Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RAFAELA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAELA SILVA
DATA: 28/05/2014
HORA: 15:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: Gestão da Propriedade Intelectual em Empresas de Base Tecnológica: estratégias utilizadas por empresas vinculadas à Incubadora Tecnológica de Campina Grande
PALAVRAS-CHAVES: Gestão da Propriedade Intelectual, Empresas de Base Tecnológica, Incubadoras.
PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

O empreendedorismo tecnológico consiste na combinação da tecnologia com o mercado para atender, antecipadamente, aos desejos e necessidades dos clientes, assegurando que os recursos adequados serão alocados para o desenvolvimento e lançamento dos produtos e serviços. As empresas de base tecnológica, por sua vez, apresentam particularidades em relação às empresas de setores tradicionais e, por isso, a importância do seu diálogo com parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Tal interação é ideal porque o empreendedor de empresas de base tecnológica enfrenta um desafio a mais, em relação aos demais, o de transformar ideias em produção, passando de pesquisador a empreendedor. A Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (PaqTcPB), através da Incubadora Tecnológica de Campina Grande (ITCG), há 30 anos, apoia este tipo de empresa no estado da Paraíba, estimulando a transferência de tecnologia, fomentando a criação de novas empresas de base tecnológica, aproximando o mundo da Ciência, Tecnologia e Inovação do mundo dos negócios. A missão da ITCG tem sido formar empreendedores, sobretudo, no âmbito gerencial, ciente de que a maioria dos novos incubados possui sólida competência técnica na área de atuação da empresa, mas que carece de conhecimento e experiência mercadológicos. No entanto, é de suma relevância, também, a difusão da cultura da proteção e gestão da Propriedade Intelectual (PI) para a consolidação de estratégias empresariais que explorem os ativos intangíveis deste tipo de empreendimento, transformando os bens passíveis de proteção em ativos para a empresa. Com o objetivo de diagnosticar as estratégias de gestão da PI utilizadas por empresas vinculadas à ITCG, foi aplicado um questionário com perguntas objetivas e abertas semiestruturadas, a um conjunto de empresas constantes do banco de dados da ITCG, entre incubadas, graduadas, associadas, ou empresas beneficiárias de algum programa de fomento ao empreendedorismo inovador. Submetendo os dados a uma análise quanti-qualitativa, traçou-se o perfil destas empresas, sendo 80% delas atuantes no setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e com até seis anos de existência. Apesar de 87% das empresas possuírem empreendedores com pós-graduação, na sua maioria mestres, mais da metade do grupo afirma que seu produto principal não deriva de resultado de P&D nas universidades. Um total de 87% das empresas considera o seu produto inovador no mercado, sendo que 67% acreditam ser o produto passível de proteção, no entanto, 87% das empresas não adotam qualquer política de aquisição, exploração e/ou monitorização de ativos de PI. Dos respondentes, apenas 33% possuem ativos de PI protegidos, mas 60% já utilizaram algum serviço disponibilizado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial, tendo 20% empregado serviços de escritórios de patentes no exterior. Pouco mais da metade, 53%, alegou ter recebido algum tipo de treinamento da ITCG sobre PI, 73% consideram muito importante proteger os ativos de PI e 47% acham muito importante a participação da Incubadora nas orientações sobre o tema à empresa. Entre as principais dificuldades elencadas na gestão da PI estão os problemas na definição do que é passível de proteção, os altos custos dos serviços especializados e a burocracia e demora nas análises dos pedidos. Como estas empresas se encontram em processo de consolidação no mundo negocial, é fundamental a orientação e o assessoramento, de forma permanente, por parte da ITCG, para questões relacionadas à PI. Ações de cunho educativo, como cursos, palestras, ou treinamentos para orientar as empresas de como identificar seus ativos intangíveis, protegê-los e explorá-los, são essenciais. Contudo, firma-se como indispensável a disponibilização de um assessoramento constante, com pessoal especializado para tentar auxiliar na resolução de questões de ordem prática enfrentadas pela empresa, tanto no âmbito de proteção da PI, quanto na geração de recursos a partir desses ativos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1835499 - JOAO ANTONIO BELMINO DOS SANTOS
Interno - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Externo à Instituição - MARCELO DA COSTA MENDONCA
Notícia cadastrada em: 19/05/2014 16:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r15644-68a4915b02