Notícias

Banca de DEFESA: NATALIE DE ALMEIDA BARROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NATALIE DE ALMEIDA BARROS
DATA: 21/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO DEF
TÍTULO: ANÁLISE DO DANO MUSCULAR, PICO DE TORQUE, FADIGA E ASSIMETRIA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINO DE FORÇA
PALAVRAS-CHAVES: métodos de treino; força muscular, dano muscular.
PÁGINAS: 73
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Introdução: O treinamento de força vem ganhando cada vez mais adeptos, devido aos benefícios que tem trazido para a saúde tanto na prevenção quanto no tratamento de diversas patologias. Dentre os diferentes tipos de treinamento de força, destacamse: o Kaatsu e o treinamento tradicional. Ambos apresentam ganhos no que diz respeito ao ganho de força e hipertrofia. Objetivo: analisar o dano muscular, pico de torque, fadiga e assimetria em diferentes métodos de treino de força. Métodos: A amostra do estudo foi composta por 10 indivíduos do sexo masculino, com idade entre 18 e 25 anos, praticantes de treinamento de força há pelo menos 12 meses. Todos foram submetidos a dois tipos de treinamento de força, realizados no aparelho de Leg Press 45°. Foi realizada coleta de sangue venoso para análise dos indicadores de dano muscular, antes, imediatamente após, 24 e 48 horas após a realização do treino, bem como coleta de imagens termográficas para análise de assimetria térmica dos membros exercitados. Resultados: Os resultados encontrados mostraram que a utilização do método Kaatsu promoveu maior dano muscular, maior índice de fadiga e menor pico de torque imediatamente após o treinamento, em relação ao mesmo momento no método tradicional. As concentrações de CK elevaram-se a 1093U/l no método Kaatsu e a 447,80U/l no método tradicional. Quanto ao pico de torque, este diminuiu após o exercício para 755,38N/m no método Kaatsu e 936, 28N/m no método tradicional. Já o índice de fadiga apresentou elevação de 58,28% e 37,30% em relação ao pré treino nos métodos Kaatsu e tradicional, respectivamente. No que diz respeito a termografia, a assimetria encontrada bilateralmente pode ser considerada normal, embora casos isolados devam ser observados com mais atenção, considerando parâmetros descritos na literatura. Conclusão: O treinamento com o método Kaatsu promoveu maior dano muscular, maior índice de fadiga e menor pico de torque quando comparado ao método tradicional, embora, tenha apresentado uma recuperação mais rápida. É necessário novas investigações a respeito desses métodos no intuito de tornar a realização desses treinamentos mais segura e eficaz aos praticantes.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1003924 - AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
Externo ao Programa - 2016178 - CARLOS OTAVIO DAMAS MARTINS
Presidente - 2229468 - FELIPE JOSE AIDAR MARTINS

Notícia cadastrada em: 08/02/2017 13:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata4.fragata4 v3.5.16 -r12646-2c874e3307