Notícias

Banca de DEFESA: DIMITRIUS PABLO SABINO LIMA DE MIRANDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DIMITRIUS PABLO SABINO LIMA DE MIRANDA
DATA: 18/12/2017
HORA: 10:00
LOCAL: SALA E5 - NUPEG
TÍTULO: ANÁLISE DOS FATORES DE DIFICULDADE E APOIO NA GESTÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO NORDESTE BRASILEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia, Cooperação Universidade-Empresa
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

Os países que mais inovam tecnologicamente adquirem vantagens competitivas em relação aos demais, em função disso a gestão da tecnologia protegida por meio da propriedade intelectual se tornou um tema de extrema relevância para a maior parte das nações. No Brasil, as universidades públicas desenvolvem diversas inovações tecnológicas com potencial de transferência para o setor produtivo, o que caso fosse bem sucedido poderia permitir o desenvolvimento tecnológico e econômico do país. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi analisar como estão estruturadas as universidades federais da região do nordeste brasileiro quanto à sua regulamentação de propriedade intelectual, bem como os processos de transferência de tecnologia para empresas, buscando identificar fatores de dificuldade e apoio a essa prática. O trabalho utilizou uma abordagem exploratória e qualitativa de análise, tendo como objeto de estudo as Universidades Federais da região Nordeste do Brasil. Foram levantadas as regulamentações internas de todas as universidades estudadas relativas à Propriedade Intelectual (PI) e a Transferência de Tecnologia (TT) e informações sobre o desempenho em patenteamento e transferência de tecnologia das instituições, na busca por maiores informações foram aplicados questionários juntos aos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) de cada universidade, principais responsáveis pela gestão da PI e da TT. Os resultados do trabalho foram divididos em cinco categorias: estrutura de proteção da propriedade intelectual na instituição, normatização interna das universidades quanto à PI e a TT, desempenho das universidades quanto à proteção da propriedade intelectual, desempenho das universidades quanto à transferência de tecnologia e cooperação universidade-empresa. Foram verificados ainda aspectos relacionados a formação e ao grau de instrução dos colaboradores dos NITs. Como conclusão geral, os recursos humanos ou a estruturação desses se apresenta como um obstáculo para os processos de Transferência de Tecnologia, há um alto grau de formação dos colaboradores do NIT com 52,6% dos cargos de chefia ocupados por doutores, no entanto, poucos colaboradores apresentam formação em áreas jurídicas ou administrativas necessárias aos processos de TT o que resulta e uma grande produção de proteções de PI e pouca Transferência de Tecnologia, sendo que a maior falta da estrutura pessoal se encontra na quantidade insuficiente de servidores com dedicação integral ao departamento. Quanto às regulamentações internas e diretrizes das universidades para a Transferência de Tecnologia, há algum apoio nas portarias e regimentos existentes para que os processos de TT ocorram, como, por exemplo, a permissão de co-titularidade e o estabelecimento de um percentual pecuniário para os inventores no caso de comercialização de tecnologia, todavia, apesar dos esforços nacionais em prol da inovação tecnológica no país, há um desenvolvimento tardio dos Núcleos de Inovação Tecnológica na maioria das universidades federais nordestinas, o que por si só é um fator de dificuldade para gestão da propriedade intelectual produzida e para o desenvolvimento dos processos de transferência de tecnologia, havendo 3 universidades federais na região nordeste do Brasil que ainda não possuem diretrizes para a proteção da PI produzida ou sobre TT, inexistindo modelos de valoração da tecnologia, plano prévio de comercialização, publicidade ou marketing da Propriedade Intelectual produzida em todas as universidades pesquisadas, no que concerne à cooperação universidade-empresa, há uma grande disponibilidade de meios para que as universidades realizem contatos com o meio empresarial, no entanto, não existe a utilização de todos os meios. De forma geral, há apoio por parte das universidades federais nordestinas para que os processos de Transferência de Tecnologia ocorram, o grande obstáculo é a falta de um planejamento ou modelo de processo de TT.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 380.837.950-20 - SUZANA LEITAO RUSSO
Interno - 285.033.170-87 - MARIA EMILIA CAMARGO
Externo à Instituição - RITA DE CÁSSIA PINHEIRO MACHADO
Notícia cadastrada em: 15/12/2017 09:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r15644-68a4915b02