Notícias

Banca de DEFESA: LINDAURA DA SILVA PRADO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LINDAURA DA SILVA PRADO
DATA: 28/02/2018
HORA: 08:30
LOCAL: sala 01 do pólo de gestão
TÍTULO: ÍNDICE ÁLGICO E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DISTÚRBIO OSTEOMETABÓLICO SUBMETIDOS A TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA
PALAVRAS-CHAVES: Doença Renal Crônica, Distúrbio Mineral e ósseo, Dor, Qualidade de Vida
PÁGINAS: 76
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: A insuficiência renal é caracterizada pela perda da função dos rins, podendo ser classificada como aguda ou crônica. Ao longo da evolução da doença grande parte dos pacientes desenvolvem o distúrbio mineral ósseo da doença renal crônica (DMO-DRC). A identificação precoce das manifestações clínicas permite que sejam realizadas condutas para minimizar dores ósseas e melhorar a capacidade funcional dos pacientes acometidos por essa patologia, uma vez que, sua prevalência tem sido associada a uma menor qualidade de vida. Objetivo: Avaliar índice álgico em pacientes com distúrbio osteometabólico da doença renal crônica, submetidos à hemodiálise, e seu impacto sobre a qualidade de vida. Metodologia: Foi realizado um estudo epidemiológico observacional descritivo do tipo transversal em uma amostra de 217 pacientes submetidos à hemodiálise, onde foram avaliados parâmetros bioquímicos associados com o metabolismo ósseo, como: Cálcio, fósforo, PTH, fosfatase alcalina, vitamina D, além do alumínio. A qualificação e quantificação da dor foi mensurada através da aplicação dos questionários: Inventário Breve da dor (IBD) e McGill (McGill Pain Questionnaire), respectivamente. A avaliação da qualidade de vida dos pacientes foi realizada através da utilização do Questionário de qualidade de vida em doença renal (Kidney Disease Quality of Life Questionaire Short Form: KDQOL-SF). Resultados: Do total de pacientes 36,4% apresentaram valores alterados para o cálcio. Quanto ao fósforo, aproximadamente 50% dos pacientes apresentaram alterações abaixo ou acima dos valores de referência. Do total, 16,59% dos voluntários apresentaram o produto dos níveis de cálcio e fósforo ≥ 55 mg/dL. Tratando-se do PTH, 73,74% dos pacientes apresentaram valores superiores ou inferiores ao intervalo recomendado para pacientes com DRC (150-300 pg/dl). Para a vitamina D, observou-se que 10,60% e 24,42% dos pacientes apresentaram níveis séricos deficientes e insuficientes, respectivamente. Através emprego do inventário breve da dor foi possível observar que 53 pacientes (33,97) haviam sentido dor nas últimas 24 horas, com escores médios de 6,79 ± 2,68; 3,09 ± 1,87 e 4,71 ± 2,19, para a dor máxima, a dor mínima e a dor média, respectivamente. No momento da entrevista, os pacientes reportaram escore médio de dor de 2,36 ± 2,86. Em geral, estas condições álgicas impactaram na atividade geral, humor, habilidade de caminhar e no sono. As dimensões sensorial e afetivo apresentaram maior índice de classificação da dor. Os pacientes atingiram escores elevados (67-100) de qualidade de vida. Apenas a dimensão status de trabalho (23,77%) apresentou elevado impacto (0-33) sobre a qualidade de vida dos pacientes submetidos a hemodiálise. Conclusão: A alta prevalência de pacientes com DMODRC foi verificada no estudo através dos parâmetros bioquímicos. O estudo possibilitou avaliar a intensidade e a interferência da dor nas suas diversas dimensões, bem como seu impacto sobre a qualidade de vida dos pacientes renais crônicos. Perspectivas: Após a conclusão da tabulação dos dados, será realizada análise estatística para comparação entre os grupos de pacientes com e sem DMO melhor compreensão do impacto deste distúrbio da dor e qualidade de vida dos pacientes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2869627 - ADRIANA GIBARA GUIMARÃES
Interno - 2127825 - CARLOS EDUARDO PALANCH REPEKE
Externo ao Programa - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Externo ao Programa - 008.005.435-80 - THALLITA KELLY RABELO
Notícia cadastrada em: 15/02/2018 16:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10840-e5b57c044