A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: KELIANNE CAROLINA TARGINO DE ARAÚJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KELIANNE CAROLINA TARGINO DE ARAÚJO
DATA: 22/09/2022
HORA: 08:30
LOCAL: NIPPEC
TÍTULO: Impactos causados pela exótica invasora Megathyrsus maximus (jacq.) B.K.Simon & S.W.L.Jacobs sobre a vegetação da Mata Atlântica e sobre culturas agrícolas
PALAVRAS-CHAVES: Invasão biológica; Impactos ambientais; Alelopatia.
PÁGINAS: 41
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A introdução de espécies exóticas tem promovido a simplificação da biota nativa, alémde causar vários outros efeitos negativos sobre os ecossistemas naturais e antrópicos. Oprocesso responsável por causar esse problema é chamado de invasão biológica (IB).Dentre as espécies responsáveis por promover as IB, está a gramínea Megathyrsusmaximus (Jacq.) B.K.Simon & S.W.L.Jacobs. Diante disso, o presente estudo teve comoobjetivo avaliar os impactos causados pela exótica invasora sobre a vegetação autóctoneda Mata Atlântica e sobre a germinação de culturas agrícolas. Para a avaliação deimpactos foram plotadas 40 parcelas de 1m², sendo metade delas instaladas emambiente invadido por M. maximus (AI) e a outra metade em ambiente sem a presençada espécie (ANI). No interior dessas unidades amostrais todos os indivíduos de espéciesherbáceas e semilenhosas foram contabilizados e com esses dados foram realizadas asanálises estatísticas. Já para avaliar os efeitos de M. maximus sobre a germinação deculturas agrícolas foram realizados testes de alelopatia. Para tanto, foram coletadasamostras da parte aérea da exótica invasora e após os procedimentos usuais, foramrealizadas as análises pertinentes. Foram amostrados 639 indivíduos distribuídos em 43espécies no AI e 1013 indivíduos distribuídos em 94 espécies no ANI. Segundo asanálises realizadas, a composição específica, a riqueza taxonômica e a diversidadeforam afetadas pela presença de M. maximus, assim como foram afetados os índicesutilizados nos bioensaios de alelopatia. O conjunto de resultados apresentados indicam anecessidade de criação de políticas públicas que visem o controle da espécie M.maximus em todo o território nacional, principalmente em Unidades de Conservação eáreas produtivas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715088 - JULIANO RICARDO FABRICANTE
Externo à Instituição - LAMARTINE SOARES BEZERRA DE OLIVEIRA
Interno - 1881178 - MARCOS VINICIUS MEIADO

Notícia cadastrada em: 08/09/2022 10:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r18966-bf93dfabd7