A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ALEXANDRA GIOVANNA ARAGÃO LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALEXANDRA GIOVANNA ARAGÃO LIMA
DATA: 30/04/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Defesa remota
TÍTULO: Infestação e infectividade de Aedes aegypti em área de investigação clínica de uma vacina da dengue
PALAVRAS-CHAVES: arboviroses; PCR; Aedes aegypti; entomologia médica.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
RESUMO:

A dengue é um problema de saúde pública devido a sua elevada incidência e aos danos sociais e econômicos gerados à população. Uma das formas de prevenção e controle da dengue é o desenvolvimento de vacinas, atualmente em estudos, incluindo algumas em testes de segurança e eficácia de fase III, como está sendo realizado em Laranjeiras, município sergipano. Para verificar a circulação viral na área em que vive a população vacinada, buscou-se avaliar a taxa de infecção mínima (TIM) para dengue em fêmeas de Aedes aegypti em sítio de investigação clínica da vacina da dengue. Além disso, foi realizada a investigação dos criadouros de larvas nas residências dos participantes e a coleta de mosquitos adultos utilizando um capturador elétrico. Os mosquitos coletados foram triados por espécie e sexo e as fêmeas de Aedes foram analisadas molecularmente por PCR para detecção do vírus da Dengue. A pesquisa foi realizada em 200 residências das 600 com participantes do estudo, distribuídas em todas as áreas de residências da cidade. Foi obtido o total de 1903 mosquitos adultos: 1452 do gênero Culex, 447 Ae. aegypti e 4 Aedes albopictus. Dentre Aedes capturados, 243 eram fêmeas de Ae. aegypti e uma era de Ae. albopictus. Essas 244 fêmeas de Aedes foram separadas por residência e espécie em pools. Dos 100 pools formados, cinco foram positivos para DENV. Todos formados por mosquitos da espécie Ae. aegypti. Quatro amplificaram para o sorotipo DENV-1 e um amplificou para DENV-2. Dessa forma, a TIM de Ae. aegypti foi de 20,5. Foi utilizado o número de fêmeas de Aedes para calcular o índice de densidade que correspondeu a 1,22 fêmeas por casa. Nos domicílios também foi investigada a presença de recipientes com larvas. Esse dado foi utilizado para calcular o índice de infestação predial que equivaleu a 21% das residências.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALLAN KARDEC RIBEIRO GALARDO
Interno - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Presidente - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

Notícia cadastrada em: 12/04/2021 10:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817