A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: WELDE NATAN BORGES DE SANTANA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: WELDE NATAN BORGES DE SANTANA
DATA: 17/11/2022
HORA: 14:00
LOCAL: a definir
TÍTULO: Avaliação do papel do antígeno PEP-6 no reconhecimento de IgG sérica na hanseníase
PALAVRAS-CHAVES: Mycobacterium leprae. Antígeno. Reação hansênicas. Imunodiagnóstico. Brasil.
PÁGINAS: 44
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Imunologia
RESUMO:

Apesar da implementação da poliquimioterapia (PQT) e redução da prevalência da hanseníase em diversas regiões, a doença ainda é endêmica em países como Índia, China e Brasil. No Brasil, o número de casos novos da hanseníase se estabilizou nos últimos anos, emas o país ainda ocupa o segundo lugar no mundo em número absoluto de casos. Além disso, a transmissão da doença ocorre sobremaneira em áreas de maior vulnerabilidade social e pobreza, ainda considerada uma doença tropical negligenciada. Atualmente, o diagnóstico da hanseníase é complexo e realizado somente em clínicas e laboratórios especializados. A dificuldade de diagnóstico rápido e preciso pode atrasar o início do tratamento e aumentar o risco de o paciente evoluir com reação hansênica e incapacidade física. Destarte, o desenvolvimento e validação de um teste que possa eficazmente diagnosticar pacientes com hanseníase no início da doença, principalmente em unidades básicas de saúde, é requerido. Considerando isso, o objetivo desse estudo é avaliar o papel do a antígeno recombinante PEP-6 no reconhecimento de IgG sérica em pacientes com hanseníase. Para tanto, serão testadas amostras de soro de pacientes com hanseníase e seus controles contactantes. As amostras foram coletadas no ambulatório de Dermatologia do Hospital Universitário da UFS. Foi aplicado também um questionário investigativo para a coleta de informações clínico-epidemiológicas dos sujeitos da pesquisa. As amostras foram analisadas pelo método de ELISA com antígeno PEP-6 no Laboratório de Imunologia e Genômica de Parasitos (LIGP), do Departamento de Parasitologia (ICB/UFMG). Foram dosados os níveis de IgG sérica. Os resultados foram analisados estatisticamente pelo Graphpad Prisma. As análises mostraram que houve predomínio de homens com a forma MB (61.25%) em comparação com PB (33,3%; p = 0.001). Como esperado, a média do número de lesões foi significativamente maior entre MB (8.69) do que PB (1.9; p-valor <0.0001). Quanto às reações hansênicas, a ocorrência foi significativamente maior entre MB (38,7%) do que PB (17.4%; p = 0.005). A ocorrência de grau 1 ou 2 foi significativamente maior entre os MB (51.2%), quando comparados aos PB (26,9%; p-valor = 0.003). Os níveis séricos de IgG anti-PEP6 foi significativamente maior em amostras de controles contactantes (média = 0.36 ± desvio padrão = 0.43), quando comparadas com os pacientes (0.24 ± 0.32; p <0.01) e controles saudáveis (0.14 ± 0.22; p-valor <0.001). Essa diferença foi observada também entre pacientes e controles saudáveis (p-valor <0.05). Interessantemente, níveis séricos de IgG anti-PEP6 foram significativamente mais elevados em pacientes com reação hansênica (0.395 ± 0.55), quando comparados àqueles sem reação (0.183 ± 0.14; p = 0,001). A expectativa é que com a realização desse estudo e a validação da eficiência desse antígeno e paralelamente de outros antígenos que vem sendo testados, possa ser desenvolvido um teste rápido eficiente para diagnóstico da hanseníase, e considerando os achados nos episódios reacionais, possam identificar precocemente a manifestação de reação hansênica, especialmente o tipo II. Esse teste pode melhorar o diagnóstico preciso da doença, principalmente em áreas mais pobres, minimizar as chances de pacientes evoluírem para as formas mais graves e transmissíveis da doença, e o risco de desenvolver complicações clínicas, como reação hansênica e incapacidade física.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALINE SILVA BARRETO
Externo ao Programa - 1977523 - DIEGO MOURA TANAJURA
Presidente - 013.641.934-85 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS

Notícia cadastrada em: 04/11/2022 11:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - dragao3.dragao3 v3.5.16 -r18277-8067e35817