A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: LIZANDRA MAKOWSKI STEFFLER

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LIZANDRA MAKOWSKI STEFFLER
DATA: 30/07/2012
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 1 do PRODEMA
TÍTULO:

"Variabilidade genética de Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) no estado de Sergipe". 


PALAVRAS-CHAVES:

Aedes aegypti; Variabilidade genética; ISSR; SNP.


PÁGINAS: 56
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

Aedes aegypti é um importante vetor de graves arboviroses humanas como dengue, febre amarela e chikungunya em diversos países tropicais e subtropicais. O número de estudos envolvendo genética de população com Ae. aegypti vem crescendo nos últimos anos, sendo utilizados diversos marcadores moleculares para avaliar a variabilidade genética deste vetor. Entre os marcadores utilizados estão os ISSR (Inter-Simple Sequence Repeat) baseados na utilização de microssatélites como primers inespecíficos, e SNP (Single Nucleotide Polymorphism) que detectam mutações em bases únicas da cadeia de bases nitrogenadas. O objetivo do estudo foi determinar a variabilidade genética de populações de Ae. aegyti do estado de Sergipe por meio dos marcadores moleculares ISSR e SNP. Foram capturadas amostras do mosquito por meio de armadilhas ovitrampas de sete municípios sergipanos: Canindé de São Francisco, Carira, Pinhão, Neópolis, Maruim, Aracaju e Umbaúba. Para avaliação do polimorfismo genético foi extraído o DNA do mosquito adulto e amplificado com dois primers para ISSR e nove marcadores de SNP. Para o marcador ISSR a análise AMOVA resultou em 32% de variação genética entre as populações e 68% dentro da população.  O valor de phiST foi igual a 0,3225 indicando alta estruturação genética entre as populações. O dendograma gerado pelo método UPGMA agrupou as populações em dois clusters que apresentaram 61% de similaridade. O teste de Mantel por meio de correlação parcial entre as distâncias genética e rodoviária excluindo a interferência do tamanho da cidade foi significativo (r = -0,5399 e p = 0,0359), supondo a ocorrência de fluxo gênico entre as populações de Ae. aegypti de forma passiva pela ação humana. Para o marcador SNP a análise AMOVA revelou diferenciação genética entre as populações de FST = 0,07354 (p < 0,01) e diversidade genética entre as populações de 7,35%. A análise por meio do software Structure 2.3.1, evidenciou a existência de dois clusters baseados em semelhanças genotípicas. Por essa análise foi observada uma diferenciação genética entre populações localizadas no interior do estado e populações mais próximas do litoral. Ambos marcadores moleculares foram eficientes no estudo genético de populações naturais de Ae. aegypti, sendo possível diferenciar amostras numa escala geográfica entre 30km a 210km.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1690189 - EDILSON DIVINO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1897681 - LUCIANE MORENO ALONSO STORTI
Presidente - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 16/07/2012 09:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a