A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIANA FERREIRA GOES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA FERREIRA GOES
DATA: 30/11/2022
HORA: 09:00
LOCAL: https://meet.google.com/twe-iwir-yoi?hs=224
TÍTULO: Impacto da pandemia no controle da esquistossomose mansoni no estado de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Esquistossomose mansoni; epidemiologia; pandemia; COVID-19; análise espacial.
PÁGINAS: 28
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

A doença COVID-19 é causada pelo novo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave, teve seu primeiro caso relatado em dezembro de 2019 e foi declarada uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde em março de 2020 expressando um grave problema de saúde pública. Com o avanço da pandemia os programas governamentais de saúde pública e privada no Brasil direcionaram esforços para combater a doença, visando diminuir a morbidade e letalidade. Desta forma, as atividades que estavam relacionadas ao controle de doenças tropicais negligenciadas, como exemplo da esquistossomose, foram interrompidas drasticamente. O Brasil é um dos países com alta prevalência da esquistossomose, sendo o Nordeste uma das regiões mais endêmicas e Sergipe um dos estados mais prevalentes do país. O objetivo do estudo é avaliar os impactos do período de pandemia COVID-19 nas ações do programa de controle de esquistossomose mansoni no estado de Sergipe, Brasil. O estudo é do tipo ecológico e foi realizado no estado de Sergipe, nordeste do Brasil, utilizando os municípios que participam do PCE como unidades de análise. Os dados epidemiológicos foram coletados do banco de dados do Programa de Controle da Esquistossomose (PCE). Para a análise tendência temporal, foi utilizado o Programa de Regressão Joinpoint versão 4.7.0.0, onde foram utilizadas duas séries temporais, uma para o estado de Sergipe e outra por região de saúde do estado, entre os períodos de 2015 à 2019 e de 2015 à 2021, sendo as variáveis para a análise: a população trabalhada, o número de exames realizados, a taxa de positividade e a proporção de pessoas tratadas. Para a realização da análise espacial, foram elaborados mapas coropléticos, divididos por municípios, representando o excesso ou a redução dos casos de esquistossomose mansoni no Estado de Sergipe entre os anos de 2015 a 2019, e posteriormente comparado aos anos 2020 e 2021, anos referentes a pandemia COVID-19. Para tanto, utilizou-se o P-score dos casos novos de esquistossomose na população geral. Todos os mapas foram agrupados de forma anual entre o período de 2015 a 2021. Em seguida, os mapas temáticos foram estratificados 9 categorias de intervalos iguais de acordo com a porcentagem de excesso ou redução de casos: -100 a -75%; -75 a 50%; -50 a -25%; -25 a -0,1%; 0%; 0,1 a 25%; 25 a 50%; 50 a 75%; ≥75%. Para gerar os mapas coropléticos foi utilizado o software QGis, versão 3.18.3. Sendo assim, foi possível analisar espacialmente os casos de esquistossomose em Sergipe, permitindo observar as áreas mais críticas para elaborar mapas coropléticos, além de estratégias de prevenção e/ou eliminação da doença.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Interno - 013.641.934-85 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Externo ao Programa - 3146965 - TIAGO PINHEIRO VAZ DE CARVALHO

Notícia cadastrada em: 18/11/2022 12:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a