Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA VERENA ALVES CALMON ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA VERENA ALVES CALMON ALMEIDA
DATA: 10/12/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do DEF
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FÍSICA, CINESIOFOBIA, CATASTROFIZAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM SENSIBILIZAÇÃO CENTRAL
PALAVRAS-CHAVES: Lombalgia, Sensibilização Central, Capacidade Física, Qualidade de vida
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Introdução: Estima-se exista um subgrupo de pacientes que caracterize a sensibilização central. Tal condição é conhecida pelas alterações de vias neurológicas e de ativação do sistema nervoso central. Entretanto, o comportamento da capacidade física e de funcionalidade dos pacientes com lombalgia e sensibilização central é pouco conhecido. Objetivo: O objetivo desse trabalho foi comparar a capacidade física, catastrofização, cinesiofobia e qualidade de vida de pacientes maior e menor risco de sensibilização central. Métodos: O inventário de sensibilização central foi utilizado para caracterizar o risco de sensibilização central. Os pacientes foram avaliados quando a capacidade física por meio do teste de caminhada de seis minutos, teste time up and go, teste de sentar e levantar e testes de endurance de flexores e extensores do tronco. Além disso, foram utilizados os questionários: Rolland Morris Disability, Fear Avoidance Beliefs, Escala de Catastrofização da Dor e EQ-5D-3L. Resultados: Foram encontradas diferenças significativas para os testes funcionais, e teste de endurance de extensores do tronco. Entretanto, não houveram diferenças para a endurance de flexores do tronco. Todos os domínios da qualidade de vida apresentaram diferenças significativas entre os grupos. De forma semelhante, houveram diferenças para cinesiofobia, catastrofização da dor e incapacidade. Conclusão: Pacientes com maiores riscos de sensibilização central apresentam menor desempenho nos testes funcionais e maiores níveis de incapacidade, cinesiofobia, catastrofização da dor do que pacientes com menor risco de sensibilização central. A qualidade de vida do grupo com maior risco apresenta piores índices quando comparada àquele com menor risco de sensibilização.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2229468 - FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
Interno - 2297369 - ROBERTO JERONIMO DOS SANTOS SILVA
Externo ao Programa - 2584323 - DANILO RIBEIRO GUERRA
Notícia cadastrada em: 29/11/2019 09:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12762-01b8f192c5