Notícias

Banca de DEFESA: JULIE ANNE ESPINDOLA AMORIM

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIE ANNE ESPINDOLA AMORIM
DATA: 24/02/2014
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO DA EMBRAPA TABULEIROS COSTEIROS
TÍTULO: ESTRUTURA GENÉTICA DE REMANESCENTES DE MANGABEIRA NO NORDESTE BRASILEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Hancornia speciosa Gomes, variabilidade, marcadores SSR.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

A mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) é uma árvore frutífera, nativa do Brasil e de ampla distribuição geográfica. Atualmente, a espécie se encontra ameaçada de extinção, principalmente devido à expansão imobiliária, que contribui para a rápida redução das áreas de ocorrência natural, exercendo forte pressão sobre as populações nativas. O objetivo deste estudo foi avaliar a diversidade e a estrutura genética de populações de mangabeira remanescentes no Nordeste brasileiro, utilizando marcadores microssatélites (SSR). Foram amostrados aleatoriamente de 6 a 20 indivíduos por população, num total de seis populações e 94 indivíduos, oriundos de Sergipe (Reserva do Caju, Barra dos Coqueiros e Abaís), do Ceará (Jacarecoara e Tapera) e Pernambuco (Tamandaré). As regiões com microssatélites foram amplificadas utilizando nove primers, previamente desenvolvidos. Todas as populações apresentaram coeficientes de endogamia (f) positivos, indicando que estas são endogâmicas, com excesso de homozigotos, ausência de cruzamento aleatório e existência de fatores influenciando a aleatoriedade alélica. Menor variabilidade genética foi observada nas populações ‘Barra dos Coqueiros’ e ‘Reserva do Caju’ (Sergipe) e maior, para Jacarecoara e Tapera (Ceará). Osíndices de diversidade genética calculados para as seis populações apresentaram valores de GST = 0,101, FST = 0,126 e RST = 0,064 (p < 0,05), revelando moderada diferenciação genética entre elas, e evidência de moderada estruturação espacial, com certo nível de fluxo gênico. Os valores estimados para os pares de FST revelaram baixa a muita alta diferenciação entre as populações de H. Speciosa. Os menores valores de FST (p > 0,05) foram observados entre as populações Jacarecoara e Tapera (0,004) e Reserva do Caju e Abaís (0,011), enquanto os maiores foram encontrados entre as populações Barra dos Coqueiros e Jacarecoara (0,283) e Barra dos Coqueiros e Tapera (0,236). A população Jacarecoara (FST variando de 0,136 a 0,283) foi a mais divergente em relação às demais. A análise Bayesiana de agrupamentos da estrutura genética populacional evidenciou a diferenciação dos indivíduos de H. speciosa em três grupos distintos (K = 3). Portanto, depreende-se que as populações naturais de H. speciosa apresentam moderada diversidade genética interpopulacional, assim como moderada estrutura genética espacial entre si, mas com um padrão de estruturação pouco definido entre os grupos de populações identificados, evidenciando mistura de genomas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 523.499.506-20 - ANA DA SILVA LEDO
Presidente - 461.265.383-15 - ANA VERUSKA CRUZ DA SILVA MUNIZ
Externo à Instituição - LEANDRO EUGENIO CARDAMONE DINIZ
Notícia cadastrada em: 11/02/2014 10:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r11747-970edecc06