A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DHARLITON SOARES GOMES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DHARLITON SOARES GOMES
DATA: 14/08/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Defesa remota
TÍTULO: Atividade in vitro do óleo essencial e compostos majoritários de diferentes quimiotipos de Lippia alba e Lippia gracilis sobre vermes adultos de Schistosoma mansoni
PALAVRAS-CHAVES: Óleos essenciais; Esquistossomose; Lippia spp; Compostos majoritários.
PÁGINAS: 35
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

As esquistossomíases são doenças, de veiculação hídrica, causadas por trematódeos do gênero Schistosoma. Das espécies mais comuns que parasitam o homem, as de maior relevância são Schistosoma mansoni, Schistosoma japonicum e Schistosoma haematobium. Destas, o S. mansoni é o trematódeo causador da esquistossomose mansônica, sendo a única espécie encontrada no Brasil. A quimioterapia é o método mais utilizado atualmente para o combate à esquistossomose, sendo o praziquantel (PZQ) o fármaco recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Por ser um medicamento utilizado em larga escala nos programas de controle e por não prevenir reinfecções, há uma preocupação com o aparecimento de parasitos resistentes. Alguns trabalhos já demonstraram a eficácia de algumas espécies de plantas do gênero Lippia frente a diversos parasitos patogênicos. Neste sentido, esse trabalho tem como objetivo avaliar o efeito in vitro dos óleos essenciais de diferentes quimiotipos de L. alba e L. gracilis e seus componentes majoritários sobre vermes adultos de S. mansoni. O estudo fitoquímico foi realizado por meio da hidrodestilação dos óleos essenciais de três quimiotipos de L. alba e L. gracilis e a sua composição química determinada por CG-MS. Óleos essenciais e compostos majoritários de Lippia spp. serão testados frente aos vermes adultos. Os parasitos serão mantidos durante cinco dias e monitorados a cada 24 horas para avaliação da motilidade e mortalidade. Análise ultraestrutural será realizada a partir da microscopia eletrônica de varredura, a fim de identificar danos ao parasito. O ensaio do MTT será realizado para avaliar a citotoxicidade dos óleos essenciais e compostos majoritários testados. O estudo fitoquímico dos óleos essenciais de L. alba culminou na identificação dos dos compostos majoritários: quimiotipo LA-13, citral e limoneno; LA-24, linalol e citral; LA-70, carvona e limoneno. Para L. gracilis foram determinados os seguintes componentes majoratários: LG-106, timol e o-cimeno; LG-108, carvacrol e o-cimeno; LG-201, carvacrol, γ-terpineno e o-cimeno. Alguns estudos já evidenciaram o potencial desses compostos frente a diversos patógenos e a segurança da sua utilização na indústria alimentícia, cosmética e farmacêutica. Sendo assim, esses resultados nos encorajam a prosseguir com os testes in vitro.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - DEBORAH APARECIDA NEGRÃO-CORRÊA
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Presidente - 1703964 - SILVIO SANTANA DOLABELLA

Notícia cadastrada em: 20/07/2020 11:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817