A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALESSANDRA FAUSTINO DA CONCEICAO BEZERRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALESSANDRA FAUSTINO DA CONCEICAO BEZERRA
DATA: 30/11/2021
HORA: 09:00
LOCAL: on line
TÍTULO: DINÂMICA EVOLUTIVA DO ROTAVÍRUS A EM SERGIPE NO PERÍODO PÓS-VACINAL DE 2006 A 2020
PALAVRAS-CHAVES: Rotavírus. Diarreia Infantil. Vacina. Filogenia.
PÁGINAS: 38
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Genética
SUBÁREA: Genética Molecular e de Microorganismos
RESUMO:

O rotavírus do grupo A (RVA) é o principal agente etiológico das gastroenterites em crianças com idade inferior a 5 anos de idade, sendo responsável por milhares de mortes anuais causadas por diarreia e milhões de hospitalizações. Em 2006 foi introduzida no Brasil a vacina monovalente Rotarix como o intuito de diminuir os casos de diarreia provocadas pelo RVA. Entretanto, mesmo com a redução no número de mortes o vírus ainda é responsável por milhões de casos de diarreia infantil ao ano. O RVA apresenta alta diversidade e genótipos variados, devido sua capacidade de rearranjo genético, que pode levar ao aparecimento de novas cepas que não são reconhecidas pelos componentes vacinais. Diante disto, este trabalho tem como objetivo verificar a evolução viral dos rotavírus circulantes no Estado de Sergipe entre 2006 a 2020. Foram utilizadas amostras do banco de amostras do Rotavírus sergipanas já coletadas de 2006 a 2020. As amostras ainda não diagnosticadas foram triadas por RT-qPCR para infecções por RVA. As amostras positivas para RVA foram utilizadas para sequenciamento dos genes que codificam as proteínas externas VP7 e VP4 para genotipagem dos rotavírus circulantes e ainda com fins de estabelecer a dinâmica evolutiva desse vírus em um ambiente pós-vacinal. No período de janeiro de 2013 a janeiro de 2019, foram coletadas 901 amostras, onde dessas 163 (18,1%) foram positivas para o RVA. Das amostras positivas foi possível sequenciar 3 amostras para o genótipo VP7 e 5 amostras para o genótipo VP4, onde obteve-se uma identidade superior a 99,3% e 97,5%, respectivamente. Foram identificados dois genótipos de G (G1 e G3) e dois genótipos de P (P4 e P8). Na análise inicial foram observadas diversas mutações do tipo pontual e rearranjos ao longo de todas as sequências de G e P, quando comparada com as sequências disponíveis no GenBank. Na análise filogenética, foi observado que as sequências do genótipo G pertencem a linhagens advindas da Bélgica e dos Estados Unidos, e em relação ao genótipo P seria de linhagem advinda do Quênia.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CLIOMAR ALVES DOS SANTOS
Presidente - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Interno - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

Notícia cadastrada em: 15/11/2021 08:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817