A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de DEFESA: CLÊRTON MAGNO ROCHA SANTANA PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLÊRTON MAGNO ROCHA SANTANA PEREIRA
DATA: 28/09/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório 2 Sala 25 da Embrapa Tabuleiros Costeiros.
TÍTULO: Puberdade e maturidade sexual de ovinos portadores da genética FecGE
PALAVRAS-CHAVES: GDF-9, precocidade, mutação, polimorfismo, Santa Inês, sêmen
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Produção Animal
RESUMO:

Identificada a partir de ovelhas Santa Inês com histórico de partos múltiplos, a mutação FecGE do gene do fator de crescimento e diferenciação -9 (GDF-9), provoca um incremento na taxa de ovulação e na prolificidade das ovelhas homozigotas. Contudo, os efeitos do GDF-9 sobre a fisiologia reprodutiva dos machos não estão totalmente elucidados e não existem estudos que relacionam este gene com o desenvolvimento reprodutivo de ovinos especialmente naqueles portadores da mutação FecGE. A caracterização da puberdade e maturidade sexual de carneiros portadores do genótipo FecGE além de contribuir para o conhecimento dos efeitos desta mutação sobre a fisiologia reprodutiva masculina, pode ser usada como base de informações para os programas de seleção e melhoramento genético de ovinos. Objetivou-se neste trabalho avaliar os efeitos da mutação FecGE sobre a puberdade e a maturidade sexual de cordeiros Santa Inês. Foram utilizados 36 cordeiros genotipados para a FecGE e distribuídos de acordo com seu genótipo: homozigoto não mutante – FecG+/+ e; heterozigoto – FecG+/E e homozigoto – FecGE/E mutantes. Os cordeiros foram avaliados andrologicamente (circunferência escrotal – CE; volume seminal – VS; motilidade – MOT, Vigor – VigE, viabilidade - VE e concentração - CON – espermáticas e; Defeitos Maiores -DMa, Menores - DMe e Totais - DT) a cada 15 dias durante 11 meses, para verificar a influência da mutação sobre a fisiologia reprodutiva e para que fosse determinada a idade à puberdade (MOT ≥ 10%, CON ≥ 50 x 106 sptz/mL e DT ≤ 50%) e à maturidade sexual (MOT ≥ 50%, DMa ≤ 15%, DT ≤ 30%). Os dados foram avaliados através da análise de covariância com medidas repetidas no tempo, considerando o peso ao nascimento como covariável e, o pós-teste de Duncan a 5% de probabilidade. Não foram observadas diferenças (P>0,05) entre os genótipos. A mutação FecGE não influenciou (P>0,05) os parâmetros ao longo do período experimental e as idades à puberdade (187,87 ± 6,54 dias) e à maturidade sexual (230,31 ± 9,87dias). Conclui-se que a mutação FecGE não apresenta efeito sobre a puberdade e a maturidade sexual de cordeiros Santa Inês que podem ser utilizados como reprodutores disseminadores desta genética prolifica.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1114513 - ARTHUR NASCIMENTO DE MELO
Externo ao Programa - 1540540 - EDIVALDO ROSAS DOS SANTOS JUNIOR
Presidente - 481.176.765-91 - HYMERSON COSTA AZEVEDO

Notícia cadastrada em: 17/09/2018 09:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r17722-925b7210d0