UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 26 de Novembro de 2020


PROCFIS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA IVONE OLIVEIRA DANTAS
23/11/2020 16:18


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA IVONE OLIVEIRA DANTAS
DATA: 18/12/2020
HORA: 14:00
LOCAL: On-line
TÍTULO: Aspectos somatossensoriais, clínicos, funcionais e psicoemocionais de pacientes com cefaleia do tipo enxaqueca crônica: estudo caso controle
PALAVRAS-CHAVES: enxaqueca crônica; estudo epidemiológico; neurofisiologia da dor; cefaleias
PÁGINAS: 114
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

Enxaqueca crônica é um tipo de cefaleia primária definida como cefaleia em pelos menos 15 dias por mês, sendo que oito desses dias por mês suas cefaleias tem características de enxaqueca seguindo os critérios diagnósticos. Sua fisiopatologia ainda não é totalmente elucidada, sendo subdiagnosticada e subtratada. Com isso, vários aspectos na vida dos indivíduos, como os somatossensoriais, clínicos, funcionais e psicoemocionais podem estar afetados. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi comparar os aspectos somatossensoriais, clínicos, funcionais e psicoemocionais de indivíduos com diagnóstico de cefaleia do tipo enxaqueca crônica com indivíduos saudáveis. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico, observacional, do tipo caso controle, com indivíduos entre 18 e 50 anos com diagnóstico clínico de cefaleia do tipo enxaqueca crônica, no período entre janeiro de 2019 e fevereiro de 2020. Os participantes foram avaliados nos seguintes aspectos: intensidade de dor em repouso, movimento e durante pressão mecânica, teste de somação temporal, teste de modulação condicionada da dor, limiar de dor por pressão, inventário de sensibilização central, sintomas alodinicos, amplitude de movimento cervical, níveis de atividade física, incapacidade cervical, cinesiofobia, catastrofização da dor, sintomas de ansiedade e depressão, qualidade de vida, qualidade do sono e deficiências em enxaqueca. Esse estudo seguiu ás recomendações STROBE. O software utilizado para realização das análises estatísticas foi o GraphPad Prism versão 6.0, o teste de Shapiro-Wilk foi utilizado para analisar a normalidade (dados paramétricos - teste t para medidas independentes e dados não paramétricos - teste de Mann-Whitney) com p significativo <0,05). As variáveis categóricas foram avaliadas pelo teste exato de Fisher e pelo teste qui-quadrado de acordo com suas especificidades. Resultados: Foram incluídos 32 pacientes com enxaqueca (GE), sendo 14 com aura (GECA) e 18 sem aura (GESA) e 22 voluntários no grupo controle saudável (GC) foram incluídos nesse estudo. Houve diferença significativa entre o GC e o GE, onde o GE apresentou maior intensidade de dor em repouso, movimento e durante a pressão mecânica, diminuição dos mecanismos de amplificação da dor, déficits no controle endógeno da dor, menor limiar de dor por pressão, menor amplitude de movimento, maior presença de incapacidades cervicais e presença de sintomas depressivos, além de pior qualidade de vida. Nos subgrupos enxaqueca, apenas o GESA apresentou maior amplificação da dor. Conclusão: Pacientes com enxaqueca crônica apresentam alterações somatossensoriais nas dimensões sensitivas da dor, exibiram déficits funcionais, juntamente com alta prevalência de incapacidades cervicais com prejuízos nos aspectos gerais da qualidade de vida e presença de sintomas depressivos. No entanto, os subgrupos enxaqueca com e sem aura nesta amostra apresentaram semelhanças em quase todas as variáveis estudadas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1921696 - MARCELA RALIN DE CARVALHO DEDA COSTA
Externo à Instituição - MARIA CLAUDIA GONÇALVES
Presidente - 2225863 - MURILO MARCHIORO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r13092-8d67585eaa