Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: BRUNO FARIAS CASTRO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BRUNO FARIAS CASTRO
DATA: 16/12/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório da didática II
TÍTULO: EFEITOS DO TREINAMENTO COM KETTLEBELL APÓS DIFERENTES FORMAS DE EXECUÇÃO, VOLUME E INTENSIDADE
PALAVRAS-CHAVES: Exercício balístico, treinamento intervalado e intervenção
PÁGINAS: 86
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Os benefícios da prática regular de atividade física, seja nos aspectos da saúde (prevenção e tratamento de patologias), ou por finalidade estética (emagrecimento e aumento de massa muscular) já foram profundamente investigados pela comunidade científica e são amplamente divulgados por praticamente todos os profissionais da saúde, programas de televisão, internet e redes sociais, o que tem contribuído positivamente na redução do sedentarismo mundial. Por outro lado, profissionais e empresários da indústria do fitness se aproveitam da crescente demanda por atividade física para lançar novos métodos de treinamento que prometem resultados “milagrosos” tanto para a saúde quanto para os parâmetros estéticos. A grande maioria destes lançamentos não duram mais de um verão e poucos são acompanhados de algum respaldo científico. O treinamento em circuito, método comprovado cientificamente por gerar positivas adaptações aos sistemas muscular e cardiorrespiratório simultaneamente, é uma exceção dentre estes lançamentos de verão. O treinamento com kettlebell também surgiu em mais um destes verões e tem sido tema de respeitadas investigações científicas para que seus reais efeitos sejam compreendidos. Desde que foi introduzido nos Estados Unidos, há aproximadamente quinze anos, a adesão à prática do treinamento com kettlebellscresceu exponencialmente e popularizou-se de forma que, atualmente, esta ferramenta está presente na preparação física de atletas profissionais das mais variadas modalidades esportivas, do atletismo ao vale tudo, e em diversos programas de treinamento físico para não atletas com diferentes objetivos como redução da gordura corporal, hipertrofia, aumento de força ou condicionamento cardiorrespiratório. Paralelamente, o número de publicações em revistas divulgativas sobre fitnessdestacando os benefícios e as vantagens do treinamento com kettlebells aumentava na mesma proporção, assim como livros e cursos dedicados à formação de instrutores de kettlebell. Entretanto, apenas a partir do ano 2010 a comunidade científica se aprofundou no estudo desta ferramenta de treinamento físico e começaram a surgir as primeiras pesquisas publicadas na língua inglesa e em respeitadas revistas especializadasem treinamento físico. Apesar de ainda ser escasso o número de investigações sobre a relação desta ferramenta e seus efeitos sobre as capacidades físicas, já foram demonstrados, por exemplo, a relação entre um período de treinamento com kettlebell e a força máxima, a potência e os níveis de dor na coluna, assim como já existem investigações sobre as forças mecânicas que ocorrem durante exercícios com kettlebell e seu consumo de oxigênio. O exercício básico, fundamental e pré requisito para os demais exercícios balísticos com kettlebell é o swing, provável motivo de estar presente em praticamente todos os protocolos de treinamento com kettlebell. O objetivo da primeira investigação deste trabalho foi avaliar e comparar a influência de um período de treinamento, utilizando as duas formas mais comuns de praticar o swing, sobre a qualidade de movimento e assimetria corporal. Após uma avaliação funcional do movimento, composição corporal, testes de força, potência, velocidade e resistência, e três sessões de familiarização, 21 voluntários foram divididos em dois grupos de acordo com a forma de execução do swing, unilateral (UNI) e bilateral (BI). Os dois grupos seguiram o mesmo protocolo de treinamento constituído de 20 minutos de duração para cada sessão, uma frequência de três vezes por semana em um período total de cinco semanas. Ambos os grupos apresentaram melhoras significativas em praticamente todas as variáveis dependentes e, apesar de não haver diferença significativa entre os grupos, ao analizar a qualidade do movimento, a magnitude do efeito foi maior para o grupo unilateral. A relação dose resposta, um dos maiores focos de investigação em treinamento físico, não tinha sido ainda investigada utilizando o kettlebell como ferramenta de treinamento e foi o principal objetivo da segunda intervenção deste trabalho. Ao final do estudo citado no parágrafo anterior foi respeitado um período de quatro semanas para elimirar os efeitos do treinamento e então iniciado o segundo estudo. Nesta intervenção foi permitido o ingresso de novos participantes caso já fossem praticantes de treinamento com kettlebell. Vinte e sete voluntários foram divididos em dois grupos, os quais praticavam o treinamento com kettlebell com diferente volume e intensidade, menor volume e maior intensidade (V↓I↑) e maior volume e menor intensidade(V↑I↓). Apesar da diferença entre volume e intensidade, a carga total (peso do kettlebell x repetições x séries) foi semelhante entre os grupos em todas as sessões. Tanto os testes quanto o período total de intervenção e frequência foram os mesmos do estudo anterior, entretanto, as sessões deste estudo tiveram duração de 50 a 60 minutos e compreendiam, além do swing, os exercícios de clean e snatch. Ambos os grupos apresentaram resultados com significância estatística em todos os testes com exceção da altura do salto vertical e velocidade. Este estudo levanta a hipótese de ser a carga total o maior responsável pelos efeitos do treinamento com kettlebell, independente do volume e da intensidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
Interno - 2229468 - FELIPE JOSE AIDAR MARTINS
Interno - 1849740 - ROGERIO BRANDAO WICHI
Notícia cadastrada em: 24/11/2015 13:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata4.fragata4 v3.5.16 -r12646-2c874e3307