A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: THAÍS SANTOS DÓRIA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAÍS SANTOS DÓRIA
DATA: 10/10/2022
HORA: 14:00
LOCAL: meet.google.com/wou-tavt-fyf
TÍTULO: MULHERES NA GESTÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DO FENÔMENO TETO DE VIDRO
PALAVRAS-CHAVES: Teto de vidro. Gênero. Mulheres. Gestão Universitária. Cargos de Direção
PÁGINAS: 63
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
SUBÁREA: Administração Pública
RESUMO:

Este estudo busca analisar a desproporcionalidade de homens e mulheres na ocupação dos Cargos de Direção (CDs) nas instâncias máximas de poder da Universidade Federal de Sergipe (UFS) sob a perspectiva da metáfora Teto de Vidro. Metodologicamente, a pesquisa está estruturada em uma abordagem qualitativa, de caráter descritivo e exploratório. A partir dessas escolhas metodológicas, a pesquisa será executada em três fases: na primeira, será realizado um levantamento de dados numéricos acerca da ocupação de CDs, por sexo, no período compreendido entre os anos de 2012 e 2021; sequencialmente, na segunda, serão realizadas entrevistas semiestruturadas com mulheres que ocupam esses cargos na instituição; na terceira, por fim, as entrevistas serão transcritas e tratadas por meio da técnica de análise de conteúdo. A metáfora Teto de Vidro (Glass Ceiling) é utilizada para representar o fenômeno que dificulta a ascensão feminina a cargos de alto nível hierárquico nas organizações, sejam elas públicas ou privadas. Essas barreiras são descritas como sutis e invisíveis, assim como o vidro, mas suficientemente fortes para distanciar as mulheres dos espaços de liderança e poder das organizações. Na administração pública, em particular, a discriminação entre gêneros é mitigada no processo de admissão, uma vez que o acesso ao emprego público se dá por meio de aprovação prévia em concurso público. Esse mecanismo, porém, não impede que, durante a trajetória profissional, as mulheres enfrentem práticas discriminatórias em razão do gênero. Estudos têm evidenciado que também há distribuição desigual de homens e mulheres nas instâncias hierárquicas mais elevadas das organizações públicas. Entretanto, as práticas discriminatórias não são a única barreira apontada pelo fenômeno Teto de Vidro. É necessária uma análise intersecional com a divisão sexual do trabalho e os papéis sociais atribuídos aos indivíduos, com base no gênero. Espera-se, com isso, que esta pesquisa indique se a dimensão do gênero é um fator relevante para a construção do cenário de baixa representatividade de mulheres no topo da hierarquia da instituição e se há barreiras que dificultam o acesso das servidoras aos Cargos de Direção. Ademais, pretende-se sugerir medidas que favoreçam a igualdade de gênero na gestão da Universidade Federal de Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2577589 - JUSSARA MARIA MORENO JACINTHO
Externo à Instituição - PABLO LUIZ MARTINS
Externo ao Programa - 2455575 - PATRICIA ROSALBA SALVADOR MOURA COSTA

Notícia cadastrada em: 30/09/2022 11:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e