; oLambdapapillomavirus (LambdaPV) e Taupapillomavirus (TauPV) com os papilomas orais e cutâneos. Para o diagnósticomolecular do vírus, já foram utilizados primers degenerados, como: o CP4/CP5, FAP59/FAP64, MY09/11 e CanPVf/FAP64.Mas até o momento, não existem primers de detecção geral e nem um conjunto de primers específicos que tenham sidodesenhados especificamente para a detecção do CPV, o que diminui a eficácia na identificação dos seus diferentes tipos,devida à alta heterogeneidade das sequências de nucleotídeos desse vírus. Por isso, esse estudo tem como objetivo dedesenvolver novas ferramentas moleculares de diagnóstico e genotipagem de CPV. E para o desenvolvimento destasferramentas foram utilizados métodos de Bioinformática baseados nas sequências de nucleotídeos do gene L1 do CPV1 ao23, obtidas a partir do banco de dados Papillomavirus Episteme (PaVE). Primeiro, o método baseado na entropia de Shannon,que detecta regiões conservadas e informativas do genoma, foi utilizado para o desenho dos primers degenerados. Emseguida, para o desenho dos primers específicos utilizou-se o software Primer3plus. Os 23 pares de primers foram divididosem 5 blocos. 2 blocos foram testados em 33 amostras biológicas, assim como os diferentes primers degenerados descritos naliteratura. Tirando o MY09/11, que não amplificou nenhuma amostra; os demais primers degenerados amplificaram todas asamostras, que foram identificadas por genotipagem como CPV1. Os primers degenerados: Entro_CPVF/Entro_CPVR,desenhados neste estudo, até o momento, foram validados filogeneticamente, mostrando-se conservados, para a amplificaçãodos diversos tipos de CPV, diferentemente dos primers já conhecidos. Para o multiplex, os blocos I e II foram padronizados etestados, identificando a coinfecção entre CPV1 e CPV6, em todas as amostras; e a coinfecção entre CPV1, CPV6 e CPV19,para a amostra 20. O bloco IV amplificou o CPV20 na amostra 9. Comparando com a literatura, é o primeiro relato decoinfecção entre esses tipos. O CPV6 nunca tinha sido identificado em papilomas orais e em casos de CCE. E é o segundotrabalho a detectar o CPV19 e o CPV20. No Brasil, é o primeiro relato de múltiplas infecções por CPV, destacando acoinfecção do CPV1 e CPV6 em dois casos de CCE oral. Para HPV, as múltiplas infecções estão associadas as gravidadesdas lesões, estando envolvidas nos casos de câncer. Este resultado destaca a importância de se utilizar diferentes estratégiasde diagnóstico para a detecção de CPV, assim como de se utilizar primers específicos para a detecção de múltiplas infecções,possibilitando a identificação mais eficaz dos diferentes genótipos envolvidos nas neoplasias epiteliais benignas e no câncer.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2022042 - DANIEL PEREIRA DA SILVA
Interno - 2026761 - MARCUS VINICIUS DE ARAGAO BATISTA
Externo ao Programa - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Externo à Instituição - FERNANDA LAYS SOUZA GOES SANTOS

Notícia cadastrada em: 07/11/2023 08:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r18966-bf93dfabd7