Notícias

Banca de DEFESA: ANA MARCIA MENEZES DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA MARCIA MENEZES DE OLIVEIRA
DATA: 28/08/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 26 do Ciências da Saúde do Hospital de Universitário
TÍTULO: ACHADOS CLÍNICOS OROFACIAIS EM CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO VÍRUS ZIKA
PALAVRAS-CHAVES: Zika Vírus; Infecção pelo Zika Vírus; Microcefalia; Saúde bucal; Nutrição do lactente.
PÁGINAS: 52
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

Introdução: A Síndrome Congênita por Zika Vírus (SCZ) se caracteriza por um padrão de anomalias estruturais e incapacidades funcionais apresentados por crianças que foram expostas ao Zika vírus (ZIKV) durante o período gestacional. As principais alterações clínicas e funcionais encontradas em crianças com SCZ são o déficit sensorial importante, irritabilidade, disfunção do tronco cerebral, incluindo disfagia, artrogripose, alterações neuromotoras, auditivas e oculares. Entretanto, são escassos os estudos que avaliaram a presença de alterações bucais em crianças com SCZ. Objetivo: O presente estudo avaliou os achados clínicos orofaciais em crianças com SCZ e investigou a presença de hábitos de sucção não-nutritiva, hábitos funcionais, salivação excessiva e aspectos relacionados à amamentação, alimentação e estado nutricional dessas crianças. Materiais e Método: Estudo transversal envolvendo 45 crianças diagnosticadas com SCZ e 50 crianças saudáveis. Os dados foram coletados a partir de entrevista face-a-face com as mães, por meio de aplicação de questionários estruturados, seguido da realização de exame físico extra-oral, intra-oral e avaliação antropométrica (peso e altura) das crianças. A magnitude da associação entre SCZ e os desfechos de interesse foi estimada pelo cálculo da razão de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança (IC 95%) pelo método da regressão de Poisson com estimativas de variância robusta. Resultados: Microcefalia e hipoplasia do terço médio da face foram observadas somente em crianças com SCZ, as quais também apresentaram maior prevalência da inserção anormal do freio labial superior (RP = 7.04, IC 95% 2.23 – 22.20), palato ogival (RP = 3.70, IC 95% 1.63 – 8.40), defeitos do esmalte (RP = 2.22, IC 95% 1.05 – 4.69) e atraso na erupção (RP = 8.89, IC 95% 1.16 – 68.32). Hábitos funcionais, amamentação não-exclusiva e baixo peso também foram mais comumente observadas entre as crianças com SCZ. Conclusão: Crianças com SCZ apresentam maior prevalência de hábitos funcionais, problemas relacionados à amamentação e baixo peso em relação a crianças saudáveis. Distúrbios do desenvolvimento e da erupção dos dentes e anomalias orofaciais também são mais comuns entre crianças com SCZ.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3545451 - PAULO RICARDO SAQUETE MARTINS FILHO
Interno - 3006739 - REGIANE CRISTINA DO AMARAL
Externo à Instituição - SAIONE CRUZ SA
Notícia cadastrada em: 21/08/2019 14:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r12176-a08508ab91