A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LUIZ FERNANDO DE JESUS NASCIMENTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZ FERNANDO DE JESUS NASCIMENTO
DATA: 06/10/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Defesa remota
TÍTULO: Prevalência da infecção por Leishmania spp. em gatos (Felis catus) do município de Aracaju, Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Diagnóstico Imunológico; rKDDR-Plus®; Leishmaniose felina; Prevalência; Brasil
PÁGINAS: 44
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Protozoologia de Parasitos
RESUMO:

As leishmanioses fazem parte do conjunto de doenças tropicais negligenciadas e são causadas por parasitos intracelulares obrigatórios do gênero Leishmania. A Leishmaniose Visceral (LV), forma mais grave da doença, pode levar à morte caso não seja diagnosticada e tratada corretamente. Cosmopolita, no Brasil é endêmica, está em processo de expansão territorial e possui caráter zoonótico. Sabe-se que o cão (Canis lupus familiaris) é considerado o reservatório urbano mais importante, porém estudos recentes vêm relatando o aumento no número de gatos (Felis catus) com Leishmania spp. tanto no mundo, quanto no Brasil, resultando na Leishmaniose Felina (LFe). Nesse sentido, acredita-se que gatos possam estar participando do ciclo epidemiológico, comportando-se como reservatórios de parasitos, contribuindo para a manutenção da LV. Embora a região nordeste do Brasil exiba maiores valores de prevalência para a LV no país, alguns estados não apresentam estudos publicados acerca da LFe, dentre eles o estado de Sergipe, endêmico para a LV canina e humana. Atualmente, não existe um teste específico para diagnosticar gatos com leishmaniose, assim, o diagnóstico é realizado através da junção de exames laboratoriais, dados epidemiológicos e avaliação clínica. Para o diagnóstico em cães, no Brasil, os testes mais utilizados têm sido os sorológicos e os imunocromatograficos (Testes Rápidos-TR), como DPP Bio-Manguinhos® (FIOCURUZ, Brasil) e recentemente o rKDDR® (Safetest Diagnósticos, Brasil). Um teste diagnóstico sensível e específico para gatos seria importante para compreender a epidemiologia da doença, viabilizando estratégias a fim de controlar a disseminação da LV. Dessa forma, o objetivo desta pesquisa é investigar a presença da LFe em Aracaju, nordeste do Brasil, e avaliar o novo antígeno rKDDR-Plus®, oriundo do rKDDR®, para o diagnóstico da LV em gatos. Foram realizadas coletas de sangue da jugular e swab de conjuntiva ocular dos gatos de abrigo e domiciliados. A triagem das amostras foi realizada através do TR rKDDR-plus® e através de ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA) rKDDR-Plus®. Dos 93 gatos analisados até o momento, 36,2% (34/93) foram positivos na ELISA rKDDR-plus e 7,5% (7/93) no TR, em ambos os testes a soropositividade foi de 39,78% (37/93). Para os animais soropositivos, 64,8% (24/37) apresentaram pelo menos um sinal clínico compatível com a doença. Os resultados indicam evidências sorológicas de animais com anticorpos anti-Leishmania no município de Aracaju e que o antígeno rKDDR-plus® pode ser uma ferramenta útil para diagnóstico da LFe principalmente quando empregado em ELISA. Posteriormente, serão coletadas amostras de gatos domiciliados e será realizada a reação em cadeia da polimerase (PCR) visando a detecção e caracterização molecular das espécies de Leishmania presentes no tecido conjuntival e sanguíneo dos animais sororreagentes.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JOAO LUIS REIS CUNHA
Presidente - 1703964 - SILVIO SANTANA DOLABELLA
Interno - 3063214 - VICTOR FERNANDO SANTANA LIMA

Notícia cadastrada em: 14/09/2021 11:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817