Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DIEGO DA CRUZ COELHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DIEGO DA CRUZ COELHO
DATA: 05/02/2014
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do CCBS
TÍTULO: A LEUCOPLASIA PILOSA ORAL COMO UM POSSÍVEL MARCADOR DE COMPROMETIMENTO IMUNE – ESTUDO CITOPATOLÓGICO EM PACIENTES SUBMETIDOS À TERAPIA IMUNOSSUPRESSORA
PALAVRAS-CHAVES: LEUCOPLASIA PILOSA, VÍRUS EPSTEIN-BARR, IMUNOSSUPRESSÃO
PÁGINAS: 51
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

A leucoplasia pilosa oral (LPO) é uma doença epitelial não maligna que ocorre normalmente nas bordas laterais da língua. Esta patologia é quase que exclusivamente vista em pacientes imunocomprometidos, particularmente em indivíduos infectados pelo HIV, onde a LPO pode servir como um indicador de progressão para a AIDS. Contudo, a LPO está relacionada com imunossupressão em geral, sendo descrita em pacientes que receberam terapia imunossupressora. Sua etiologia está relacionada com a infecção das células epiteliais da mucosa bucal pelo vírus Espstein-Barr. O diagnóstico da LPO geralmente é feito clinicamente e pode ser confirmado por biopsia, embora as características histopatológicas não sejam específicas para esta doença. Contudo, atualmente se aceita que a confirmação da presença do EBV no tecido, embora Milagres et al., em 2007, afirmaram que as alterações nucleares, que representam o efeito citopático do EBV nos queratinócitos (inclusão tipo Cowdry A, núcleo em “vidro fosco” e núcleo “em colar”), observadas em citopatologia, são específicas e suficientes para o diagnóstico definitivo da LPO. Não foi observado na literatura estudos que tenham verificado a prevalência de LPO em pacientes portadores de doença autoimunes sob terapia imunossupressora. Assim, o objetivo geral deste estudo foi avaliar a prevalência de leucoplasia pilosa oral, subclínica, em uma população de pacientes atendidos no Serviço de Reumatologia da Universidade Federal de Sergipe. Foram avaliados 40 pacientes portadores de doenças autoimunes, sob tratamento imunossupressor, recrutados a partir de demanda espontânea de uma população de pacientes regularmente atendidos no Serviço de Reumatologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe. Foram realizados anamnese e exame físico intraoral e, logo após, foram realizadas duas raspagens de borda lateral da língua, uma para cada lado, utilizando uma escova cervical (Absorve ®) para cada borda, com luvas de procedimento individual. Em seguida, foram realizados dois esfregaços em lâminas de vidro convencionais, as quais foram acondicionadas em frascos plásticos próprios, contendo álcool 96o para fixação e, por fim, enviadas ao laboratório de patologia do HU-UFS para serem coradas pela técnica de Papanicolaou. Posteriormente, consultado prontuário médico a fim de colher dados referentes ao diagnóstico da doença de base, tempo de diagnóstico, tipo e tempo de terapia imunossupressora e contagem leucocitária. Os esfregaços corados por Papanicolaou foram avaliados quanto às alterações nucleares representativas do efeito citopático do EBV, que representam o critério de diagnóstico citopatológico da leucoplasia pilosa oral. Foram avaliados 40 pacientes em tratamento com imunossupressores. A maioria dos pacientes examinados pertencia ao gênero feminino (70%) e a média geral de idade encontrada foi de 40,5±16,1 anos. Foi observado maior ocorrência de artrite reumatoide (42,5%), seguida de lúpus eritematoso sistêmico (30%), espondilite anquilosante (20%), artrite reumatoide juvenil (5%)) e psoríase (2,5%). O tempo de diagnóstico variou de 12-300 meses (mediana=114). Quanto a terapia imunossupressora, foi observado maior prevalência de tratamento com anti-TNFs (52,5%), com tempo de tratamento variando de 05-114 meses (mediana=24). A LPO subclínica foi observada em 52,5% dos pacientes.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1960776 - DEBORA DOS SANTOS TAVARES
Interno - 1111420 - LIANE MACIEL DE ALMEIDA SOUZA
Presidente - 426457 - MARTA RABELLO PIVA
Notícia cadastrada em: 21/01/2014 11:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10787-147c949b3