A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCIELMA SANTOS BITTENCOURT

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCIELMA SANTOS BITTENCOURT
DATA: 06/08/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Apresentação remota
TÍTULO: Receptividade da Área de Conservação Ambiental Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco ao Vírus da Febre Amarela
PALAVRAS-CHAVES: Febre amarela; arboviroses; ecologia de vetores; Mata Atlântica; primatas
PÁGINAS: 33
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

Os surtos de febre amarela relatados no Brasil durante a segunda metade do século XX estavam restritos a Região Amazônica e a Região Centro-Oeste. Porém, desde 1999 a doença ressurgiu além dos limites das áreas endêmicas estabelecidas. Devido à recente expansão do vírus no país é importante a vigilância dos potenciais vetores e dos primatas não humanos que poderão ser vitimados pela doença e também amplificar o vírus. Desta forma, o objetivo deste trabalho é avaliar a receptividade da Unidade de Conservação Refúgio da Vida Silvestre Mata do Junco no município de Capela ao vírus da febre amarela. Para este estudo, estão sendo realizadas coletas de mosquitos para a identificação dos vetores bem como a circulação viral. Os imaturos são capturados com ovitrampas instaladas em pontos previamente determinados, estes são levados ao insetário onde são mantidos até a emergência dos adultos, que então são identificados. Os adultos são capturados com aspirador manual, a nível de solo e a nível de copa, e então transportados vivos para o laboratório, onde as fêmeas são identificadas e congeladas para serem submetidas aos procedimentos de identificação viral por PCR. Também foi coletado sangue de primatas não humanos para sorologia. Os dados estão sendo analisados no programa estatístico Bioestat 5.3. Da coleta de imaturos foram identificados, até o momento, 773 exemplares de mosquitos adultos, sendo 604 fêmeas e 169 machos. Observou-se riqueza de 14 espécies distribuídas em seis gêneros: Aedes,Culex, Haemagogus, Limatus, Toxorynchites e Wyeomyia. Da coleta de adultos foi capturado o total de 238 fêmeas de culicídeos apresentando riqueza de 10 espécies distribuídas em oito gêneros. Foram armazenados 31 pools para a realização de PCR. A coleta de sangue foi realizada por punção na veia femoral de três fêmeas de saguis, adultas jovens.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - HELENE MARIKO UENO
Interno - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Presidente - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 19/07/2020 11:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - dragao2.dragao2 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a