A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Aceito
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: TOMAZ MARTINS DA SILVA FILHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TOMAZ MARTINS DA SILVA FILHO
DATA: 27/08/2021
HORA: 15:00
LOCAL: Sessão remota (via Google Meet)
TÍTULO: Educação e Prudência em Kant: a propósito do uso do juízo moral vulgar
PALAVRAS-CHAVES: Juízo moral vulgar. Moralidade. Prudência. Civilização. Exemplos. Educação.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
RESUMO:

Kant, ao buscar um fundamento seguro para a moralidade, parte da admissão do conhecimento moral vulgar que, por sua vez, produz um juízo moral vulgar. Esse tem em conta a apreciação da boa vontade como condição que o leva a formular uma noção imperfeita do imperativo categórico. A partir disso, a tarefa da razão prática é submeter o juízo moral vulgar ao crivo da crítica para afastá-lo da influência de todos os fundamentos determinantes materiais práticos que lhe possam perverter. Tais fundamentos só fornecem princípios de heteronomia, já que neles toda a condição da matéria moral &eacut e; empírica. Isso torna o juízo moral frágil e sujeito à instabilidade. A depuração do juízo vulgar inicia, propriamente, quando a razão mesma se apresenta como origem do princípio supremo da moralidade por meio dos conceitos de boa vontade, dever, respeito e lei. Por isso, a divisão dos imperativos na Fundamentação é esclarecedora quanto à composição dos juízos morais, evitando confundir os princípios e fundamentos da moral com os da prudência. O juízo moral vulgar tem por obrigação distinguir os imperativos de prudência, dos imperativos de moralidade, apesar de no plano formativo do indiv íduo, a prudência ser algo indispensável, pois por meio dela a educação pode utilizar-se dos exemplos fornecidos pelo juízo moral vulgar. Nossa hipótese é que a educação se utiliza do juízo moral vulgar na formação prática, especificamente, na formação prudencial. Por meio dos exemplos, forma-se o indivíduo na prudência, ao mesmo tempo que o prepara, pouco a pouco, para o fim da educação: a moralidade. Assim, a presente pesquisa, esboça a divisão do texto em cinco capítulos. O primeiro capítulo recompõe o conceito juízo moral vulgar a partir da Fundamentação; o segundo trata sobre o conceito de moralidade a partir das fórmulas do imperativo categórico; o terceiro aborda os imperativos hipotéticos de habilidade juntamente com o conceito de cultura; o quarto articula os imperativos pragmáticos com o conceito de prudência e civilização; o quinto e último capítulo relacionará educação e uso do juízo moral vulgar na formação prática. De forma que por meio dos exemplos proveniente do juízo moral vulgar, pode-se educar em regras de prudência e, assim, prepara-se o homem para o fim da educação, a saber, a moralidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426619 - EDMILSON MENEZES SANTOS
Externo à Instituição - ROBERTO RIVELINO EVANGELISTA DA SILVA
Interno - 2631929 - SAULO HENRIQUE SOUZA SILVA

Notícia cadastrada em: 23/08/2021 12:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r16381-d9174a643d