A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JOSE CICERO FERREIRA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSE CICERO FERREIRA DOS SANTOS
DATA: 26/05/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferencia
TÍTULO: MACRO E MESOFAUNA COMO BIOINDICADOR PEDOLÓGICO DA CAATINGA NO SERTÃO ALAGOANO
PALAVRAS-CHAVES: Bioma Caatinga, Organismos Edáficos, Interações, Perturbações Crônicas.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

Este trabalho procura descrever e analisar a abundância, riqueza, diversidade e interações da macro e mesofauna como possível bioindicador de qualidade de solo em áreas antropizadas e não antropizadas no bioma Caatinga localizado no Sertão alagoano. Problematiza se os organismos edáficos são indicadores da qualidade do solo já que participam da cadeia alimentar e fluxos energéticos na dinâmica de mineralização dos resíduos orgânicos hipotetizando afirmativamente. Para tanto foram tomadas para análises quatro áreas no município de Santana do Ipanema, AL: Reserva Tocaia preserva (RTP), Tocaia antropizada (TA); Estação Curral do Meio preservada (CP), Curral do Meio antropizada (CA). Para a coleta de macrofauna fez-se uso adaptado do método Tropical Soil Biology and Fertility (TSBF) descrito por Anderson e Ingran, 1993. Já a extração de mesofauna utilizou-se o extrator de Berlese Tullglen. Todas as amostras tiveram seus organismos edáficos quantificados e identificados em nível de ordem e em seguida submetidos ao programa BioEsta 5.0 para verificar a diversidade de Shannon e Uniformidade de Pielou; bem como analisados através de Modelos Lineares Generalizados (GLM), com teste de Tukey a posteriori. As análises foram realizadas no software STATISTICA 13.0 com índice de significância de 0,05; ocorreram análise físicas e químicas do solo. Nos ambientes analisados foram encontrados 1.813 indivíduos, distribuídos em 20 grupos taxonômicos. A macrofauna na área (RTP) apresentou 107 indivíduos e 8 ordens; (TA) 315 indivíduos e 9 ordens; (CP) 302 indivíduos e 14 ordens e (CA) 175 indivíduos e 7 ordens. Para a mesofauna apresentaram: (RTP) 272 indivíduos e 7 ordens, (TA) 359 indivíduos e 5 ordens, (CP) 169 indivíduos e 6 ordens, (CA) 114 indivíduos e 6 ordens. Como resultado geral temos que a área (RTP) teve para a macrofauna em relação a (TA) apresentou maior riqueza e menor abundância, já para mesofauna menor riqueza e maior abundância; a área (CP) em relação à (CA) levando em consideração a macrofauna se mostrou mais rica e abundante e em relação à mesofauna obteve maior abundância, porém com mesma riqueza. Os grupos da macrofauna mais abundantes foram haplotaxida (minhocas), hymenoptera (formigas), isoptera (cupins) e pulmonata (lesmas e caracóis) e para a mesofauana foram Acarina e Collembolas. Pode-se concluir que os organismos edáficos são bioindicadores de qualidade de solo, todavia, se faz necessário novos estudos direcionados a determinados grupos faunísticos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1582382 - DANIEL ALMEIDA DA SILVA
Interno - 1763997 - JOSE RONALDO DOS SANTOS
Presidente - 2660130 - MARCELO ALVES MENDES

Notícia cadastrada em: 02/05/2022 14:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r18966-bf93dfabd7