A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: SUELI SILVA DE CARVALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SUELI SILVA DE CARVALHO
DATA: 27/07/2012
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de aula do prédio de Patologia do Departamento de Medicina-Hospital Universitário
TÍTULO:

Avaliação da viabilidade de Leishmania (L.) chagasi a  espécies reativas do oxigênio. Sergipe


PALAVRAS-CHAVES:

L.(L.) chagasi, Leishmaniose visceral, Viabilidade, menadiona.


PÁGINAS: 30
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Helmintologia de Parasitos
RESUMO:

As leishmanioses são doenças infeciosas causadas por protozoários do gênero Leishmania, parasitas intracelulares do sistema mononuclear fagocítico do hospedeiro. A infecção de macrófagos por Leishmania leva à ativação dessas células, desencadeando a eliminação ou a inibição do crescimento do patógeno com produção de moléculas tóxicas, como as espécies reativas de oxigênio (ROS) e de nitrogênio (RNI). A exposição a RNI e ROS de diferentes espécies de Leishmania  in vitro resulta em perda de suas viabilidades. Essa toxicidade tem sido documentada também em macrófagos murinos e humanos infectados com L. (L.) chagasi. Neste trabalho objetivamos avaliar in vitro a atividade leishmanicida da menadiona (um derivado da vitamina K, doador de ânion superóxido e de peróxido de hidrogênio) sobre isolados de L.(L.) chagasi, bem como a infectividade  dos parasitos com fenótipos de susceptibilidade e resistência à menadiona  em uma linhagem de macrófagos murinos J774. Dez isolados de L. (L.) chagasi (em fase de crescimento), obtidos de pacientes com leishmaniose visceral de Sergipe, foram expostos a concentrações crescentes de menadiona (0-750µM). Para avaliar a infectividade dos isolados de L. (L.) chagasi com fenótipos de susceptibilidade e resistência à menadiona (em fase estacionária de crescimento), promastigotas desse parasito foram adicionadas a culturas de células J774 por 24, 48 e 72 horas em placas LabTek. As placas foram coradas com Panótipo e o índice de parasitário foi determinado pelo produto da percentagem de macrófagos infectados multiplicado pelo número de amastigotes/100 macrófagos. A exposição de promastigotas de L. (L.) chagasi  a 750μM menadiona resultou na perda de viabilidade de 70% deles. Metade dos isolados testados apresentou perda de 50% de viabilidade a 500μM de menadiona. A susceptibilidade e a resistência a menadiona dos isolados LVHSE 23, 49 e 60 foram reproduzidas na infecção de macrófagos J774, quando se avalia seus índices parasitários no tempo de 72 horas de infecção. Em conclusão podemos afirmar que L (L.) chagasi naturalmente resistente a menadiona sobrevive melhor a ação de ROS em macrófagos murinos J774 do que as formas susceptíveis a esse agente leishmanicida.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 285930 - AMELIA MARIA RIBEIRO DE JESUS
Externo ao Programa - 2869587 - PATRICIA RODRIGUES MARQUES DE SOUZA
Presidente - 1038719 - PAULO DE TARSO GONCALVES LEOPOLDO
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

Notícia cadastrada em: 19/07/2012 09:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817