A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: AMANDA COSTA MACIEL

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMANDA COSTA MACIEL
DATA: 30/11/2022
HORA: 14:00
LOCAL: a definir
TÍTULO: Avaliação das células NK em pacientes com anemia falciforme na resistência à infecção por SARS-CoV-2
PALAVRAS-CHAVES: Células NK; Anemia Falciforme; COVID-19; resistência.
PÁGINAS: 42
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Imunologia
RESUMO:

A COVID-19, causada pelo vírus SARS-CoV-2, é infecciosa, de alta letalidade, com manifestações clínicas variáveis em que muitos indivíduos expostos ainda permanecem assintomáticos e/ou não infectados. A maioria dos pacientes infectados tem apresentado números reduzidos de linfócitos, principalmente as células NK, que atuam contra infecções virais a partir da produção de INF-γ, citotoxicidade direta e ADCC. Mas, a exposição ao SARS-CoV-2 não demonstra impactar no quadro clínico de portadores de anemia falciforme (AF) que são suscetíveis a infecção. Pacientes com AF vem apresentando elevação de células NK com fenótipo de citotoxicidade na fisiopatologia. Dessa forma, objetivou-se investigar o fenótipo das células NK em pacientes AF que tiveram COVID-19 a partir de um estudo transversal retrospectivo constituído por uma população de 72 indivíduos portadores de AF (HbS) entre vacinados/não vacinados e tratados ou não com hidroxiureia (HU), 7 pacientes diagnosticados com COVID-19 internados em enfermaria e 27 pacientes graves de COVID-19. Os resultados e análise preliminar mostram que os 25.37% dos pacientes AF não vacinados (p<0.001) foram expostos ao SARS-CoV-2, apresentaram IgG+ indicando a fase tardia da infecção. Mesmo com a vacinação, os níveis de IL-6 (p=0.109) e sTREM-1 (p= 0,136), citocinas inflamatórias relacionadas a infecção por SARS-CoV-2, são semelhantes nos pacientes AF. Pacientes AF sem tratamento de hidroxiureia (43.96±25.18) apresentam maior frequência de células NK (CD3-) do que controles sadios (p=0.007) (32.56±4.06) e infectados por SARS-CoV-2 (p= 0.037) (26.31±6.99). Pacientes AF vacinados (61.03±15.29) apresentam maior frequência de células NK(CD3-) do que os graves (39.78±26.83) (p=0.015). Pacientes AF sem tratamento de HU (34.21±19.15) (p<0,0001) e não vacinados (32.21±17.14) (p=0,0001) mostram maior proporção de células NKT (CD3+) do que vacinados (25.29±18.97) e pacientes em terapia medicamentosa (24.88±16.10). Pacientes AF sem terapia de HU (34.21±19.15) (p=0.0082) e não vacinados (34.24±32.54) (p=0.001) demonstram ter 6 vezes maior frequência da população de Linfócitos NK T citotóxicos do que controles (5.66±5.08), um alto grau citotóxico. Pacientes AF apresentam perfil fenotípico de NK inflamatória semelhante a infectados por SARS-CoV-2 (p>0.05). Pacientes não vacinados (p=0.01) (7.08±4.74) apresentam maior proporção de células NK citotóxicas do que pacientes graves (1.07±2.11), correspondendo 7.2 vezes maior frequência de NK citotóxica quando comparado a pacientes de UTI.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1070197 - CRISTIANE BANI CORREA
Externo ao Programa - 577945 - ROSANA CIPOLOTTI
Presidente - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

Notícia cadastrada em: 18/11/2022 12:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817