Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARCELI MATOS ANDRADE MESQUITA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELI MATOS ANDRADE MESQUITA
DATA: 18/12/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do DEF
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA FORÇA DOS MÚSCULOS DO TRONCO: REPRODUTIBILIDADE E EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL E TRADICIONAL EM IDOSAS.
PALAVRAS-CHAVES: Teste reteste, idosos, músculo do tronco, confiabilidade dos dados; exercícios funcionais.
PÁGINAS: 47
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

A manutenção da força dos músculos do tronco apresenta grande importância na saúde em idosos, uma vez que está relacionada com um melhor desempenho e equilíbrio durante as atividades de vida diária. Entretanto, limitações são encontradas na literatura cientifica ao analisar os testes para mensurar a força desses músculos, de modo que compromete uma avaliação fiável dessa variável. O objetivo desta dissertação foi avaliar a reprodutibilidade do teste de força máxima dos músculos do tronco e aplicá-lo para avaliação de idosas após dois programas de treinamento específicos para esta população (Treinamento de força tradicional e Treinamento funcional). Para isto, foram realizados dois estudos: 1) O primeiro verificou a reprodutibilidade do teste de força máxima dos músculos do tronco em idosas, em dois dias de avaliações, através do Coeficiente de Correlação Interclasse, Coeficiente de Variação, Mínima Mudança Detectável, Erro Padrão de Medida, bem como análise gráfica de Bland-Altman. 2) Para o segundo estudo foi realizado um ensaio clínico randomizado e controlado com três grupos: treinamento funcional, treinamento tradicional e grupo controle. Os grupos de intervenção realizaram um treinamento com características funcionais e progressivo, de forma que o grupo treinamento tradicional realizou os exercícios em máquinas analíticas e o grupo treinamento funcional com características de padrões de movimentos de maneira multiplanar e coordenada, incorporando múltiplas articulações. Os grupos foram avaliados antes e após 12 semanas do treinamento através do teste de força máxima dos músculos do tronco. Foi observado alta a muita alta correlação interclasse (extensores=0,93; flexores=0,86, respectivamente); baixa variação (9% para os dois grupos musculares); e mínima mudança detectável aceitável (extensores=51,1 N; flexores=48,9 N). Além disso, a análise de Bland-Altman revela baixo viés e valores dentro dos limites de concordância. A partir da reprodutibilidade obtida para o teste e aplicadas 12 semanas de treinamento, foi constatado que o grupo treinamento funcional obteve melhora estatisticamente significativa para todas as variáveis analisadas: Teste de força máxima, taxa de desenvolvimento de força e endurance dos músculos extensores e flexores do tronco. O grupo treinamento tradicional foi superior apenas na variável de taxa de desenvolvimento de força dos músculos extensores do tronco. Assim conclui-se que o teste de força máxima para os músculos do tronco em idosas apresenta alta reprodutibilidade e que o treinamento funcional promove melhora na força máxima, taxa de desenvolvimento de força e endurance dos músculos do tronco. Além disso, o treinamento tradicional melhora a taxa de desenvolvimento de força dos músculos extensores do tronco.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2864087 - JADER PEREIRA DE FARIAS NETO
Interno - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
Presidente - 1849740 - ROGERIO BRANDAO WICHI
Notícia cadastrada em: 27/11/2017 09:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata4.fragata4 v3.5.16 -r12712-85cc87cea5