A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: PATRICIA BRANDAO BARBOSA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PATRICIA BRANDAO BARBOSA DA SILVA
DATA: 27/08/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Prozootec
TÍTULO: PROPENSÃO DAS EMPRESAS EM DEPOSITAR PATENTES BASEADO EM INDICADORES DE DESEMPENHO ECONÔMICO E FINANCEIRO
PALAVRAS-CHAVES: propriedade industrial; inovação; logit; bolsa de valores
PÁGINAS: 130
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

Os fatores determinantes na decisão de uma empresa depositar ou não patentes tem sido objeto de vários estudos, no entanto, pouca atenção tem sido dada aos indicadores de desempenho econômico e financeiro. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a influencia dos indicadores de desempenho econômico e financeiro na decisão de depositar patentes das empresas listadas na bolsa de valores do Brasil, Bolsa Balcão (B3). No primeiro artigo se apresenta o que determina a decisão em depositar patentes com base na revisão sistemática de 22 estudos empíricos publicados em periódicos científicos. Para isto, se propõe e discute um arcabouço que reúne um conjunto de variáveis explicativas que influenciam na propensão a patentear em fatores internos e externos à empresa. As variáveis tamanho, pesquisa e desenvolvimento (P&D), idade, setor industrial, rede de colaboração e concorrência do setor foram os fatores explicativos para propensão a patentear usados com maior frequência pelos artigos. Em outra investigação identificou-se como os fatores econômicos e financeiros afetam a decisão de depositar patentes das empresas. Os dados utilizados são uma fusão das informações de depósito de patentes fornecidos pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI e das informações financeiras das empresas da bolsa de valores B3, no período de 2010 a 2017. Os dados foram analisados usando estatísticas descritivas e o modelo econométrico de regressão logística (logit). Observou-se que as empresas com maior propensão a patentear são as de grande porte, com menor endividamento geral e de curto prazo e menor liquidez geral, juntamente com um maior potencial de gerar riqueza por meio do ativo. As empresas também são mais propensas a serem cedentes e cessionárias de contratos de transferência de tecnologia, além de geralmente estarem em setores de alta ou baixa intensidade tecnológica. O modelo de propensão a patentear foi validado utilizando os testes da razão de verossimilhança para o ajuste geral, de Hosmer-Lemeshow para calibração e a área sob a curva ROC para discriminação. O modelo validado pode ser usado para investigar os determinantes da propensão a patentear e discriminar as empresas com patentes.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2022042 - DANIEL PEREIRA DA SILVA
Presidente - 2483844 - RENATA SILVA MANN
Externo à Instituição - SILVIA BEATRIZ BEGER UCHOA
Interno - 380.837.950-20 - SUZANA LEITAO RUSSO
Externo à Instituição - TATIANE LUCIANO BALLIANO

Notícia cadastrada em: 23/08/2019 10:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18075-ca7168c8af