Notícias

Banca de DEFESA: LARISSA PEDROSA DE MELO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LARISSA PEDROSA DE MELO
DATA: 27/07/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência (link a ser informado)
TÍTULO: AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DO BIOETANOL: UM CASO COMPARATIVO ENTRE A CASCA DO COCO E O BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
PALAVRAS-CHAVES: sustentabilidade; GBEP; bioetanol 2G; biomassas
PÁGINAS: 207
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Sanitária
SUBÁREA: Saneamento Ambiental
ESPECIALIDADE: Ecologia Aplicada a Engenharia Sanitária
RESUMO:

O Brasil é um grande produtor mundial de biocombustíveis, especialmente de bioetanol. Estadissertação teve como objetivo realizar uma avaliação da sustentabilidade comparando duasrotas de produção de bioetanol de segunda geração, sendo uma via bagaço da cana-de-açúcare outra utilizando a casca do coco. Para tanto, inicialmente, realizou-se uma pesquisaexploratória e descritiva, por meio da qual foi feito um levantamento referente às rotasprodutivas envolvendo as duas biomassas em questão e às metodologias de avaliação desustentabilidade disponíveis, identificando seus respectivos indicadores. Posteriormente,através da análise da revisão da literatura, foram selecionadas as duas rotas a serem avaliadase a metodologia de avaliação de sustentabilidade empregada. Em seguida, fez-se a definiçãodos indicadores de sustentabilidade que possuem relação com o presente estudo paraaplicação dos mesmos sobre as rotas selecionadas. A rota produtiva selecionada, a partir dobagaço da cana-de-açúcar, deriva da tecnologia Iogen e é empregada na Usina Costa Pinto daRaízen, a qual produz o biocombustível a nível comercial; já para a casca do coco, foiselecionada uma rota desenvolvida em escala de bancada, que emprega pré-tratamento físico epré-tratamento químico com NaOH, com posteriores hidrólise enzimática e fermentação. Paraavaliar a sustentabilidade dessas rotas, foi selecionada a metodologia da GBEP, a qual forneceum tratamento qualitativo de dados, sendo que, desta, foram escolhidos 9 indicadores. Osresultados obtidos com a análise dos indicadores sinalizaram que apesar da rota que empregao bagaço da cana-de-açúcar ter sido apontada como maior recrutadora de mão-de-obra, a rotaque emprega a casca do coco demonstrou maior sustentabilidade social, para a qual seconcluiu haver uma melhor remuneração e uma menor ocorrência de lesões, doenças e mortesocupacionais. No tocante a sustentabilidade ambiental, com menor incidência de emissões deGEE e menor extração de água, a rota via bagaço se apresentou superior à via casca do coco.Com relação ao pilar econômico, apresentando maior produtividade, além de uma maiorreceita líquida decorrente da produção, apesar de um maior gasto energético, a produção viabagaço também revelou maior sustentabilidade. Em vista disso, a análise comparativaproduzida pelo processamento dos dados identificou que a rota via bagaço de cana-de-açúcaré a mais sustentável para a produção de bioetanol de segunda geração.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO RAMON ALVES DO NASCIMENTO
Presidente - 2698666 - INAURA CAROLINA CARNEIRO DA ROCHA
Interno - 1542165 - JOSE JAILTON MARQUES

Notícia cadastrada em: 22/07/2021 09:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r16088-62c448d53e