Notícias

Banca de DEFESA: MARCELO DANILLO MATOS DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELO DANILLO MATOS DOS SANTOS
DATA: 25/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: AUDITORIO/DEF
TÍTULO: ANÁLISE DA AMPLITUDE DA PEGADA SOBRE INDICADORES NEURO MUSCULARES NO POWERLIFTING PARALÍMPICO
PALAVRAS-CHAVES: Larguras da pegada, Força dinâmica e isométrica, Taxa de desenvolvimento de força, Powerlifting Paralímpico.
PÁGINAS: 73
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Objetivo: Avaliar a força muscular dinâmica e isométrica, taxa de desenvolvimento de força e atividade elétrica muscular em relação às diferentes amplitudes da pegada em atletas do Powerlifting Paralímpico (PP). Metodologia: Foram avaliados 12 atletas do PP participantes do projeto de extensão da Universidade Federal de Sergipe. Faixa etária (25,40±3,30 anos), massa corporal (70,30±12,15 Kg) e experiência (2,45±0,21 anos) no esporte. Competidores em nível nacional, classificados, e ranqueados entre os dez melhores de suas respectivas categorias. Para avaliação das forças dinâmica (FDM) e isométrica (FIM), velocidade, tempo, taxa de desenvolvimento de força (TDF) e atividade muscular, foram utilizados um Encoder linear, Sensor de força, e um Eletromiógrafo. A avaliação perdurou cinco semanas, sendo que há primeira semana foi destinada a familiarização e ao teste de uma repetição máxima 1RM. As demais semanas foram destinadas as avaliações com diferentes larguras da pegada; 1x, 1,3x, 1,5x da distância bi acromial (DBA) e 81,0 centímetro entre os dedos indicadores, que é o máximo permitido no esporte. Resultados: Estudo 1: Houve diferença significativa (p = 0,019) no aumento da velocidade 1,52 ± 0,36 m/s para força dinâmica máxima relativa com 25% da força dinâmica máxima com a largura da pegada de 1,5x da DBA, resultados significativos no tempo (ms) (p = 0,030) (p = 0,032) (p = 0,030) com a pegada de 1,5x DBA para força isométrica com 30%, 50% e 100% (187,44 ± 85,81 ms, 312,66 ± 142,92 ms, 626,00 ± 285,98 ms). Nenhuma diferença entre os tipos de força e atividade muscular para ambas as larguras da pegada. Estudo 2: Não houve diferença na FIM entre as diferentes larguras da pegada e as distâncias da barra ao peito DBP. A pegada de 1x DBA gerou mais FIM e TDF com a barra encostada no peito BP, contudo, houve uma tendência às pegadas de 1,3x DBA, 1,5x DBA e 81 cm gerarem mais FIM e TDF (10, 20, 30 cm DBP, 653,84 ± 256,62 N, 859,25 ± 293,95 N, 1130,28 ± 390,22 N e 20 cm DBP, 2029,22 ± 1753,37; 30 cm DBP 1609,66 ± 1555,00 N.m.s-1 ) Conclusão: A largura da pegada de 1,5x DBA proporcionou aumento na FDM e FIM, velocidade, tempo para máxima força, maior ativação do peitoral maior parte esternal (PME) e deltoide anterior (DA). As pegadas de 1,3x DBA, 1,5x DBA e 81 cm promoveram FIM em relação à 10, 20, 30 cm DBP. Exceto para FIM BP onde a pegada de 1x DBA promoveu a maior FIM. A pegada de 1x DBA aumentou a TDF com BP e com 10 cm DBP, para 20 e 30 cm DBP as pegadas 1,3x DBA e 1,5x DBA geraram mais TDF no PP.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 3042399 - EDUARDO KALININE
Presidente - 2229468 - FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
Interno - 276.084.415-34 - SILVAN SILVA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 11/02/2019 15:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12762-01b8f192c5