Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LEANDRO HENRIQUE ALBUQUERQUE BRANDÃO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LEANDRO HENRIQUE ALBUQUERQUE BRANDÃO
DATA: 25/03/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do DEF
TÍTULO: EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE HIGH-INTENSITY INTERVAL TRAINING SOBRE A RESPOSTA AGUDA METABÓLICA, DANO MUSCULAR E DESEMPENHO EM CORREDORES DE RUA RECREACIONAIS
PALAVRAS-CHAVES: Treinamento; Metabolismo; Aptidão cardiorrespiratória; Desempenho atlético
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

INTRODUÇÃO: Estudos avaliando as respostas do treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) têm crescido na literatura científica. Isso se baseia nas várias possibilidades de manipulação da dose nesse método, que podem modificar as respostas fisiológicas apresentadas pelas diferentes combinações. OBJETIVO: Avaliar o efeito agudo de dois protocolos de HIIT sobre a resposta metabólica, dano muscular e desempenho em corredores de rua recreacionais. MÉTODOS: Quinze corredores recreativos treinados (VO2máx 51,4 ± 5,7 mL.kg-1.min-1) realizaram dois protocolos de HIIT em pista. O vVO2max foi coletado usando o Montreal University Track Test. A duração do trabalho e a recuperação dos protocolos consistiram em 15:15 (H15) e 30:30 (H30) segundos e mesma intensidade (130% vVO2max. Amostras de sangue foram coletadas antes, após 5 e 10 minutos, após 24 e 48 horas após os protocolos para determinação de lactato (BLac: mmol/L), glicose (GLI: mg/dL), creatina quinase (CK: U/L) e Lactato desidrogenase (LDH: U/L). Foram verificadas distância percorrida (m), tempo total (s) e repetições de sprints (rep). RESULTADO: Diferenças significativas entre os grupos foram observadas na quantidade de sprints realizados (p=0,001; ES= 1,19), comportamento não observado no tempo total de estímulo (p=0,315; ES=0,55) e distância percorrida (p=0,199; ES=0,67). Em relação ao tempo houve diferença estatisticamente significante no BLac para as comparações pré vs pós5 (H15 e H30: p=0,001), pré vs pós10 (H15 e H30: p=0,001) e pós5 vs pós10 (H30: p= 0,004). Diferenças estatística também foram verificadas na GLI quando comparado pré vs pós5 (H15: p=0,002 e H30: p=0,012) e pós5 vs pós10 (H15: p=0,001 e H30: p=0,002). H15 e H30 também apresentaram significância na comparação entre pré e pós24 na CK (H15: p<0,001; ES=0,97 e H30: p=0,001; ES=0,74) e LDH (H15: p=0,008; ES=1,07 e H30: p=0,022; ES=0,85). Não foi observado diferença estatisticamente significante quando os grupos foram comparados nas variáveis sanguíneas. CONCLUSÃO: Ambos protocolos provocaram respostas similares em relação aos parâmetros analisados, no entanto, a magnitude das respostas de dano muscular foi maior no protocolo H15.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - Leonardo de Sousa Fortes
Presidente - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
Interno - 2571568 - RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
Notícia cadastrada em: 03/03/2020 15:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12692-c69972fb69